Dez Coisas | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
33901 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Saudades não envelhecem
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2011 e meus álbuns
>>> A arte da crítica
>>> Livros e Saúde
>>> Além do Mais em 2005
>>> O enigma de Lindonéia
>>> O enigma de Lindonéia
>>> The Guardian contrata blogueiros para fazer jornalismo
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> I Fink U Freeky
>>> Além do Mais em 2009
Mais Recentes
>>> Os Elefantes não esquecem de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2019)
>>> A construção do Brasil de Jorge Couto pela Forense Universitária (2011)
>>> Medicina de Reabilitação nas Lombalgias Crônicas de Julia Maria D' Andréia Greve e Marcos Martins Amatuzzi pela Roca - Brasil (2003)
>>> O exercício e a cardiologia do esporte de Paul D. Thompson pela Manole (2003)
>>> Medicina do Esporte de W. Hollman e T. Hettinger pela Manole (2005)
>>> Derrame Pleural de Franscisco S. Vagas , Lisete R. Teixeira e Evaldo Marchi pela Roca - Brasil (2003)
>>> 50 Anos a Mil de Lobão pela Nova Fronteira (2010)
>>> Furacão Anitta - Biografia Não Autorizada de Leo Dias pela Agir (2019)
>>> A Bela e a Fera - Edição Oficial do Filme de Elizabeth Rudnick pela Universo dos Livros (2017)
>>> A organização dirigida por valores de Richard Barrett pela Alta Books (2017)
>>> A Filiação Divina de Carlos Lema Garcia pela Quadrante (2002)
>>> Onde Cantam os Pássaros de Evie Wyld pela DarkSide (2013)
>>> O Espírito Santo na Experiência Cristã de James D Crane pela Juerp (1978)
>>> O Homem Moderno e a Imagem Bíblica do Homem de Leo Scheffczyk pela Edições Paulinas (1976)
>>> 50 Histórias de Ninar de Thomas Tig pela Girassol (2009)
>>> A Arte e a Ciência do Amor de Dr. Albert Ellis pela Record (1966)
>>> Acupuntura Coreana da Mão - Atlas de Bolso de Choo H. Kim pela Ícone (2019)
>>> Competência: Repertório de Jurisprudência e Doutrina de Arruda Alvim/ Teresa Arruda Alvim Pinto/ Ubiratan do Couto Mauricio pela Revista dos Tribunais/ SP. (1986)
>>> Manifesto Judeu Messiânico de David H. Stern pela Louva-a-Deus (2006)
>>> Responsabilidade Tributária dos Sócios no Mercosul de João Luis Nogueira Maria pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> O conquistador de Almas de C. H. Spurgeon pela Pes (2014)
>>> Helena - Clássicos da literatura - Texto Integral de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> 100 Anos de Comunicação Espírita em São Paulo - 1881 a 1981 de Eduardo Carvalho Monteiro pela Madras (2003)
>>> Herança- Orientações Práticas de Celso Laet de Toledo Cesar (desembargador/ Tj/ Sp) pela Oliveira Mendes/ Del Rey (1997)
>>> Herança- Orientações Práticas de Celso Laet de Toledo Cesar (desembargador/ Tj/ Sp) pela Oliveira Mendes/ Del Rey (1997)
>>> Sermões de spurgeon sobre as grandes orações da biblia de Charles Haddon Spurgeon pela RBC Publicações (2018)
>>> The Virtues of Aristotle de D. S. Hutchinson pela Routledge (1986)
>>> Dia a dia com Tozer de A. W. Tozer pela Publicações pao diário (2017)
>>> Mundo Animal Caldas Fofinhas de Não Informado pela TodoLivro
>>> Mundo Animal Caldas Fofinhas de Não Informado pela TodoLivro
>>> Meu Livrinho de Pano Animais de Não Informado pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Os Três Porquinhos de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Os Três Porquinhos de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Pinóquio de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Pinóquio de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Chapeuzinho Vermelho de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Chapeuzinho Vermelho de Não Informado pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Chapeuzinho Vermelho de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Chapeuzinho Vermelho de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Três Porquinhos de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Três Porquinhos de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Primeiras Palavras no Banho - Formas Primeiro Livro do Bebê de Não Informado pela TodoLivro
>>> Primeiras Palavras no Banho - Formas Primeiro Livro do Bebê de Não Informado pela TodoLivro
>>> Primeiras Palavras no Banho - Formas Primeiro Livro do Bebê de Não Informado pela TodoLivro
>>> Primeiras Palavras no Banho - Formas Primeiro Livro do Bebê de Não Informado pela TodoLivro
>>> Aprendendo a Desenhar de Não Informado pela TodoLivro
COLUNAS >>> Especial Quem vale a pena seguir

Quarta-feira, 27/5/2009
Dez Coisas
Guilherme Pontes Coelho

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

São dez coisas para seguir, gostar ou apreciar, entre pessoas, ideias e atividades. Seriam muito mais, claro. Mas a escolha delas foi baseada nos tempos frenéticos de internet. Tempos nos quais tudo é muito explícito, e muito do que a gente vê é mediano; nos quais virtualmente tudo é confuso; e a gente precisa de sinalizações para seguir em segurança. Estas escolhas, todas elas, de alguma maneira lidam com nosso Zeitgeist, seja pelo confronto, seja pela conexão. E elas vão aqui aleatoriamente, na sequência que o inconsciente ditou, enquanto eu as rabiscava no papel.

Cartola
Angenor de Oliveira. O tipo de gênio que não existe mais na nossa música. O que é mais impressionante em Cartola é que tudo é de uma simplicidade constrangedora.

A canção "Autonomia", por exemplo, tem 2min48 e já é o suficiente para abalar qualquer um. Simples, curta, sincera. Tudo o que ele canta, mesmo que não seja dele, como a fantástica "Preciso me encontrar", é cantado de um jeito que cada pessoa que o ouça é capaz de acreditar que ele está lhe contando uma história, só pra você, sobre o que viveu ― e o narra com aquela sinceridade de quem sabe do que está falando. Ele viveu o suficiente pra ter certeza do que diz, e não impõe nada a você, não quer o obrigar ao aprendizado, porque sabe que cada um faz seu próprio caminho.

A música dele tem muito espírito. Não só a dele, eu sei. Nelson Cavaquinho também é genial e Clementina de Jesus é apaixonante. Mas há uma assertividade gentil em Cartola que hipnotiza. Até na conquista Cartola é discreto, silencioso e simples. A verdade do amor não precisa de muito teatro. A canção "Nós dois" vale mais que todos os tratados já escritos sobre o amor.

Obs.: Recomendo o ensaio de Nuno Ramos na revista serrote n.º 1. Ótimos paralelos entre Nelson Cavaquinho e Cartola. Texto muito bem escrito.

Bach
É o maior clichê do universo falar de Bach. Dizer que ele é genial, que a música dele é divina, que isso, que aquilo. Eu sempre sinto vergonha alheia quando alguém fala de música clássica citando Bach, Mozart e Beethoven (no caso deste, geralmente confundindo a Nona com a Quinta), porque todos nós nos achamos experts na coisa etc. e tal. Mesmo assim, mesmo com esse discurso arrogante e a vergonha alheia, eu tenho de reconhecer que basta ouvir, por exemplo, o Concerto para Violino e Oboé para se sentir autoridade em Bach, e em música clássica. Quando a gente ouve, passa a fazer parte do nosso universo musical instantaneamente. É belo.

O mais espantoso em Bach é ele ter feito uma obra tão monumental sem ter em mente ser cultuado, como virou prática depois e hoje é praticamente regra, mesmo que a obra não valha nada. Nós somos todos Pedros Cassavas. Queremos ser cineastas geniais, escritores geniais, pintores geniais... mas não queremos escrever, nem filmar, nem pintar nada genial. Queremos definir a obra pelo ego, não o inverso. Mas se a obra é genial, acredite, você não se preocuparia com o ego. Como Bach, por exemplo. Pode ser desleal usar este argumento citando Bach, eu sei. Citar Cartola seria tão desleal quanto. Enfim, ouça Bach.

Obs.: Se quiser conhecer Bach não só ouvindo, recomendo 1) a biografia dele escrita pelo Philipp Spitta. Não existe versão em português, que eu saiba. Indico a tradução em inglês da Dover, em três volumes; e 2) 48 variações sobre Bach, de Franz Rueb. É uma abordagem mais concisa e até corrige algumas coisas que o Spitta escreveu. Sobre a vida religiosa de Bach, por exemplo.

Salmão
Coma salmão. Muito e sempre.

Futebol feminino
Uma vez disse que "futebol é esporte de mulher" e me tomaram por preconceituoso. Mas não é isso. Levando em conta o lugar-comum de que fazem parte do arquétipo da mulher a intuição, a dissimulação, a atração e a flexibilidade (o "jeitinho"), como não enxergar tudo isso no futebol?

Futebol é muito mais a cara de quem mora abaixo da linha do Equador, porque é pura dança. Aquelas coisas que o Denílson fazia quando estava no auge era passos de dança, não esporte. Era fenomenal, claro. Porém, sempre associo ao futebol a dança, de maneira que é impossível separar um do outro. E, por isso, sempre achei o futebol um esporte muito mais feminino que masculino.

Os jogos da seleção do Dunga não me interessam muito, e aposto que nem a você. Aqueles caras não jogam com a paixão da Era Romântica do futebol, quando ainda não havíamos ganhado Copas do Mundo, nem jogam com o profissionalismo que qualquer trabalho exige. Mas os jogos da seleção feminina de futebol são outra história. Aquelas garotas honram o esporte. Por causa das mulheres é que o futebol brasileiro é arte. Ver Cris e Marta jogando é um sonho.

Obs.: É uma vergonha a maioria delas ganhar tão pouco financeiramente.

Rugby
Uma das coisas mais certas que Oscar Wilde já escreveu: "O rugby é um jogo para bárbaros jogado por cavalheiros. Futebol é um jogo para cavalheiros jogado por bárbaros". O melhor esporte coletivo que existe. Ainda somos perebas nele. Mas é só questão de tempo a gente conseguir se classificar para Copa do Mundo de Rugby, talvez muito tempo... O último jogo da nossa seleção, pelas eliminatórias da Copa, foi um vexame. Okay. Somos inexperientes nisso. Apenas. Não foi preguiça ou desdém (como vemos nos boleiros canarinhos). Quem joga rugby no Brasil joga porque gosta, e muito.

Ao contrário do que leigos e neófitos imaginam ao ver uma partida de rugby, não é um esporte violento. É muito cavalheiresco, por sinal. A autoridade do árbitro é respeitada, porque só os capitães dos times podem se dirigir a ele, e nenhum jogador é advertido na ausência do seu capitão. Quando me perguntam "Como é esse jogo?" e eu começo explicando que a bola só pode ser passada pra trás, eu sou capaz de ver o nó mental na cabeça da pessoa. "Mas como assim?". É isso. Cada metro deve ser conquistado beligerantemente ― e isso não é feito sozinho.

A tensão entre brilho individual e eficiência coletiva é muito equilibrada nesse esporte. Johnny Wilkinson fez muito pela Inglaterra na Copa de 2003, aquele drop goal nos últimos instantes de jogo foi lindo, mas ninguém diz que ele ganhou a Copa sozinho.

É um esporte em que nada é de graça, todo mundo depende de todo mundo e, embora haja espaço para o improviso, demanda estratégias quase enxadrísticas. Pratique rugby.

Obs.: A bola só pode ser passada para frente por chutes; os passes com as mãos são para trás ou, no máximo, lateralmente, de acordo com a posição de quem passa a bola.

Revista piauí
Uma revista mensal de textos caudalosos e bem escritos é tudo o que nosso jornalismo cultural precisava. Ela não é mais novidade, mas minha geração esperou tanto por isso que me sinto obrigado a, sempre que posso, manifestar, digamos, contentamento.

Michal Mann
É impressionante como Michael Mann mantém a qualidade nos filmes que faz. De todos eles, o único aquém do esperado pode ter sido O Último dos Moicanos. Acho que por ter sido o único filme não urbano de sua filmografia. Em 1995 começa uma sequência invejável: Fogo contra fogo, O Informante, Ali, Collateral, Miami Vice. Em Fogo... , o equilíbrio entre os dois núcleos narrativos, um centrado em Vincent Hannah (Al Pacino), outro, em Neil McCauley (Robert DeNiro), é tão bom que, de lá pra cá, acho que coisa semelhante só foi alcançada recentemente, com O Gângster de Ridley Scott.

Mann não faz tantos filmes quanto Martin Scorsese, por exemplo. O que é bom, assim não produz nada descartável.

Ele tem uma preocupação com o espaço (território) quase existencial. Em Mann, os personagens se veem numa situação limite que precisam resolver ou da qual devem se livrar o mais rápido possível. Raramente conhecemos a biografia deles, só os vemos agindo com um fim específico em mente, geralmente ditado pela profissão que exercem. A profissão, que é a maneira como o indivíduo adquire identidade e se afirma na sociedade, é sempre um tema relevante em Mann. O lugar ao qual os personagens pertencem e a maneira como, pela conduta profissional, eles interagem com esse espaço: esse é todo o conflito de Miami Vice, seu filme esteticamente mais virtuoso, até agora.

Obs.: Veja isto.

Michel Leiris
Na lista dos livros que mais nos influenciaram, alguns são bem previsíveis, outros insólitos, e outros inexplicáveis. Sempre terei um lugar guardado para o romance Trevayne, de Robert Ludlum, à época em que li assinado por Jonathan Ryder, um dos seus pen-names. Foi o único livro do Ludlum que li, mas foi meu primeiro romance. Não tem como esquecer. Inesquecível também é Até o fim do mundo, de David Yallop, o primeiro livro comprado com meu próprio dinheirinho. Memórias Póstumas de Brás Cubas foi uma grande revolução. Na época eu senti que havia evoluído intelectualmente, embora, aos 15 anos, o único capítulo do livro que grude na memória seja o VII, "O Delírio". E só.

Aquela sensação de estremecimento, o choque que a leitura causa só veio me acontecer muito tempo depois, aos 22 anos, com Espelho da tauromaquia, de Michel Leiris. Até então ler era um vício sem muito brilho. Mas esse livro foi o primeiro que li em que paixão, raciocínio, entrega, sensualidade, poesia, força e método andavam juntos. O hibridismo intelectual de Leiris foi uma das melhores coisas que conheci. Sobre o quesito forma, é possível ver um certo hibridismo, talvez, n'A escultura de si, do Michel Onfray... mas não, Leiris é incomparável.

A idade viril, também do Leiris, é um esboço autobiográfico poderosíssimo. É intelectualmente rico e honesto, emocionalmente maduro, literariamente sublime. Comece por ele.

Duelo Freud-Jung
Nem Jung, nem Freud, mas a tensão entre um e outro é altamente recomendável para quem quer ficar por dentro de visões de mundo relevantes, mas não quer se comprometer. Quando você tiver tempo, aconselho a diversão nerd de pegar os Fundamentos de Psicologia Analítica, de Jung, e Esboço de Psicanálise, de Freud, e ler capítulos alternados de um e outro. É um jogo interessante. Não é preciso dizer que essa brincadeira só vale com estes dois livros, os introdutórios.

Discípulos de um e outro continuaram a obra de seus mestres e por vezes a contestaram. Embora Melanie Klein e, mais que ela, Wilhelm Reich tenham feito contribuições próprias à psicanálise, ambos fazem parte da mesma família Freud. O mesmo podemos dizer de James Hillman e, numa ótica academicamente mais flexível, Joseph Campbell em relação à família Jung.

Para usar um termo adorado em bancas de doutorado, ambas Weltanschauungen continuam vivas por aí. Apreciar curiosa e ceticamente a ambas é um divertimento erudito que lhe recomendo.

Obs.: Já levei a sério ambas as visões, alternadamente. Hoje, troquei a dúvida pela ironia e pelo prazer de tentar entender uma e outra. Para uma visão menos idólatra de Jung, recomendo um dos livros mais bem escritos que conheço, O Culto de Jung, de Richard Noll.

Samuel Rawet
Só havia três contistas na minha biblioteca: Jorge Luis Borges, Machado de Assis e Guimarães Rosa. Era meio chato ler contos até conhecer Rawet. Ele mudou tudo.

Já ouvi muitas queixas contra o mercado editorial brasileiro, mas graças à maneira como ele é hoje, competitivo, é que podemos conhecer a obra de Samuel Rawet, um errante judeu antissemita, nascido na Polônia, engenheiro calculista na construção de Brasília e, no final da vida, solitário, publisher de seus próprios livros artesanais, caçador de judeus (Rawet, já mentalmente comprometido, andava pela capital federal carregando uma gaiola fedida, e quando lhe perguntavam pra que ela servia, respondia: "Pra prender judeu!"). A Civilização Brasileira, aos cuidados de André Seffrin, publicou dois volumes seus, um de contos e novelas, outro de ensaios que são, como dizem, must-have books.

Um judeu errante, estranho a si mesmo, literariamente destemido, como provam seus contos. Um escritor espetacular.

Obs.: Nós, leitores, não fomos só beneficiados com Rawet, mas com Dyonélio Machado, Lucio Cardoso, Pedro Nava e outros recentemente republicados. Mal vejo a hora em que alguma editora criará vergonha na cara e republicará Otávio de Faria, completo.


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 27/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
05. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2009
01. A morte de Michael Jackson, um depoimento - 5/8/2009
02. Exógeno & Endógeno - 4/11/2009
03. Entre a simulação e a brincadeira - 11/3/2009
04. Meu assassino - 10/6/2009
05. Sobre escrever a História - 17/6/2009


Mais Especial Quem vale a pena seguir
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/6/2009
18h13min
Bom mesmo é lembrar Cartola, e sua "As rosas não falam". Recordo-me que, na minha juventude, um cidadão foi até a escola em que eu estudava e disse que o que mais encantou-o no exterior foi ouvir as músicas deste mestre sendo executadas por orquestras no mundo, inclusive na Itália. E que era uma pena que, enquanto a música de Cartola encantava gringos, aqui o artista não passava de lavador de carro, sorveteiro, servente de pedreiro, além de um homem sensível e que sabia fazer boa música, como, aliás, conhecemos.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MOTHERN: MANUAL DA MÃE MODERNA
LAURA GUIMARÃES E JULIANA SAMPAIO DE OLIVEIRA
MATRIX
(2005)
R$ 12,00



O ESPÍRITO QUE É O SENHOR E DÁ A VIDA
COMISSÃO PASTORAL E MISSIONÁRIA
PAULINAS
(2000)
R$ 5,50



TESES POLÍTICAS N. 5: ADHEMAR DE BARROS E O PSPS (6376)
REGINA SAMPAIO
GLOBAL
(1982)
R$ 30,00



A "IMAGEM DO BRASIL" NA OBRA DE CARLOS NELSON COUTINHO
VLADMIR LUIS DA SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



JARDIM DE INVERNO-UMA BOA AÇÃO-CRIANÇA DESAPARECIDA-ESCÂNDALO EM MARSE
SELEÇÕES DE LIVROS READERS DIGEST
READERS DIGEST
(2013)
R$ 14,00



HEADHUNTER - OS BASTIDORES DO MUNDO CORPORATIVO
FELIPE ASSUMPÇÃO
SAINT PAUL
(2009)
R$ 7,50



ACHE MOMO
ANDREW KNAPP
INTRÍNSECA
(2014)
R$ 9,00



A VERDADE DÁ LUCRO: COMO FALAR A VERDADE PARA AUMENTAR A PERFORMA
BRUCE BODAKEN E ROBERT FRITZ
GENTE
(2007)
R$ 9,82



AS LOUCURAS DO REI
JEAN PLAIDY
RECORD
(1994)
R$ 9,80



SOR ÉS TEA
W SOMERSET MAUGHAM
IRODALMI KONYVKIADO
(1967)
R$ 20,00





busca | avançada
33901 visitas/dia
891 mil/mês