Reflexões para um mundo em crise | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Contabilidade - Escola de Administração Fazendária - ESAF de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2014)
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
>>> Retrato do Artista Quando Velho de Joseph Heller pela Cosac & Naify (2002)
>>> No Tempo das Catástrofes de Isabelle Stengers; Eloisa Araújo pela Cosac & Naify (2015)
>>> Manual de esquemas de Klöckner- Moeller pela Do autor (1971)
>>> Inesgotáveis Enigmas do Passado de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Evidências dos Ovnis - As Ciências Proibidas de Vários pela Século Futuro (1987)
COLUNAS

Terça-feira, 16/5/2006
Reflexões para um mundo em crise
Luis Eduardo Matta

+ de 16700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Vivemos num mundo louco. Disto, creio que poucos dos que se aventuram pelas veredas do pensamento, ousam duvidar. É um mundo insano, aparentemente cada vez mais destituído dos valores mais elementares do convívio humano e que, aos poucos, vai perdendo seus traços de civilidade, tornando-se gradativamente um território selvagem onde imperam a falta de respeito, a violência, a intolerância, a ganância desenfreada e, mais especialmente, a ignorância, que se manifesta, sobretudo, na nossa quase total incapacidade de refletir e enxergar a realidade sob um prisma mais equilibrado e despreendido. Tenho pensado muito nisso ultimamente. Saio às ruas, observo a vida em movimento à minha volta e utilizo os pequenos flagrantes do cotidiano dos quais sou testemunha como material para refletir sobre a condição humana atual e, dessa forma, lapidar e polir a minha própria percepção da vida. É um exercício permanente em que ponho a prova as minhas convicções, desafio os meus preconceitos (quem não os tem?) na tentativa de, senão extirpá-los, ao menos neutralizá-los e busco amplificar a minha capacidade de compreensão da realidade e de aceitação das coisas como elas são, o que inclui a mim enquanto pessoa e, por extensão, aos demais. Com isso, percebo que, a cada dia, me sinto mais plenamente "humano", me torno mais ciente da minha insignificância num planeta de bilhões de pessoas do qual eu, como todos, um dia irei desaparecer e acabo fazendo minhas as palavras do dramaturgo e poeta romano Terêncio quando, na peça Heauton Timorumenos (O atormentador de si mesmo) escreveu a célebre passagem: "Sou humano, e nada do que é humano me é estranho".

Num mundo como esse, a reflexão é essencial, mas tem sido pouco praticada por populações assaltadas pelas urgências de uma sociedade cada vez mais rápida e exigente, que nos ilude com o mito da liberdade irrestrita e do avanço da modernidade para, em seguida, nos seqüestrar a alma com massacrantes apelos consumistas, de perfeição estética e conquistas financeiras e sexuais, obrigando-nos a despender uma vida inteira escalando uma cordilheira que, no fim das contas, não nos levará a lugar algum. Eu pergunto: tem cabimento um jovem de dezessete/dezoito anos, ainda engatinhando na vida, ser forçado a escolher uma carreira profissional que, em tese, o acompanhará por décadas? Não seria mais apropriado ele fazer essa escolha um pouco mais tarde? Poucas coisas, hoje, me dão mais calafrios do que assistir ao depoimento de um profissional de recursos humanos discorrendo sobre tudo o que uma pessoa precisa fazer e estudar para conseguir e se manter num emprego. Além de uma boa formação universitária, há a necessidade do aprendizado constante e da reciclagem periódica; a impressão é a de que basta umas férias um pouco mais prolongadas para condenar o trabalhador à obsolescência. Essa verdadeira paranóia, compreensivelmente, deixa as pessoas bastante angustiadas, tensas, apressadas, egoístas, impacientes, doentes; invertem os valores, mutilam a ética, adulteram o caráter. É a sociedade do "salve-se quem puder" e do "cada um por si", onde vale tudo para sobreviver em meio à barbárie que se alastra por toda parte. O tempo livre é escasso e, conseqüentemente, não cede espaço para a reflexão. O ato de refletir, que poderia ser o caminho para a redenção dessa sociedade enferma, simplesmente, não é praticado, senão por uma minoria.

Foi numa semana em que essas impressões me fustigavam de forma particularmente incômoda que eu tive a satisfação de descobrir dois livros, ambos recentemente lançados pelo selo Vozes Nobilis da Editora Vozes, que podem auxiliar muitas pessoas a pensar sobre as próprias vidas, o caminho que estão trilhando e o ambiente à sua volta. O primeiro deles é o interessantíssimo Não Nascemos Prontos! Provocações Filosóficas, do filósofo e professor Mario Sergio Cortella (Vozes; 136 páginas; 2006). Lembro-me de haver conhecido Cortella pela televisão. Ele apresentava um programa muito bom na TV SENAC/SP cujo nome, se não me engano, era Modernidade. Infelizmente, o sistema de TV a cabo do qual sou um assinante não muito satisfeito, retirou o canal da sua grade, sem uma razão aparente e eu nunca mais assisti ao programa (nem sei se ele ainda está no ar). Agora, pude conhecer o Cortella filósofo e de uma maneira bastante gratificante. Seu livro é ótimo em todos os sentidos e pode ser lido com facilidade mesmo por quem não é lá grande adepto da leitura. Dividido em trinta e um ensaios breves, escritos de forma clara e repleto de referências literárias e filosóficas, Não Nascemos Prontos! Provocações Filosóficas levanta questões como a volúpia do consumo, a pressa contemporânea, os exageros e equívocos na nossa relação com a tecnologia e as responsabilidades da mídia, sobretudo a televisiva, na sua relação com a formação ética e de cidadania das crianças e jovens e nos faz enxergar com espantosa clareza, o óbvio, tudo aquilo com que convivemos e nos defrontamos diariamente e de que, por inúmeras razões, não nos apercebemos como deveríamos.

Proposta semelhante, mas com outro enfoque, é o livro do teólogo e escritor Leonardo Boff, Virtudes para um Outro Mundo Possível, Volume II: Convivência, Respeito e Tolerância (Vozes; 128 páginas; 2006), segunda parte de uma série que começou com Virtudes para um Outro Mundo Possível, Volume I: Hospitalidade; Direito E Deveres de Todos (Vozes; 200 páginas; 2005) e que deverá terminar com um terceiro volume, que falará sobre a cultura da paz. Usando os ensinamentos e a própria história da fé cristã e citando episódios interessantes como o das Irmãzinhas de Jesus que, nos anos 50, foram viver na combalida tribo dos tapirapé no Mato Grosso, salvando-os da extinção iminente, Boff criou uma obra que nos abre os olhos para elementos essenciais da vida humana, muitos dos quais negligenciados pela sociedade contemporânea, onde a convivência está cada vez mais prejudicada pelo individualismo e pela busca cega pelo êxito material e onde o respeito tornou-se artigo escasso nas relações sociais, movidas por interesses e pela frivolidade. Assim como Cortella, Boff escreve de maneira clara e seu texto, embora elaborado e carregado de significado, é de facílima compreensão. Gostei, especialmente, da parte em que ele discorre sobre a tolerância, mostrando-nos o seu significado e afirmando que, antes de mais nada, ela é uma exigência ética, que representa um direito que deve ser reconhecido a cada pessoa. Se queremos construir uma sociedade melhor e menos desumana, há que saber quais valores precisamos cultivar e Boff nos apresenta o caminho das pedras.

Recomendo, firmemente, a leitura de ambos os livros, inclusive como porta de entrada para quem, mais tarde, tiver interesse de alçar vôos mais altos no campo da filosofia. Quem sabe os leitores de Cortella e Boff não se aventurem, mais tarde, por obras de Platão, Aristóteles, Schopenhauer e Nietzsche? Afinal, quando a centelha da reflexão é acendida na mente de uma pessoa, dificilmente ela volta a se acomodar a um estado de quase inércia existencial. É, creio, um benfazejo caminho sem retorno.

Para ir além









Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 16/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
02. Felicidade de Daniel Bushatsky
03. Conversas de Mandela Consigo de Enzo Menezes
04. A arqueologia secreta das coisas de Elisa Andrade Buzzo
05. Pílulas de Sol Moras


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2006
01. Sim, é possível ser feliz sozinho - 19/9/2006
02. A favor do voto obrigatório - 24/10/2006
03. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil - 21/11/2006
04. As novas estantes virtuais - 14/2/2006
05. Reflexões para um mundo em crise - 16/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/5/2006
04h02min
Bela e correta reflexão sobre o mundo atual, embora eu a faça de outra forma, visto que ao sair à rua não tenho esse particular hábito. Entretanto, percebo que existem dois comportamentos distintos nos seres humanos: um é o comportamento individual e o outro é o indivíduo na coletividade. A mesma pessoa que fala de paz com entusiasmo é capaz de ser agressiva quando inserida numa coletividade. Em resumo, os discursos se chocam frontalmente e as atitudes são contraditórias. Costumo comparar nossa sociedade atual a um horrendo aleijão onde os avanços tecnológicos evoluiram de forma fantástica e, em contrapartida, os valores éticos involuiram assustadoramente. Não me refiro a mais ou menos espiritualidade, seja religiosa ou não. Falo de valores éticos mesmo, falo do valor da vida. Se por lado são inventados aparelhos que salvam vidas, por outro, tira-se a vida com facilidade, sem culpas ou remorsos. Diria que vivemos um período altamente contraditório.
[Leia outros Comentários de regina mas]
16/5/2006
07h55min
Há um texto no DC intitulado “A Ousadia de Mudar de Profissão” do Marcelo Maroldi que também fala de um livro do professor Sérgio Cortella (Não espere pelo Epitáfio). Quem gostou de um, irá gostar de outro, vez que os dois textos acendem a agradável "centelha da reflexão". É gratificante ler textos desta qualidade no começo do dia...
[Leia outros Comentários de Marcelo Souza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLAYBOY DORA VERGUEIRO Nº 342 ERÓTICO
ED. ABRIL
ABRIL
(2004)
R$ 16,00



REVISTA DOS VEGETARIANOS 94 - CÁLCULO RENAL
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
EUROPA
(2014)
R$ 11,80



LILI PASSEATA
GUIDO GUERRA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 6,90



OS GUARDIÃES DE SOTERION
GANYMÉDES JOSÉ
ATUAL
(1987)
R$ 5,00



BRINCADEIRA DE BOI
OSWALD BARROSO
ARMAZÉM DA CULTURA
(2018)
R$ 35,00



CÓDIGO DE PROCESSO PENAL E CONSTITUIÇÃO FEDERAL TRADICIONAL - 53ª ED
SARAIVA
SARAIVA
(2015)
R$ 37,00



COMO SE ESCREVE? LINGUAGEM 24
MEGA LETRONIX
ABRIL
R$ 6,90



NOVA LEI DE SEGURANÇA NACIONAL
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
ATLAS
(1970)
R$ 5,00



ANTOLOGIA POÉTICA
OLAVO BILAC
L&M POCKET
(2007)
R$ 19,90



ESPIRITUALIDADE
A. D. SERTILLANGES O. P.
ITATIAIA
(1959)
R$ 40,00





busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês