De volta às férias II | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Pelos Caminhos de Versos de Nilton Soares pela Líttera Maciel
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Círculo do Livro (1986)
>>> Retrato do Artista quando Jovem de James Joyce pela Abril Cultural (1971)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Cultura de consumo & pós-modernismo de Mike Featherstone pela Studio Nobel (1995)
>>> Lucíola de José de Alencar pela FTD (1999)
>>> Verlaine et les poètes symbolistes de Paul Verlaine pela Classiques Larousse (1943)
>>> Lucio Costa - Um Modo de ser moderno de Ana Luiza Nobre e outros pela Cosac Naify (2004)
>>> A Idade Média - Nascimento do ocidente de Hilário Franco Júnior pela Brasiliense (1988)
>>> Lexil et Le Royaume de Albert Camus pela Folio (2006)
>>> Vik Muniz Obra Completa 1987-2009 de Vik Muniz pela Capivara (2009)
>>> Bob Esponja - um guia completo sobre o desenho animado mais irado da TV de David Lewman pela Delphys (2005)
>>> Amor de salvação de Camilo Castelo Branco pela Ática (1998)
>>> Dessine-moi un parisien de Olivier Magny pela 10-18 (2010)
>>> Caetano Veloso - literatura comentada de Paulo Franchetti e Alcyr Pécora pela Nova Cultural (1988)
>>> River Angel de A. Manette Ansay pela Bard (1998)
>>> Inconfidência Mineira de Cândida Vilares Gancho e Vera Vilhena de Toledo pela Ática (1991)
>>> De Menina para Menina com os conselhos de Mari de Inês Stanisiere pela Leitura (2005)
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Moderna (1992)
>>> l`étranger de Albert Camus pela Folio (2005)
>>> Mapa Iconográfico Digital de Heloisa Alves pela Arco (2010)
>>> Poésies de Paul Valéry pela Gallimard (2012)
>>> A Revolução Francesa 1789-1799 de Carlos Guilherme Mota pela Editora Ática (1989)
>>> O Cinema, arte e indústria de Carlos Barbáchano pela Salvat (1979)
>>> Capitão América nº 133 de Mark Gruenwald. Paul Neary. Allan Zelenetz e William Johnson pela Abril (1990)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/7/2005
De volta às férias II
Eduardo Carvalho
+ de 4300 Acessos

Dividi minhas férias, de janeiro e fevereiro, em duas partes: a primeira, que passei principalmente em Oxford, mais dedicada a pesquisas e à literatura, dentro e fora de salas de aula; e a segunda, em fevereiro, que passei pulando de cidade em cidade, em vários meios de transporte e com muitas companhias. Sai do Brasil sozinho, como já havia feito, antes, com direção a destinos menos convencionais. E sai de Londres, no começo de fevereiro, talvez mais sozinho do que havia deixado o Brasil em dezembro: porque Oxford e, em seguida, Londres estavam agradáveis, amigáveis, e tinham me feito sentir praticamente - ou temporariamente, pelo menos - em casa. Havia ainda muita coisa para conhecer em Oxford, que descobrirei depois; e estava com excelentes companhias em Londres, onde rapidamente estabeleci uma rotina que foi difícil abandonar. Mas eu precisava deixar a Inglaterra e continuar a minha viagem - mesmo sem saber exatamente para onde.

Escolhi a Espanha como primeiro destino simplesmente porque nunca tinha ido para a Espanha - e por nada mais especial. Minha primeira impressão, quando pousei em Madri, é a de que estava em Marrocos, ou - para ser preciso - geograficamente fora da Europa. Aos poucos, essa sensação foi desaparecendo, não sei se porque freqüentei ambientes mais educados ou se me acostumei com o lugar. Devo ter me acostumado: até porque o estilo que é considerado cosmopolita na Espanha é parecido com o que se imita aqui em São Paulo. Andei muito em Madri - principalmente por Salamanca. Entrei em lugares escondidos, de restaurantes cool a bares universitários. Só que o que mais me marcou - apesar de eu, às vezes, escapar de museus em viagens - foi a coleção da Galeria Thyssen. Pensei que o Prado - com Goya, Velásquez, etc. - fosse me encantar mais: mas eu nunca tinha ficado tão deslumbrado antes em uma galeria. Meu gosto simples para artes plásticas estava totalmente satisfeito com o veleiro de Edward Hopper, por exemplo. Nem precisava da exposição temporária do Brucke que estava acontecendo lá - e que gerou, depois, bastante assunto para conversas em Berlim.

Em Barcelona, dispensei quase todos os museus, galerias, etc. A gente sabe, tem o Picasso e o Miró, mas meu tempo estava curto para isso: eu precisava andar de avião no Parque de Diversões e, à noite, me alimentar bem. O Cinc Gats é famoso em Barcelona, porque um dia, há quase cem anos, foi ponto de encontros de Picasso, Cocteau, etc. Mas o clima e a comida desapontam, apesar de continuar reduto dos turistas mais bem informados. Fui jantar razoavelmente bem no Speak Ease - uma espécie de Gero local -, o restaurante do bar Dry Martini, considerado um dos melhores do mundo e especializado, óbvio, no drinque do James Bond. O concinillo mereceu nota 7,2 - que subiu por causa da combinação com o vinho que me recomendaram, impecável. Mas fui comer bem mesmo, acredite, em Praga, onde o ritmo gastronômico foi acelerado.

De Barcelona, então, fui para Berlim - que estava congelando, em fevereiro. Encontrei um amigo e fomos de trem, no dia seguinte, para Praga. A cidade é a mais aberta e amigável entre as capitais das antigas províncias soviéticas. Foi a primeira a se abrir ao Ocidente e a entrar na moda. Há anos Praga está no roteiro de turismo mainstream dos europeus. Hoje, os mais antenados estão abrindo território em Moscou, Tallin, Riga, Beirute, Libjuana. Praga é tipo uma Trancoso européria: não é mais assim alternativa, você não vai mais ser único a ter ido para lá, mas só os atrasados - que são muitos (americanos e eurotrashes, principalmente) - vão com esse espírito. A Filarmônica de Praga é competente. E você almoça e janta deliciosamente: um cabrito no Café Flambé, um coelho no Hergetova Cihélna, ou uma dúzia de ostras no Bazzar, que há pouco tempo foi considerado um dos ambientes mais cool do mundo. E ainda há o castelo, o rio, as pontes e a neve, que à noite, no inverno - quando a cidade está vazia - formam o ambiente autêntico de um conto de fadas.

Praga é pequena e provinciana assim como Berlim, ao contrário, é ampla e cosmopolita. A cidade está espalhada em vários centros, e todos eles são freqüentados por um público variado e atualizado - como Mitte e Charlottenburg. Berlim parece ser, em alguns aspectos, o centro do mundo, se não for mesmo: e nem preciso comentar temas como música e literatura, que estão presentes nos melhores ambientes da cidade. Foi prático, claro, me hospedar no Funk Hotel, na Fasanenstrasse, que funciona no charmoso apartamento em que morou, nos anos 20, a atriz Asta Nielsen - e que preserva a decoração Art Nouveau da época. Passeei muito de bicicleta pela cidade, guiado por amigos que moram lá, e me abastecendo no Eisntein Café - que recomendo, aliás, especialmente o original, ao lado da embaixada americana. O documentário que assisti sobre a vida de Kubrick, no cinema da Universidade, me estimulou ainda mais a assistir Barry Lindon. E o que é interessante: essa turba de alemães médios, bêbada em Ibiza e Canários, é aparentemente parecida com os mais finos, mas a diferença - que é essencial - é gigante. Existe em Berlim um pessoal culto, elegante, que combina, digamos assim, os modos franceses e a cultura inglesa, e os enquadra num método germânico - e o resultado está longe do estereótipo que se fazem deles. Dizem que Berlim é o seguinte: imagine Paris civilizada. Uma noite na Filarmônica seguida por um jantar no Wintergarten im Literaturhaus faz tudo parecer menor.

É uma fraqueza minha, confesso, mas ainda fico deslumbrado com mulheres lindas que conseguem conversar sobre Proust sem ser pentelhas. Não são poucas, acredite. Não, pelo menos, em Berlim. Mas precisei infelizmente sair correndo de lá, para conhecer Munique, esquiar na divisa com a Áustria, entre castelos que inspiraram Walt Disney, e depois cair numa roubada previsível: pegar um ônibus de Munique a Budapeste, atravessando a madrugada - ao lado de um gordo em ebulição. Fiquei em Peste, conheci Buda, e - como o personagem de Budapeste, de Chico Buarque - acabei estendendo meus planos na cidade porque meu avião falhou. Não foi ruim a noite à beira do Danúbio, com vista para os castelos da cidade, no hotel em que engraxei minha botina para seguir, na manhã seguinte, para Zurique. Um café no bar da Universidade, no topo da cidade, foi o suficiente para me convencer de que tenho que voltar para a Suíça com mais calma, talvez no próximo inverno, pelo menos para esquiar no Riders Palace.

A escala na Suíça foi curta e, na manhã seguinte, eu estava em Paris. Para encerrar uma viagem completa: que passou do porto de Antuérpia ao Dinner Room do Oriel College, em Oxford; de um cinema obscuro em Paris a peregrinações noturnas por Londres; de eventos sobre venture capital a exposição de pedras e joalheiros em Munique; de uma overdose de TGV, entre Londres e Paris, à insônia viajando de ônibus, no interior da Hungria; de uma tarde perdido no meio da Bavária, sozinho, passeando por um centro de Olimpíadas de Inverno desativado, à leitura em êxtase de Henry James numa praça de Madri; de cervejas e tapas em Toledo, desacompanhado, a um passeio pelo Zoológico de Berlim, muito bem acompanhado; de papos toscos, com gente desinteressante, em bares de americanos em Praga, a conversas sofisticadas sobre a personalidade ingênua de Isabel Alrem; de aula avançada sobre precificação de ações alternativas ao maravilhoso clima de Natal em Ghent; do globo da biblioteca do Queen's College, em Oxford, que apenas a rainha pode girar, a um fliperama vazio na periferia de Budapeste. Para terminar meu trajeto na Feira de Agropecuária de Paris. E tirar uma foto com o maior boi do mundo - uma das cinco ou seis que eu touxe para casa. As melhores imagens e situações - que não aparecem em fotografias - eu prefiro guardar com mais cuidado, num lugar em que elas não se perdem nem se desgastam com o tempo: e em que andarão comigo, para sempre, e para todos os lugares do mundo, como se estivessem aqui, no meu bolso da minha camisa.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 22/7/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem Resenha as Resenhas de Som? de Stan Molina
02. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar de Carla Ceres
03. O que você comeu no café da manhã? de Marta Barcellos
04. Medo e Delírio em Las Vegas de Gian Danton
05. Frankenstein e o passado monstruoso de Carla Ceres


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2005
01. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005
02. Minha formatura - 5/8/2005
03. Uma conversa íntima - 11/2/2005
04. A prática e a fotografia - 25/2/2005
05. De volta às férias I - 17/6/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Capa Dura História Geral Memórias do Século XX Tempos Modernos 1970 a 1999
Seleções Readers Digest
Seleções Readers Digest
(2004)



O Atiçador de Wittgenstein
David Edmondes, John Eidinow
Difel
(2003)



Fluxo de Caixa uma Decisao de Planejamento
Jose Eduardo Zdanowicz
Sagra Luzzatto
(2004)



Livro Infanto Juvenis Viagens de Gulliver Série Reencontro
Jonathan Swift
Scipione
(1998)



Os Portões do Inferno
Andre Gordirro
Fabrica 231
(2015)



Saúde, Corpo e Sociedade
Org. Alicia Navarro de Souza, Janqueline Pitangui
Ufrj
(2006)



Paixão Índia
Javier Moro
Planeta
(2012)



Livro Saúde Minha Profissão é Andar
João Carlos Pecci
Summus
(1980)



Como Trabalhar para um Idiota
John Hoover
Futura
(2007)



Livro Economia A Economia Solidária Como Política Pública uma tendência de geração de renda e ressignificação do trabalho no Brasil
Rosangela Nair de Carvalho Barbosa
Cortez
(2007)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês