Sou da capital, mas tenho cura | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
Mais Recentes
>>> Poder-saber ética da escola de Sandra Mara Corazza pela Unijuí (1995)
>>> Como fazer um disco independente de Chico Mário pela Vozes (1986)
>>> Suagh'Leng'hor de Milton José de Almeida pela Cortez (1990)
>>> As Ideias de Marx de David McLellan pela Cultrix (1993)
>>> Südkurier de Antoine de Saint-Exupery pela Karl Rauch (1949)
>>> Discurso de Metafísica e Outros Textos Gottfried Wilhelm Leibniz de Gottfried Wilhelm Leibniz pela Martins Fontes (2004)
>>> Interview with the vampire de Anne Rice pela Ballantine (1997)
>>> L'horizon Des Esprits de Joseph Moreau pela Presses Universitaires De France (1960)
>>> Paixão india de Javier Moro pela Planeta (2006)
>>> Imperio dos vampiros alma e sangue de Nazarethe Fonseca pela Aleph (2010)
>>> Ciclo da Vida de Paulo Casella pela Massao Ohno (1993)
>>> O que é corpo de luz de Tashira Tachi-ren pela Pensamento (2013)
>>> Anthropologie Du Point de Vue Pragmatique de Emmanuel Kant pela Librairie Philosophique J. Vrin (1970)
>>> O medico de Lhasa de Lobsang Rampa pela Record (1959)
>>> O despertar dos magos de Louis Pauwels / Jacques Bergier pela Difusão europeia do livro (1972)
>>> A Ascensão do Romance de Ian Watt pela Companhia das Letras (2010)
>>> Mamãezinha querida de Christina Crawford pela Circulo do livro (1987)
>>> Práxis Cristã: Vol. III Opção Pela Justiça e Liberdade de R. Rincón Orduña pela Edições Paulinas (1988)
>>> Cem dias entre ceu e mar de Amyr Klink pela Circulo do livro (1991)
>>> Aperçus sur l'Initiation de René Guenon pela Editions Traditionnelles (1976)
>>> The Unfree French de Richard Vinen pela Penguin Books (2007)
>>> Eu fui Amélia Earhart de Jane Mendelsohn pela Rocco (1998)
>>> O corpo tem suas razões de Therese Bertherat pela Martins Fontes (1977)
>>> A Universidade Entre o Conhecimento e o Trabalho o Dilema das Ciências de Marcos del Roio pela Unesp Marília Publicações (2005)
>>> Apócrifos - os Proscritos da Bíblia de Maria Helena de Oliveira Tricca pela Mercuryo (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/3/2006
Sou da capital, mas tenho cura
Ana Elisa Ribeiro
+ de 4200 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Toda vez que peço algo ao meu filho de um ano e meio e ele me dá, olho bem nos olhos dele e falo: Obrigada. Faço questão de olhar nos olhos dele. Faço questão que ele perceba, já que ainda não entende direito, que eu disse algo amistoso a partir da ação dele. Faço questão que ele perceba que tive a intenção de dizer Obrigada. Não aquele obrigada escondido, mal-articulado, mecânico. Não. Tomara que isso já seja alguma coisa. Eu acho que é. Dependendo da cidade onde eu vivo com ele, isso é muita coisa.

Não quero que ele sofra por ser minimamente civilizado. Não quero que seja ridicularizado por saber pedir desculpas. Não quero que seja considerado um bobo porque não compete o tempo todo com os "amigos". Não. Mas eu quero muito que ele seja um homem, menos que uma anta. Toda vez que vejo um bípede estúpido e metido a gente agindo como se fosse melhor, penso assim: ai, Deus me livre de meu filho ficar assim. É isso que eu penso.

Já dei aula para crianças. Meninos e meninas de 8 ou 9 anos, uma quarta série do ensino fundamental, em escola particular. Bairro de classe média. Alguns emergentes. Gente que tinha carro do ano, conhecia Miami, ia para a praia duas vezes por ano. Coisa assim.

Certo dia, uma mãe veio até a porta da sala. No ensino fundamental, é comum os pais quererem conhecer a professora. Ótimo, mas não é só isso. Também é comum encherem a professora de perguntas sobre o pimpolho. Em geral, aquele menino ou menina normal é considerado, em casa, um gênio. Mas não é só isso. É comum a mãe ir até a sala da professora todos os dias. A impressão que dá é que a perua fica garimpando um comentário, um elogio, claro. E eu nunca tinha isso na ponta da língua. Em geral, eram meninos mimados, problemáticos, lentos, bagunceiros, arrogantes. Não havia elogio para eles todos os dias. Também é comum as mães quererem ensinar à professora como se dá uma aula, determinar o tema, o conteúdo e questionar inquestionáveis fracassos em provas. É comum uma tremenda falta de respeito pela profissão de professora. Ah, o óbvio.

Essa mãe, em especial, era perua, esposa de piloto de avião, fazia sexo uma vez por mês, deixava o filhote na escola e ia para o shopping. Voltava à tarde para buscar o guri e fazer perguntas. Como eu, a professora, nunca respondia grande coisa, ela começou a falar mal de mim para a supervisora. Que eu era uma professora insossa, calada, "mosca morta". Interessante era que a supervisora fazia questão de me contar. O tom era o seguinte: fale bem do filho dela. Ela paga a mensalidade.

Em alguns meses eu havia saído dessa escola. Guardo de lá apenas este tipo de lembrança. Mas vejam o que pode fazer uma professora para resolver coisas que os pais desses infelizes não resolvem. O garoto em questão era insolente, mal-educado, egoísta e maldoso na relação com os colegas. Já aos 8 anos, era competitivo e pouco razoável. Do tipo que trazia os melhores brinquedos e tênis para a aula para humilhar colegas com menos poder aquisitivo. Como se isso fosse a garantia de alguém.

Certa vez, estava eu dando uma aula de Português e usava como texto-base uma campanha de educação no trânsito. O interessante das crianças é que, muitas vezes, elas ajudam a educar os pais quando aprendem algo na escola. Isso funciona muito bem com assuntos sobre meio ambiente. É comum que crianças reprovem os pais que jogam lixo no chão ou pela janela do carro. A transmissão é quase imediata. A multiplicação desse tipo de informação, também. Aquela aula falava sobre uso dos faróis, da buzina e de vários outros aspectos da educação no trânsito.

Todos os alunos se esmeravam em dar exemplos acontecidos com pais e parentes próximos. Pulularam os casos de fechada, batida, xingamento. Até que o filho da perua pediu a vez para falar. Interessante que tenha pedido, coisa rara. Contou, com muito orgulho, que o pai tinha uma arma dentro do carro. Que certa vez ele próprio, a mãe e o pai-herói iam para a casa da avó. O pai dirigia com rapidez, mostrava a potência da máquina, falava alto. Fechou um carro que vinha devagar, buzinou, xingou de "veado". O menino ria muito. Adorava aquela balbúrdia. Na segunda fechada que deu, o pai foi chamado de filho da p. Parou o carro, pegou a arma e ameaçou os ocupantes do carro fechado.

O menino contava essa história com os olhos orgulhosos, como se o pai fosse um campeão de vôlei, um iatista, um cantor talentoso, um bombeiro condecorado, um grande professor. Falava como se aquilo fosse exemplo para todos. Concluía que o pai saíra na vantagem, que os ocupantes do carro fechado ficaram acuados, que não disseram nada, que pediram desculpas por terem xingado, que o pai entrou no carro sorrindo e guardou a arma no mesmo lugar.

Depois do "causo" armado, os meninos da sala, todos, olhavam o colega em silêncio. Muitos, garanto, com inveja por não terem um pai valentão como aquele. Outros haviam perdido algumas noções do que tentavam aprender em casa, com mães mais inteligentes e conscientes. Outros, por sequer terem pai. Afinal, o que está certo? Como viverei melhor? Onde a vantagem? E a pergunta que não quer calar: O que pode fazer uma professorinha diante de tanta merda?

Não é a cidade. Não é o progresso. Não é o título de doutor. Não é o diploma. Não é o computador. A energia elétrica. O banho de ducha. O carro flex. As férias na praia ou no exterior. As línguas que se fala. A escola particular. A cidade de milhões de habitantes. São Paulo ou Maria da Fé. Não é porque está na orla ou longe do mar. Não é o sotaque. Não é a família integrada. Não é porque é filho de pais separados. Não é o curso de Medicina. Nem o de Geologia. Não é porque sabe inglês, francês ou latim restaurado. Não é porque lê. Nem porque compra DVDs de Cannes. Não é porque dá aula. Porque trabalha de terno. Porque dá cursos de bermudas. Não é nada disso. Se mora na roça ou se mora no centrão da cidade. Se mora em prédio alto ou em palafita. O negócio é a falta de uma educação muito sutil. Muito sutil para quem tem. Para quem não tem, parece coisa de "jeca".

Quando fui ao interior, queria comprar uns ganchinhos de pendurar coisas. A moça da loja me mostrou outras coisas que ela vendia. Almofadas, vasos, quadros. Eu não quis. Disse então que me mostraria uma coisa maravilhosa. Trouxe lá de dentro umas rosas de ferro, de cor de ferrugem, rústicas e grandes. Pôs no chão e disse, com olhos que sorriam: Ficam lindas espalhadas pelo jardim. Era sincera, mas notou meu olhar de vazio. Disse, então, com ares de perdão: Ah, você não tem jardim, né? Mora em apartamento? Feliz é aquela moça, que ainda não entende os sórdidos sentidos de alguém que prefere morar numa gaiola, dividir a morada com mais dez vizinhos, pagar condomínio caro e rezar para que a garagem não amanheça arrombada. Ah, mas eu moro na cidade. Grande. Grande coisa.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 29/3/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era uma vez de Carina Destempero
02. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto
03. Pô, Gostei da Sua Saia de Duanne Ribeiro
04. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia de Duanne Ribeiro
05. Foi apenas um sonho de Marcelo Spalding


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/3/2006
09h49min
Oi. Gosto muito dos teus textos (já escrevi isto ano passado, acho). Deste texto, eu gostei muito e principalmente do título (morei 48 anos em São Paulo, me aposentei e estou morando há dois anos no interior, em Serra Negra, interior de São Paulo). Como já falei, você é ótima, muito criativa. Abraços, Maurão.
[Leia outros Comentários de Mauro Gorenstein]
29/3/2006
16h56min
gostei muito do começo do texto, principalmente por que tenho um filho pequeno 4 meses e meio e sempre tenho duvidas do que ensinar para ele, depois você começa a falar de educação, parte do texto que eu gostei muito, a conexão com o começo do texto está boa, e por ultimo você faz uma apologia 'a vida no campo! nao sei se entendi direito, apesar de concordar com o fim do texto e até ter gostado, confesso que não entendi!
[Leia outros Comentários de lendari0]
30/3/2006
15h53min
Esses pimpolhos "mimados, problemáticos, lentos, bagunceiros, arrogantes", com pais idem (ou pior...), parecem saídos de histórias como "Harry Potter" (familia Wesley e Malfoy) e "A Fantástica Fábrica de Chocolates" (todas as crianças desclassificadas do "concurso"). Bem, acho que, na verdade, quem escreveu as histórias é que retratou a realidade...
[Leia outros Comentários de Jacques Salvador]
31/3/2006
15h38min
Oi, Ana Elisa, amei esse texto. às vezes eu tenho a horrível sensação de que fazer o possível, hoje, é pouco. Sugiro um livro que tenho certeza que você vai amar, do filósofo e sociólogo Bauman: "Amor Líquido", pra entender melhor esse mundo onde os nosso filhos, inexoravelmente, crescerão.
[Leia outros Comentários de Sandra Baldessin]
3/4/2006
16h27min
Pois é, Ana Elisa. O problema não são os filhos. São os pais, penso. Deve ser muito difícil pra certas pessoas aceitar que seus pimpolhos são iguais aos outros, não necessariamente melhores. Esta necessidade - que penso ser dos pais, não dos guris - é que faz crianças "pouco razoáveis". Que nossos filhos saibam o verdadeiro valor do "obrigado", "de nada", "com licença", "desculpe", "posso ajudar?". Certamente isso os fará - e a nós - mais felizes. E melhores do que os outros. Ótimo texto!
[Leia outros Comentários de João Roberto]
7/4/2006
09h41min
Prezada Ana. Também já fui professor e tenho a mesma percepção, com relação à postura de alguns pais, que você parece ter. Falta diálogo, lições de cidadania, educação, respeito e afeto. Faltam aqueles papos em família, quando a luz acabava e ficávamos todos reunidos na sala a luz de velas. Bendita Light que sempre dava uma mancada dessas! Enfim, no mínimo perfeito seu texto.
[Leia outros Comentários de Márcio Antunes]
14/4/2006
18h56min
Depois de sou da capital, sou sem-educação, vem esta beleza de artigo afirmando: mas tenho cura. Repasso e aguardo os próximos e deixo meu beijo.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
20/4/2006
10h39min
Texto muito corajoso e necessário, Ana. Bem como a garantia de uma educação baseada na valoriação do ser humano está se tornando uma dádiva de pais corajosos. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Renata Amaral]
23/4/2006
16h57min
Muito bacana o texto! Serve de toque para pessoas mal formadas no tocante à maneira de pensar e de agir. E o pior: fazem isso diante dos filhos, deixando como exemplo um mau comportamento social...
[Leia outros Comentários de Cleis Pedro]
17/5/2006
11h03min
é muito oportuno o desenvolvimento do seu raciocinio lógico quando diz que: não é preciso muito para ser feliz, basta olhar os outros, o próximo, senti-lo, amá-lo se possível, e ser util à sociedade pois só assim o homem será feliz, basta o respeito, a ética e consequentemente o cidadão educado pronto para viver aqui, ali e acolá . obrigada, Ana Eliza
[Leia outros Comentários de nicia]
17/6/2006
21h32min
Adorei o texo. Expressa sentimentos que deveriam ser avaliados por um bando de hipócritas vazios. Ana, fico feliz por saber que existem pessoas como vc. Parabéns... Abraço!
[Leia outros Comentários de Vagné N. Nascimento]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Minha Massagem Shiatsu (2007)
Regina Suplicy Vianna
Do Autor
(2007)



Direito Processual Civil - Série Roteiros
Anamaria Prates
Fortium
(2008)



Jogo de Damas
Myriam Campello
Lingua Geral
(2010)



A Internet e os Hackers Ataques e Defesas
Marcio José Accioli de Vasconcellos
Chantal



O Que a Floresta Tropical nos Ensinou
Tachi Kiuchi e Bill Shireman
Cultrix
(2009)



Drawing: Heads & Figures in Pencil (2000)
William Powell
Walter Foster
(2000)



Mulheres Alteradas 5
Maitena
Rocco
(2001)



Coleção Lições para o Sucesso Com Max Gehringer 2
Max Gehringer
Gold



Compêndio Deconomia Politica
Carlos Gide
Globo
(1960)



Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira Auto da Índia
Gil Vicente
Atica
(1998)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês