Todos querem ser cool | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
Mais Recentes
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Galera Junior (2015)
>>> Alimentação sem Carne de Eric Slywitch pela Alaúde (2016)
>>> Maus: A História de um Sobrevivente - História Completa de Art Spiegelman pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alex no País dos Números de Alex Bellos pela Companhia das Letras (2011)
>>> A História da Medicina de Anne Rooney pela M. Books (2013)
>>> História da Arte Italiana - 3 Volumes de Giulio Carlo Argan pela Cosac Naify (2003)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa (Edição Especial Capa Dura) de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2021)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> O Outono da Idade Média de Johan Huizinga pela Cosac Naify (2010)
>>> Vocabulário da Psicanálise de Laplanche e Pontalis pela Martins Fontes (1998)
>>> Meditações Diárias Para Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Rocco (2009)
>>> Supertição no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2001)
>>> Marketing Trends de Francisco Alberto Madia de Souza pela Makron Books (2000)
>>> Retorno Do Investimento Em Capital Humano de Jac Fitz-enz pela Makron Books (2001)
>>> O Gigante Enterrado de Kazuo Ishiguro pela Companhia das Letras (2017)
>>> O Fim Do Poder de Moisés Naím pela Leya (2013)
>>> Introdução as Obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan de J. D. Nasio pela Jorge Zahar (1995)
>>> Amor Incondicional E Perdão de Edith Stauffer pela Totalidade (2007)
>>> Tarde Demais de Colleen Hoover pela Record (2022)
>>> A Bíblia Dos Meninos de Carolyn Larsen pela Mundo Cristão (2000)
>>> Peter Camenzind de Hermann Hesse pela Todavia (2022)
>>> Cuidando da Família em Crise de T. Berry Brazelton pela Martins Fontes (1991)
>>> Livro Game Of Thrones: Guia Completo Da Serie Da Hbo de Bryan Cogman pela Leya (2013)
>>> Talvez Uma Historia De Amor de Martin Page pela Rocco (2009)
>>> Por Voce- Vol. 1 de Laurelin Paige pela Fabrica231 (2015)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/6/2002
Todos querem ser cool
Adriana Baggio
+ de 21200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O que é cool? Como definir cool? O que é preciso para ser cool?

Para começar, todas essas perguntas são uncool. Não há uma regra para definir o que é cool. A gente sabe quando vê. Da mesma maneira que não se ensina como ser cool. Ou é, ou não é. E também é muito ridículo ficar tentando ser cool. É como usar uma roupa bem cortada, de caimento perfeito, mas que não tem nada a ver com biotipo da pessoa. Parece farsa. E farsa é totalmente uncool.

Essa é uma preocupação que esquenta principalmente a cabeça de adolescentes e jovens adultos. O pessoal mais velho não se amofina muito com isso. Será que é porque perceberam que não vale a pena? O fato é que, quanto mais velhos ficamos, mais tolerantes nos tornamos com as coisas uncools da vida, mas que dão muito prazer. Tipo comer churros de doce de leite. É totalmente uncool, mas é divino.

Percebendo o grande potencial de influência e consumo que os aspirantes a cool possuem, as empresas e suas marcas passaram a prestar mais atenção a esse tipo de tendência que é difícil de medir cientificamente. Depois que as teorias do comportamento do consumidor ficaram acessíveis a um maior número de empresas, permitindo mapear o comportamento humano em busca de indícios do que as pessoas estão dispostas a comprar, esse tipo de ferramenta deixou de ser um grande diferencial competitivo. Do outro lado, os novos consumidores parecem não se encaixar mais nos padrões estabelecidos, e ousam não responder aos estímulos que, teoricamente, deveriam botar em funcionamento o comportamento esperado. É quase como se os ratinhos daquelas experiências psicológicas de estímulo e resposta tivessem sacado o esquema e decidissem boicotar os cientistas. Outro fato é que as crianças, adolescentes e jovens adultos têm muita quantidade e fácil acesso à informação. Ao invés de receber informações de maneira passiva, sem poder selecionar muito, e de conviver somente com pessoas fisicamente próximas, a nova geração procura ativamente o que quer saber e com quem quer se relacionar, mesmo que uma coisa ou outra esteja a milhares de quilômetros de distância. Isso faz com que as pessoas encontrem exatamente o que querem. E normalmente o que eles querem é cultura pop. Se antes o gosto e as influências eram determinados em casa, na escola e no círculo de amigos próximos, hoje as opções de referencial são muito mais amplas. A tendência também é que esses referenciais sejam facilmente descartáveis, já que a possibilidade de atualização é muito rápida. Assim, o que é cool hoje, pode não ser amanhã.

Procurando se embrenhar na seleção cool da garotada as empresas passaram a mudar suas estratégias de posicionamento de marca. Em um dos capítulos de seu livro Sem logo - a tirania das marcas em um planeta vendido (Record, 2002), Naomi Klein mostra como grandes marcas estão fazendo o seu branding de acordo com a tendência cool diagnosticada nas ruas, nos colégios, nas universidades, nos lugares freqüentados por quem é ou quer ser cool. Ela cita empresas como Nike e Tommy Hilfiger, por exemplo, cujos departamentos de marketing têm acesso às mais modernas ferramentas para o desenvolvimento da marca, mas que estão voltando aos primórdios do que se pode chamar de opinião pública, para saber com quem ou com o quê devem se associar. Para isso, essas empresas contratam os cool hunters, ou seja, pessoas que são cool, que freqüentam lugares cool, para que identifiquem tendências. Chega daquelas salas de vidros espelhados onde são feitas as pesquisas qualitativas. Para identificar o cool é preciso que a fauna esteja em seu habitat natural.

Para ser uma marca cool não basta estar nos lugares certos, como patrocinando um show, por exemplo. Nesse caso, a marca foi imposta, forçosamente associada ao evento. E como os ratinhos viciados nos testes de laboratório, o público percebe a estratégia que funcionou por anos e decide boicotar o patrocínio. É por isso que as marcas precisam ser incorporadas naturalmente. É por isso que as marcas deixam de se apropriar da cultura para virar cultura. Para conseguir isso, empresas estão tomando atitudes impensáveis há alguns anos. Em vez de combater a pirataria e os furtos em suas lojas, algumas companhias fazem vista grossa para essas ações que, na realidade, alimentam de grifes a comunidade negra urbana dos Estados Unidos, por exemplo. A cultura hip hop é forte entre os negros, e é cool entre os brancos. Para ser bem didática, um típico representante da cultura hip hop usando um tênis Nike faz com que a marca seja incorporada à cultura, que por sua vez será consumida em todos os seus aspectos por cools de todas as raças.

Uma empresa chamada Signs of the Time espalhou 25 cool hunters pela Europa para identificar o que faz sucesso entre os jovens, com o objetivo de ajudar suas empresas clientes a planejar estratégias de marketing e comunicação. A pesquisa identificou como cool elementos tão díspares como as Nike Towns (grandes lojas temáticas da Nike) e os movimentos antiglobalização. Ou seja, ao mesmo tempo em que é cool usar Nike, ou melhor, viver a experiência Nike, também é cool protestar contra a globalização e seus efeitos nocivos às economias menos desenvolvidas. Por aí se percebe que o conceito cool não tem nada a ver com politização, consciência social, ética e outros valores. A Nike é um dos exemplos mais famosos de utilização do trabalho infantil e de exploração de economias subdesenvolvidas, sem retorno à comunidade onde está inserida.

Para ser cool as coisas precisam proporcionar uma experiência, de preferência agradável. Com as marcas acontece a mesma coisa. Essa busca acaba sendo meio hedonista, e lembra muito os dândis ingleses do final do século XIX. Faz parte do comportamento cool ser indiferente, não se exaltar, evitar o que é mainstream e saudar o alternativo. O cool acaba sendo uma armadilha, porque o que é alternativo hoje acaba sendo mainstream amanhã.

Ser cool também é uma saída para se sobressair quando não se têm outras qualidades de destaque. Para ser cool não é preciso ser rico, bonito ou inteligente. Sobrepondo esse modelo às marcas, temos a comprovação do esquema através da pesquisa que revisa Fortune publicou no início desta semana: um grupo de analistas e executivos identificou quais as empresas mais cool nos segmentos de mídia, comunicações e biotecnologia. Nenhuma delas é a mais rica, ou a mais famosa, ou a mais conhecida. A campeã no segmento mídia foi a Pyra Labs, que desenvolve blogs, aqueles diários online tão em voga no momento (e que são ótimos difusores da cultura cool); no segmento comunicações a campeã foi a FHP Wireless, que trabalha com redes sem fios; e no setor de biotecnologia, a 1747, uma empresa que testa medicamentos em pacientes do mundo todo obtendo as respostas através da internet (curiosidade: o nome é relativo ao ano em que foram feitas as primeiras experimentações médicas no mundo, à bordo de um navio).

Voltando às definições do que é ser cool, mesmo que isso seja uncool, fica a pergunta: será que é cool usar marcas que estão fazendo de tudo para ser cool? O grande lance do cool é a inacessibilidade. Para ser cool não é permitido que seja fácil de entender, de encontrar, de consumir. A partir do momento em que as marcas começam a sistematizar esse conhecimento, ele deixa de ser autêntico e passa a ser artificial, uma farsa. Assim como tentar ser cool pode ser desgastante para uma pessoa, também pode ser prejudicial para as marcas. Uma vez caindo na desgraça desse grupo, a recuperação leva muito tempo. Algumas empresas mais pé-no-chão tem uma visão cautelosa sobre a perseguição do be cool. Extraindo do Sem logo...: "'O cool ainda é impalpável para nós', diz Bill Benford, presidente da empresa de roupas para atletismo L.A. Gear, e quase se espera que ele corte seus pulsos como algum garoto de 15 anos ansioso e incapaz de encarar o exílio no recreio da escola antes de outro período letivo."

Fontes:



Sem logo - a tirania das marcas em um planeta vendido, Naomi Klein, Record, 2002.

Isto é cool!, por Patricia Freixo.

www.fortune.com.


Adriana Baggio
Curitiba, 27/6/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) de Cassionei Niches Petry
02. O fim do livro didático de Marcelo Spalding
03. 2011 e meus álbuns de Rafael Fernandes
04. Minha história com Guimarães Rosa de Julio Daio Borges


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Querido, eu me rendo - 2/5/2002
05. Homens, cães e livros - 15/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/6/2002
09h33min
A palavra cool significa a própria farsa. A tentativa de ser diferente, mas sendo igual aos outros de maneira diferente. É o que tem de pior, a falsa moralidade. São tão escravos da indústria cultural quanto aqueles que a não a percebem. Pois, os seguidores da moda cool, percebem a indústria mas se movem como tal....fazendo moda. Criando muito mais estilo e forma que conteúdo. O texto de Adriana, diz que hoje as pessoas consomem o que querem. Infelizmente tenho que descordar dessa afirmativa. As pessoas acham que querem, mas já estão com o vírus da indústrial cultural instalados em seu poder de consumo, não tem como fugir, tudo hoje virou POP . E o inverso de POP é POP.
[Leia outros Comentários de Felipe]
28/6/2002
10h34min
Eu acho, Felipe, que a busca por ser cool é uma necessidade muito grande de auto-afirmação. E é por isso que não acontece muito com as pessoas mais maduras. Como você mesmo indica, é um porcesso desgastante. Mas as marcas perceberam que é uma tendência que deve ser levada em conta se quiserem atingir um grande público consumidor, que são os adolescentes e jovens adultos. E é justamente aí que entra o ponto em que falo que as pessoas consomem o que querem. Não importa se esse querer é autêntico ou imposto. O que importa é que, quando surge o desejo, o produto já está lá para ser consumido. E é isso que Nike, Adidas, Satrbucks, Tommy Hilfiger e outras marcas estão fazendo. Aqui no Brasil isso ainda é incipiente, perto do que acontece nos EUA. O que não deixa de ser uma vantagem para nós. Mas é justamente por sermos relativamente "virgens" nesse aspecto que nosso país é considerado o grande mercado do presente e do futuro.
[Leia outros Comentários de Adriana]
28/6/2002
10h50min
Concordo plenamente. O reflexo da cultura "cool", infelizmente traz um comportamento que mistifica aqueles que não são cool mas também não se comportam que a indústria deseja. Vou fazer um apelo, para o pessoal do cool way of life. Um bom exemplo hoje é, trabalhar com cultura, você precisa ser cool. Vestuário, gostos musicais.....tudo pela status cool. Para essa classe, peço mais personalidade e respeito a palavra CULTURA. As pessoas que realmente estão fazendo alguma coisa pela cultura e trabalhando com sua essência, sabem que a cultura cool é extamente a negação da cultura. Um abraço Adriana... Felipe
[Leia outros Comentários de Felipe]
28/6/2002
16h15min
Concordo que muita gente ligada à cultura também alimenta o cool. Mas infelizmente, as próprias manifestações culturais acabam sendo adotadas pelo pessoal do cool como elementos de identificação. E isso acontece porque a cultura ainda é muito elitista. E o que é autêntico, popular, acaba sendo rechaçado.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Com os corações cheios de amor
Rabino Mattisyahu Salomon
ArtScrll Series



Antologia Efémera 1950-2000
E. M. de Melo e Castro
Lacerda
(2000)



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Sucos e Vitaminas para Crianças
Amanda Cross
Manole
(2007)



O Universo Simbólico da Criança: Olhares Sensível para a Infância
Adriana Friedmann
Vozes
(2005)



O discurso da homossexualidade feminina
Denise Portinari
Brasiliense
(1989)



Otelo
Hildegard Feist
Scipione
(2015)



You Can Be Happy no Matter What
Richard Carlson
New World Library
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Bela Distração Irmãos Maddox - Livro 1
Jamie Mc Guire
Verus
(2014)



Ele Vem do Fundão
Dyonelio Machado
Ática
(1982)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês