Literatura pop: um gênero que não existe | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Have a Book in You?
>>> O desafio dos media-watching
>>> Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo
>>> Realismo fantástico
>>> Snoop Dogg - Ups & Downs
>>> The impact of the Internet
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Tributo a Paul McCartney
>>> Começos Inesquecíveis
>>> Entrevista com Spacca
Mais Recentes
>>> Orgias de Luis Fernando Verissimo pela Lpm (1989)
>>> Mulheres de 50 Anos Como Viver Plenamente esta Nova Idade de Suzanne Képès e Michèle Thiriet pela Lpm (1994)
>>> Mahabharata de William Buck pela Círculo do Livro (1992)
>>> Aventuras do Bravo Soldado Schweik de Jaroslav Hašek pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 8º ano Ciências, Língua Portuguesa e Geografia de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Sur La Photographie de Susan Sontag pela Titre
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Matemática 9º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 6º ano Ciências e Língua Portuguesa de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Cuentos Populares de León Tolstoi pela Longseller (2004)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Arte 6º e 7º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> O Mordomo do Imperador - Coleção General Benício de Américo Jacobina Lacombe pela Biblioteca do Exército (1994)
>>> Aunt Dimity, Vampire Hunter de Nancy Atherton pela Viking (2008)
>>> Der Domino Killer de Kate Pepper pela Thriller
>>> Mal Secreto Inveja - Coleção: Plenos Pecados de Zuenir Ventura pela Objetiva (1998)
>>> Conferência dos pássaros de Farid Ud-Din Attar pela Círculo do Livro (1991)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
>>> Operação Impensável de Vanessa Barbara pela Intrínseca (2015)
>>> O Momento Mágico de Jeffrey Zaslow pela Novo Conceito (2013)
>>> Cadernos do Silêncio 1990-2002 Pequeno Itinerário de Sobrevivência de Beatriz Araujo Lima Coelho pela Relume Dumará (2005)
>>> Na Toca dos Leões de Fernando Morais pela Planeta (2005)
>>> Escuta Só - do Clássico ao Pop de Alex Ross pela Companhia das Letras (2011)
>>> Didática de Jaime Cordeiro pela Contexto (2007)
>>> Johnny Depp de Danny White pela Best Seller (2012)
>>> Opostos Que Se Atraem de Julie Gilbert pela Record (1998)
>>> O Coronel Chabert de Honoré De Balzac pela Saraiva (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/12/2007
Literatura pop: um gênero que não existe
Luiz Rebinski Junior

+ de 14200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A editora Rocco vai publicar no Brasil, até o final de 2007, Slam, novo livro de Nick Hornby. O romance é o sétimo trabalho do autor inglês lançado por aqui (todos pela mesma casa editorial) e o primeiro dedicado ao público adolescente.

Dono de um público fiel no Brasil, Hornby costuma ganhar destaque no meio literário a cada novo lançamento. Seus livros também chegam rapidamente às telas de cinema - pelo menos três de seus sete romances já viraram filme e há outros na fila para serem adaptados, incluindo aí Slam.

Desde que surgiu no mercado editorial, Hornby tem sido reverenciado como baluarte de um tipo de literatura que muitos denominam como "pop". Isso graças a livros como Alta Fidelidade e Um grande garoto, obras que utilizam referências do mundo pop (cinema, artes plásticas, HQs e, principalmente, música) como pano de fundo das narrativas.

Mas Hornby não é o único a ganhar a estranha classificação de escritor "pop". Autores de livros famosos como O apanhador no campo de centeio (J.D. Salinger), Pergunte ao pó (John Fante) e On the road (Jack Kerouac) são comumente colocados no balaio de gatos da tal "literatura pop". São apenas os mais conhecidos, é claro. Há outros, um pouco menos lidos, como Baixo astral, do chileno Albert Fuguet, Trainspotting, de Irvine Welsh, e Abaixo de zero, do americano Bret Easton Ellis - na lista ainda cabe qualquer trabalho de Charles Bukowski, autor reverenciado pelo público jovem e desprezado pela crítica. Já no Brasil, o best-seller de Marcelo Rubens Paiva, Feliz Ano Velho, é o romance que freqüentemente também ganha a etiqueta "pop".

Mas o que faz desses livros e seus respectivos autores serem identificados como "pop"? Quais são os critérios para definir se um texto é ou não "pop"? Certamente há alguma semelhança entre os assuntos abordados pelos escritores e livros citados acima. A pouca idade dos personagens, os dilemas existenciais enfrentados na juventude e o sentimento de estranheza típico da puberdade, com certeza encontram eco tanto em Holden Caulfield, o garoto-problema criado por Salinger, quanto nos amalucados Sal Paradise e Dean Moriaty, a dupla que costura os Estados Unidos naquele que a crítica preguiçosa tacha como "Bíblia Beat". Bem como há alguma relação entre Matias Vicuña, personagem do romance mais famoso de Fuguet (abertamente inspirado em Caulfield) e o adolescente Chinaski de Bukowski.

Mas isso parece ser pouco para forjar um subgênero literário. Afinal, personagens jovens sufocados por pensamentos existenciais não são privilégio desses escritores, tampouco da literatura do século XX. Dostoiévski, nos idos de 1866, criou um dos personagens jovens mais emblemáticos da literatura em seu fabuloso Crime e Castigo. Raskólnikov, estudante pobre e desgraçado, erra pelas ruas de São Petersburgo oprimido por um sentimento de revolta e atormentado por uma pouco ortodoxa teoria que o leva a cometer dois assassinatos. Além de transcender gêneros da literatura, o romance traduz com perfeição as angústias de um jovem da Rússia czarista.

Literatura urbana
A "literatura pop" também seria identificada por uma suposta sinergia com as mudanças do cotidiano impetradas pela sociedade de consumo. Ou seja, seria uma literatura essencialmente urbana e que daria cabo, hoje, de ser representativa dos jovens que escrevem em blogs, que baixam músicas pela internet e que vêem de perto as transformações do mundo globalizado, sempre pelo viés do entretenimento. É uma idéia pouco clara e redundante na essência. É óbvio que o escritor que escreve nos anos 2000 será influenciado pelo que ocorre ao seu redor, seja em maior ou menor grau. A não ser que escreva romances de época ou ficção científica, o autor estará, necessariamente, falando de (e sobre) seu tempo.

O problema aí é que toda literatura que se diga relevante, seja de qualquer época, explica e reflete, com maior ou menor intensidade, o seu tempo. Portanto isso não é exclusivo dos autores contemporâneos que têm como matéria-prima as diversas variações da cultura pop. A idéia de uma escrita que privilegie e seja identificada por temas essencialmente urbanos também parece pouco consistente, já que aí uma gama enorme de autores e livros entraria na classificação "pop". Nesse caso, Rubem Fonseca seria o pai do "pop", já que toda sua obra está ligada aos problemas comuns dos grandes centros, como violência e pobreza.

Ao invés de se falar em "literatura pop", o mais correto seria dizer que há autores que incorporam elementos da cultura de massa em sua literatura, fazendo disso uma característica narrativa - o que, volto a repetir, não é exclusivo de autores contemporâneos que cresceram com um olho na televisão e outro no computador. O que os ditos autores "pop" escrevem - se o fazem realmente com presteza e habilidade - é literatura, apenas isso. O que não quer dizer que criam algo novo. O que Nick Hornby faz é um tipo de ficção descompromissada e que adota a indústria do entretenimento como personagem. Alta Fidelidade, sua obra mais famosa, é também o reflexo mais bem-acabado dessa literatura, pois se escora na música pop para contar as desilusões amorosas de um inglês comum. Mas citar um disco clássico do rock a cada dois parágrafos não faz de ninguém escritor. E supõe-se que não seja pelos artistas que Hornby admira e faz questão de citar que seus textos são lidos. Se for esse o motivo, aí a literatura está realmente mal. Certamente o grande mérito de Hornby como escritor, acredito, está em ser sensível aos problemas de uma parcela da população que até então não era retratada com fidelidade pela literatura. A classe média (inglesa, no caso), tema de seus livros, sempre passou ao largo dos grandes escritores, que sempre se dividiram entre o retrato da miséria humana (Tolstói) e a pujança das classes abastadas (Fitzgerald). E essa foi a grande sacada da literatura de Hornby.

Mesmo On the road, que é insistentemente citado como uma obra "pop", tem como maior mérito ter mostrado um lado até então desconhecido do american way of life, com jovens desvendando de forma alucinada os recônditos norte-americanos. O livro não é importante porque fala de drogas e bebedeiras, mas porque trouxe à literatura a idéia de um texto espontâneo que, controvérsias à parte, influenciou várias gerações de escritores. As referências ao jazz e à música de um modo geral ficam em segundo plano ou mesmo nunca são lembradas.

Mas o que mais incomoda nessa discussão, que parece meio fora de foco, é que a expressão "literatura pop" se tornou uma muleta que pouco ou nada diz a respeito de autores ou livros. Em um tempo em que os gêneros literários estão cada vez mais fragmentados (ou seria pulverizados?), é no mínimo pouco inteligente tentar enquadrar escritores tão diferentes em uma classificação que prima pela falta de critério. Como todo rótulo, esse é mais um que nada acrescenta na discussão da literatura. Depois de tantas transformações, a História nos provou que o que menos a literatura precisa é ser classificada. Persistir nessa idéia é querer reviver velhos e anacrônicos expedientes que há muito a própria literatura sepultou.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 5/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Têm sido tempos difíceis... de Daniela Castilho


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2007
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. A Literatura na poltrona - 13/9/2007
05. O sucesso do Cansei de Ser Sexy - 31/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/9/2008
11h41min
O que está em jogo não é classificar ou não um texto como sendo pop. Creio que o ponto crucial é colocar em cena a discussão a respeito de aspectos comuns encontrados nesses textos. Além disso, falar em literatura pop não significa enquadrar escritores de décadas diferentes e apagar qualquer particularidade relativa aos seus textos e contextos. Penso que o rechaço do termo literatura pop pode estar muito mais relacionado com um desejo ainda freqüente de se conferir à literatura um status inquestionável de ALTA cultura, prssupondo uma fronteira intransponível entre o alto e o baixo (a cultura pop). Quanto aos critérios para se considerar algo literatura pop, existem trabalhos acadêmicos (provavelmente ignorados pelos alvos dessas críticas) que os definem de maneira bastante precisa e sistemática.
[Leia outros Comentários de Antonio Eduardo]
21/9/2008
20h20min
Prezados Luiz Rebinski e leitores, caso classificássemos os textos literários por meio de tais critérios, isto é, fazendo uso de rótulos, qual deles empregaríamos ao "Ulisses", de James Joyce: SuperPop?! Por ocasião da edição de "Ulisses", a circulação do referido romance foi proibida na Inglaterra, nos E.U.A. e outros países quetais! Joyce já realizava a tal da "cultura pop" desde o início do século XX!
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
12/5/2009
11h05min
Estou produzindo justamente uma monografia no curso de Letras acerca dessa classificação. Continuemos a discussão. É sempre de bom proveito. Abraço a todos.
[Leia outros Comentários de Germano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Coleção Inglês Prático para o Dia a Dia 9 + Dvd
Vários
Editorial Sol 90
(2010)



O Amigo Secreto
Meco Filho
21
(2003)



Tecnicas Minimamente Invasivas de Rejuvenescimento Oculofacial
Stephen Bosniak
Santos
(2007)



Sociologia Ambiental do Direito - 1ª Edição - Análise Sociojurídica,..
Marcio Henrique Pereira Ponzilacqua
Vozes
(2015)



Romance Supremo Resgate
Antonieta V. Meyer
Instituto de Difusão Espírita
(1997)



Caminhos da Reconstrução
Antonio Dias Leite
Pioneira
(1984)



O Grande Segredo do Dia Em Que Você Nasceu - 1ª Edição
Jeanclaude Marie
Pensamento
(2005)



Persuasion
Jane Austen
Barne & Noble Classics
(2004)



Ary Fontoura Coleção Aplauso
Rogério Menezes
Imprensa Oficial
(2006)



O Aprendiz de Crítica 1955 1959
Joel Pontes
Inl
(1960)





busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês