Quem é o autor de um filme? | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
>>> Eu Mataria o Presidente de Adelaide Carraro pela L.oren (1970)
>>> A Obra de Olmar Guterres da Silveira de Horácio Rolim de Freitas pela Metáfora (1996)
>>> I Survived the California Wildfires, 2018 de Lauren Tarshis pela Scholastic Books (2020)
>>> Dicionário dos animais do Brasil de Rodolpho von Ihering pela Difel (2002)
>>> Primo Altamirando e elas de Stanislaw Ponte Preta pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Elvis O Rei de Las Vegas Essencial para fãs Vol 1 de Waldenir Cecon pela Elvis Presley´s World Fan Club (2005)
>>> Mulherzinhas de Louise May Alcott pela Companhia Nacional (1973)
>>> Marketing na Odontologia: Estratégias Para o Sucesso de Marcia Nana pela Medbook (2013)
>>> Pentimento de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Vicio E Corrupção No III Reich de Rouben Frank Lucke pela Grafipar (1979)
>>> O mistério do escudo de ouro de Odette de Barros Mott pela Brasiliense (1975)
>>> Desencana Que a Vida Engana de Laís Tapajós pela Globo (1995)
>>> Os rebeldes de Mary Canon pela Nova Cultural (1981)
>>> Diário das Solteiras (Quase) Felizes de Sandra Mazotti pela SVB Edição & Arte (2006)
>>> Atraídos pelo Destino de Millie Criswell pela Harlequin (2003)
>>> O Combate do Inverno de Jean Claude Mourlevat pela Rocco (2009)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/8/2007
Quem é o autor de um filme?
Luiz Rebinski Junior

+ de 12100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Guillermo Arriaga, um dos convidados da 5ª edição da Festa Literária Internacional de Parati (Flip), colocou em pauta uma discussão - que há tempos andava meio esquecida e que agora parece tomar corpo novamente - sobre a autoria de um filme e o papel do roteirista na construção de uma obra cinematográfica. Escritor mexicano, Arriaga ficou conhecido no Brasil pelos roteiros que fez dos três filmes de seu compatriota Alejandro Gozáles Iñáritu - Amores Brutos (2000), 21 Gramas (2003) e Babel (2006).

A parceria chegou ao fim porque Arriaga não concorda que a autoria dos longas-metragens que roteirizou seja única e exclusivamente creditada ao colega cineasta. "Não concordava em ver Alejandro dizer 'a minha trilogia' porque aquelas histórias já existiam muito antes de serem filmadas, eu as criei", disse o escritor em recente entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura. Autor de três romances - Um doce aroma de morte (acaba de sair no Brasil), O búfalo da noite (lançado no país pela Gryphus Editora em 2002) e Esquadrão Guilhotina (inédito) - e do livro de contos Retorno 201, Arriaga desdenha a alcunha de roteirista, preferindo ser chamado de escritor.

Para ele, um filme não é apenas do diretor ou roteirista, mas de toda a equipe que ajudou a produzi-lo, já que o cinema é uma arte onde o que prevalece é o trabalho em equipe. O diretor seria apenas um dos alicerces da produção, não necessariamente o mais importante. A discussão é bastante antiga e tem fundo ideológico.

Antes de filmar Os Incompreendidos (1959) e inaugurar a Nouvelle Vague, François Truffaut defendia, como crítico da revista Cahiers du Cinéma, um cinema calcado na liberdade do autor (leia-se diretor), desde a concepção do roteiro e filmagens até a edição final. Truffaut, então um dos críticos mais corrosivos e detestados da França, ia contra uma escola cinematográfica em que a influência do roteirista era tamanha, que alguns diretores limitavam-se a fazer apenas o que estava escrito no roteiro, como se fosse uma cartilha. Para Truffaut e seu séqüito, um filme devia ter a personalidade de quem o dirige.

No caso da trilogia de Iñaritu/Arriaga, fica claro que o roteiro é parte essencial dos filmes e que os argumentos são, em grande parte, responsáveis diretos pelo êxito das películas. Filmadas de maneira não-linear, as três histórias são contadas de forma muito parecidas, com vários pequenos dramas correndo paralelamente à narrativa principal. Para quem leu a ficção de Arriaga, os filmes não deixam dúvidas de que ele merece, sim, dividir os louros da vitória com Iñaritu.

Cinema e literatura
É fato que a literatura sempre foi um importante alicerce do cinema, seja ele comercial ou não. Muitos dos grandes filmes da história cinematográfica são adaptações de romances. Pelo menos quatro dos maiores clássicos de Stanley Kubrick, apenas para ficar em um dos grandes diretores de todos os tempos, são adaptações literárias. Lolita (1962) foi feito a partir da obra-prima de Vladmir Nabokov; Laranja Mecânica (1971) é inspirado na narrativa de Anthony Burgess; O Iluminado (1980) deriva do livro de Stephen King; e 2001, Uma odisséia no espaço é um clássico da ficção científica de Arthur C. Clarke.

Muitos escritores também prestaram serviços à indústria do cinema. Talvez um dos mais célebres seja F. Scott Fitzgerald. O autor-símbolo da "Geração Perdida" tentou carreira em Hollywood e chegou a trabalhar no roteiro de E o vento levou. Já Budd Schulberg, parceiro de Fitzgerald, foi o responsável pelo roteiro de Sindicato de ladrões, de Elia Kazan. Schulberg é autor de Os Desencantados, livro inspirado na vida errante de Fitzgerald, e de um romance esquecido chamado O que faz Sammy correr?, em que narra a ascensão e queda de um jovem roteirista de Hollywood. Ambos, assim como o hoje cultuado John Fante, escritor de Pergunte ao pó, emprestaram seus dotes à indústria do cinema, mas sem a pretensão de serem reconhecidos como autores da sétima arte. O objetivo era apenas ganhar o dinheiro dos ricos estúdios. Época em que a classe dos roteiristas atingiu o auge de sua posição devido ao processo de industrialização do cinema, responsável por motivar, em grande escala, a formação de profissionais da área.

Com o sucesso dos jovens autores franceses o roteirista perdeu status e foi alçado a uma posição de menos destaque na indústria do cinema. Hoje dificilmente o nome de quem escreve um filme ganha letras garrafais nos cartazes de divulgação. Mas há exceções. Exemplo de roteirista que conquistou a condição de autor, Charlie Kaufman virou o jogo e fez com que seu nome fosse tão cultuado quanto o de qualquer cineasta de peso.

Autor de obras como Adaptação e Brilho eterno de uma mente sem lembranças, Kaufman usou sua fértil imaginação para criar tramas engenhosas e bem amarradas em que o que vale é a história bem contada e diálogos inteligentes, muito mais do que mil planos-seqüência.

Os trabalhos de Kaufman transcendem à idéia de autoria perpetrada pelos diretores da Nouvelle Vague. Os diálogos de Kaufman e suas idéias pouco ortodoxas lhe garantem a alcunha de "autor", a ponto de as pessoas aguardarem ansiosas pelo seu próximo trabalho.

No Brasil, Marçal Aquino é um dos roteiristas que já ganhou status semelhante. Os roteiros em que trabalhou, na maioria das vezes com o cineasta Beto Brant (O Invasor, Os Matadores, Ação entre amigos e Crime Delicado), têm forte conexão com sua obra ficcional. É um autor que conseguiu levar sua marca como prosador para o cinema. Assim como Arriaga e Kaufman. Mas, como se sabe, são exceções. A maioria dos roteiristas fica no anonimato e seus nomes escondidos entre os minúsculos créditos das fitas.

Porém, o cerne da discussão (quem é o autor de filme?) parece mesmo não ter resposta, já que não há parâmetros exatos que meçam a importância de uma boa história ante um bom modo de se contar uma boa história. Uma coisa está intrinsecamente ligada à outra e não tem jeito. Por ora, o que se tem certeza é que, justo ou não, um filme ainda é do diretor.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 6/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
02. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
03. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
04. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
05. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2007
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. A Literatura na poltrona - 13/9/2007
05. O sucesso do Cansei de Ser Sexy - 31/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/8/2007
20h36min
quase sempre a arte é um trabalho coletivo e o filme é por sinal a arte mais completa...
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
13/8/2007
10h31min
Entendo que o roteirista escreve a história e o diretor "conta a história" através das imagens. Se houver dois diretores contando a mesma história, um desconhecendo o trabalho do outro, certamente teremos dois filmes diferentes. Quando me aventurei num curso academico de cinema, o professor de roteiro, excelente roteirista no meu amadoristico julgamento, dizia que um diretor poderia contar mal uma boa hisória, mas dificilmente uma má história poderia ser bem contada por um diretor por mais talentoso que fosse. Não resolve a polêmica, mas indica que os dois pilares, diretor/roteirista, sustentam o filme. Quanto a equipe, não vejo polêmica. Cinema é luz. O diretor de fotografia é fundamental para contar a história através das imagens. Equipe é a base de tudo, mas quem diz onde a câmera vai ser colocada, para contar a história que o roteirista escreveu, é o diretor. E agora?
[Leia outros Comentários de Helio Araujo]
14/8/2007
09h23min
Existem inúmeras maneiras de fazer um filme, e cada um teria sua resposta diferente. No sistema de Hollywood, por exemplo, o diretor é literalmente um nada. É a peça mais substituível de todas. O roteirista é outro nada: um sujeito propõe alguma coisa, milhões mexem até chegar ao resultado final. A peça mais importante nesse contexto é o assistente de direção, que é quem garante que o filme sai mesmo. Mas também tem o filme em que um mesmo sujeito escreve, filma e monta. Tem o filme em que alguém resolve sair com uma câmera em cima do ombro. E assim por diante. De qualquer forma, cada vez mais o cinema "de autor", aquele que permite ao mesmo tempo as pontas soltas, as imperfeições e as genialidades, é coisa do passado. Não se pode mais brincar e arriscar a perder dinheiro. O controle é cada vez maior, o cinema está cada vez mais entregue a fórmulas. Se ele pode se perguntar quem é o autor, é porque o cinema não quer mais saber de autores.
[Leia outros Comentários de osrevni]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Human Condition Critical
Luc de Schepper
Publishing
(1993)



Atlas des Peuples Deurope Occidentale
Jean Sellier, André Sellier, Anne Le Fur
La Découverte
(2000)



A Hight Interest Rate Trap: the Making of the Brazilian Crisis
Carlos Fernando Lagrota R. Lopes
Bndes
(2003)



Cadê as Roupas do Papai Noel?
Martin Chatterton
Fundamento
(2015)



Nada a Perder 3 - do Coreto ao Tempo de Salomão: a Fé Que Transforma
Bispo Macedo
Planeta
(2014)



The Best Womens Stage Monologues of 1991
Jocelyn A. Beard
A Smith and Kraus Book
(1992)



La Argentine - Deuxiéme Edition
Odina Sturzenegger Benoist
Karthala
(2006)



Um Novo Olhar Sobre Teixeira e Sousa
Rose Fernandes
Foco
(2018)



Processo Judicial Tributário
Paulo Cesar Conrado
Gen; Método
(2014)



Rita Você-é-um-doce
Telma Guimaraes M. de Castro Andrade
Atual
(1991)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês