E eu comprei um iPod; e a minha vida mudou | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
Mais Recentes
>>> Xy - Sobre a Identidade Masculina de Elisabeth Badinter pela Nova Fronteira (1993)
>>> Tai-chi Chuan por uma Vida Longa e Saudável de Roque Enrique Severino pela Ícone (1985)
>>> Revista Taschen, Spring 2014 de Vários pela Taschen (2014)
>>> Primeiras e Últimas Páginas de Vladimir Jankélévitch pela Papirus (1995)
>>> A Grande Pirâmide de Tom Valentine pela Nova Fronteira (1976)
>>> Formação do Estado Burguês no Brasil (1888-1891) de Décio saes pela Brasiliense (1989)
>>> A Vida de Shelley de André Maurois pela Companhia Ed. Nacional (1957)
>>> Novos Mistérios do Triângulo do Diabo de Richard Winer pela Record (1975)
>>> Wendy Matraca no Rabo de Crocodilo de Wendy Meddour pela V&R (2014)
>>> Caim e Abel de Jeffrey Archer pela Bertrand Brasil (1987)
>>> Rebelião em milagro de John Nichols pela Best Seller (1988)
>>> Não Contem com o Fim do Livro de Umberto Eco e Jean-Claude Carrière pela Record (2010)
>>> A Madona de Cedro de Antonio Callado pela Nova Fronteira (1997)
>>> Pc Linha Leste de Antonio Carlos Felix Nunes pela Livramento (1980)
>>> Princesa Margarida de Judith Krantz pela Supersellers (1980)
>>> Cidade dos confins de Vieira Simões pela Clube do Livro (1966)
>>> O ensaio de Eleanor Catton pela Record (2012)
>>> Catarinenses: Gênese e história de João Carlos Mosimann pela Fundação Catarinense de Cultura (2010)
>>> Vem 3 Libro de Ejercicios. Español Leugua Extranjera de F. Castro e S. Rosa pela Edelsa (1996)
>>> Notas Contemporâneas de Eça de Queiroz pela Llelo e Irmão (1951)
>>> Macunaíma de Mario de Andrade pela CBT Brasil (2021)
>>> Os Maias - Episódio da Vida Romântica Volume II de Eça de Queiroz pela Lello & Irmãos (1951)
>>> Cada segredo de Laura Lippman pela Record (2011)
>>> Vem 1 Libro del Aluno. Español Leugua Extranjera de F. Castro, F. Marin, R. Morales, S. Rosa pela Edelsa (1990)
>>> O Quarto Número 2 de Cida Simka e Sérgio Simka pela Uirapuru (2019)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/2/2006
E eu comprei um iPod; e a minha vida mudou
Julio Daio Borges

+ de 15700 Acessos
+ 6 Comentário(s)


Criador e criatura: iPod e Steve Jobs

Eu era daqueles que, como você provavelmente, não via muita utilidade no iPod. Pra quê? Eu já tenho os meus CDs. Para tocar no carro? Eu já tenho lá o meu CD-player. Pra baixar músicas na internet? Mas tem tanta porcaria, tanto arquivo de péssima qualidade sonora... Pra usar como walkman? Mas eu já tenho walkman também; eu já tenho discman! Pra ouvir podcasts? Pode ser; mas eu escuto no trabalho, nas caixas de som do meu computador... Pra assistir videocasts? Mas eu não assisto nem televisão!!!

É, eu, como você possivelmente, não via a menor utilidade no tal do iPod. Até a minha namorada ganhar um; até eu comprar um. Pois como diz a prima da minha namorada - praticamente prima minha - que mora nos Estados Unidos: "O iPod muda sua vida". Mas, antes de começar, eu gostaria de esclarecer o seguinte ponto: quando falo aqui em "iPod", eu falo em qualquer player de MP3, de arquivos sonoros, de arquivos em vídeo, de imagens, de arquivos em geral. Existem inúmeras marcas e inúmeros modelos, e eu não estou falando necessariamente da Apple; embora, quando escolhi o iPod que eu iria comprar, eu escolhi o da Apple, para dar o devido crédito ao Steve Jobs. O Steve Jobs é o pai do meu primeiro computador, um Apple II+, fabricado aqui no Brasil pela hoje extinta Unitron. (Ganhei no Natal de 1985, antes de completar 12 anos...)

Outra coisa: eu não posso responder diretamente pelo fenômeno do iPod junto às novas gerações; quanto a elas, quanto aos chamados "Milennials", eu posso apenas conjecturar... O que eu sei é que o iPod tem um apelo muito forte junto à minha geração - em torno dos 30 anos -, porque nós tivemos walkmans e porque nós já vivemos, de certo modo, essa "emoção" de carregar nossa música pra qualquer lugar. De forma limitada, claro, em fitas de - hoje - relativamente curta duração (45, 60, 90 minutos), depois em CDs, ultimamente em DVDs.

E eu gastei meus ouvidos na adolescência. Ouvi heavy metal até cansar. Eu não podia tocar heavy metal a todo volume nos toca-discos da minha casa, no carro da minha família (embora, às vezes, tocasse - embora, às vezes, até tocasse guitarra!). Enfim, o que eu quero dizer é que a formação e o desenvolvimento do meu gosto musical - e do gosto musical da minha geração - passaram pelo walkman. E eu só parei de ouvir walkman quando ganhei um carro. Aí entrou a fase dos toca-fitas e dos CD-players (os de painel e, depois, os de porta-malas).

Então hoje é engraçado que o iPod seja, ao mesmo tempo, essas duas coisas combinadas. A diferença básica do iPod - que não parece ser muita coisa, mas que é no final - reside do fato de que você pode carregar virtualmente tudo o que você possui, toda a sua discoteca, coleção de CDs, ou o que for, num aparelhinho deste tamanho. Porque pense só: você nunca teve aquela sensação - no carro, na rua, em qualquer lugar - de parar e ardentemente desejar: "Pô, agora, eu queria ouvir aquela música!". Pois é, se não calhar de você estar com "aquela música" à mão - seja em que suporte for, inclua aí também "som ambiente" e rádio -, você simplesmente não vai escutar. E se você já teve alguma epifania musical, você sabe a diferença que isso faz...

Apenas para não perder o fio da meada: vou derrubar - ou tentar - um a um os meus próprios argumentos "contra" o iPod (antes de eu ter, ou conhecer, um iPod). O do walkman é apenas o primeiro deles. Óbvio que - como eu mesmo venho repetindo aqui -, nada como a experiência da tecnologia para você dizer se ela é válida, se ela acrescenta verdadeiramente alguma coisa, se ela facilita realmente a sua vida - ou se ela é apenas mais blablablá. Continuando então...

O CD já foi uma revolução, para nós, em termos de armazenamento, no final dos anos 80. O primeiro CD que eu comprei me foi vendido por treze dólares. Era um álbum duplo (ex-LP duplo) condensado num único disquinho pelo qual eu pagaria, sei lá, o dobro (?) se fosse adquirir a versão em vinil ou "bolacha". E embora persista a eterna discussão sobre a perda dos graves - na transformação do LP em CD -, eu sou da geração CD, então, ainda assim, aposentei meus long-plays a partir de 1989 (os mesmos que, há anos, guardo lá em cima, numa parte alta do armário...).

O iPod, nesse sentido da capacidade - retomando o fio -, é uma espécie de milagre. Isso porque houve um gênio lá atrás, lá na época do Napster - 1995, mais ou menos -, que inventou o formato MP3. Vocês me desculpem se eu não dou o devido crédito. O fato é que o sujeito conseguiu comprimir um arquivo sono ".WAV", ou sei lá, em até um décimo do tamanho, através do MP3. Outro dia, aliás, eu indiquei um link MP3 para um veterano jornalista e ele me respondeu peremptório pelo e-mail: "Não 'baixo' MP3; não sou a favor da pirataria; sou a favor dos direitos autorais!".

Confusões à parte (o ".MP3" não é um formato ilegal, é apenas mais um formato - como é o ".DOC" do Word), arquivos sonoros com até um décimo do tamanho, apesar da nova perda de qualidade sonora, acabaram se firmando no mercado. Porque quem já tentou armazenar CDs no computador, antes de adotar o MP3 ou um formato similar, sabe: cada arquivo .WAV - ou similar - tinha na época dezenas de megabytes; era impossível manter uma discoteca básica quando os HDs (hard disks) tinham, mal e porcamente, um gigabyte de capacidade. Se você se perdeu no raciocínio, faça a seguinte conta: uma canção ocupava, digamos, 50 Mb de espaço no seu HD; um CD de, digamos, 10 faixas ocupava 500 Mb; logo, dois CDs ocupavam 1 Gb (!) - pronto, seu computador, antes do MP3, já estava lotado e você não havia armazenado ainda nada.

O iPod - eu falei pra minha irmã - não passa de um HD adaptado. Um hard disk, ou disco rígido (ou Winchester), com uma telinha, alguma programação e alguns menus. Se você desmontar o iPod, como hardware, vai perceber que ele não é novidade. A novidade está em seu uso, em sua aplicação, em sua funcionalidade. Pois se existe alguma coisa genial no iPod, são os seus controles. Li que o Steve Jobs testava cada protótipo e reclamava, com os engenheiros da Apple, quando demorava demais para executar um determinado comando que ele desejava. É por isso que o iPod não tem, praticamente, botão liga-desliga; aumenta ou diminui de volume num passe de mágica; e não precisa de mais do que meia-dúzia de etapas para te entregar o arquivo (sonoro, de imagem, de vídeo) que você procurava.

Com essa facilidade toda, no armazenamento e no manejo, meu primeiro impulso foi querer gravar minha "discoteca" inteira no iPod. CDs acumulados em mais de quinze anos... Claro que já perdi a conta de quantos são. Principalmente depois do advento do Digestivo Cultural. Abrindo um parêntese agora: aqui todo dia chega CD novo. Ouço, fico ou passo. (O mais rápido que posso.) E mesmo que escreva, e goste, já desisti de guardar. A Carol, minha namorada, guarda. Eu não tenho mais onde guardar. Fisicamente falando... Ainda bem que veio o iPod! Fechando o parêntese agora: eu acho que tenho alguns milhares de CDs na minha casa; e eu passo uma média de dez CDs por dia pro meu iPod. Comprei ele no mês passado. E calculei já: vou demorar mais de um ano pra passar minha discoteca inteira pro iPod. Mas o processo em si é interessante. E eu queria contar...

Dúvida cruel (inicial): você tem sua discoteca toda olhando pra sua cara e você se pergunta: "Afinal, por onde começar?" Quem eu ponho primeiro? Quem vai ter a honra de inaugurar meu iPod? Na verdade, minha primeira tentativa foi no computador da Carol (a minha namorada). Ela já tinha um iPod e ela podia me poupar do trabalho de copiar CDs para o novo formato. Copiei feliz da vida então... E atenção detentores dos direitos autorais (e advogados em geral): "copiei" e não "pirateei", mas - fiquem tranqüilos - logo perdi... Perdi tudo. Todo o trabalho, com a Carol, em vão. Assim, comecei tudo de novo... E a primeira coisa que joguei, acho, foi o Led Zeppelin (atenção aqui também: eu tenho o CD original). Uma homenagem à minha banda de rock preferida (Beatles não é banda de rock; e até o Paul McCartney confirmou, na Folha: ["E depois dos Beatles, o que há?"] "Ah, depois dos Beatles... tem o Led Zeppelin!").

Nenhum walkman te dá essa facilidade - essa capacidade. Nenhum CD-player de automóvel. Nenhum quatro-em-um (antigo três-em-um). Nenhum home theater. Nenhuma jukebox (quem não tem pais que viveram nos anos 60, não vai saber o que é jukebox...). Não importa: é uma capacidade - e uma facilidade - impensável (impensáveis) anos atrás. Não muitos anos atrás... E isso porque eu nem tenho o adaptador pro som do carro (iTrip). Eu uso o da Carol, quando a gente viaja. E as caixinhas de som portáteis (Creative Labs), também da Carol. É indescritível a sensação de ter uma parte da sua discoteca em todo lugar que você vai. Isso se você é dado - como eu - a epifanias musicais...!

Esse capítulo da "discoteca básica" própria é divertido, mas existe outro. Outro capítulo que, além de divertido, é também infinito. O capítulo da internet. Nem vou entrar aqui na discussão acerca do compartilhamento ilegal de faixas. Vamos ficar na legalidade. Vamos pegar, por exemplo, o caso do iTunes. Dificilmente alguém que não comprou um iPod ou que não tem um Macintosh (ambos da Apple), vai saber do que exatamente trata o iTunes... Para simplificar, vamos dizer que o iTunes organiza sua discoteca básica no computador - porque nem sempre você vai copiar tudo o que você tem pro seu iPod; e porque é sempre bom manter um back-up (vai que você, como eu, perde o conteúdo do seu iPod...).

O iTunes te ajuda nessa tarefa, digamos assim... Ocorre que, já nos Estados Unidos, o iTunes também é a loja on-line que está revolucionando o comércio de música no mundo. Lembra daquela história das grandes gravadoras que quase foram à falência - porque cada vez menos gente comprava os CDs que elas fabricavam? E lembra daquela história do Steve Jobs ter aparecido nos quarenta e cinco do segundo tempo com uma possível solução? Pois é, o Comércio de Faixas Separadas - que, pelo seu lado, encontrou a adesão dos potenciais "compradores" (nós)... Sim, estamos falando do mesmo iTunes, do mesmo iPod, do mesmo Macintosh - tornando esse tramite todo uma coisa trivial. (O iTunes, para as majors, é a salvação.)

E o iTunes agora está vendendo vídeos. E você pode "assinar" nele podcasts (gratuitos). E você pode assinar videocasts (gratuitos também)... Para quem não sabe, ou conhece: eu, por exemplo, baixei o próprio Steve Jobs falando pros calouros de Stanford; e uma reportagem, do washingtonpost.com, sobre um músico que retornou a New Orleans depois da catástrofe... E eu recebo o Discofonia, via iTunes, no meu iPod; e eu recebo o GavezDois; e o Night Passage... E eu guardo minhas últimas fotos, como se o iPod fosse um álbum digital... E, se eu quiser, eu sincronizo minha agenda, meu calendário... E transporto meus contatos... Onde vai parar o iPod? Antes de ontem, eu ouvi que - com o iPod - as rádios e os canais de televisão, assim como as revistas e os jornais, vão mesmo acabar. Foi, inclusive, num podcast. Será?

Antes do iPod, eu não acreditaria. Antes do iPod, eu achava que eu não iria precisar de mais um walkman digital: talvez nem precisasse mesmo, mas, se ele já existe, por que não experimentar - e gostar? Antes do iPod, a ambição de ter toda a minha CD-teca ao alcance de um toque do meu dedo indicador me parecia meio exagerada, meio infundada... Mas hoje - se é possível - por que não? Por que não satisfazer aquele desejo instantâneo de ouvir aquela canção? Antes do iPod, eu estava contente em ter uma lista de podcasts pra consumo diário no meu computador. Hoje, eu escuto com a minha namorada, a Carol, no carro, como se fosse efetivamente um programa de rádio. Antes do iPod, eu progressivamente havia desistido de ligar a televisão. Agora, é estranho, - mesmo na telinha pequena do iPod - eu voltei a assistir a vídeos e a achar graça no audiovisual...

Se isso não for mudar a vida, o que será então?


Julio Daio Borges
São Paulo, 10/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (I) de Cassionei Niches Petry
02. 150 anos de Miguel de Unamuno de Celso A. Uequed Pitol
03. Coro dos Maus Alunos de Duanne Ribeiro
04. Aula de Português I: texto X gramática de Marcelo Spalding
05. O artista hoje: entre o 'proponente' e o pedinte de Almandrade


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/2/2006
07h14min
Nossa, Julio, vc está mesmo apaixonado pelo seu iPod... Não posso falar nada, pois tb sou apaixonada pelo meu. Como comprei pelo site da Apple, e eles gravam duas frases grátis (pelo menos aqui na Europa e nos EUA), eu gravei atrás: iDream, iCan, iPod... Compartilho com vc essa descoberta maravilhosa! O único problema é que ficamos viciados nos acessórios... Um abraço.
[Leia outros Comentários de Tania Nara]
9/2/2006
08h24min
Quando eu comprei o meu primeiro iPod em 2003 a maioria das pessoas me perguntava: Quem vai querer um negócio desses? E a resposta veio 3 anos depois nesse texto do amigo Julio. Abraço, Edu.
[Leia outros Comentários de Eduardo Montag]
11/2/2006
15h24min
Julio: as informações que vc traz são um bom material preliminar para quem pensa em comprar um iPod, muito obrigado. Notei que vc é pródigo nas palavras e hábil no trato; sua citada e re-citada namorada não ficará com ciúmes do seu iPod? Tenho certeza de que comprando um vc teve uma realização bem maior do que se alguém lhe tivesse dado de presente.
[Leia outros Comentários de jose antonio]
9/3/2006
19h33min
Quanto ao texto sobre o iPod, bom como sempre! Um cordial abraço.
[Leia outros Comentários de dilamar santos]
24/3/2006
19h38min
Vou ser do contra, Julio: os mp3 players nos iludem mostrando que vc é capaz de carregar milhares de musicas com vc e ouvi-las a qualquer momento. É isso que eles vendem: a "possibilidade". Mas quem, no dia a dia, em pleno trabalho, em plena calçada, em plena fila, "desembaraça" um fone de ouvido e fica ouvindo musica? Acredito que a maior parte das pessoas que tem mp3 players (e eu sou uma delas!), realmente, deixa ele encostado a maior parte do tempo. Mesmo assim, essas mesmas pessoas são capazes de explicar aos amigos as inumeras qualidades e utilidades do aparelho. Não quero bancar o chato "anti-tecnologia", pelo contrario, eu adoro... mas se voce fizer uma pesquisa de uso de mp3 players vai perceber que eles vendem uma "ilusão". Abraços.
[Leia outros Comentários de Aluizio]
10/8/2006
12h19min
Concordo com o Aluisio, e acho que tenho a resposta para sua pergunta! Quem é que precisa carregar tanta música? Quem passa mais de 3 horas por dia no trajeto casa-trabalho, e antes só tinha rádios decadentes para ouvir... mesmo assim até a metade do caminho, pois as ondas do rádio não conseguem chegar ao subúrbio, com tanto morro e rádio pirata no caminho. Não é à toa que, um ano depois de comprar meu mp3player (desculpe, não é da apple e não dá no mesmo chamar de ipod), hoje eu vejo muita gente curtindo sua discoteca no ônibus! Mas, puxa vida, o que é que tem a ver os pobres que andam de ônibus (e trem) com o hype desses aparelhinos, né? É verdade, comprei um mp3player e minha vida mudou.
[Leia outros Comentários de aline]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




100 Obras Itaú
Itaú
Masp
(1985)



O Guarda Chuva Azarado
Alcides Goulart
Acaiaca Letras C e D Novos
(2006)



7 Clássicos Americanos
Poe, Melville, Faulkner, Hemingway e Outros
Duetto
(2010)



Flash Fora do Ar - Autografado
Amaury Júnior
Elevação
(1999)



O Brasil e a Nova Geopolítica Européia
Francisco de Assis Grieco
Aduaneiras
(1992)



Hyping Health Risks: Environmental Hazards in Daily Life and The
Geoffrey C. Kabat
Columbia University Press
(2008)



Intervenções Psicopedagógicas
Deborah Lucchini e Outros
Expressao & Arte
(2008)



O Imperio dos Sentimentos e a Ditadura do Prazer
Bayard Galvão
Sobre o Viver
(2007)



Assis Valente - Coleção Folha Raízes da Música Popular Brasileira 22
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo
(2010)



Lunité Française - 2ª Edição
Régine Pernoud
Puf
(1949)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês