Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
58188 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
>>> Designer e arquiteto brasileiro, Giovanni Vannucchi participa da VIIBienal Ibero-americana de Design
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Pouca gente sabe
>>> O chilique do cabeleireiro diante da modelo
>>> Paradiso por Metheny
>>> A nova propaganda anda ruim
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> Manual para o leitor de transporte público
>>> Ganha-pão
Mais Recentes
>>> Contabilidade Geral e Avançada Esquematizadotizado de Eugenio Mototo pela Saraiva Jur (2018)
>>> Floriano Peixoto - Vida e Governo de Francolino Camêu e Arthur Vieira Peixoto pela A Noite (1925)
>>> Annaes das Guerras do Brazil com os Estados do Prata e Paraguay de Coronel J. S. Torres Homem pela Imprensa Nacional (1911)
>>> "E o sangue brasileiro correrá..." de Elvaldo de Alarcon pela Du Barry (1942)
>>> O punhal nazista no coração do Brasil de Capitão Antônio Carlos Mourão Ratton (e outros) pela Imprensa Oficial do Estado de Santa Catarina (1943)
>>> História da II Guerra Mundial 1939-1945 (6 volumes) de Edgar Mc Innis pela Globo (1958)
>>> A Canção de Ariel de Martins Fontes pela Comissão glorificadora de Martins Fontes (1938)
>>> Passagens: Estudos sobre a filosofia de Kant de Ricardo Terra pela Ufrj (2003)
>>> Vathek de William Beckford pela L&PM Pocket (2007)
>>> Natureza e ilustração: Sobre o materialismo de Diderot de Maria das Graças de Souza pela Unesp (2002)
>>> Hume et la fin de la philosophie de Yves Michaud pela Quadrige / PUF (1999)
>>> Hume: Une Philosophie Des Contradictions de Jean-Pierre Cléro pela Vrin (1998)
>>> Hume's Philosophy of Religion de J. C. A Gaskin pela MacMillan (1988)
>>> Machado de Assis: equívocos da crítica de Alfredo Jacques pela Iel (1974)
>>> Diálogos com Leuco de Cesare Pavese pela Cosac & Naify (2012)
>>> Subjetividade, Espaço E Tempo Em David Hume de Monica Loyola Stival pela Humanitas / FAPESP (2015)
>>> Biologia 1(ensino médio) biologia das células de Amabis Martho pela Moderna plus (2010)
>>> História conexões de Alexandre Alves, Letícia Fagundes pela Moderna plus (2013)
>>> Geografia conexões de Lygia Terra, Regina Araújo e Raul Borges pela Moderna plus (2012)
>>> Atividade em Feltro Foguete dos Cálculos de Claudia Maria Bertuqui Ribeiro pela Feltro (2020)
>>> Contribuição para a História da Revolução Constitucionalista de 1932 de Euclydes Figueiredo pela Livraria Martins (1954)
>>> Por São Paulo e pelo Brasil de João Neves pela Sem (1933)
>>> A Revolução Constitucionalista de Herculano C. e Silva pela Civilização Brasileira (1932)
>>> Química 1 (ensino médio) de Tito Canto pela Moderna plus (2010)
>>> Prefiero Espanol (ensino médio) 1 de Gretel Eres Fernandez pela Moderna (2010)
>>> A Columna Romão Gomes de Herbert V. Levy pela Saraiva & Cia (1933)
>>> Literatura (ensino médio) 1 de Maria Luiza M. Abaurre e Marcela Pontara pela Moderna plus (2010)
>>> Um Desconhecido de Danielle Steel pela Record (1999)
>>> Capacete de Aço de Affonso de Carvalho pela Civilização Brasileira (1933)
>>> Palmo a Palmo (a Lucta no Sector Sul) de Cap. Alves Bastos pela Sociedade Impressora Paulista (1932)
>>> Preces Atendidas de Danielle Steel pela Record (2009)
>>> Matemática (ensino médio) 1 de Manoel Paiva pela Moderna plus (2013)
>>> Agora Nós! de Paulo Duarte pela Sem (1927)
>>> Um Mundo que Mudou de Danielle Steel pela Record (1996)
>>> Revolucione sua qualidade de vida de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> O poder de cura da linhaça de Conceição Trucom pela Alaúde (2015)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Riográfica (1986)
>>> 000 Contra Moscou Viagem ao País do Medo de Ibrahim Sued pela Bloch (1965)
>>> 1 de Janeiro de 1993 o Que Vai Mudar na Europa de Peter Sutherland pela Ed 70 (1993)
>>> 10 Anos de Aventuras na História - as Reportagens Fundamentais de Da Editora pela Abril (2013)
>>> 10 Décadas: a História do Santos Futebol Clube de Celso Jatene pela Companhia Ed Nacional (2012)
>>> 10. 000 Anos de Descobertas de Bruno Kaiser pela Melhoramentos
>>> 100 Crônicas Escolhidas Rubem Braga de Rubem Braga pela José Olympio (1958)
>>> 100 Dicas de Marketing Sexual para Homens de Roberto Bo Goldkorn pela Best Seller (2006)
>>> 100 Dicas Infalíveis para Emagrecer e Se Manter Em Forma de Fred A. Stutman M D pela Sextante (2010)
>>> 100 Dicas Infalíveis para Emagrecer e Se Manter Em Forma de Fred A. Stutman pela Sextante (2010)
>>> 100 Escovadas Antes de Ir para a Cama de Melissa Panarello pela Objetiva (2004)
>>> 100 Magias para Guardar Segredos de As Bruxinhas Witch pela Edelbra (2002)
>>> 1000 Perguntas Falências e Concordatas de Waldir Vitral pela Rio (1983)
>>> 1001 Dicas & Conselhos Úteis para Usar Melhor Seu Computador de Readers Digest pela Seleções Readers Digest (2002)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/11/2015
Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs
Julio Daio Borges

+ de 2600 Acessos

O título original é "Becoming Steve Jobs" e eu prefiro. Tornando-se Steve Jobs. No gerúndio e com pronome. Talvez, em português, não fosse vendável...

"Mais uma biografia do Steve Jobs?", você pode perguntar. "Não teve aquela, do Walter Isaacson?", você também pode perguntar

Pois é, teve; e foi aquela que a maioria das pessoas leu. Porque ficou pronta, exatamente, antes de Steve Jobs morrer. E foi distribuída logo após sua morte

Pode-se dizer que é a biografia que ele queria que todo mundo lesse. Até porque foi a única para qual ele colaborou. Até escolheu o biógrafo - o mesmo de Benjamin Franklin e Albert Einstein

Mas esse é, justamente, o problema da biografia de Walter Isaacson: é muito laudatória; "chapa-branca", como dizemos no jargão

E Isaacson não é do meio de tecnologia. Não que todos os biógrafos devam ser do meio de seus biografados. Mas "Steve Jobs" não fazia parte do universo de interesses de Isaacson. Tanto que ele se surpreendeu pelo convite, feito pelo próprio Jobs - e até achou-o, inicialmente, pretensioso...

*

Tudo isso para justificar porque o livro de Brent Schlender e Rick Tetzeli, Becoming Steve Jobs, é melhor. Brent cobriu Jobs pela revista Fortune, por décadas. E conviveu com ele desde sua saída da Apple, no final da década de 80 - antes da Pixar e antes, obviamente, do seu retorno triunfal à mesma Apple (no final da década de 90)

Além disso, o objeto de Schlender e Tetzeli é outro. Becoming Steve Jobs não é uma simples biografia: o livro tenta mostrar como o jovem empreendedor - que foi expulso da empresa que criou - se tornou o empresário maduro que transformou a Apple no maior "valor de mercado" da bolsa

Assim, o livro *não começa* pela infância, pela adolescência, essas coisas (embora fale delas eventualmente): o livro começa com Steve Jobs sozinho, abandonado pela Apple, desacreditado pela mídia, numa casa enorme, fundando a NeXT - sua segunda empresa (que, sob muitos aspectos, seria um fracasso)

Brent Schlender acha, justamente, que o fracasso, o abandono e a incompreensão forjaram o Steve Jobs que todos conhecemos: do iPod, do iPhone e do iPad. Porque o Steve Jobs do Apple II e do Macintosh só teria chegado até nós pelos livros de História - não teria se tornado o ícone que se tornou nos anos 2000 (nem a sua empresa)

Até em nível pessoal, Steve Jobs teve de amadurecer. Durante a ascensão da Apple, desde a garagem até o primeiro bilhão de dólares em vendas, Jobs teve uma filha de um primeiro relacionamento - Lisa -, que demorou a reconhecer. Só foi curar essa ferida quando conheceu Laurene Powell, que viria se tornar sua esposa, mãe de seus três outros filhos - e Lisa foi morar junto com eles

A Pixar, aparentemente um acidente na vida de Jobs, ensinou-lhe muito sobre como administrar equipes criativas. Não que ele não soubesse, com o primeiro Mac, mas foi Ed Catmull, presidente da Pixar, quem lhe transmitiu sua sabedoria em como dar muita liberdade e, ao mesmo tempo, obter resultados

Embora a NeXT tenha fracassado no objetivo de construir "estações de trabalho" e substituir a Sun Microsystems, a Pixar, como empresa, foi o contrário: de estúdio de animação que não dava lucro, apesar de gênios como John Lasseter, passou a rivalizar com a Disney, depois de seu primeiro longa, Toy Story, até ser adquirida por ela

A Pixar teria chegado, sozinha, a Toy Story? Talvez. Mas as habilidades de negociador de Jobs, que já havia estado no topo do mundo, permitiram um contrato de distribuição com a Disney que nenhuma novata jamais obteve - e levaram a uma aquisição, igualmente, histórica, garantindo à Pixar independência, ressuscitando a Disney Animation e renovando a própria Disney (estagnada depois de décadas)

*

Mas a grande história, embora a da Pixar e da Disney seja bonita no livro, é a da ressurreição da própria Apple, que estava falindo quando - ora, vejam - adquiriu a NeXT. Mesmo com todos os problemas de não conseguir vender seus computadores "de design", a segunda empresa de Jobs tinha o sistema operacional de que a Apple necessitava, baseado no Unix - e que serviria de suporte para todos os dispositivos a partir do iMac

Ao fim e ao cabo, Jobs foi a maior "aquisição" para a Apple - mais do que a NeXT. Pois, no final dos anos 90, Jobs não era mais o "dono" da empresa. Havia vendido todas as suas ações ("menos uma"), uma década antes, quando foi defenestrado pelo conselho...

Só que Jobs permaneceu conectado à Apple, mesmo quando esteve fora dela. E sofria com cada movimento errado, com cada produto sem charme, com cada tiro n'água em termos de estratégia. A Apple caminhava para a irrelevância, enquanto que a Microsoft, de Bill Gates, atingia a dominância plena

A situação era tal que, quando Jobs reassumiu, primeiro como consultor, depois como iCEO (CEO interino), depois como CEO, o mercado o via com bastante desconfiança. A Apple estava quebrando... E foi Gates - ora, vejam, mais uma vez - que, adquirindo participação, deu sobrevida financeira à Apple

O "turnaround" (a reviravolta) que Jobs promoveu - de uma empresa que tinha *meses* de sobrevivência, para o maior valor de mercado em bolsa - é considerado o principal turnaround da história americana. Não à toa, Jim Collins, o guru do 3G brasileiro, chama Steve Jobs de "o Beethoven dos negócios". Assim como na música, houve muitos gênios - "mas só um Beethoven"...

*

Quem não tem paciência para a "literatura de business", ainda pode encontrar a porção artística de Jobs - tão, ou mais, interessante quanto

Brent acredita que a maior parceira criativa de Jobs não foi com Steve Wozniak, nem com os gênios da Pixar, foi com Jonathan Ive, o designer da Apple em seu renascimento

Steve Jobs, quando reassumiu, desfez toda a linha de produtos da Apple, concentrando-se em quatro frentes: desktops para o público em geral; desktops para empresas; notebooks para o público em geral; e notebooks para empresas

Essa simplificação se refletiu no quadro de funcionários e Jobs estava visitando o departamento de design, quando conheceu Jony Ive - um designer britânico genial, que estava perdido no meio dos escombros da Apple

A empatia foi imediata, embora Ive temesse a demissão, ainda, por meses... O fato é que nunca houve um designer com status de "diretor" numa empresa de tecnologia. Além de ter desenhado o iMac, cujo sucesso deu novo fôlego à Apple, Ive foi o artista por trás do iPod, do iPhone e do iPad

*

Não sei se vale a pena repisar os sucessos dos últimos dispositivos, que são bem conhecidos, ainda que seus números sejam estrondosos - e tenham lançado um novo desafio para Jobs: dirigir uma empresa, realmente, grande, bem-sucedida, com desafios de fabricação e de distribuição à altura - até chegar na maior empresa de bens de consumo do mundo

São impressionantes, para encerrar, os capítulos sobre o câncer, a doença que, finalmente, matou Jobs - e que, arrisco dizer, trouxe o que lhe faltava de lucidez, e de sabedoria, convertendo-o no que Brent Schlender, muito apropriadamente, denominou "o maior líder visionário de nossa época"

*

Essa é a terceira biografia do Steve Jobs que eu leio. Não li, justamente, a do Walter Isaacson, porque, quando saiu, eu já havia lido outras duas, e as informações me pareceram as mesmas. Antes de Becoming Steve Jobs, li uma que vai até a estreia da Apple em bolsa - o maior IPO desde a Ford - e li uma segunda, que vai da expulsão de Jobs, da Apple, até seu retorno triunfal. (Li, ainda, um livro sobre a Pixar - mas do ponto de vista da Pixar, não da Apple)

Steve Jobs talvez seja uma das minha obsessões favoritas, como John Lennon. Não me interessa tanto o bilionário, nem o ególatra, mas o homem de ideias, a personalidade complexa, em certa medida o pensador, até o frasista, e o detentor de um bom gosto fora de série

Admiro Bill Gates, logicamente, mas não sei se leria um livro inteiro sobre ele, ou *dele*. Não acho que Mark Zuckerberg seja o "novo" Steve Jobs. O Facebook chegou a mais de um bilhão de usuários, mas, fora esse feito, não o considero "uma revolução", como a do o computador pessoal, por exemplo

E não acho o Jeff Bezos, da Amazon, páreo para Jobs - e olha que li dois livros sobre ele e a loja dele (1 e 2). Bezos é um prodígio desde criança, mas não sei se é um gênio como Jobs. Não me ocorre nenhuma frase dele. Não vejo a assinatura dele em nenhum outro lugar, fora a Amazon

Os caras do Google não me chamam tanto a atenção, como personalidades, embora o Google seja uma ideia genial (já li dois livros sobre ele - 1 e 2). Não sei o suficiente sobre Elon Musk (estou com um livro na fila). O único cara que me faria pensar duas vezes, hoje, é o Marc Andreessen, inventor do Mosaic, fundador da Netscape - o primeiro IPO da internet -, mentor de gente da nova geração, como Zuckerberg, e sócio de Ben Horowitz

Andreessen é muito articulado, sigo ele no Twitter, escreve bem, fala bem - mas ainda não foi capaz de cometer um manifesto como "Think Different". Ou um discurso como aquele de Stanford - que, com o perdão do clichê, é uma lição de vida...

*

Sempre conto que aprendi a programar num clone do Apple II+. A WWW mudou minha vida - e ela foi inventada, por Tim Berners-Lee, numa estação de trabalho da NeXT. Sou da geração "walkman", então o iPod mudou minha vida, também. E o iPhone, eu considero uma revolução maior do que a do computador pessoal - porque é um computador pessoal de bolso...

Ainda não tive um Mac (ninguém é perfeito). E não tenho um iPad (não vejo tanta utilidade; e não quero mais uma tela). Mas, mesmo assim, é difícil alguém que tenha influenciado tanto a minha vida quanto as pessoas próximas a mim - e que, justamente, *não seja* uma pessoa próxima a mim

Leria outro livro sobre ele? Não. Agora, não. (Rs.) Mas tem filme a caminho. Acho que ainda não fizeram jus a ele no cinema. Veremos...

P.S. - Escrevi este texto, inteiro, num iPhone 5S. Steve Jobs não inventou o celular, nem o smartphone, mas fez dele "o melhor amigo do homem" ;-)

Para ir além
Compartilhar


Julio Daio Borges
São Paulo, 4/11/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
02. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
03. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
04. Bruxas no banheiro de Marta Barcellos
05. Almoços com C.S. Lewis de Celso A. Uequed Pitol


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2015
01. Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos - 25/5/2015
02. Regras de civilidade (ou de civilização) - 21/9/2015
03. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) - 30/11/2015
04. Por que a discussão política tem de evoluir - 24/8/2015
05. 10 coisas que a Mamãe me ensinou - 10/5/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEORIA DA COMUNICAÇÃO LITERA
EDUARDO PORTELLA
TEMPO BRASILEIRO
(1970)
R$ 9,00



GOLFE CLEFS POUR UNE GUERRE ANNONCÉE
ALAIN GRESH E DOMINIQUE VIDAL
LE MONDE EDITIONS
(1991)
R$ 48,28



TÉCNICAS PARA UMA LEITURA RÁPIDA E EFICAZ
DONALD WEISS
NOBEL / KLICK
(1992)
R$ 10,00



A FOTO FATÍDICA
NGAIO MARSH
FRANCISCO ALVES
(1983)
R$ 5,00



A CORRUPTORA
GUY DES CARS
RECORD
R$ 8,00



MALAISE DANS LA LITTÉRATURE
ALAIN NADAUD
EDITIONS CHAMP VALLON
(1993)
R$ 44,28



NUESTRAS HISTORIAS: MÉXICO Y EL GRUPO NACIONAL PROVINCIAL
EDUARDO BLANQUEL (CAPA DURA)
GRUPO NACIONAL PROVINCIAL
(1979)
R$ 138,28



CONHECENDO AS DROGAS... SEM INTIMIDADES
LUIZ SCAFF
PROJETO SABER
(2009)
R$ 7,87



PARALISIA INFANTIL SEÇÃO DE PROPAGANDA E EDUCAÇÃO SANITÁRIA
DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO ESTADO DE S. PAULO
DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO ES
(1941)
R$ 11,33



SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA: FUNDAMENTOS EXPERIENCIAS
ADRANA CAMARGO PEREIRA / GIBSON SILVA
ANHANGUERA
(2011)
R$ 8,00





busca | avançada
58188 visitas/dia
2,0 milhões/mês