As pedras de Estevão Azevedo | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sidney Rocha lança seu novo livro, A Lenda da Seca
>>> Oficina de Alegria encerra o mês das crianças com a festa Bloquinho na Praça - 27 de outubro
>>> EMP Escola de Música faz apresentação gratuita de alunos e professores
>>> Miami Ad School Rio promove curso sobre criatividade que desmistifica o padrão do que é ser criativo
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A moral da dúvida em Oakeshott e Ortega Y Gasset
>>> Por um triz
>>> Sete chaves a sete cores
>>> Feira livre
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Um defeito de cor, um acerto de contas
>>> Cuidado: Texto de Humor
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> My fair opinion
>>> Hitler e outros autores
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Conceição Evaristo em BH
Mais Recentes
>>> Manipulação da Linguagem e Linguagem da Manipulação de Claudinei Jair Lopes pela Paulus (2008)
>>> Mobilidade Religiosa: Linguagens, Juventude, Política de Pedro a Ribeiro de Oliveira, Geraldo de Mori Org pela Paulinas (2012)
>>> Em Sonho. uma Boa Conversa Entre o Romeiro Sebastião e Padre Cícero de Annette Dumoulin pela Paulinas (2017)
>>> Em Desnuda Oração de Paulo Gabriel pela Paulinas (2010)
>>> Santa Teresa Verzeri - Vida e Obra de Rosa Cassinari pela Paulinas (2008)
>>> Santa Teresa Verzeri de Rosa Cassinari pela Paulinas (2008)
>>> Educação para a Comunicação nos Institutos de Filosofia e Teologia de Cnbb pela Paulinas/sepac (2001)
>>> Educação para a Comunicação nos Institutos de Filosofia e Teologia de Cnbb pela Paulinas/sepac (2001)
>>> Lucíola de José de Alencar pela Ct (2001)
>>> Casa Velha de Machado de Assis pela Ct (2001)
>>> A Espada e a Pena. Como Atingir o Desenvolvimento Humano pelo Racional de Mauro Monteiro de Andrade pela Nobel (1999)
>>> Goethe e Barrabás de Deonísio da Silva pela Novo Século (2008)
>>> Umberto Eco - o Labirinto do Mundo de Daniel Salvatore Schiffer pela Globo (2000)
>>> Felicidade Em um Mundo Material de Gabriel Lafitte, Alison Ribush pela Fundamento (2009)
>>> Preludina de João Schiller pela Celebris (2002)
>>> Contos Consagrados de Machado de Assis pela Nova Fronteira (2014)
>>> Um Certo Jacques Netan de Carlos Nejar pela Record (1991)
>>> O Bequimão - Esquisso de um Romance de Clodoaldo Freitas pela Siciliano (2001)
>>> A Pátria Descoberta de Gilberto de Melo Kujawski pela Papirus (1992)
>>> Frederico Paciência - Conto de Mario de Andrade pela Companhia Nacional (1978)
>>> Canopus Em Argos: Arquivos Shikasta de Doris Lessing pela Nova Fronteira (1982)
>>> Filomena Borges de Aluísio de Azevedo pela Escala (2008)
>>> Pulp - Novela de Charles Bukowski pela Lmp (2014)
>>> An Introduction to Abhidhamma de Silananda Brahmachari pela Cbbef (2016)
>>> Clear Light Bliss de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa (1982)
>>> Fé na Estrada. Seguindo os Passos de Jack Kerouac de Dodô Azevedo pela Casa da Palavra (2012)
>>> A Vida de Aparências de Evelyn Beegan de Stephenie Clifford pela Leya (2016)
>>> Beleza Natural. a História da Rede de Cabeleireiros de Liana Melo pela Primeira Pessoa (2015)
>>> Infinito - os Imortais Volume 6 de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> A Promessa do Tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2014)
>>> Expert Em Sedução High Gril de La Baronne pela Lua de Papel (2012)
>>> O Que Toda Mulher Inteligente Deve Saber de Steven Carter, Julia Sokol pela Sextante (2015)
>>> Por Que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor? de Allan e Barbara Pease pela Sextante (2014)
>>> Por Que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor? de Allan e Barbara Pease pela Sextante (2014)
>>> A Travessia de William P. Young pela Sextante (2017)
>>> O Futuro é o Começo. os Ensinamentos de Bob Marley de Bob Marley pela Bestseller (2013)
>>> O Futuro é o Começo. os Ensinamentos de Bob Marley de Bob Marley pela Bestseller (2013)
>>> Convergência Jul/ago 1981 N. 144 - a Dimensão Missionária na Formação de Vvaa pela Revista Convergência (1981)
>>> Como Educar e Ser Feliz de Maria Teresa C. R. Moreira pela Raboni
>>> Maddy de Nora Roberts pela Harlequim (2016)
>>> Trace de Nora Roberts pela Harlequim (2016)
>>> Amor Maior Que Tudo de Nora Roberts pela Harlequim (2015)
>>> Amor Maior Que Tudo de Nora Roberts pela Harlequim (2015)
>>> Estrela Cativa de Nora Roberts pela Harlequim (2014)
>>> Chantel de Nora Roberts pela Harlequim (2015)
>>> Arte Tibetana - Apis Tibetana de Nana de Craiova pela Usp (1968)
>>> A História de Angulimala de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa (2014)
>>> A História de Buda de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa (2014)
>>> O Que é Budismo? de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa (2014)
>>> Minidicionário Soares Amora de Soares Amora pela Saraiva (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 10/10/2018
As pedras de Estevão Azevedo
Wellington Machado

+ de 300 Acessos

Quem estava a par do que acontecia no Brasil nos anos 1980, mais especificamente na cidade de Curionópolis (PA), pôde acompanhar uma corrida da população para explorar ouro na região. Foram retiradas mais de 30 toneladas do metal, no maior garimpo a céu aberto do mundo. O lugar ficou conhecido como Serra Pelada, uma região desprovida de estrutura, que recebeu mais de 80 mil garimpeiros, anunciando a precaridade da condição humana. Cada garimpeiro buscava na escavação e apuração, no “trabalho fácil”, o sonho de enriquecer para toda a vida. Dali surgiram vilas, lugarejos e palafitas, que abrigavam, com um certo grau de amontoamento, os trabalhadores aventureiros – muitos deles com suas famílias. O movimento e o cotidiano do garimpo foi registrado por Sebastião Salgado.

Um recorte do que poderia acontecer nesses possíveis lugarejos foi imaginado por Estevão Azevedo em Tempo de espalhar pedras (no caso, diamantes), romance relançado pela Record em 2018 - a primeira edição saiu em 2014 pela Cosac Naify, editora extinta na mesma semana do lançamento; o livro venceu o prêmio São Paulo de Literatura de 2015.

O cenário do livro é um distrito pequeno, onde as pessoas, quando não estão no garimpo, estão bebendo na praça, num “não-fazer” eterno, sob o sol escaldante. Uma praça onde os dias se vão sem maiores novidades:
Alguns garimpeiros sem trabalho vagavam de um lado para o outro, movidos pelo tédio e falta de perspectiva. Outros contavam histórias e riam da própria miséria trocavam sopapos amistosos e provocações cordiais que algumas vezes descambavam para a contenda, assobiavam para a rara moças sem doo que por ali passavam, bebiam poucas moedas de que dispunham. Homens embrutecidos pela faina desde sempre, e pela falta dela desde que as pedras haviam rareado.

***

A relação entre Rodrigo e Ximena, mais carnal e sexual do que de afeição, permeia toda a narrativa, que tem parentesco com a forma de narrar de Guimarães Rosa, Graciliano Ramos, João Cabral e Saramago. O leitor vai encontrar no livro toda uma gama de trejeitos nordestinos, lendas, brigas e vingança, que delineiam a imagem do sertão “cabra-macho”, que normalmente nos chega caricaturada pelas séries televisivas.

Os pais de Rodrigo e Ximena são inimigos mortais – há um jogo interminável de vingança entre as famílias. Diogo (pai de Rodrigo) carrega uma aversão quase que espiritual a Gomes (pai de Ximena). Paralelos ao fio narrativo dessas famílias, há personagens bem elaborados, simbolizando a violência, a malandragem ou a loucura. Aureliano, por exemplo, é um coronel autêntico, com autoridade informal, rodeado de capangas a protegê-lo ou para “fazer justiça”. É o comprador oficial de diamantes. Cuida do “câmbio”, do pagamento das pedras, e da inevitável exploração dos garimpeiros.

Silvério é um religioso místico. De tanta fome vai à loucura e começa a ter alucinações. Num dado momento, arrebanha seguidores para uma procissão, tornando-se uma espécie de Antônio Conselheiro da cidade. Bezerra quase não garimpa, mas está sempre com dinheiro para as cachaças. Por sorte, ele descobriu uma passagem secreta que o leva a uma espécie de tesouro particular de diamantes. Quando o dinheiro escasseia, ele entra na mata para tirar uma pedra, garantindo-lhe o sustendo por mais uns dias. Joca, irmão de Rodrigo, é perseguido numa das cenas mais angustiantes do romance, quando é cercado numa tocaia à Lampião. A construção desses personagens tem o mesmo peso dos personagens principais no livro de Estevão.

Como toda riqueza é esgotável, os diamantes começam a rarear. A fome e a miséria definham a vida do lugarejo. Muitos vão à loucura, cavam o quintal das residências em busca de diamantes. No ápice da loucura, perfuram a parte interna das próprias casas. Pessoas mendigam comida, o chão duro e seco não brota planta, mais parece Vidas secas, de Graciliano Ramos. Silvério chega a se humilhar ao pedir comida a Diogo:
Vim para saber se, com todo o respeito e por Deus, o senhor não teria mandioca ou pão ou outro de comer para me vender, a pagamento futuro e garantido, o senhor sabe, acabou-se o que eu tinha, plantação não vingou, foi praga, pois foi, só pode ter sido […] Silvério estava louco. É a fome, disseram alguns, pois não planta, não cria animais, nem mesmo esmola, o infeliz. Se reza enchesse bucho, o padre não cobrava o quinto...

***

O leitor mais atento identificará em Tempo de espalhar pedras algumas formas de narrar de alguns escritores brasileiros. Há ecos de Guimarães Rosa em expressões como:
(...)mastigou o oco da boca; (...)fazer Vitória rezar pra dentro umas imundícias; (...)espairecer, palavra de garimpeiro? Nem não; (...)muito no passado, arriscara consulta a proclamados doutores, quando os havia, e eles tentavam pomada, emplastro, chá, mas, para dor que não existe, o adequado é remédio que não se encontra ou colherada de ar.

E há trechos que lembram Saramago, pela cerzidura das frases picadas na construção de um cenário, situação, estado de espírito ou psicológico:
(...) Em uma única vez, no entanto, e justo naquela, eis a sorte dentro do azar, foi acontecer o improvável: um desacordo entre gatilho, martelo e agulha, talvez pela fadiga dos frequentes e bem prestados serviços, fez a bala, ao contrário das predecessoras, que daquele útero mecânico foram todas expelidas em explosivo nascimento e, uma vez dadas à luz, desconfortáveis no contato com o ar, como se desistissem, em uma espécie de desparto, pode-se dizer, logo encontraram novo corpo em que se aninhar, o desacordo mecânico fez essa bala, a dessa única e precisa vez, não entendendo que deveria deixar o cano e desnascer em outras carnes, incendiar-se ali mesmo, dentro da arma, não vingar e explodir.

***

Cachaça, assassinatos, facadas… O estereótipo do sertanejo cabra-maracado-pra-morrrer dão o tom de humor em Tempo de Espalhar pedras. As situações dramáticas têm sempre um chiste narrativo intercalado. Há expressões características da idiossincrasia nordestina, que se aproximam do anedotário de Ariano Suassuna do Auto da Compadecida. Azevedo é hábil na criação de frases de efeito (não raro elas são epígrafes dos capítulos):

Quem rasga um ventre não tem medo de intestino.
Quem tem sobrenome não aperta o gatilho
Devaneava. Mulher era lá opção? Tivesse dois braços lisos ao seu lado naquele escondido em que descobrira o garimpo, dava-lhe enxada? Dava-lhe beijos...
Rosário não decidiu sujar a lâmina, afiada e lavada havia pouco na água corrente (…) e por isso elegeu um tiro como forma de liquidar o assunto
Dissesse o homem meia palavra ao coronel, estava Bezerra pobre e, pior, morto, que é um modo de estar pobre, só que de vida.
(…) Rodrigo via quando queria aqueles pedaços de pele de Simena que o sol não costumava iluminar
(…) manteve no coldre o parabélum e serviu-se do facão para extrair das tripas do ladrão o sopro que animava suas furiosas imprecações...
Vingança iminente fede mais que cadáver, daí a vila desgostar que ela tarde;

Em alguns trechos, Estevão Azevedo cria também metáforas bem humoradas: Roubo? O coronel mandava cortar o dedo como castigo; a mão se fosse necessário [...]diziam tudo isso mas até hoje não tinham visto ninguém que cumprimentasse incompleto ou desse meio aceno de longe; ou valendo-se de jogos de palavras: os diamantes ou não existiam mais ou haviam aprendido a se disfarçar de granito; matar era do costume, judiar não, isso era modo de quem tinha índole perversa, de quem não valia a arma que empunhava...

***

À primeira vista poderíamos cogitar que Estevão Azevedo tivesse realizado inúmeras pesquisas de campo, visitado cidades do interior nordestino tomando notas etc. para escrever o livro. Mas não. O autor valeu-se apenas de pesquisa bibliográfica para compor sua história. De uma frase do Eclesiastes tirou o nome do livro; do Cascalho (Herberto Sales) tirou informações sobre o garimpo; do livro Fome (Knut Hamsun) captou os delírios de fome dos personagens; e do Abril Despedaçado (Ismail Kadaré) pesquisou sobre vingança. Há de se destacar a honestidade intelectual do autor ao citar todos os livros e todo o percurso da criação do romance. O maior mérito foi ter criado um história densa, com personagens carregados de exotismo.

O livro tem capítulos bem delineados, que evidenciam ao leitor toda a estrutura esboçada por Estevão na construção do romance. Em tempos de predominância da autoficção há de se ressaltar a capacidade imaginativa do autor, com extremo domínio narrativo. Estevão Azevedo arrancou pedras do chão para construir uma história carregada de verossimilhança em Tempo de espalhar pedras.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 10/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
04. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
05. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
02. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
05. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O FATOR HUMANO
GRAHAM GREENE
L&PM
(2008)
R$ 12,00



A RELIGIÃO DO DIABO - PLANETA Nº 21
EDITORA TRÊS
TRÊS
(1974)
R$ 5,00



THE HANDBOOK OF EXPERIMENTAL ECONOMICS VOL 2
JOHN H. KAGEL & ALVIN E ROTH EDS
PRINCETON UNIVERSITY PRESS
(2015)
R$ 165,00



VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS
MIRIAM ABRAMOVAY, MARIA DAS GRAÇAS RUA
UNESCO
(2002)
R$ 23,00



A DIETA DA SUPERENERGIA DO DR. ATKINS
ROBERT C. ATKINS E SHIRLEY LINDE
ARTE NOVA
(2018)
R$ 12,00



COMPLEXO DE CINDERELA
COLETTE DOWLING
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 8,99



LUA NOVA
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 12,90



O PODER DO JOVEM - 62ª EDIÇÃO
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(1981)
R$ 5,49



A REVOLUÇÃO DE 1932 - NO CERVO DO MUSEU FREI GALVÃO ANTONIO
ANTONIO TADEU DE MIRANDA ALVES ORG
SANTUÁRIO
(2013)
R$ 99,00



REGISTRANDO DESCOBERTAS - LÍNGUA PORTUGUESA 4ª SÉRIE
AMÁLIA ORCHIS E ANGELINA CHU E VERA SIMONCELLO
FTD
(2005)
R$ 28,00





busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês