A Puta, um romance bom prá cacete | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
>>> Arquitetura & construçao--outubro--2007--escadas na medida certa. de Abril pela Abril (2007)
>>> Beethoven de Bernard Fauconnier pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E O Cliente De Sábado de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Ladrão de casaca de Maurice Leblanc pela L&Pm (2012)
>>> Convite para um homicídio de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Assassinato no beco de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Dom quixote de Miguel de Cervantes pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia - volume 2 de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E A Mulher Do Ladrão de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Os primeiros casos de Poirot de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2556--o poder fulminante das redes sociais de Abril pela Abril (2017)
>>> Cartier-bresson: o olhar do século de Pierre Assouline pela L&Pm (2012)
>>> Teoria quântica de John Polkinghorne pela L&Pm (2012)
>>> Andy Warhol de Meriam Korichi pela L&Pm (2012)
>>> Pretinha, Eu? de Julio Emilio Braz pela Scipione (2004)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura de Miguel de Angeli, Jose Cervantes pela Scipione (2006)
>>> O Natal do Avarento, de Charles Dickens pela Scipione (2012)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Scipione (2010)
>>> O Corcunda de Notre-Dame de Victor Hugo pela Scipione (2003)
COLUNAS

Terça-feira, 2/12/2014
A Puta, um romance bom prá cacete
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 9400 Acessos

A Puta, romance de Márcia Barbieri, publicado pela editora Terracota, é uma obra literária erótica ou pornográfica?

Segundo Eliane Robert Moraes, no seu livro "O que é pornografia", "a palavra pornografia provém do grego pornographos, que significa literalmente escritos sobre prostitutas. Assim, em seu sentido original a palavra refere-se à descrição da vida, dos costumes e dos hábitos das prostitutas e seus clientes."

Há outro termo que se refere ao uso que a literatura faz do sexo: erotismo. Segundo ainda Moraes, "a palavra erotismo surgiu no século XIX, a partir do adjetivo erótico, este derivado do grego Eros, Deus do desejo sexual no sentido mais amplo. Amor fraterno, paixão sexual insistente, busca excessiva da sensualidade são algumas das definições que os dicionários correntes dão de erotismo."

Moraes vai além, dizendo que se quisermos superar o senso comum na matéria, já que é difícil traçar os limites entre o erótico e o pornográfico, deveríamos adotar a seguinte sugestão dada pelo escritor Alain Robert-Grillet: "Pornografia é o erotismo dos outros."

Erótico ou pornográfico, diz Moraes, nesse tipo de literatura o essencial é que se trata de sexualidade, "e supõe-se que ela tenha uma certa capacidade afrodisíaca (ou ao menos pretenda tê-la), isto é, que excite os apetites ou paixões sexuais de seus consumidores."

Obscena - fora de cena - a literatura erótico/pornográfica causa constrangimento, pois se pressupõe que o assunto sexo deva ser tratado apenas na alcova e não publicamente: a sexualidade é "aquilo que se mostra e deveria ser escondido". E mais obscena se tornaria por se pretender Literatura com L maiúsculo?

E é o que o romance de Barbieri de fato é: boa literatura, incendiada com o erótico, o pornográfico, o sensual, o sacana... e com muita poesia na linguagem.

Tem tudo isso, mas tem também indagação sobre o amor, sobre o sentido da existência, sobre as razões e insanidades do desejo, sobre os suplícios das relações humanas em geral, sobre os buracos sadomasoquistas e existenciais das relações sexo-afetivas, sobre os prazeres da carne, sobre as desilusões e ilusões das pulsões sexuais etc.

Como no seu primeiro romance, "Mosaico de rancores", em "A Puta" a linguagem vai se pervertendo ao sabor das perversões sexuais. Não há como não driblar a língua corrente em contornos inusitados quando o desejo expresso é desviante. Cambaleante como as pernas moles cansadas de cópulas, vai-se traçando uma narrativa que ora ascende como fogo, ora gela como a solidão. Uma mistura de realidade e surrealidade também perpassa toda a narrativa. Veja-se o exemplo a seguir:

"A foda me provoca risos e convulsões e faz com que me recorde que o lugar de onde eu vim é tão ferrado quanto o lugar que estou agora. Limpo o esperma que escorre da minha boca e ele me beija antes que eu termine. Ele é sistemático na hora de gozar, um jato na virilha e outro na minha garganta. Depois do sexo ele fica horas retirando pelos do tórax, improvisando uma pinça com o polegar e o indicador, enquanto denuncia minha nudez assassina. Vendo-o assim eu não diria que ele acabou de vasculhar as incoerências da minha carne, sou um ser despencado, estrangeiro, e tocando minha vagina não encontro vestígios de parentesco com nenhuma espécie conhecida, um peixe voador sentado nu à beira catastrófica da cama e não posso saber o que existe debaixo dos meus pés, calculo a existência de alguns bichos peçonhentos, mas isso não passa de uma possibilidade e a possibilidade fere."

A literatura de Barbieri tem uma linguagem livre como as rédeas soltas de um corpo chegando ao orgasmo. As palavras parecem se mexer em ondulações que alteram a velocidade seguindo os movimentos dos acontecimentos que a narrativa delineia. Palavrões se conjugam à docilidade de uma carícia, corpos em descanso são devassados como consciências em situação de risco. Contraposição permanente entre força e fraqueza, entre desejo de vida e pulsão de morte. Se o homem é um ser que pensa, também é um corpo (e moral) em estado de devastação aguda:

"Qual dos seus filósofos te salvou da ruína e da gonorreia? A sífilis devorou seu cérebro e você nem percebeu, não se deu conta do tamanho do rombo. Mesmo doente você continuou soberbo. Continuou utilizando dialetos incompreensíveis, não queria se misturar a grande massa de ignorantes. Você costumava dizer que a mulher trazia o sêmen da desgraça, por isso se manteve casto por muitos anos. Você estava certo, a buceta é um buraco infectado. Trazemos o germe da humanidade em nossas trompas, nada que multiplica pode ser inocente. Você também trazia o leite infectado no seu pau, mas fingia não ver, seus olhos estavam viciados em contemplar somente objetos distantes. O fora foi o tema principal das suas teses furadas. Olhou para seu pau? Ele estava em carne viva, vertia um pus esverdeado e fétido, e o que as mentes evoluídas fizeram por você? Nenhum deles quis te fazer a punção, com medo de se contaminar."

Os prazeres produzidos no leitor são de várias ordens, variando do sadismo ao masoquismo, do escatológico ao sensual momento de uma trepada normal. Ao descrever um escorpião subindo pelo seu braço e continuando sua trajetória pelo corpo da personagem temos a erótica descrição não de uma simples relação sexual, mas de uma invasão sexual com a morte no final. É o resultado de uma relação marcada pela impossibilidade da violência não ser o guia dos afetos:

"Continuei calada observando o escorpião escalando meus seios, ele circulou pelos meus mamilos, ele não conhecia os segredos das fêmeas, não demorou muito e ele se perdeu nos pelos da minha pélvis. Não o insultei, esperei ele roçar meu clitóris, soltei um pequeno gemido, ele caiu, em seguida pisoteei, senti sua carapaça romper, a madrugada alta indicava que logo o sol comeria o resto do seu corpo."

Misto de prazer e possibilidade de morte, a presença do escorpião metaforiza o orgasmo, a "petit mort", o pequeno instante em que o ego desaparece sob a convulsão do gozo (quando experimentamos a morte por alguns segundos).

Embora as descrições sejam afrodisíacas, elas também pretendem-se linguagem e as palavras devem ser o veículo exato (como um cálculo sadiano) da transmissão das emoções com seu devido peso de prazer e desgosto: "Cuspi cada palavra em seu ouvido de merda. Você me dizia que você se excitava com as sacanagens que eu falava enquanto cavalgava no seu quadril. Você era o tipo que não encontrava a felicidade em buceta nenhuma, era homem de ressentimento, morreria guerreando com os próprios fantasmas e xingando as vitórias alheias. (...) Quando anoitecia eu gostava de passar as mãos pelas suas vértebras e vê-lo se envergar feito um felino. Eu era humana demais para suas abstrações, seus pensamentos eram gordos, obesos, eu não acreditava que eles vinham daquele corpo mesquinho, quase anêmico, quase kafkaniano."

Para a descrição de seu mundo fantasiado, futuro ou passado, a escrita delirante de Barbieri nos leva para um cenário absurdo onde se mistura o erótico e o fatalismo:

"Não há mulheres, é o velho problema da colheita humana, os homens preferiam comer outros homens, assim evitavam a multiplicação e consequente divisão do pão. (...) Eu, a última refugiada. Era vista como uma vagina. Quando enjoavam de comer uns aos outros, me procuravam. Puxavam meu cabelo, na altura da nuca e socavam sem piedade. Algumas vezes eu respondia ao ataque com longos gemidos. Logo após o ato cuspiam. Eu era boa, mesmo quando passiva. O sangue e o cuspe refrescavam o meio disforme das minhas ancas. Muitos mundos já haviam despencado daquela bacia. Mas agora estavam distantes e nem sequer se lembravam de onde saíram. Uma vulva gigante e vaga assombra minha cabeça. A gente nunca se lembra. A primeira terra que levamos à boca lembra desgraça. Todo entardecer traz corpos putrefatos à porta. A mão em punho procura um bucho para se aliviar. Um poente para destrinchar-estripar. Quem pode afirmar que nunca sentiu vontade de apunhalar o pai e comer a própria mãe?"

Escavando as anomalias da vida, Barbieri transfere para a esfera da linguagem a comunicação das forças de Eros e Tânatos, o primeiro em sua tentativa de permanência, e o segundo na sua angústia de dissolução masoquista:

"O corpo é a casa dos fortes, a alma é para quem tem tempo sobrando. A maioria dos homens descobre que está vivo quando tem sua carne esfolada, olha no espelho e contempla os hematomas, antes disso se assemelha a uma ameba."

Não se pode mais pensar uma obra literária como essa como um romance no sentido tradicional, pois da mesma forma que existe a poesia em prosa, pode-se dizer que estamos aqui com um caso de prosa poética. Alimentada por uma imaginação delirante, fruto das conquistas das vanguardas literárias, principalmente a surrealista, e da filosofia irracionalista (Nietzsche, Deleuze etc), essa literatura pretende levar o leitor a ter experiências sensoriais mais agudas, que não podem ser medidas por referências tradicionais, ainda que se pareçam com "axolotes que nunca conheci, na sua semelhança mórbida com os homens".

Respondendo a pergunta do início do texto, podemos dizer que a boa literatura sempre é erótica. Ela gera prazer. O leitor é como a mulher que goza, não consegue fingir. Parafraseando a própria autora em "A Puta", o prazer é a unica coisa sincera, "o clitóris não mente, o grito pode ser fingido, mas não o desespero da vulva se contraindo e pedindo mais".

Marcia Barbieri, queremos mais.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 2/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que aconteceu com a Folha de S. Paulo? de Julio Daio Borges


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Genütlichkeit - Saudade - Breve História de Treze Tílias
Luiz José Gintner
Do Autor
(1993)



Direito de Autor - 3ª Edição
Carlos Alberto Bittar
Forense Universitária (rj)
(2000)



Lobo Solitário 3 - os Marcadores de Trilha
Kazuo Koike e Gozeki Kojima
Sampa
(1990)



Reforming the Worlds Money
Sir Roy Harrod
Macmillan
(1966)



Como Lidar Com Pessoas Manipuladoras
George K. Simon
Universo dos Livros
(2016)



Passado Sempre Presente
Eurico Serzedello Machado
Cia Edit Americana
(1970)



Introduction to Switching Theory and Logical Design
Frederick J. Hill e Gerald R. Peterson
Wiley International
(1968)



Manual de Direito Administrativo - Curso Moderno de Graduação
José Cretella Júnior
Forense



Ação Social das Empresas, a - Quem Ganha Com Isso?
Adriana Guazzelli Charoux
Peirópolis
(2007)



Récits Dune Vie Fugitive (memoires Dun Lettré Pauvre)
Chen Fou e Prefácio de Paul Demiéville
Gallimard
(1967)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês