O jornalismo cultural no Brasil | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
>>> van Gogh: Os livros amarelos
>>> A terra do nunca
>>> O maior banco digital do mundo é brasileiro (2023)
>>> Digestivo empreendedor
Mais Recentes
>>> Do Sonho às Coisas de J. C. Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> A Turma do Pererê: O Mais Brasileiro de Ziraldo Alves Pinto pela Nova Didática (2000)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Tercero de G. Gurdjieff pela Hachette (1984)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Segundo de G. Gurdjieff pela Hachette (1985)
>>> Curso de desenho e pintura - A arte de ver: luz e movimento de Varios pela Globo (1996)
>>> Uma obsessão indecente de Coleen McCullough pela Difel (1981)
>>> O Canto Da Praça de Ana María Machado pela Atica (2002)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Pé Da Letra (2018)
>>> O flautista De Hamelin de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural (2014)
>>> Mahamudra Tantra de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa Brasil (2006)
>>> Sherlock Holmes As Aventuras de Sherlock Holmes 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Não é caso para rir de Joseph Heller & Speed Vogel pela Rocco (1987)
>>> Venha Ver o Pôr do Sol e Outros Contos de Lygia Fagundes Telles pela Atica (2003)
>>> Curso de desenho e pintura - Aquarela: Impacto da cor de Varios pela Globo (1996)
>>> Histórias à Brasileira 2 586 de Ana Maria Machado pela Companhia das Letrinhas (2020)
>>> As Mentiras Que Os Homens Contam de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2000)
>>> O moleiro e seus amigos de Eliane silva pela Prazer de Ler (2012)
>>> Sintaxe Da Linguagem Visual de Donis A. Dondis pela Martins Fontes (2015)
>>> Pragas e epidemias histórias de doenças infecciosas 586 de Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. pela Folium (2006)
>>> Livro Capa Dura Literatura Estrangeira O Grande Amigo de Deus de Taylor Caldwell pela Circulo do Livro (2023)
>>> As Flores Do Mar de André Moura, Eduardo Bordoni E Fábio Muniz pela Nova Didática (2002)
>>> Para Sempre 586 de Kim Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Sherlock Holmes O Signo Dos Quatro 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2020)
>>> O zollógico em festa de Evan bessa pela Imeph (2009)
>>> A Voz do Monte de Richard Simonetti pela Feb (2010)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/1/2008
O jornalismo cultural no Brasil
Luiz Rebinski Junior
+ de 12700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A revolução tecnológica que se intensificou a partir dos anos 1990, com a conseqüente popularização da internet e a introdução de novas mídias ao consumidor, modificou de forma radical a configuração e veiculação da notícia, tendo forte impacto na maneira de se fazer e consumir jornalismo. Esse foi o principal ponto de convergência entre os profissionais que ministraram o curso de Jornalismo Cultural promovido pela Revista Cult durante os dias 24 e 25 de novembro. Nomes como Marcos Augusto Gonçalves (editor do caderno "Ilustrada" da Folha de São Paulo), Sergio Rizzo (crítico de cinema), Ivan Marques (editor do programa Entrelinhas da TV Cultura), Sergio Martins (crítico musical de Veja) e Marcos Flamínio Peres (editor do caderno "Mais!") discutiram o jornalismo cultural no Brasil e suas transformações nos últimos 50 anos.

Com o fortalecimento da
Web 2.0, que deu ao leitor/internauta status de "colaborador", e com a febre dos blogs, os meios de comunicação tradicionais, principalmente impressos, vêm perdendo força ano a ano ― seja em termos de tiragem ou em relação a sua influência na sociedade como formador de opinião. Ou seja, os jornalistas de certa forma perderam a exclusividade da notícia, já que hoje qualquer cidadão pode disseminar informações, sem que para isso tenha formação acadêmica ou esteja ligado a uma empresa de comunicação.

O jornalismo cultural, por sua vez, além da adaptação ao novo contexto tecnológico, desde a metade dos anos 1980 vem se modificando ao migrar de um modelo pedagógico para um jornalismo utilitário, onde o que importa não é mais ensinar, mas suprir as necessidades de consumo e as preocupações de ordem individual de seus leitores.

Os cadernos culturais, com suas exíguas páginas, que precisam ser distribuídas entre os diversos segmentos da cultura ― da literatura à dança ―, não conseguem mais dar cabo à cobertura da cultura nacional. Essa limitação física do papel relegou à internet grande importância, já que na web o espaço é ilimitado, o que possibilita, pelo menos em tese, maior aprofundamento dos temas. O caráter híbrido da internet também oferece muito mais possibilidades ao leitor, que pode interagir com outros formatos. Tudo isso vem alterando de forma significativa a maneira como os leitores se relacionam com a informação e, conseqüentemente, dando nova configuração à notícia.

Influência da Academia
Historicamente ligado à academia, o jornalismo cultural brasileiro durante muitas décadas foi feito exclusivamente de (e para) doutores, que utilizavam as páginas dos jornais para falar de suas teses a respeito de determinado autor ou livro. Para isso dispunham de espaço quase que ilimitado, totalmente fora dos padrões do jornalismo atual, onde o número de caracteres (toques) de cada texto é rigorosamente calculado e perde cada vez mais espaço para a publicidade. A linguagem acadêmica dos textos, por vezes hermética, era também um fator que afastava o leitor "comum" dos suplementos de cultura, tornando o espaço um nicho exclusivo de letrados. Símbolo de ruptura desse modelo, o caderno "Mais!", lançado em 1992 pela Folha de São Paulo, rompeu com o formato acadêmico dos suplementos, que desde os anos 1950 ― época em que surgia a "Ilustrada" ―, eram feitos exclusivamente por gente da academia. Produto direto da transformação gráfica e editorial empreendida pelo "Projeto Editorial da Folha" (1985-86), o "Mais!" substituiu o "Folhetim", caderno dominical que circulou até 1989 e que mantinha características dos primeiros suplementos: poucas fotos, predominância do preto-e-branco, projeto gráfico sofrível e textos longuíssimos, que não raras vezes preenchiam todo o espaço físico do jornal, de ponta a ponta.

O "Mais!" apostou em um jornalismo leve, que além de literatura contemplasse outros temas como sociologia, antropologia, história e artes plásticas. Tudo isso em textos enxutos ― quando comparados aos cadernos anteriores ― que dessem cabo à diversidade de opiniões. Os acadêmicos passaram então a dividir espaço com escritores, repórteres e críticos desvinculados das universidades, tendo que adaptar seus textos a um novo padrão, bem menos denso e mais acessível do ponto de vista da linguagem.

O conceito de cultura a partir daí também ganhou contornos bem mais amplos na imprensa brasileira. A chamada alta cultura, que outrora reinava absoluta, foi gradativamente perdendo espaço para assuntos antes considerados pouco relevantes. A linha divisória entre a cultura erudita e a cultura de massa praticamente deixou de existir. Temas do cotidiano ganharam força, ampliando o leque de assuntos dos cadernos e suplementos. Hoje praticamente tudo é tema de cultura. Qualquer assunto pode ganhar interpretações sociológicas ou antropológicas e ser esmiuçado em uma grande reportagem. Essa flexibilização dos temas teve impacto direto na forma com que o conteúdo passou a ser levado ao leitor.

As transformações ocorridas nas grandes cidades também influenciaram. O ritmo veloz dos grandes centros praticamente eliminou a ociosidade, escasseando o tempo vago. Com isso, os textos jornalísticos, não só da área de cultura, hoje precisam ser concisos, de leitura fácil e rápida, tudo em nome do "tempo do leitor", que nunca foi tão minguado. O jornalismo cultural não fugiu à regra, teve que se adaptar também. Mas dessa mudança surgiram novos desafios. Se por um lado o jornalismo de cultura passou a ser mais acessível ao leitor, com diagramação atraente e texto leve, por outro a cultura passou a ser tratada quase que exclusivamente como "produto". Os assuntos são escolhidos cada vez mais de acordo com critérios de mercado. Os cadernos hoje estão muito mais preocupados em indicar para o consumo do que em discutir ou polemizar sobre assuntos pontuais. É claro que as publicações segmentadas, como revistas e jornais especializados, que melhoraram muito ao longo dos anos 1990, em termos de quantidade e qualidade, diferenciam-se da fugacidade dos cadernos diários dos jornais justamente por ter um espaço maior para discussões aprofundadas e por estarem falando para um público menos heterogêneo.

Se antes o problema era o excesso de erudição, que limitava o acesso dos não-especialistas, agora é a falta de profundidade dos assuntos que incomoda. O que parece claro é que, com o impacto da internet, o jornalismo cultural, especialmente em jornais, ainda procura um formato que dê conta das exigências do leitor do século XXI. A única certeza que se tem é que o papel não pode e não deve competir com a internet. Achar um novo modelo, que contemple interatividade e seja ao mesmo tempo inteligente e profundo, parece ser o grande desafio do jornalismo cultural hoje.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 2/1/2008

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008
05. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/1/2008
20h34min
Eu tenho um blog, leio diariamente textos de internet e pretendo ser jornalista cultural. Graças à pouca idade que tenho só comecei a ler textos culturais há pouco tempo (3 anos, sei lá...). Não acho o jornalismo cultural de jornais (Estado de S. Paulo) superficial, mas o de revistas semanais (Veja) costuma ser beeem pobrezinho, principalmente se tratando de cinema (Transformers seria cinema?).
[Leia outros Comentários de Cris A.]
12/1/2008
04h34min
Vou tentar ser "conciso", "rápido" e "fácil": 1. Quem é esse leitor "comum" que parece ser compreendido como o oposto desse outro ser misterioso, o "letrado"? O sujeito que lê o caderno de cultura afinal de contas não é mais letrado? Então para quê ele lê o caderno de cultura? 2. Um texto "menos denso" é o quê? Menos idéias por centímetro quadrado de papel? A falta de densidade não parece uma perda do tal precioso e escasso tempo desses curiosos leitores "comuns"? 3. E o tal novo texto além de ter que ser "conciso", precisa também ser "menos denso". Um texto "conciso" e "menos denso" é o equivalente para mim a uma sopa bem aguada servida numa taça de café. Esse jornalismo cultural "mais acessível", "de leitura fácil e rápida", não passa de um engodo de gente que se acha inteligente e culta, mas não tem tempo para ler nem o caderno de cultura do domingo, quanto mais um livro inteiro quanto mais uma mísera dúzia de livros por ano.
[Leia outros Comentários de Paulo Moreira]
18/1/2008
19h13min
Luiz, Desculpa ficar enchendo o saco, mas achei que isso seria interessante em vista da nossa conversa. legenda traz uma nota rápida sobre o cara que edita 2 cadernos importantes do NYT - o Review of Books e o Week in Review [uma espécie de retomada analítica das notícias principais da semana]. Note que o cara é conservador [portanto, não tenho a menor simpatia por ele em termos políticos], mas acho que estávamos conversando sobre algo que vai além da posicao política.
[Leia outros Comentários de Paulo Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tragédias e Comédias Sombrias
William Shakespeare
Nova Aguilar
(2006)



Minha Alma nos Espaços Divinos
Rose Gribel
Pensamento
(1995)



Furacão Elis
Regina Echeverria
Nórdica
(1985)



/Pato Donald Nº 2167
Walt Disney
Abril
(1999)



Livro Literatura Estrangeira Ciao Bella Sex, Dante and How to Find Your Father in Italy
Helena Frith Powell
Gibson Square
(1988)



O Ciclo Da Auto-sabotagem
Stanley Rosner
Best Seller
(2009)



Crônicas de Los Angeles
Annette Levy-willard
Barcarolla
(2004)



O Último Adeus
Cynthia Hand
Darkside Books
(2016)



Mémoires Despoir
Charles de Gaulle- Le Renouveau- 1958- 1962
Plon
(1970)



Livro Infanto Juvenis Carta Errante, Avó Atrapalhada, Menina Aniversariante Volume 3 Novela Coleção Literatura em Minha Casa
Mirna Pinsky
Ftd
(2001)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês