De volta às férias II | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
60133 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/7/2005
De volta às férias II
Eduardo Carvalho

+ de 3200 Acessos

Dividi minhas férias, de janeiro e fevereiro, em duas partes: a primeira, que passei principalmente em Oxford, mais dedicada a pesquisas e à literatura, dentro e fora de salas de aula; e a segunda, em fevereiro, que passei pulando de cidade em cidade, em vários meios de transporte e com muitas companhias. Sai do Brasil sozinho, como já havia feito, antes, com direção a destinos menos convencionais. E sai de Londres, no começo de fevereiro, talvez mais sozinho do que havia deixado o Brasil em dezembro: porque Oxford e, em seguida, Londres estavam agradáveis, amigáveis, e tinham me feito sentir praticamente - ou temporariamente, pelo menos - em casa. Havia ainda muita coisa para conhecer em Oxford, que descobrirei depois; e estava com excelentes companhias em Londres, onde rapidamente estabeleci uma rotina que foi difícil abandonar. Mas eu precisava deixar a Inglaterra e continuar a minha viagem - mesmo sem saber exatamente para onde.

Escolhi a Espanha como primeiro destino simplesmente porque nunca tinha ido para a Espanha - e por nada mais especial. Minha primeira impressão, quando pousei em Madri, é a de que estava em Marrocos, ou - para ser preciso - geograficamente fora da Europa. Aos poucos, essa sensação foi desaparecendo, não sei se porque freqüentei ambientes mais educados ou se me acostumei com o lugar. Devo ter me acostumado: até porque o estilo que é considerado cosmopolita na Espanha é parecido com o que se imita aqui em São Paulo. Andei muito em Madri - principalmente por Salamanca. Entrei em lugares escondidos, de restaurantes cool a bares universitários. Só que o que mais me marcou - apesar de eu, às vezes, escapar de museus em viagens - foi a coleção da Galeria Thyssen. Pensei que o Prado - com Goya, Velásquez, etc. - fosse me encantar mais: mas eu nunca tinha ficado tão deslumbrado antes em uma galeria. Meu gosto simples para artes plásticas estava totalmente satisfeito com o veleiro de Edward Hopper, por exemplo. Nem precisava da exposição temporária do Brucke que estava acontecendo lá - e que gerou, depois, bastante assunto para conversas em Berlim.

Em Barcelona, dispensei quase todos os museus, galerias, etc. A gente sabe, tem o Picasso e o Miró, mas meu tempo estava curto para isso: eu precisava andar de avião no Parque de Diversões e, à noite, me alimentar bem. O Cinc Gats é famoso em Barcelona, porque um dia, há quase cem anos, foi ponto de encontros de Picasso, Cocteau, etc. Mas o clima e a comida desapontam, apesar de continuar reduto dos turistas mais bem informados. Fui jantar razoavelmente bem no Speak Ease - uma espécie de Gero local -, o restaurante do bar Dry Martini, considerado um dos melhores do mundo e especializado, óbvio, no drinque do James Bond. O concinillo mereceu nota 7,2 - que subiu por causa da combinação com o vinho que me recomendaram, impecável. Mas fui comer bem mesmo, acredite, em Praga, onde o ritmo gastronômico foi acelerado.

De Barcelona, então, fui para Berlim - que estava congelando, em fevereiro. Encontrei um amigo e fomos de trem, no dia seguinte, para Praga. A cidade é a mais aberta e amigável entre as capitais das antigas províncias soviéticas. Foi a primeira a se abrir ao Ocidente e a entrar na moda. Há anos Praga está no roteiro de turismo mainstream dos europeus. Hoje, os mais antenados estão abrindo território em Moscou, Tallin, Riga, Beirute, Libjuana. Praga é tipo uma Trancoso européria: não é mais assim alternativa, você não vai mais ser único a ter ido para lá, mas só os atrasados - que são muitos (americanos e eurotrashes, principalmente) - vão com esse espírito. A Filarmônica de Praga é competente. E você almoça e janta deliciosamente: um cabrito no Café Flambé, um coelho no Hergetova Cihélna, ou uma dúzia de ostras no Bazzar, que há pouco tempo foi considerado um dos ambientes mais cool do mundo. E ainda há o castelo, o rio, as pontes e a neve, que à noite, no inverno - quando a cidade está vazia - formam o ambiente autêntico de um conto de fadas.

Praga é pequena e provinciana assim como Berlim, ao contrário, é ampla e cosmopolita. A cidade está espalhada em vários centros, e todos eles são freqüentados por um público variado e atualizado - como Mitte e Charlottenburg. Berlim parece ser, em alguns aspectos, o centro do mundo, se não for mesmo: e nem preciso comentar temas como música e literatura, que estão presentes nos melhores ambientes da cidade. Foi prático, claro, me hospedar no Funk Hotel, na Fasanenstrasse, que funciona no charmoso apartamento em que morou, nos anos 20, a atriz Asta Nielsen - e que preserva a decoração Art Nouveau da época. Passeei muito de bicicleta pela cidade, guiado por amigos que moram lá, e me abastecendo no Eisntein Café - que recomendo, aliás, especialmente o original, ao lado da embaixada americana. O documentário que assisti sobre a vida de Kubrick, no cinema da Universidade, me estimulou ainda mais a assistir Barry Lindon. E o que é interessante: essa turba de alemães médios, bêbada em Ibiza e Canários, é aparentemente parecida com os mais finos, mas a diferença - que é essencial - é gigante. Existe em Berlim um pessoal culto, elegante, que combina, digamos assim, os modos franceses e a cultura inglesa, e os enquadra num método germânico - e o resultado está longe do estereótipo que se fazem deles. Dizem que Berlim é o seguinte: imagine Paris civilizada. Uma noite na Filarmônica seguida por um jantar no Wintergarten im Literaturhaus faz tudo parecer menor.

É uma fraqueza minha, confesso, mas ainda fico deslumbrado com mulheres lindas que conseguem conversar sobre Proust sem ser pentelhas. Não são poucas, acredite. Não, pelo menos, em Berlim. Mas precisei infelizmente sair correndo de lá, para conhecer Munique, esquiar na divisa com a Áustria, entre castelos que inspiraram Walt Disney, e depois cair numa roubada previsível: pegar um ônibus de Munique a Budapeste, atravessando a madrugada - ao lado de um gordo em ebulição. Fiquei em Peste, conheci Buda, e - como o personagem de Budapeste, de Chico Buarque - acabei estendendo meus planos na cidade porque meu avião falhou. Não foi ruim a noite à beira do Danúbio, com vista para os castelos da cidade, no hotel em que engraxei minha botina para seguir, na manhã seguinte, para Zurique. Um café no bar da Universidade, no topo da cidade, foi o suficiente para me convencer de que tenho que voltar para a Suíça com mais calma, talvez no próximo inverno, pelo menos para esquiar no Riders Palace.

A escala na Suíça foi curta e, na manhã seguinte, eu estava em Paris. Para encerrar uma viagem completa: que passou do porto de Antuérpia ao Dinner Room do Oriel College, em Oxford; de um cinema obscuro em Paris a peregrinações noturnas por Londres; de eventos sobre venture capital a exposição de pedras e joalheiros em Munique; de uma overdose de TGV, entre Londres e Paris, à insônia viajando de ônibus, no interior da Hungria; de uma tarde perdido no meio da Bavária, sozinho, passeando por um centro de Olimpíadas de Inverno desativado, à leitura em êxtase de Henry James numa praça de Madri; de cervejas e tapas em Toledo, desacompanhado, a um passeio pelo Zoológico de Berlim, muito bem acompanhado; de papos toscos, com gente desinteressante, em bares de americanos em Praga, a conversas sofisticadas sobre a personalidade ingênua de Isabel Alrem; de aula avançada sobre precificação de ações alternativas ao maravilhoso clima de Natal em Ghent; do globo da biblioteca do Queen's College, em Oxford, que apenas a rainha pode girar, a um fliperama vazio na periferia de Budapeste. Para terminar meu trajeto na Feira de Agropecuária de Paris. E tirar uma foto com o maior boi do mundo - uma das cinco ou seis que eu touxe para casa. As melhores imagens e situações - que não aparecem em fotografias - eu prefiro guardar com mais cuidado, num lugar em que elas não se perdem nem se desgastam com o tempo: e em que andarão comigo, para sempre, e para todos os lugares do mundo, como se estivessem aqui, no meu bolso da minha camisa.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 22/7/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Agora o mundo perde cotidianamente os seus ídolos de Guilherme Carvalhal
02. 150 anos de Miguel de Unamuno de Celso A. Uequed Pitol
03. Geração X-Tudo de Adriane Pasa
04. Alceu Penna e as garotas do Brasil de Gian Danton
05. Cartas@de.papel de Ana Elisa Ribeiro


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2005
01. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005
02. Minha formatura - 5/8/2005
03. Uma conversa íntima - 11/2/2005
04. A prática e a fotografia - 25/2/2005
05. Com pouco peso - 14/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL PRÁTICO DO HORÓSCOPO CHINÊS
MINAMI KEIZI
TRAÇO
(1988)
R$ 15,00



MUITO ALÉM DO CORPO- A CONSTRUÇÃO NARRATIVA DA SAÚDE
FERNANDO LOLAS STEPKE
LOYOLA
(2006)
R$ 13,90



101 NOITES DE NATAL - UMA ANTOLOGIA LITERÁRIA
FERNANDO PESSOA E OUTROS
101 NOITES PROD.CULT.
(2001)
R$ 50,00



O NACIONALISMO NA ATUALIDADE BRASILEIRA
HELIO JAGUARIBE
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO
(2013)
R$ 35,90



GAFE, NÃO É PECADO
CLAÚDIA MATARAZZO
MELHORAMENTOS
(1996)
R$ 4,00



BOLOFOFOS E FINIFINOS
FERNANDO SABINO
EDIOURO
(2004)
R$ 7,00



COMO FAZER APRESENTAÇÕES
TIN HINDLE
PUBLI FOLHA
(1998)
R$ 10,00



CONVERSAS COM GERDA ALEXANDER
VIOLETA HEMSY DE GAINZA
SUMMUS
(1997)
R$ 50,00



INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA EDUCACIONAL
RUY DE AYRES BELLO -2ª EDIÇÃO
BRASIL
(1964)
R$ 8,00



AS 100 TURMAS DA MEDICINA DA USP 3530
DIVERSOS
CASA DE SOLUÇÕES
(2012)
R$ 19,00





busca | avançada
60133 visitas/dia
1,1 milhão/mês