Autistas é que são eles* | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
57441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 28/11/2001
Autistas é que são eles*
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Daniela Mountian

Mais uma vez — para variar — os intelectuais torcem o nariz para o programa Casa dos Artistas, o reality show do SBT, que se firmou como o maior fenômeno da televisão brasileira nos últimos tempos. A idéia vocês já conhecem: artistas de segundo escalão foram colocados numa casa luxuosa, com todo tipo de conforto, e a única obrigação deles é permanecerem juntos durante longos 45 dias. Missão quase impossível e, crêem os psicólogos, muito, mas muito mais difícil mesmo que o global No Limite 3, que agora parece tão-somente um monte de gincanas à moda do Passa & Repassa, que agitava os pré-adolescentes no início da década de 90.

Por mais inteligente que o leitor se julgue, ou seja, por mais que sobre sua cabeceira se acumulem Wittgenstein, Hegel, Kant e outros tantos nomes europeus, de sintaxe quase ininteligível, ainda assim Casa dos Artistas fascina porque mostra algo que os filósofos não conseguiram, com seus supercérebros, compreender: a intrínseca maldade humana.

Em Casa dos Artistas a maldade tem um atrativo que, em tempos de desvalorização do dólar, nem é tão grande assim. Ainda mais se levarmos em conta que os “artistas” em questão, apesar de serem de segundo escalão, não são coitadinhos, que precisam da soma de R$ 300 mil para sobreviver. Aliás, se você já assistiu ao Casa dos Artistas — e você já assistiu, tenho certeza — , deve ter percebido que Supla, o filho da prefeita de São Paulo e do senador Eduardo Suplicy, é constantemente alvejado por seus colegas por ter uma vida supostamente abastada.

Casa dos Artistas está sendo comparada a um zoológico humano. É uma expressão pedante, própria daqueles que nos colocam, seres humanos, como uma espécie imune a comportamentos tipicamente animais. Sem hipocrisia (ou com o menos de hipocrisia possível), pensemos no sexo que, dizem, está sendo feito e refeito sob aqueles pesados edredons, mesmo que as câmeras não cessem de filmar. Zoológico humano, dizem os especialistas em mídia (sic), como se não fosse a coisa mais natural do mundo, nestes tempos de liberação sexual pós-década de 70, homens e mulheres sentindo-se atraídos uns pelos outros e... tchan, tchan, tchan. Aqui outro trunfo deste Casa dos Artistas: jogar na nossa cara aquilo que tentamos esconder a tanto custo: somos, sim, animais, com direito a nome científico e tudo. Que me auxiliem os biólogos, caso esteja enganado.

Dentre estes animais enjaulados, nenhum causa maior comoção não só entre as menininhas aspirantes a herdeira de família quatrocentona paulista, mas também entre marmanjos que admiram o jeito falsamente despojado dele, Supla, agir. Escrevi falsamente despojado mas confesso que não consigo ver muita falsidade nas falas chulas de Supla. Ele, entre todos, parece ser o mais Homo sapiens, não importa de que Era.

Não foi à toa, portanto, que Supla caiu nas graças de Sílvio Santos e do público desde sua primeira aparição na “novela da vida real”, como reza, sabiamente, o slogan. Somente uma zebra pode tirar-lhe os R$ 300 mil em prêmios. Fofocas de dentro da Casa dizem que ele pretende gastar todo este dinheiro em instrumentos musicais — alguém duvida?

Antes de tecer comentários sobre Supla, contudo, vale pensar na atitude de Sílvio Santos, que tem se mostrado, principalmente depois que a tal Marluce Dias assumiu a Rede Globo, ser o maior gênio da televisão brasileira. A maioria das acusações contra o Homem do Baú parte do princípio de que ele não vê a televisão como um meio de educação para o povo, e sim como apenas um entretenimento rentabilíssimo. Esta é uma discussão para os teóricos. Aqui cabe perceber que, como empreendedor (palavrinha cara aos empresários brasileiros), Sílvio Santos é mestre e merece, sim, ser copiado. Até quando percebe já o avanço da idade e a falta de um herdeiro legítimo para capitanear seus negócios quando a derradeira velhice lhe pousar as mãos, mostra-se arrojado como um jovem de 23 anos (ou melhor: mais arrojado que um jovem de 23 anos). Informações dão conta de que Sílvio Santos ofereceu ao Boni, ex-manda-chuva da Globo, nada menos que 30% do SBT, para que ele comande a Organização. Isso, em termos reais, significa uma bolada de R$ 450 milhões.

A idéia da Casa dos Artistas, plágio ou não, foi uma tacada de mestre de Sílvio Santos porque, mesmo correndo o risco de ter a atração embargada pela justiça, com a exibição dos primeiros capítulos ele simplesmente tirou da Rede Globo, que detém os agora desvalorizados direitos sobre o Big Brother holandês: o fator originalidade. Mesmo que a Globo leve o Big Brother a cabo, ele jamais será novidade. Há ainda outra variante que faz de Casa dos Artistas algo louvável do ponto de vista estratégico: somente mesmo o SBT, com um plantel que deixam os intelectuais corados pelo suposto (?) baixo nível, como Ratinho, Hebe, Carla Perez, Gugu e quetais, poderia ter escalado atores, modelos e gente-famosa-quase-anônima (como Bárbara Paz) para se exporem ao ridículo por 45 dias. Um exercício de imaginação para o leitor dá a dimensão da genialidade da idéia: imagine a mesma atração, sob a batuta Global. Será que Vera Fisher, Taumaturgo Ferreira, Reinaldo Gianechini, Glória Maria e outros astros deste quilate se submeteriam à prova? Possivelmente não. Restaria então à Vênus Platinada a opção de colocar anônimos (e, não se esqueçam: se são anônimos, é por um bom motivo) numa casa. Uma atração como a Casa dos Artistas, nas mãos de Marluce, cheira a fracasso.

Supla — O cantor, compositor, showman, suposto clone de Billy Idol e ainda filho do senador Eduardo Suplicy com a prefeita de São Paulo Marta Suplicy Supla é o queridinho da Casa dos Artistas. Ele já começou o programa causando polêmica. Na primeira semana, ameaçou cair fora, sob alegação alguma. Simplesmente quase se foi. Sabe-se lá por quais motivos esotéricos, ficou. O Ibope do SBT agradeceu, claro.

O que mais agrada aos espectadores quando vêem Supla aparecer na tela, seja acompanhado da namoradinha Bárbara Paz, seja cantando suas horripilantes músicas com o também desafinado Alexandre Frota, é a indecisão que toma conta do moçoilo. Afinal, aos 35 anos, teria Supla finalmente atingido a maturidade que é própria da idade? Provavelmente não.

Uma pesquisa realizada pelo portal da Agência Estado na última semana revelou que Supla é o preferido da Casa dos Artistas. Ele tinha 60% da aprovação popular. A desconhecida Bárbara Paz chegou em segundo lugar, com 14%. As outras “unanimidades” que a pesquisa revelou foram a de que Alexandre Frota é o preferido entre os entrevistados para ser eliminado (53%), seguido pelo chorona Mary Alexandre (aquela do tal do Vavá), com 14%.

Enquanto isso, em outro canal, a Globo também tenta pegar canora em pseudopolêmicas para alavancar seu caidaço No Limite. Semana passada, a dona-de-casa e aspirante a escoteira na Ilha de Marajó, Cláudia Lúcia, cometeu a indelicadeza de, em plena semana em que se comemorava o Dia da Consciência Negra, dizer que não criava suas filhas para casarem com negros, porque não conseguia imaginar seus filhos com cabelos “sarará”. Achar que é uma opinião isolada, a da dona-de-casa e ex-modelo, de abdômen bem definido mas cérebro nem tanto, é tapar o sol com a peneira. Todo tipo de ONG que esteja envolvida com a questão negra sabe que o povo brasileiro é racista, sim. O que chama a atenção, neste caso, é que No Limite é um programa editado semanalmente, e não diariamente, como a Casa dos Artistas. O editor do programa podia muito bem cortar a fala da participante, o que evitaria, para a sempre correta Globo, a polêmica. Assim sem querer (!), a declaração foi ao ar e causou o maior rebuliço. Deputados do PT escreveram uma carta de repúdio. Juízes querem processar a participante que, inclusive, pode ser expulsa, numa atitude de extrema hipocrisia.

Durante toda a semana, a Globo tratou o caso como uma notícia qualquer. Não se preocupou com possíveis ranhuras em sua imagem. Isso leva a crer, para os otimistas, que a emissora está mudando, preocupada em discutir os valores enraizados na sociedade brasileira. Balela. A polêmica renderá (e os números desta semana mostrarão isso), sensível aumento no Ibope do capenga No Limite 3. Eis o xis da questão.

Cláudia Lúcia, por sinal, poderia muito bem virar tese pelas penas dos chatos intelectuais das universidades, caso os intelectuais tivessem o cuidado de assistir a este tipo de programa televisivo. Na semana retrasada, por exemplo, a eliminada do No Limite foi uma tal de Janaína. Não vai ganhar nada, a não ser a lembrança de quase ter se afogado, de ser pulado de pára-quedas, e de ficar marcada como um verdadeiro zero à esquerda para seu grupelho de gincanas escolares. A eliminação de Janaína, contudo, revela muito, mas muito mas que isso.

Menina pobre, do subúrbio do Rio de Janeiro, Janaína (assim, sem sobrenome, como tantos zé-ninguéns) sempre se mostrou a mais fraca das competidoras. Ela trabalhava oito horas numa faculdade particular para estudar de graça à noite e, nas propagandas que antecederam o programa, dizia que seu sonho era se tornar promotora, ao que acrescentava: “Um sonho bem alto, eu sei”. Era óbvio que logo seria eliminada. Ao contrário de seus companheiros, não estava acostumada com a ambição a qualquer custo, esta filosofia que rege as relações da classe-média. Estava mais preocupada em não atrapalhar do que em ser realmente útil, pois assim lhe fora ensinada. Participou bravamente de várias provas, inclusive comendo macarrão com minhoca. Não sabia nadar e um dia quase se afogou. No dia em que tinha de pegar caranguejos com a mão, fraquejou. Poucos se deram conta de que as lágrimas de Janaína, eliminada, não eram lágrimas de quem perdia os R$ 300 mil em prêmios, o que permitiria a ela realizar o sonho de ser promotora, talvez. Era o choro de alguém acostumado à exclusão, em qualquer grupo que fosse, até mesmo na longínqua Ilha de Marajó, no Pará. Janaína está longe de ser miserável. Há quem diga até que é “elite intelectual do país”, porque cursa uma universidade; mas também está longe de fazer parte desta sociedade que faz qualquer coisa para ganhar seus R$ 300 mil, seja para comprar uma academia de ginástica (destino do dinheiro caso caia nas mãos de Cláudia Lúcia), seja para comprar instrumentos musicais (nas mãos de Supla), seja para comprar uma casa (nas mãos de Bárbara), ou seja até mesmo para ajudar a uma criança hospitalizada (como diz Alexandre Frota). É pena que os intelectuais não se debrucem sobre o caso Janaína/Cláudia Lúcia, mas isso até que é compreensível. Na torre de marfim das universidades, o v-chip bloqueou definitivamente a Globo e o SBT, e os intelectuais estão condenados para sempre a assistir a documentários sobre Schoppenhauer, de onde tiram suas profícuas — e inúteis — teses.



* A palavra autista está sendo usada de modo pejorativo,ao se referir à Casa dos Artistas. É pena, porque se trata de doença psiquiátrica grave. Não é intenção deste colunista denegrir a imagem dos que sofrem de autismo. O título é somente uma brincadeira com o comportamento pouco sociável dos intelectuais com relação ao referido programa.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 28/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia de Carol Sanches de Jardel Dias Cavalcanti
02. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá de Elisa Andrade Buzzo
04. Amantes, tranquila inconsciência de Vicente Escudero
05. A Mente dos Outros de Alexandre Soares Silva


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2001
13h11min
Prezado Paulo Polzonoff Jr, sou de seus poucos leitores que ainda não assistiram a "Casa dos Artistas" (e não assisti pelo fato de não ver televisão em casa; trata-se de uma opção exótica, reconheço, mas cuja discussão me afastaria do tema deste e-mail). Mesmo não tendo visto o programa, sei muito bem de sua existência através da imprensa escrita. Devo, a propósito, estar na contramão do gosto majoritário dos telespectadores, pois não simpatizo com o atual campeão de popularidade, Supla, e tenho uma afinidade meio pueril com a imagem pública de rebeldia do Frota, campeão de impopularidade, conforme assinalado. Agora, e finalmente, quanto a seu artigo, gostaria de ressaltar, em primeiro lugar, que está escrito com muita clareza. Em segundo lugar, acho apropriado o contra-ponto que você tece entre o arrojo do SBT e o burocratismo da Globo, rainha suprema do politicamente na moda. Em terceiro e último lugar, adorei o sarro que vc tira da "classe" intelectual. Quem já dissecou bem esse pessoal foi o Paul Johnson, num livro justamente intitulado "Intellectuals". Um abraço.
[Leia outros Comentários de toni]
30/11/2001
17h30min
A mudança que ocorre na midia no momento atual, é que no passado homem queria construir um novo mundo fazendo uso dos signos de sua produção cultural,no momento atual o homem constroi e é construido pelo proprio mundo simbolico, seria o que podemos chamar de "AUTISMO COLETIVO". Neste mundo onde ocorre uma avalanche de informações, o "olhar superficial" esta presente na obsorção dos conteúdos produzidos tanto na maneira que a classe proletária os absorve, e igualmente superficial tambem a maneira que a elite intelectual os analisa. É neste contexto que esta inserida a "casa dos artistas".
[Leia outros Comentários de Francis Alves]
6/12/2001
18h36min
Parabéns, Paulo: brilhante. Um abraço, a um jovem, imagino, inteligente. Sergio Storti,jornalista, Mestre em Ciências da Comunicação pela USP,onde os documentários idiotas são, pelo menos eram -acho que não isso não muda aqui no .. do mundo- sobre Grammci,Marx,Engels, Escola de Frankfurt, você sabe, os de sempre.
[Leia outros Comentários de Sergio Storti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CRISE E OPORTUNIDADE O BRASIL E O CENÁRIO INTERNACIONAL
ANTONIO CORRÊA DE LACERDA (ORG)
LAZULI
(2006)
R$ 5,00



MODERN SHORT STORIES
G. C. THORNLEY
LONGMAN
(1992)
R$ 5,00



OS SENTIDOS DA PAIXÃO
SÉRGIO CARDOSO E OUTROS
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 18,00



ESPORTE E CINEMA: NOVOS OLHARES
VICTOR ANDRADE DE MELO/MAURICIO DRUMOND
APICURI
R$ 15,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST FEVEREIRO 1957
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1957)
R$ 7,00



PENSE COM AMOR: OS 7 SEGREDOS CAPAZES DE MUDAR A SUA VIDA
JENNY HARE
CULTRIX
(2011)
R$ 10,00



TUDO PELA VIDA
DANIELLE STEEL
RECORD
(1995)
R$ 6,90



O CLUBE DO FILME
DAVID GILMOUR
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 25,00



RESPONSABILIDADE CIVIL - ATIVIDADE MÉDICO HOSPITALAR
PAULO SERGIO DA COSTA LINS REGINA CÉLIA
ADCOAS
(1993)
R$ 14,98



REGIME DE PATENTES: BRASIL X ESTADOS UNIDOS NO TABULEIRO INTERNACIONAL
GABRIEL CEPALUNI
ADUANEIRAS
(2006)
R$ 12,90





busca | avançada
57441 visitas/dia
1,8 milhão/mês