Todos querem ser cool | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
Mais Recentes
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai-Lama pela Sextante (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1999)
>>> Mais que Amigos de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2002)
>>> T. N. T. Nossa Força Interior de Claude M. Bristol e Harold Sherman pela Ibrasa (1980)
>>> Ana Karênina de Leão Tolstói pela Abril Cultural (1971)
>>> O Senhor do Mundo de Julio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Klick
>>> Diário de Giovanni Papini pela Nacional (1966)
>>> O Estoicismo Romano - Sêneca, Epicteto, Marco Aurélio de Reinholdo Aloysio Ullmann pela Edipucrs (1996)
>>> Complexo de Cinderela de Colette Dowling pela Melhoramentos (1995)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Abril Cultural (1981)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/6/2002
Todos querem ser cool
Adriana Baggio

+ de 18100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O que é cool? Como definir cool? O que é preciso para ser cool?

Para começar, todas essas perguntas são uncool. Não há uma regra para definir o que é cool. A gente sabe quando vê. Da mesma maneira que não se ensina como ser cool. Ou é, ou não é. E também é muito ridículo ficar tentando ser cool. É como usar uma roupa bem cortada, de caimento perfeito, mas que não tem nada a ver com biotipo da pessoa. Parece farsa. E farsa é totalmente uncool.

Essa é uma preocupação que esquenta principalmente a cabeça de adolescentes e jovens adultos. O pessoal mais velho não se amofina muito com isso. Será que é porque perceberam que não vale a pena? O fato é que, quanto mais velhos ficamos, mais tolerantes nos tornamos com as coisas uncools da vida, mas que dão muito prazer. Tipo comer churros de doce de leite. É totalmente uncool, mas é divino.

Percebendo o grande potencial de influência e consumo que os aspirantes a cool possuem, as empresas e suas marcas passaram a prestar mais atenção a esse tipo de tendência que é difícil de medir cientificamente. Depois que as teorias do comportamento do consumidor ficaram acessíveis a um maior número de empresas, permitindo mapear o comportamento humano em busca de indícios do que as pessoas estão dispostas a comprar, esse tipo de ferramenta deixou de ser um grande diferencial competitivo. Do outro lado, os novos consumidores parecem não se encaixar mais nos padrões estabelecidos, e ousam não responder aos estímulos que, teoricamente, deveriam botar em funcionamento o comportamento esperado. É quase como se os ratinhos daquelas experiências psicológicas de estímulo e resposta tivessem sacado o esquema e decidissem boicotar os cientistas. Outro fato é que as crianças, adolescentes e jovens adultos têm muita quantidade e fácil acesso à informação. Ao invés de receber informações de maneira passiva, sem poder selecionar muito, e de conviver somente com pessoas fisicamente próximas, a nova geração procura ativamente o que quer saber e com quem quer se relacionar, mesmo que uma coisa ou outra esteja a milhares de quilômetros de distância. Isso faz com que as pessoas encontrem exatamente o que querem. E normalmente o que eles querem é cultura pop. Se antes o gosto e as influências eram determinados em casa, na escola e no círculo de amigos próximos, hoje as opções de referencial são muito mais amplas. A tendência também é que esses referenciais sejam facilmente descartáveis, já que a possibilidade de atualização é muito rápida. Assim, o que é cool hoje, pode não ser amanhã.

Procurando se embrenhar na seleção cool da garotada as empresas passaram a mudar suas estratégias de posicionamento de marca. Em um dos capítulos de seu livro Sem logo - a tirania das marcas em um planeta vendido (Record, 2002), Naomi Klein mostra como grandes marcas estão fazendo o seu branding de acordo com a tendência cool diagnosticada nas ruas, nos colégios, nas universidades, nos lugares freqüentados por quem é ou quer ser cool. Ela cita empresas como Nike e Tommy Hilfiger, por exemplo, cujos departamentos de marketing têm acesso às mais modernas ferramentas para o desenvolvimento da marca, mas que estão voltando aos primórdios do que se pode chamar de opinião pública, para saber com quem ou com o quê devem se associar. Para isso, essas empresas contratam os cool hunters, ou seja, pessoas que são cool, que freqüentam lugares cool, para que identifiquem tendências. Chega daquelas salas de vidros espelhados onde são feitas as pesquisas qualitativas. Para identificar o cool é preciso que a fauna esteja em seu habitat natural.

Para ser uma marca cool não basta estar nos lugares certos, como patrocinando um show, por exemplo. Nesse caso, a marca foi imposta, forçosamente associada ao evento. E como os ratinhos viciados nos testes de laboratório, o público percebe a estratégia que funcionou por anos e decide boicotar o patrocínio. É por isso que as marcas precisam ser incorporadas naturalmente. É por isso que as marcas deixam de se apropriar da cultura para virar cultura. Para conseguir isso, empresas estão tomando atitudes impensáveis há alguns anos. Em vez de combater a pirataria e os furtos em suas lojas, algumas companhias fazem vista grossa para essas ações que, na realidade, alimentam de grifes a comunidade negra urbana dos Estados Unidos, por exemplo. A cultura hip hop é forte entre os negros, e é cool entre os brancos. Para ser bem didática, um típico representante da cultura hip hop usando um tênis Nike faz com que a marca seja incorporada à cultura, que por sua vez será consumida em todos os seus aspectos por cools de todas as raças.

Uma empresa chamada Signs of the Time espalhou 25 cool hunters pela Europa para identificar o que faz sucesso entre os jovens, com o objetivo de ajudar suas empresas clientes a planejar estratégias de marketing e comunicação. A pesquisa identificou como cool elementos tão díspares como as Nike Towns (grandes lojas temáticas da Nike) e os movimentos antiglobalização. Ou seja, ao mesmo tempo em que é cool usar Nike, ou melhor, viver a experiência Nike, também é cool protestar contra a globalização e seus efeitos nocivos às economias menos desenvolvidas. Por aí se percebe que o conceito cool não tem nada a ver com politização, consciência social, ética e outros valores. A Nike é um dos exemplos mais famosos de utilização do trabalho infantil e de exploração de economias subdesenvolvidas, sem retorno à comunidade onde está inserida.

Para ser cool as coisas precisam proporcionar uma experiência, de preferência agradável. Com as marcas acontece a mesma coisa. Essa busca acaba sendo meio hedonista, e lembra muito os dândis ingleses do final do século XIX. Faz parte do comportamento cool ser indiferente, não se exaltar, evitar o que é mainstream e saudar o alternativo. O cool acaba sendo uma armadilha, porque o que é alternativo hoje acaba sendo mainstream amanhã.

Ser cool também é uma saída para se sobressair quando não se têm outras qualidades de destaque. Para ser cool não é preciso ser rico, bonito ou inteligente. Sobrepondo esse modelo às marcas, temos a comprovação do esquema através da pesquisa que revisa Fortune publicou no início desta semana: um grupo de analistas e executivos identificou quais as empresas mais cool nos segmentos de mídia, comunicações e biotecnologia. Nenhuma delas é a mais rica, ou a mais famosa, ou a mais conhecida. A campeã no segmento mídia foi a Pyra Labs, que desenvolve blogs, aqueles diários online tão em voga no momento (e que são ótimos difusores da cultura cool); no segmento comunicações a campeã foi a FHP Wireless, que trabalha com redes sem fios; e no setor de biotecnologia, a 1747, uma empresa que testa medicamentos em pacientes do mundo todo obtendo as respostas através da internet (curiosidade: o nome é relativo ao ano em que foram feitas as primeiras experimentações médicas no mundo, à bordo de um navio).

Voltando às definições do que é ser cool, mesmo que isso seja uncool, fica a pergunta: será que é cool usar marcas que estão fazendo de tudo para ser cool? O grande lance do cool é a inacessibilidade. Para ser cool não é permitido que seja fácil de entender, de encontrar, de consumir. A partir do momento em que as marcas começam a sistematizar esse conhecimento, ele deixa de ser autêntico e passa a ser artificial, uma farsa. Assim como tentar ser cool pode ser desgastante para uma pessoa, também pode ser prejudicial para as marcas. Uma vez caindo na desgraça desse grupo, a recuperação leva muito tempo. Algumas empresas mais pé-no-chão tem uma visão cautelosa sobre a perseguição do be cool. Extraindo do Sem logo...: "'O cool ainda é impalpável para nós', diz Bill Benford, presidente da empresa de roupas para atletismo L.A. Gear, e quase se espera que ele corte seus pulsos como algum garoto de 15 anos ansioso e incapaz de encarar o exílio no recreio da escola antes de outro período letivo."

Fontes:



Sem logo - a tirania das marcas em um planeta vendido, Naomi Klein, Record, 2002.

Isto é cool!, por Patricia Freixo.

www.fortune.com.


Adriana Baggio
Curitiba, 27/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
02. A Imagem do Som de Fabio Gomes
03. Escrevemos para nós mesmos (?) de Rafael Rodrigues
04. Pílulas blogueiras de cinema de Marcelo Miranda
05. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! de Adriana Baggio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/6/2002
09h33min
A palavra cool significa a própria farsa. A tentativa de ser diferente, mas sendo igual aos outros de maneira diferente. É o que tem de pior, a falsa moralidade. São tão escravos da indústria cultural quanto aqueles que a não a percebem. Pois, os seguidores da moda cool, percebem a indústria mas se movem como tal....fazendo moda. Criando muito mais estilo e forma que conteúdo. O texto de Adriana, diz que hoje as pessoas consomem o que querem. Infelizmente tenho que descordar dessa afirmativa. As pessoas acham que querem, mas já estão com o vírus da indústrial cultural instalados em seu poder de consumo, não tem como fugir, tudo hoje virou POP . E o inverso de POP é POP.
[Leia outros Comentários de Felipe]
28/6/2002
10h34min
Eu acho, Felipe, que a busca por ser cool é uma necessidade muito grande de auto-afirmação. E é por isso que não acontece muito com as pessoas mais maduras. Como você mesmo indica, é um porcesso desgastante. Mas as marcas perceberam que é uma tendência que deve ser levada em conta se quiserem atingir um grande público consumidor, que são os adolescentes e jovens adultos. E é justamente aí que entra o ponto em que falo que as pessoas consomem o que querem. Não importa se esse querer é autêntico ou imposto. O que importa é que, quando surge o desejo, o produto já está lá para ser consumido. E é isso que Nike, Adidas, Satrbucks, Tommy Hilfiger e outras marcas estão fazendo. Aqui no Brasil isso ainda é incipiente, perto do que acontece nos EUA. O que não deixa de ser uma vantagem para nós. Mas é justamente por sermos relativamente "virgens" nesse aspecto que nosso país é considerado o grande mercado do presente e do futuro.
[Leia outros Comentários de Adriana]
28/6/2002
10h50min
Concordo plenamente. O reflexo da cultura "cool", infelizmente traz um comportamento que mistifica aqueles que não são cool mas também não se comportam que a indústria deseja. Vou fazer um apelo, para o pessoal do cool way of life. Um bom exemplo hoje é, trabalhar com cultura, você precisa ser cool. Vestuário, gostos musicais.....tudo pela status cool. Para essa classe, peço mais personalidade e respeito a palavra CULTURA. As pessoas que realmente estão fazendo alguma coisa pela cultura e trabalhando com sua essência, sabem que a cultura cool é extamente a negação da cultura. Um abraço Adriana... Felipe
[Leia outros Comentários de Felipe]
28/6/2002
16h15min
Concordo que muita gente ligada à cultura também alimenta o cool. Mas infelizmente, as próprias manifestações culturais acabam sendo adotadas pelo pessoal do cool como elementos de identificação. E isso acontece porque a cultura ainda é muito elitista. E o que é autêntico, popular, acaba sendo rechaçado.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GEOGRAFIA: O MUNDO EM TRANSIÇÃO - VOLUME ÚNICO - ENSINO MÉDIO
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
ÁTICA
(2014)
R$ 39,91



O SONHO DE EVA
CHICO ANES
NOVO CONCEITO JOVEM
(2012)
R$ 23,28



O VAMPIRO LESTAT
ANNE RICE
ROCCO
(1999)
R$ 17,90



O MONGE E O EXECUTIVO
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE/ GMT
(2018)
R$ 32,00
+ frete grátis



A NOITE DA MEMÓRIA
PÉRICLES EUGÊNIO DA SILVA RAMOS
ART
(1988)
R$ 30,00



O ENCONTRO DE LAMPIÃO COM SATURNINO NO INFERNO
LUIZ GONZAGA DE LIMA
LUZEIRO LTDA
(2016)
R$ 7,00



STRESS - VOCÊ PODE SER O PRÓXIMO - PREVINA-SE
JOÃO VILAS BOAS
PARADIGMA
(2010)
R$ 6,90



ENCONTROS, DESENCONTROS & REENCONTROS
MARIA HELENA MATARAZZO
GENTE
(1996)
R$ 25,00



LUZ E SOMBRAS
LUDWING WITTGWNATEIN
MARTINS FONTES - MARTINS
(2018)
R$ 15,00



A SELEÇÃO
KIERA CASS
SEGUINTE
(2014)
R$ 29,13





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês