Literatura pop: um gênero que não existe | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
>>> American Horror Story: Asylum
>>> As palmeiras da Politécnica
Mais Recentes
>>> Brasil--pais do presente--socialismo cristao brasileiro. de Augusto ariston e jesus chediak. pela Pi (2001)
>>> Shopping centers de Mario cerveira filho pela Saraiva (1999)
>>> Divina comédia (Com Ilustrações de Sandro Boticelli) de Dante Alighieri pela Ateliê/Unicamp (2011)
>>> Dinâmica da Contra-revolução na Europa: 1870-1956 de Arno J. Mayer pela Paz e Terra (1977)
>>> Dialectic For Beginners de Carlos Cirne Lima pela Edipucrs (1997)
>>> Democracia, agência e estado: Teoria com intenção comparativa de Guillermo Alberto O. Donnell pela Paz e Terra (2010)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoievski pela 34 (2005)
>>> Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos: Análises Conjunturais de Ronaldo Almeida e Rodrigo Toniol (Orgs.) pela Unicamp (2018)
>>> Condomínio do Diabo de Alba Zaluar pela Ufrj (1996)
>>> Combate nas Trevas de Jacob Gorender pela Ática (1998)
>>> Coisas da Cosa Nostra: A Máfia Siciliana Vista Por Seu Pior Inimigo de Giovanni Falcone; Marcelle Padovani pela Rocco (2012)
>>> Cidade Aberta de Teju Cole pela Cia. das Letras (2012)
>>> Carta Aberta Aos Gurus Da Economia Que Nos Julgam Imbecis de Bernard Maris pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Abismo de Kurt Falkenburger pela Clube do Livro (1980)
>>> Anchieta: A restauração de um Santuário de Org. Carol de Abreu pela Ministério da Cultura - IPHAN (1998)
>>> Cimarron de Edna Ferber pela Abril Cultural (1983)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Círculo do Livro (1986)
>>> Le Grand Meaulnes de Alin-Fournier pela Livre de Poche (1983)
>>> Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J. K. Rowling pela Rocco (1999)
>>> O Amor Não Term Hora de Cynthia Freeman pela Record (1986)
>>> De Olho em Zumbi dos Palmares - Histórias, símbolos e memória social de Flávio dos Santos Gomes pela Claro Enigma (2011)
>>> Nei Lopes - Retratos do Brasil Negro de Oswaldo Faustino pela Selo Negro (2019)
>>> Cisne de Leonardo de Kren Essex pela Suma (2006)
>>> Diga Espelho Meu de Stanley Ellin pela Record (1972)
>>> Pecar e perdoar: Deus e o Homem na História de Leandro Karnal pela Harper Collins (2014)
>>> Dinastia de Robert S. Elegant pela Círculo do Livro (1977)
>>> The Wicca Handbook de Eileen Holland pela Samuel Weiser (2000)
>>> O Guerrilherio de Baker Street de B. Sweet-Escott pela Bloch (1965)
>>> A Filha do Milionário de Dorothy Eden pela Nova Cultural (1987)
>>> The Wicca Bible - The definitive guide to Magic and The Craft de Ann-Marie Gallagher pela Sterling Publishing - New York (2005)
>>> "Batman: Vigilantes de Gotham - N° 28: Viver e Morrer em Gotham City... de Vários pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 41: Gotham City: Contagem Regressiva para o Fim...! de Dennis Oneil: Argumento pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 26: Mulher Gato Ano Dois de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 23: Batman - Procedimento Padrão de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> As Grandes Correntes da Mística Judaica de Gershom Scholem pela Perspectiva (1972)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 19: Justiça Cega! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 16: Azrael - Anjo Em Guerra! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N°13: Batman Contra o Anjo Vingador de São Dumas! de Dennis Oneil: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham (N. 10): Retorno de Alfred: A Conspiração Inglesa de Alan Grant: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Os Quatro Elementos e os Caminhos da Energia de Karen Hamaker-Zondag pela Nova Fronteira (1989)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 3 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 2 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Gênios da Pintura Nº 12: Van Eyck/ A Maior Coleção de Arte do Mundo de Pietro Maria Bardi: Supervisão pela Abril (1967)
>>> Hellraiser - The Dark Watch n° 1 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2014)
>>> Magia Das Flores - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Bosque Encantado - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Devorados de Cirilo S. Lemos, Erick Santos Cardoso, Marcio R. Gotland pela Draco (2017)
>>> Marvel Heroes: Hulk #4 (Os Heróis Mais Poderosos da Marvel) de Vários pela Salvat (2015)
>>> Arma X # 1 (Marvel) de Vários pela Panini Comics (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/12/2007
Literatura pop: um gênero que não existe
Luiz Rebinski Junior

+ de 11200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A editora Rocco vai publicar no Brasil, até o final de 2007, Slam, novo livro de Nick Hornby. O romance é o sétimo trabalho do autor inglês lançado por aqui (todos pela mesma casa editorial) e o primeiro dedicado ao público adolescente.

Dono de um público fiel no Brasil, Hornby costuma ganhar destaque no meio literário a cada novo lançamento. Seus livros também chegam rapidamente às telas de cinema - pelo menos três de seus sete romances já viraram filme e há outros na fila para serem adaptados, incluindo aí Slam.

Desde que surgiu no mercado editorial, Hornby tem sido reverenciado como baluarte de um tipo de literatura que muitos denominam como "pop". Isso graças a livros como Alta Fidelidade e Um grande garoto, obras que utilizam referências do mundo pop (cinema, artes plásticas, HQs e, principalmente, música) como pano de fundo das narrativas.

Mas Hornby não é o único a ganhar a estranha classificação de escritor "pop". Autores de livros famosos como O apanhador no campo de centeio (J.D. Salinger), Pergunte ao pó (John Fante) e On the road (Jack Kerouac) são comumente colocados no balaio de gatos da tal "literatura pop". São apenas os mais conhecidos, é claro. Há outros, um pouco menos lidos, como Baixo astral, do chileno Albert Fuguet, Trainspotting, de Irvine Welsh, e Abaixo de zero, do americano Bret Easton Ellis - na lista ainda cabe qualquer trabalho de Charles Bukowski, autor reverenciado pelo público jovem e desprezado pela crítica. Já no Brasil, o best-seller de Marcelo Rubens Paiva, Feliz Ano Velho, é o romance que freqüentemente também ganha a etiqueta "pop".

Mas o que faz desses livros e seus respectivos autores serem identificados como "pop"? Quais são os critérios para definir se um texto é ou não "pop"? Certamente há alguma semelhança entre os assuntos abordados pelos escritores e livros citados acima. A pouca idade dos personagens, os dilemas existenciais enfrentados na juventude e o sentimento de estranheza típico da puberdade, com certeza encontram eco tanto em Holden Caulfield, o garoto-problema criado por Salinger, quanto nos amalucados Sal Paradise e Dean Moriaty, a dupla que costura os Estados Unidos naquele que a crítica preguiçosa tacha como "Bíblia Beat". Bem como há alguma relação entre Matias Vicuña, personagem do romance mais famoso de Fuguet (abertamente inspirado em Caulfield) e o adolescente Chinaski de Bukowski.

Mas isso parece ser pouco para forjar um subgênero literário. Afinal, personagens jovens sufocados por pensamentos existenciais não são privilégio desses escritores, tampouco da literatura do século XX. Dostoiévski, nos idos de 1866, criou um dos personagens jovens mais emblemáticos da literatura em seu fabuloso Crime e Castigo. Raskólnikov, estudante pobre e desgraçado, erra pelas ruas de São Petersburgo oprimido por um sentimento de revolta e atormentado por uma pouco ortodoxa teoria que o leva a cometer dois assassinatos. Além de transcender gêneros da literatura, o romance traduz com perfeição as angústias de um jovem da Rússia czarista.

Literatura urbana
A "literatura pop" também seria identificada por uma suposta sinergia com as mudanças do cotidiano impetradas pela sociedade de consumo. Ou seja, seria uma literatura essencialmente urbana e que daria cabo, hoje, de ser representativa dos jovens que escrevem em blogs, que baixam músicas pela internet e que vêem de perto as transformações do mundo globalizado, sempre pelo viés do entretenimento. É uma idéia pouco clara e redundante na essência. É óbvio que o escritor que escreve nos anos 2000 será influenciado pelo que ocorre ao seu redor, seja em maior ou menor grau. A não ser que escreva romances de época ou ficção científica, o autor estará, necessariamente, falando de (e sobre) seu tempo.

O problema aí é que toda literatura que se diga relevante, seja de qualquer época, explica e reflete, com maior ou menor intensidade, o seu tempo. Portanto isso não é exclusivo dos autores contemporâneos que têm como matéria-prima as diversas variações da cultura pop. A idéia de uma escrita que privilegie e seja identificada por temas essencialmente urbanos também parece pouco consistente, já que aí uma gama enorme de autores e livros entraria na classificação "pop". Nesse caso, Rubem Fonseca seria o pai do "pop", já que toda sua obra está ligada aos problemas comuns dos grandes centros, como violência e pobreza.

Ao invés de se falar em "literatura pop", o mais correto seria dizer que há autores que incorporam elementos da cultura de massa em sua literatura, fazendo disso uma característica narrativa - o que, volto a repetir, não é exclusivo de autores contemporâneos que cresceram com um olho na televisão e outro no computador. O que os ditos autores "pop" escrevem - se o fazem realmente com presteza e habilidade - é literatura, apenas isso. O que não quer dizer que criam algo novo. O que Nick Hornby faz é um tipo de ficção descompromissada e que adota a indústria do entretenimento como personagem. Alta Fidelidade, sua obra mais famosa, é também o reflexo mais bem-acabado dessa literatura, pois se escora na música pop para contar as desilusões amorosas de um inglês comum. Mas citar um disco clássico do rock a cada dois parágrafos não faz de ninguém escritor. E supõe-se que não seja pelos artistas que Hornby admira e faz questão de citar que seus textos são lidos. Se for esse o motivo, aí a literatura está realmente mal. Certamente o grande mérito de Hornby como escritor, acredito, está em ser sensível aos problemas de uma parcela da população que até então não era retratada com fidelidade pela literatura. A classe média (inglesa, no caso), tema de seus livros, sempre passou ao largo dos grandes escritores, que sempre se dividiram entre o retrato da miséria humana (Tolstói) e a pujança das classes abastadas (Fitzgerald). E essa foi a grande sacada da literatura de Hornby.

Mesmo On the road, que é insistentemente citado como uma obra "pop", tem como maior mérito ter mostrado um lado até então desconhecido do american way of life, com jovens desvendando de forma alucinada os recônditos norte-americanos. O livro não é importante porque fala de drogas e bebedeiras, mas porque trouxe à literatura a idéia de um texto espontâneo que, controvérsias à parte, influenciou várias gerações de escritores. As referências ao jazz e à música de um modo geral ficam em segundo plano ou mesmo nunca são lembradas.

Mas o que mais incomoda nessa discussão, que parece meio fora de foco, é que a expressão "literatura pop" se tornou uma muleta que pouco ou nada diz a respeito de autores ou livros. Em um tempo em que os gêneros literários estão cada vez mais fragmentados (ou seria pulverizados?), é no mínimo pouco inteligente tentar enquadrar escritores tão diferentes em uma classificação que prima pela falta de critério. Como todo rótulo, esse é mais um que nada acrescenta na discussão da literatura. Depois de tantas transformações, a História nos provou que o que menos a literatura precisa é ser classificada. Persistir nessa idéia é querer reviver velhos e anacrônicos expedientes que há muito a própria literatura sepultou.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 5/12/2007


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2007
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. A Literatura na poltrona - 13/9/2007
05. O sucesso do Cansei de Ser Sexy - 31/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/9/2008
11h41min
O que está em jogo não é classificar ou não um texto como sendo pop. Creio que o ponto crucial é colocar em cena a discussão a respeito de aspectos comuns encontrados nesses textos. Além disso, falar em literatura pop não significa enquadrar escritores de décadas diferentes e apagar qualquer particularidade relativa aos seus textos e contextos. Penso que o rechaço do termo literatura pop pode estar muito mais relacionado com um desejo ainda freqüente de se conferir à literatura um status inquestionável de ALTA cultura, prssupondo uma fronteira intransponível entre o alto e o baixo (a cultura pop). Quanto aos critérios para se considerar algo literatura pop, existem trabalhos acadêmicos (provavelmente ignorados pelos alvos dessas críticas) que os definem de maneira bastante precisa e sistemática.
[Leia outros Comentários de Antonio Eduardo]
21/9/2008
20h20min
Prezados Luiz Rebinski e leitores, caso classificássemos os textos literários por meio de tais critérios, isto é, fazendo uso de rótulos, qual deles empregaríamos ao "Ulisses", de James Joyce: SuperPop?! Por ocasião da edição de "Ulisses", a circulação do referido romance foi proibida na Inglaterra, nos E.U.A. e outros países quetais! Joyce já realizava a tal da "cultura pop" desde o início do século XX!
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
12/5/2009
11h05min
Estou produzindo justamente uma monografia no curso de Letras acerca dessa classificação. Continuemos a discussão. É sempre de bom proveito. Abraço a todos.
[Leia outros Comentários de Germano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




9 ATITUDES DAS PESSOAS BEM-SUCEDIDAS
HEIDI GRANT HALVORSON
SEXTANTE
(2014)
R$ 28,00



HISTÓRIAS DA BÍBLIA PARA A FAMÍLIA ELIAS FAZENDO MILAGRES
ANNE DE GRAAF
COLEÇÕES ABRIL
(2008)
R$ 10,00



PRANTO POR IGNACIO SÁNCHES MEJÍAS - FEDERICO GARCÍA LORCA - EDIÇÃO BILINGUE (POESIA ESPANHOLA)
FEDERICO GARCÍA LORCA
FLUMEN
(2016)
R$ 7,00



O JINGLE PUBLICITÁRIO
KLEBER MAZZIERO DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 503,00



RAMSÉS - O FILHO DA LUZ - VOLUME 1
CHRISTIAN JACQ
BERTRAND BRASIL
(1999)
R$ 22,16



A CÂMARA DOS DEPUTADOS COMO FATOR DE UNIDADE NACIONAL
WALDEMAR DE ALMEIDA BARBOSA
JOSÉ OLYMPIO
(1977)
R$ 21,82



MANUAL: O QUE OS HOMENS JAMAIS DEVEM FAZER NA HORA DO SEXO
JULIANA GERMANN
PALAVRACOM
(2017)
R$ 25,00



CURSO DE LATIM (1035)
DINO F. FONTANA
SARAIVA
(1994)
R$ 15,00



JOGOS COOPERATIVOS: UMA ALTERNATIVA LÚDICA PARA RESOLVER CONFLITOS
MOACYR COSTA JUNIOR COSTA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



PLANETA Nº 08 - A VIDA DEPOIS DA MORTE
VÁRIOS AUTORES
TRÊS
(1973)
R$ 12,00





busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês