A Literatura na poltrona | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> O terraço dos Benardini de Suzanne Prou pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Robin Hood A Lenda Da Liberdade - Série Deixa Que Eu Conto de Pedro Bandeira pela Moderna (paradidaticos) (2012)
>>> Estudos Espíritas de Divaldo Franco; Joana de Ângelis (Espírito) pela Feb (1983)
>>> Livro Religião Atos Introducao e Comentario de Howard Marshall pela Mundo Cristão (1980)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Cortiço em Quadrinhos de Aluisio Azevedo pela Principis (2019)
>>> A Contadora De Historias de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2005)
>>> Nova Bíblia Viva de Vários Autores pela Mundo Cristão (2010)
>>> O poeta e o cavaleiro de Pedro Bandeira pela Ftd (1998)
>>> Livro Pedagogia Interdisciplinaridade Formação de Profissionais da Educação de Célia Maria Haas; Ecleide Cunico Furlanetto pela Pioneira (2000)
>>> Livro Infanto Juvenis O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> A Hora Da Verdade. Voo Livre de Pedro Bandeira pela Atica (paradidaticos) (1998)
>>> Livro Esportes Jogo Sujo O Mundo Secreto da Fifa Compra de Votos e Escândalo de Ingressos de Andrew Jennings pela Panda Books (2011)
>>> Emaranhados em mim - autografado de Fernanda Maia pela Ruja (2020)
>>> Dicionário Visual De Bolso 3 Em 1 de Dorling Kindersley pela Blucher (2011)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1987)
>>> Livro Auto Ajuda Quando Termina é Porque Acabou de Greg Behrendt / Amira Ruotola-behrendt pela Rocco (2006)
>>> Livro Música Song and Circumstance The Work of David Byrne from Talking Heads to the Present de Sytze Steenstra pela Continuum (2010)
>>> Lusco Fusco - Vida e morte de um desconhecido de Marcello Mathias pela Bertrand Brasil (1991)
>>> A violencia na contemporaneidade: o olhar da psicologia de Sandra amorim pela Crv (2015)
>>> Livro Filosofia Guia Politicamente Incorreto da Filosofia Ensaio de Ironia de Luiz Felipe Pondé pela Leya (2012)
>>> O ludico e a cognição de Margarete Bertolo Boccia pela Oikos (2014)
>>> Pantano De Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Livro Turismo Guia Visual Folha de São Paulo Cuba de Dorling Kindersley pela Publifolha (2004)
>>> Livro Artes A Arte de Fazer um Jornal Diário de Ricardo Noblat pela Contexto (2007)
>>> O Grande Conflito Ellen G White Uma Saga Milenar Novo de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/9/2007
A Literatura na poltrona
Luiz Rebinski Junior
+ de 6100 Acessos

O escritor e crítico José Castello fez da profusão de gêneros literários a marca de sua escrita. Em A Literatura na poltrona - Jornalismo Literário em tempos instáveis (Record, 2007, 204 págs), mais uma vez o escritor constrói textos que trafegam entre a ficção e a crítica, ainda que oficialmente o livro seja uma coletânea de ensaios sobre o fazer literário. O termo jornalismo literário aqui ganha outra conotação, diferente daquela consagrada por Truman Capote e os escritores da famosa revista The New Yorker. Castello utiliza a expressão para descrever o trabalho do jornalista que se dedica à cobertura da cena literária e seus desdobramentos.

Ao longo dos 15 textos que compõem o livro, o autor deixa de lado a crítica crua e rápida dos cadernos culturais para dar vazão a textos em que a análise literária se funde, por exemplo, às impressões pessoais do autor sobre determinado escritor, livro ou mesmo lugar, como é o caso de "Viagens literárias", em que desvenda a Praga de Franz Kafka e o Chile de Pablo Neruda.

O texto híbrido do autor fica evidente logo nas primeiras páginas. Em "O repórter depõe as armas", o escritor recorre a uma entrevista, permeada por um clima noir, com a filósofa francesa - e especialista na obra de Clarice Lispector - Hélène Cixous, para falar sobre como os livros lêem as pessoas, e não o contrário, conforme ensina o senso comum. Aqui o autor abre parêntese para criticar a hiperespecialização da literatura, que muitas vezes restringe ou mesmo desencoraja leitores a alçar vôos mais altos dentro da ficção. Para Castello, a literatura está muito mais para o "não saber" do que para o conhecimento específico. Ou seja, na literatura não se trata apenas de conhecer, mas sim de sentir, permitir-se ser invadido justamente pelo desconhecido e pelo que é estranho. Para ler Joyce ou Guimarães Rosa não é preciso anos de estudo, mas sim que o leitor permita que o livro lhe desnude e abra, assim, novas perspectivas.

Seja escrevendo sobre o barco de Hemingway ("A Literatura na poltrona") ou sobre a alucinação de Luis da Silva no famoso romance de Graciliano Ramos ("Literatura e crime"), Castello está sempre discutindo o papel da literatura na vida cotidiana e seu lugar como manifestação artística no mundo. No entanto, não se priva de assuntos espinhosos. Coordenador de oficinas de criação literária em Curitiba - que prefere chamar de "oficinas de imaginação" -, o autor discute a contribuição desse tipo de oficina na formação de um aspirante a escritor. Contrário às formulas e receituários, Castello acredita que as oficinas não formam ou transformam o indivíduo em escritor, mas apenas, no máximo, incitam e provocam inquietação. Em outras palavras, literatura não se ensina, é o que deixa claro. E aqui o autor dá vazão a uma de suas principais convicções, a de que todo escritor precisa, necessariamente, encontrar "voz própria" na literatura, o que, alerta Castello, não pode ser confundido com o que muitos chamam de "estilo". A "voz do escritor", diz ele, "não é uma escolha, uma voz é uma maneira inconsciente - e autônoma - de soar". Este é um pensamento que tem permeado os escritos e reflexões do autor há bastante tempo, seja na crítica a livros de novos ou veteranos escritores.

Já a difícil tarefa de julgar, imposta diariamente ao crítico ou jornalista literário, é discutida abertamente em "Crítica e Impureza". O crítico, segundo Castello, está sempre na berlinda, já que, goste ou não de determinada obra, sempre estará, ele próprio, exposto a julgamento, ora acusado de complacente ora de corrosivo e mal-humorado. Luta inglória que, defende ele, nenhum crítico tem o direito de se esquivar. Discussão que se encaixa muito bem no que o autor escreve páginas depois em "Jorge Amado, autor do Brasil". Fenômeno de público no país, Amado nunca foi acolhido plenamente pela crítica, que depois de lhe colocar a pecha de escritor socialista, acusou-o de populista e autor de uma literatura que reforça os clichês sobre o país. Em um texto sóbrio, Castello revê os dois lados da moeda e explica como o escritor baiano se tornou uma "marca" nacional, assim como Pelé e Carmen Miranda.

Crítica e Impureza
Desde os anos 80 se dedicando à literatura, Castello tem sido um dos críticos mais ativos de sua geração. Colunista do jornal literário Rascunho, o escritor é responsável pela seção "Cartas de um aprendiz", em que, em formato de missiva, tem a difícil tarefa de comentar a produção de novos autores. Missão delicada, diga-se de passagem, já que é sempre muito mais fácil falar de escritores consagrados, aqueles que têm carreira sólida e a quem uma crítica negativa não importa tanto quanto para um novato. E, a se tomar por base suas últimas colunas no Rascunho, o autor tem sido coerente com o que escreveu em "Crítica e Impureza", não deixando de dizer "o mais difícil e desagradável".

Entre uma discussão e outra, A Literatura na poltrona traz textos em que Castello se permite entrar diretamente no relato, aproximando-se, aí sim, daquele outro jornalismo literário, em que o jornalismo funde-se à literatura, tal como fez Gay Talese em seus inúmeros perfis. É o caso dos já mencionados "O repórter depõe as armas" e "Viagens literárias", textos que poderiam facilmente estar no belíssimo Inventário das sombras, livro em que Castello traça o perfil de escritores brasileiros e estrangeiros e cujos textos mais se aproximam da fusão entre o ensaio e o conto. Talvez a maior diferença entre os dois títulos seja mesmo a preocupação com a crítica mais formal feita em A Literatura na poltrona, ainda que os textos de Inventário das sombras guardem a mesma profundidade e análise crítica da literatura e seus autores. Tal diferença pode ser explicada em grande parte também porque muitos dos textos do novo livro foram antes publicados em periódicos literários e com o objetivo explícito da crítica - incluindo aí "Um pastor para o século XXI", ensaio sobre Fernando Pessoa reproduzido no Digestivo Cultural.

Seja falando sobre assuntos mais ou menos polêmicos e espinhosos, Castello tem sempre uma original e coerente análise a relatar. Isso faz com que o leitor encontre ensaios inusitados ao longo livro, em que o autor faz analogias pouco prováveis, como no texto em que cruza as visões literárias de João Cabral de Melo Neto e Edgar Allan Poe, ainda que as duas biografias estejam separadas por um século de existência. A única ressalva que se faz é que Castello trafega sempre por um grupo fechado de autores (quase sempre cânones), com especial destaque para Clarice Lispector, uma de suas obsessões. Ótimo para quem é grande admirador da autora de A Paixão segundo G.H., mas nem tanto para quem não é lá muito fã da prosa enigmática da escritora.

Longe do academicismo, mas sem abdicar do pensamento, A Literatura na poltrona traz à tona discussões importantes acerca do fazer literário em textos envolventes que oferecem ao leitor análises originais e que, de certa forma, desmitificam a própria literatura. Mas o grande êxito da obra reside principalmente nas visões singulares que Castello oferece ao leitor sobre os temas discutidos, detalhe crucial quando se trata de um livro de (e sobre) crítica literária.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 13/9/2007

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2007
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. A Literatura na poltrona - 13/9/2007
05. O pueril Capote - 5/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aventuras Maravilhosas do Capitão Cororan
Alfred Assolant
Companhia Nacional
(2007)



Diários do Vampiro Anoitecer
L.J. Smith
Galera
(2010)



As Certezas Perdidas da Psicanálise Clínica
Stefania Turillazzi Manfredi
Imago
(1998)



Guia da Paris Impressionista
Patty Lurie
Record
(1998)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira A Noite do Professor
Jean Pierre Gattégno
Companhia das Letras
(1995)



Amarras do Passado
Emile Rose
Harlequin
(2013)



Dom Casmurro - Coleção Literatura Brasileira - Nova Ortografia
Machado de Assis
Ciranda Cultural
(2008)



Mercado Financeiro Produtos e Serviços
Eduardo Fortuna
Qualitymark
(2002)



Livro Sociologia Dez Lições para o Mundo Pós-pandemia
Fareed Zakaria
Intrínseca
(2021)



Pedagogia Social - Educação e Trabalho...
Noêmia de Carvalho Garrido et al. (Org.)
Expressão e Arte
(2011)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês