A morte do disco | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
Mais Recentes
>>> Meu dia com Padre Gregório, scj de Padre Gregorio pela N/a
>>> O Primeiro Bilhão de Christopher Reich pela Best Seller (2004)
>>> Poderes do Pensamento de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (2018)
>>> Manual do Astrólogo de Landis Knigh Green pela Pensamento (1975)
>>> Noções de Symbologia Esoterica de Circulo Esotérico pela Circulo Esotérico (1941)
>>> Juventude e Revolução de Hermes Zaneti Junior pela Unb (2001)
>>> Dharma de Annie Besant pela Pensamento (2008)
>>> Fome do Cão de Táki Athanássios Cordás pela Maltese (1993)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Harper Usa (2000)
>>> Gandhi Autobiographie ou mês Expériences de Vérité (Francês) de Gadhi pela Puf (2010)
>>> Tábuas de Casa para o Hemisfério Sul de Carlos Alberto Boton pela Pensamento (1993)
>>> Tao Te King de Lao Tsé pela Attar (1988)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Jacira X Ronaldo de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1980)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Simone X Angela de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1979)
>>> Guia Prático de manobras de Eric Tabarly pela Edições marítimas (1983)
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Como Planejar sua Carreira de Varios Autores pela Povo (2003)
>>> Perguntas Bíblicas Extrovertidas de Tio Cornélio pela J&f Artes Gráficas (2004)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Macmillan Pub Co (1984)
>>> Gestão Financeira de Negócios de Aurélio Hess pela Cart-Impress (2005)
>>> Luz Emergente A Jornada de Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (2003)
>>> Jesus, um Profeta do Islão de Muhammad Áta Ur-rahim pela Al Furqán (1995)
>>> Buda O Mito e a Realidade de Hérodoto Barbeiro pela Madras (2005)
>>> Gandhi O Apóstolo da Não - Violência de Martin Claret pela Martin Claret (1983)
>>> Concentra-te em Ti Mesmo de Miguel Lucas pela Loyola (1987)
COLUNAS

Quarta-feira, 31/10/2007
A morte do disco
Luiz Rebinski Junior

+ de 3000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A nova onda do do it yourself, lendário lema punk que realçava a livre iniciativa musical e política no fim dos anos 1970, não tem apenas dado novo ânimo a grupos que se valem da internet para gravar e divulgar música. Tem feito muito mais. A revolução da web tem alterado de forma radical a maneira com que se consome música e como as pessoas se relacionam com esse tipo de arte.

Em artigo publicado no Digestivo Cultural (o texto é fragmento do livro Tempestade de Ritmos), Ruy Castro escreve sobre como o último suporte material para se ouvir música, o CD, está desaparecendo ante a avalanche de downloads.

Castro descreve como a música foi das "grosseiras chapas primitivas" até os pequenos tocadores de MP3 em menos de cem anos. "A música hoje se espreme em aparelhinhos menores que uma caixa de fósforos, os quais tendem a diminuir ainda mais para caber, quem sabe, num ponto grampeado ao lóbulo, ou talvez num piercing espetado ao tímpano. A idéia é a de que, em breve, o ato de ouvir música dispense qualquer objeto físico - inclusive as orelhas", escreve o autor de Chega de Saudade - A História e as histórias da Bossa Nova.

Mas além da mudança relacionada ao prazer visual que um disco proporciona - com seus encartes, fotos, informações sobre o artista e detalhes menores tão apreciados pelos aficionados por música -, a passagem para o som "virtual" também acaba com o que os artistas gostam de chamar de "a concepção de um álbum". Se antes um grupo entrava no estúdio para executar peças que - seja temática ou sonoramente - ao serem finalizadas dariam vida a uma obra com unidade musical, agora esse trabalho já não é mais tão requisitado. Isso porque com o formato MP3 dificilmente se escuta um álbum de fio a pavio, como se fazia com os LPs - era impossível ouvir os dois lados do disco todo sem se levantar da poltrona - e ainda hoje com os CDs.

As faixas se sobrepujaram aos discos. Cada um faz sua própria seleção e a coloca em tocadores, sem se importar se aquela música era continuação ou não de outra canção. É pouco relevante também saber se o artista se preocupou dias e dias escolhendo a seqüência das faixas.

Assim hoje faz pouco sentido gravar um disco como Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, ou Tommy, uma das óperas rock do The Who. Menos sentido faz escutar de forma fragmentada em um tocador de MP3 discos como The Dark Side Of The Moon, a obra-prima do Pink Floyd, em que as músicas estão todas interligadas. Isso porque os exemplos citados são obras feitas para serem apreciadas do começo ao fim, sem interrupções. A concepção do disco, ou como queria Walter Benjamin, a sua aura de obra de arte, perder-se-ia em meio a outras músicas e estilos. Músicas como "Breath" e "The great gig in the sky", de Dark side, não fazem muito sentido entre um ska e um raggae.

É fato, porém, que a troca de arquivos na internet democratizou de certa forma o consumo de música - ainda que este seja também um ponto questionável, já que no Brasil ainda é pequeno o índice de pessoas que tem acesso ilimitado à internet. Se nos anos 1980 um disco demorava cinco ou dez anos para chegar ao Brasil, hoje as coisas são bem mais fáceis. A um clique pode-se ouvir a última novidade de um grupo da Islândia ou Suécia.

O mercado fonográfico por sua vez não sabe o que fazer diante da situação. Com as vendas em queda, as gravadoras estão em dúvida se apostam em novos formatos ou tentam de alguma forma salvar o velho modelo. Muitos selos já lançam músicas especialmente para downloads, em uma tentativa de revigorar a cultura dos singles, que pelo menos na Europa e Estados Unidos nunca saiu de moda.

Do lado dos artistas, a maioria já não se preocupa tanto com vendas, canalizando suas ações em shows e outros tipos de eventos. É assim que vão ganhar dinheiro daqui para frente. Exemplo bem-acabado de tal estratégia é a banda inglesa Radiohead, que colocou seu novo disco, In Rainbows, à venda pela internet, propondo que o interessado pague apenas quanto achar justo pelo álbum.

Abundância de sons
Um fator desagregador, evidenciado até mesmo pelos fiéis "baixadores" de música, é que com a recorrente fragmentação dos sons e a abundância de possibilidades, sobra pouco tempo para apenas um disco ou artista. Outro dia um amigo me disse que tinha baixado a discografia completa do Beatles, incluído aí gravações raras, shows e as diversas coletâneas que a cada ano pipocam do grupo, mas que nunca tinha tido tempo para ouvir o material e que fixou as audições nos discos que já conhecia. Mesmo processo ocorre em relação ao surgimento de novos grupos que, encorajados pela facilidade de produção e disseminação de música na web, não são absorvidos pelo público, que logicamente não consegue captar tamanha informação.

Com isso o prazer de se sentar em uma velha poltrona de frente ao aparelho de som e ler de cabo a rabo as informações do encarte de um disco, enquanto a música rola, perdeu-se entre downloads.

Ainda assim, há uma parcela significativa de pessoas que vêem no CD - ou mesmo no LP - um objeto importante para o ato de escutar música. Para essas pessoas, a internet serve muito mais como meio, e não fim, para se ampliar os horizontes musicais. O conhecimento proporcionado pela troca de arquivos é apenas parte do processo. Afinal, música é muito mais do que um simples ato de ouvir algo mecânico. Música é sentimento, emoção. Quem se interessa por música não se contenta em apenas ouvir e ponto. O culto ao artista, às idéias e à estética musical - e visual, por que não? - como um todo também faz parte do universo sonoro. E esse, quem sabe, talvez seja um detalhe que possa dar sobrevida à velha forma de se escutar uma canção.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 31/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2007
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. A Literatura na poltrona - 13/9/2007
05. O sucesso do Cansei de Ser Sexy - 31/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/11/2007
18h14min
Interessante que a individualização, tão apregoada na sociedade capitalista, tenha refletido também na música; quando você diz que a obra perdeu significância em relação ao single é o singular se sobrepujando sobre o coletivo. Acredito que isso seja um reflexo do próprio mercado, onde artistas são lançados todos os dias e os hits duram algumas semanas, até o próximo e o próximo. Mas também tem aquela outra questão, alguns músicos são tão bons ou tocam de alguma forma tantas pessoas que acabam se tornando eternos, ou mesmo cantores novos que tenham fãs realmente. Ainda escuto cds inteiros, tanto de antigos como o Led como de novos como a Amy Winehouse. Mas concordo que há uma fragmentação de significados e as pessoas acabam perdendo a arte que está na música.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
13/11/2007
21h41min
Interessante esta matéria. Eu moro no Rio Grande do Norte e há um tempo alertei um colega, que tem um sebo de Cd´s, sobre essa nova concepção sonora. O vinil aqui tem valorizado bastante (um disco pode chegar a custar até 100 reais!)
[Leia outros Comentários de william Eloi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mediadas Provisórias
Leon Frejda Szklarowsky
Rt
(1991)



Moçambique Com os Mirage Sul Africanos a 4 Minutos
Licínio Azevedo
Global
(1980)



Entre La Guerre et La Paix: 1944-1949
Roger Céré
Presses Universitaires França
(1949)



Budismo
Dalai Lama
Universo dos Livros
(2005)



Coaching de carreira
Jaques Grinberg, Maurício Sita
Literare Books International
(2019)



A Mãe Judia, o Gênio Cibernético e Outras Histórias
Paulo Wainberg
Age
(2001)



De Pneuzinho a Tanquinho
C. W. Randolph e Genie James
Best Seller
(2011)



Como Não Ser Enganado Nas Eleições
Gilberto Dimenstein
Atica
(1994)



Manifesto do Nada na Terra do Nunca
Lobão
Nova Fronteira
(2013)



Em Defesa do Marxismo
Julio Magri
Outubro
(1992)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês