Homens, cães e livros | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Dia de confissão de Allan Folsom pela Rocco (2004)
>>> Evolução uma Introdução de Stephen C. Stearns e Rolf F. Hoekstra pela Atheneu (2003)
>>> O x da questão de Eike Batista pela Primeira pessoa (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo (2010)
>>> O trem partiu de Maria Luiza Pereira Ervilha pela Thessaurus (2013)
>>> O pomar de laranjeiras de Kathryn Harrisson pela Objetiva (1995)
>>> Como Trabalhar para um Idiota de John Hoover pela Futura (2005)
>>> O Segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Cultura (2002)
>>> As sete irmãs de Lucinda Riley pela Novo conceito (2014)
>>> Manual ilustrado dos remédios florais do Dr. Bach de Philip M. Chancellor pela Pensamento (1995)
>>> Star Wars : Sombras do império (como novo) de Steve Perry pela Aleph (2015)
>>> Princesa de Jean P. Sasson pela Best Seller (2002)
>>> O desafio japonês de Hakan Hedberg pela Lia (1970)
>>> História do Automóvel - Fascículo 4 de Expressão e Cultura pela Expressão e Cultura
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Entardecer de Menotti Del Picchia pela MPM (1978)
>>> Viagem ao centro da Terra de Júlio Verne pela Pé da letra (2019)
>>> Introduccion a la economia (Espanhol) de Maurice Dobb pela Popular (1959)
>>> Under the duvet de Marian Keyes pela Penguin books (2001)
>>> Bala na agulha de Marcelo Rubens Paiva pela Siciliano (1992)
>>> Número zero de Umberto Eco pela Record (2015)
>>> Perspectivas do novo sindicalismo de José Ibrahim pela Loyola
>>> A Direção do Olhar do Adolescente de Ana Luiza O. Buratto / Maria Rita C. Dantas pela Artmed (1998)
>>> A vida da igreja de Dong Yu Lan pela Alimento diário (2012)
>>> A mídia e a modernidade de John B. Thompson pela Vozes (1998)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/8/2002
Homens, cães e livros
Adriana Baggio

+ de 10100 Acessos
+ 8 Comentário(s)

"Quando ouço falar do caráter, da lealdade e da dedicação dos cães, fico impassível. Todos os meus cães foram uns patifes, ladrões e encrenqueiros, mas mesmo assim amei todos eles."

Helen Hayes

Não é engraçado que os cães, apesar de serem chamados de os melhores amigos dos homens, tenham sua denominação utilizada para exemplificar as situações ou os tipos menos nobres da humanidade?

Um homem sem caráter, traiçoeiro, mau, é chamado de cachorro. Algumas mulheres de virtude e intenções duvidosas são chamadas de cadelas. Nossos dias, quando muito difíceis, são de cão. Se foi de muito trabalho, estivemos "working like a dog", como já diziam os Beatles. Com tantos animais menos nobres, mais egoístas, o cão foi o escolhido para representar o diabo. Como se não bastasse ser parecido com o satanás, ainda fazem com que o cão esteja associado com a feiúra. Quem nunca encontrou uma criatura tão horrorosa que mais parece o cão chupando manga?

Antes as injustiças que se praticam contra os cães ficassem apenas no plano verbal. A realidade é muito mais cruel. Cachorros e animais de várias espécies são covardemente maltratados por quem não gosta deles, e pior, até por quem diz que gosta. E o cão, coitado, é o único animal que se afeiçoa ao homem incondicionalmente. O cachorro vê em seu dono um deus, um amo, o senhor do seu destino. Que, por pior que seja, ele aceita mansamente, sem muito protesto. É por isso que o maltrato é cruel. Porque o cão não deixa de amar seu dono, mesmo não tendo nenhum tipo de retribuição de seu afeto.

Algumas das sutilezas das relações entre os homens e os cães são retratadas de maneira singela e inteligente por Roger Grenier, em seu livro "Da dificuldade de ser cão" (Companhia das Letras, 2002). Singela porque o autor aborda as diferentes situações pelas quais passaram cachorros famosos da história, ou cachorros de pessoas famosas. Da forte ligação, quase umbilical, entre um cão e seu dono, à doentia relação de crueldade, cada texto aborda um aspecto diferente, mas sempre tendo o cão como personagem principal, e motivo em torno do qual giram algumas das permanentes reflexões da humanidade.

Os relatos são, também, profundamente inteligentes. Não espere, como em "Um dia de cão", de Jim Dratfield (Bertrand Brasil, 2002), um passeio leve e agradável por imagens de cães de diversas raças - ou de raça nenhuma - e frases motivadoras. Um dos grandes atrativos do livro de Roger Grenier é a riqueza da linguagem, a sutileza do texto. Talvez para obrigar uma leitura mais atenta, e para frustrar aqueles que subestimam o conteúdo, ao autor deixa lacunas entre as frases, os pensamentos, as conclusões. O leitor tem a oportunidade de participar da construção do texto em seu aspecto de significação. O preço para esse prazer é a exigência de atenção, respeito e amor pelo escrito - justamente o tipo de comportamento que devemos ter para com os cães.

Grenier também não comete o pecado da condescendência. Cita obras e pessoas conhecidas, outras nem tanto, mas sempre supondo um conhecimento prévio do leitor. Conhecimento esse que, com certeza, passa de um nível básico. Todas as ramificações que as referências do texto possibilitam servem para enriquecer ainda mais o relato - e para dar água na boca. Cada pequeno texto de Roger Grenier é a ponta solta de um novelo. O leitor acaba ficando como um gatinho - perdoem a interferência dos gatos neste tema -, alegremente distraído com o desenrolar do emaranhado de fios. São muitos os novelos, e muitas as pontas soltas que prometem um milhão de passeios interessantes pela história dos homens e dos cães.

Roger Grenier e Jim Dartfield têm em comum o fato de abordarem o mundo dos cachorros a partir de uma visão mais realista. Se Grenier mostra a história real de pessoas reais e seus cães, o autor de "Um mundo cão" aborda outro aspecto da realidade: a de que nem todos os cães (e nem todos os homens), nascem com pedigree. São mais de 100 páginas de fotos de cachorros vira-latas, ou cachorros de raças indefinidas, ou cachorros de raças muito esquisitas, que não despertam o carinho egoísta das crianças. Cada foto merece a companhia de uma frase. As frases, assim como as imagens, remetem ao que Jim explica no início do livro: "somos uma nação de vira-latas e celebramos o triunfo da personalidade sobre a herança de berço. Acreditamos que, se tivermos caráter, determinação e inteligência, poderemos vir a ser alguma coisa na vida".

O espírito é esse: assuma seu lado vira-lata, tire o melhor proveito dele, e tenha personalidade. Os cães não se importam de serem feios, esquisitos, deformados - às vezes por culpa de cruéis tolices cometidas por nós, humanos. Independentemente da aparência deles, e da nossa, eles amam. E como diz Jim, "o amor não tem pedigree".

Para ir além







Adriana Baggio
Curitiba, 15/8/2002


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Querido, eu me rendo - 2/5/2002
05. Homens, cães e livros - 15/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/8/2002
1.
12h45min
Cara Adriana, como aerofobo devo concordar que nao pode haver animal mais carinhoso e dedicado que o cao. Nos deveriamos toma-los como exemplo de moral e conduta.
[Leia outros Comentários de Aguinaldo Silva]
16/8/2002
11h37min
Suponho que aerofobia seja medo de ar, vento, essas coisas. Me corrija se eu estiver errada. Nesse caso, imagino que você passe muito tempo fechado, em companhia do seu cão. Realmente, eles são amorosos, alegres, divertidos. Várias vezes me pego rindo sozinha com as estripulias do meu poodle. Desfaz qualquer mau humor!
[Leia outros Comentários de Adriana]
18/8/2002
19h28min
Parabéns pelo texto , depois de ler este resumo imediatamente liguei para minha irmã e lhe forneci os nomes dos livros citados, ela adora tem 12 caes vira-latas num sitio perto de Porto Alegre RS . Um Abraço .
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
19/8/2002
08h40min
Tenho certeza que ela vai adorar! Também sou apaixonada por cães, e tenho um carinho especial pelos vira-latas. Se um dia for muito rica, vou recolher todos os cães abandonados que encontrar pela frente!
[Leia outros Comentários de Adriana]
21/8/2002
17h15min
Estou chegando da formosa cidade de João Pessoa, a pesar da lluvia, é um lindissímo lugar que recomendo a todos que ainda não conhecem. Os cães todos sabemos em maior ou menor grau como são únicos em demonstrar e dar amor sem qualquer segundas intenções, como seria bom que os seres humanos aprendamos com os cães como é bomse amar sem nada pedir em troca.
[Leia outros Comentários de Roberto]
22/8/2002
23h00min
Se a gente amasse sem esperar nada em troca, com certeza seríamos mais tranqüilos, e nos machucaríamos menos. Tudo que a gente faz sem grandes expectativas acontece de maneira menos traumática. Afinal, se você não espera nada, o que vier é lucro. Mas quem agüenta? Que graça tem não passar pela ansiedade da antecipação?
[Leia outros Comentários de Adriana]
1/9/2002
7.
09h43min
Amei esta coluna;sou louka por cães;para mim não existe um animal mais magnífico do que eles!!!Gostaria muito de ter um,mas como moro em apartamento e não sou a dona dele,ainda não tenho o prazer de tê-lo.
[Leia outros Comentários de Fernanda Vianna]
1/9/2002
15h35min
Obrigada pelo comentário, Fernanda. Espero que logo você consiga ter o seu cão. Enquanto isso, o jeito é se contentar com os cães na literatura, nas fotos...
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ao Deus Desconhecido: Um Ensaio Ontológico
Wilson Silva
Kúrios
(2015)



Curso de Direito Comercial - Falência e Recuperação de Empresa
Sérgio Campinho
Saraiva Jur
(2018)



Reiki Universal (Sistema Usui, Tibetano, Osho, Kahuna)
Johnny De' Carli
Madras
(1999)



O Estado Babá
David Harsanyi
Litteris
(2011)



Sampaio Bruno Prosa
Joel Serrão
Agir
(1960)



Saude - Série Bem-estar (2007)
Lilian Rossetti; Heloisa Noronha
Publifolha
(2007)



Tex Nº 104
G. L. Bonelli
Vecchi
(1979)



Administração de Hotelaria Hospitalar
Fadi Antoine Taraboulsi
Atlas
(2003)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record/Altaya
(1995)



De La Grâce et de Lhumanité de Jésus
Jacques Maritain
Desclee de Brouwer
(1967)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês