Literatura pop: um gênero que não existe | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
57128 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SENTENÇA DISCUTE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E TRAZ CRÍTICA AO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO
>>> Universidades públicas apresentam lições aprendidas com as crises
>>> Mega evento de preparação ao ENEM reúne personalidades e conteúdo exclusivo ao público jovem
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Coisa mais bonita é São Paulo...
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eucanaã Ferraz
>>> Um século de paixão pela arte
>>> Meus melhores discos de 2008
>>> O guia do consumidor de livros
>>> Unsigned and independent
>>> Os Insones, de Tony Belloto
>>> 27 de Agosto #digestivo10anos
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Filosofia cai no gosto popular
>>> Bailes & Festas
Mais Recentes
>>> As Profecias de Saint Germain para o Novo Milenio - Esoterico de Elizabeth Clare Prophet pela Nova Era (2000)
>>> Território, Participação Popular e Saúde: Manguinhos em Debate de Carla Moura Lima e Leonardo Brasil Bueno pela Enesp (2010)
>>> Recuperar a salvação de Andrés T. Queiruga pela Paulus (2005)
>>> Começar de Novo O Divircio na terceira idade - Psicologia de Deirdre Baiar pela Rocco (2010)
>>> A Dança do Universo - Edição de Bolso de Marcelo Gleiser pela Companhia das Letras (2006)
>>> Lei e Evangelho de Stanley Gundry pela Vida
>>> Legislação Indigenista Brasileira e Normas Correlatas de Edvard Dias Magalhães pela Dedoc Funai (2002)
>>> Obras Dostoievsky 10 volumes de Dostoiévski pela Clássico (1989)
>>> A Luneta Âmbar de Philip Pullman pela Objetiva (2013)
>>> O último dia de um condenado á morte de Victor Hugo pela Integral (1993)
>>> Elis: Uma Biografia Musical de Arthur de Faria pela Arquipélago (2015)
>>> The Greek New Testament de United biblie societies pela United biblie societies (1984)
>>> Os Romanov: O Fim da Dinastia de Robert K. Massie pela Rocco (2017)
>>> Fgv-Gestão de pessoas - de Sylvia Constant Vergara pela FGV (2014)
>>> Fgv-Gestão de pessoas - de Sylvia Constant Vergara pela FGV (2014)
>>> Os Catadores de Conchas de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (1999)
>>> Crônicas do brasil contemporâneo de José Sarney pela A Girafa (2004)
>>> O pastor desnecessário de Eugene H. Peterson / Marva Dawn pela Textus (2001)
>>> CLT Organizada 2019 de Beatriz Casimiro Costa, Manoel Casimiro Costa pela Ltr (2019)
>>> Sobrevivente de Chuck Palahniuk pela Leya (2012)
>>> Orlando Brum – Angiologia Básica de Edda Maria Therezinha Bernardini, Elizabeth Salles pela Rubio (2013)
>>> As Flechas de Apolo de Deolindo Couto Junior pela Rubio (2013)
>>> Leucemias e Linfomas - Atlas do Sangue Periférico - 2ª Ed de Márcio Melo, Cristina da Silveira pela Rubio (2012)
>>> Cuidador de Crianças e de Idosos de Senac Sp pela Senac Sp (2013)
>>> Memória na Prática da Terapia Ocupacional e da Fonoaudiologia de Andréa Fabíola Tinoco Carvalho pela Rubio (2012)
>>> Temas para a Dança Brasileira de Sigrid Nora pela Sesc (2010)
>>> Lustrum de Robert Harris pela Record (2010)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Globo (2014)
>>> A Gramática Política do Brasil de Edson de Oliveira Nunes pela Garamond (2017)
>>> Ensaios Escolhidos de Alberto da Costa e Silva pela José Olympio (2007)
>>> Ética, Pesquisa e Políticas Públicas de Flávia Mori Sarti, Gislene Aparecida dos Santos pela Rubio (2010)
>>> Investigando Psicanaliticamente as Psicoses - 2ª Ed de Decio Tenenbaum pela Rubio (2010)
>>> Autismo e Morte de Letícia C. Drummond Amorim pela Rubio (2011)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Farmacologia Em Pneumologia de João Claudio B. Pereira pela Rubio (2013)
>>> A maldição do Cristo genérico de Eugene H. Peterson pela Mundo Cristão
>>> Diário de um Banana Volume 9: Caindo na Estrada de Jeff Kinney pela V&R (2015)
>>> Diário de um Banana Volume 8: Maré de Azar de Jeff Kinney pela V&R (2014)
>>> De volta á fonte de Eugene H. Peterson pela Encontro (2000)
>>> Diário de um Banana Volume 3: A Gota d'Água de Jeff Kinney pela V&R (2010)
>>> O caminho missionário de Deus de Timóteo Carriker pela Palavra (2005)
>>> Nas noites árabes de Tahir Shah pela Roça Nova (2009)
>>> Língua e Liberdade: por uma nova concepção de língua materna de Celso Pedro Luft pela Ática (2003)
>>> Ariadne contra o Minotauro de Marie- Odile Hartmann pela Sm (2006)
>>> Física 3 – Os Fundamentos da Física – Parte II de Ramalho Nicolau Toledo pela Moderna
>>> Coleção Física Aula Por Aula – Volume 3 de Claudio Xavier & Benigno Barreto pela Ftd (2010)
>>> Coleção Física Aula Por Aula – Volume 2 de Claudio Xavier & Benigno Barreto pela Ftd (2010)
>>> Coleção Química Volume 3 - Meio ambiente, Cidadania, Tecnologia de Martha Reis pela Ftd (2010)
>>> Química 2 - Conexões com a Química – Parte 1 de Marcelo Dias Pulido pela Moderna (2015)
>>> Química na Abordagem do Cotidiano – Suplemento de Teoria e Tabelas Para Consulta de Tito & Canto pela Moderna
COLUNAS

Quarta-feira, 5/12/2007
Literatura pop: um gênero que não existe
Luiz Rebinski Junior

+ de 13300 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A editora Rocco vai publicar no Brasil, até o final de 2007, Slam, novo livro de Nick Hornby. O romance é o sétimo trabalho do autor inglês lançado por aqui (todos pela mesma casa editorial) e o primeiro dedicado ao público adolescente.

Dono de um público fiel no Brasil, Hornby costuma ganhar destaque no meio literário a cada novo lançamento. Seus livros também chegam rapidamente às telas de cinema - pelo menos três de seus sete romances já viraram filme e há outros na fila para serem adaptados, incluindo aí Slam.

Desde que surgiu no mercado editorial, Hornby tem sido reverenciado como baluarte de um tipo de literatura que muitos denominam como "pop". Isso graças a livros como Alta Fidelidade e Um grande garoto, obras que utilizam referências do mundo pop (cinema, artes plásticas, HQs e, principalmente, música) como pano de fundo das narrativas.

Mas Hornby não é o único a ganhar a estranha classificação de escritor "pop". Autores de livros famosos como O apanhador no campo de centeio (J.D. Salinger), Pergunte ao pó (John Fante) e On the road (Jack Kerouac) são comumente colocados no balaio de gatos da tal "literatura pop". São apenas os mais conhecidos, é claro. Há outros, um pouco menos lidos, como Baixo astral, do chileno Albert Fuguet, Trainspotting, de Irvine Welsh, e Abaixo de zero, do americano Bret Easton Ellis - na lista ainda cabe qualquer trabalho de Charles Bukowski, autor reverenciado pelo público jovem e desprezado pela crítica. Já no Brasil, o best-seller de Marcelo Rubens Paiva, Feliz Ano Velho, é o romance que freqüentemente também ganha a etiqueta "pop".

Mas o que faz desses livros e seus respectivos autores serem identificados como "pop"? Quais são os critérios para definir se um texto é ou não "pop"? Certamente há alguma semelhança entre os assuntos abordados pelos escritores e livros citados acima. A pouca idade dos personagens, os dilemas existenciais enfrentados na juventude e o sentimento de estranheza típico da puberdade, com certeza encontram eco tanto em Holden Caulfield, o garoto-problema criado por Salinger, quanto nos amalucados Sal Paradise e Dean Moriaty, a dupla que costura os Estados Unidos naquele que a crítica preguiçosa tacha como "Bíblia Beat". Bem como há alguma relação entre Matias Vicuña, personagem do romance mais famoso de Fuguet (abertamente inspirado em Caulfield) e o adolescente Chinaski de Bukowski.

Mas isso parece ser pouco para forjar um subgênero literário. Afinal, personagens jovens sufocados por pensamentos existenciais não são privilégio desses escritores, tampouco da literatura do século XX. Dostoiévski, nos idos de 1866, criou um dos personagens jovens mais emblemáticos da literatura em seu fabuloso Crime e Castigo. Raskólnikov, estudante pobre e desgraçado, erra pelas ruas de São Petersburgo oprimido por um sentimento de revolta e atormentado por uma pouco ortodoxa teoria que o leva a cometer dois assassinatos. Além de transcender gêneros da literatura, o romance traduz com perfeição as angústias de um jovem da Rússia czarista.

Literatura urbana
A "literatura pop" também seria identificada por uma suposta sinergia com as mudanças do cotidiano impetradas pela sociedade de consumo. Ou seja, seria uma literatura essencialmente urbana e que daria cabo, hoje, de ser representativa dos jovens que escrevem em blogs, que baixam músicas pela internet e que vêem de perto as transformações do mundo globalizado, sempre pelo viés do entretenimento. É uma idéia pouco clara e redundante na essência. É óbvio que o escritor que escreve nos anos 2000 será influenciado pelo que ocorre ao seu redor, seja em maior ou menor grau. A não ser que escreva romances de época ou ficção científica, o autor estará, necessariamente, falando de (e sobre) seu tempo.

O problema aí é que toda literatura que se diga relevante, seja de qualquer época, explica e reflete, com maior ou menor intensidade, o seu tempo. Portanto isso não é exclusivo dos autores contemporâneos que têm como matéria-prima as diversas variações da cultura pop. A idéia de uma escrita que privilegie e seja identificada por temas essencialmente urbanos também parece pouco consistente, já que aí uma gama enorme de autores e livros entraria na classificação "pop". Nesse caso, Rubem Fonseca seria o pai do "pop", já que toda sua obra está ligada aos problemas comuns dos grandes centros, como violência e pobreza.

Ao invés de se falar em "literatura pop", o mais correto seria dizer que há autores que incorporam elementos da cultura de massa em sua literatura, fazendo disso uma característica narrativa - o que, volto a repetir, não é exclusivo de autores contemporâneos que cresceram com um olho na televisão e outro no computador. O que os ditos autores "pop" escrevem - se o fazem realmente com presteza e habilidade - é literatura, apenas isso. O que não quer dizer que criam algo novo. O que Nick Hornby faz é um tipo de ficção descompromissada e que adota a indústria do entretenimento como personagem. Alta Fidelidade, sua obra mais famosa, é também o reflexo mais bem-acabado dessa literatura, pois se escora na música pop para contar as desilusões amorosas de um inglês comum. Mas citar um disco clássico do rock a cada dois parágrafos não faz de ninguém escritor. E supõe-se que não seja pelos artistas que Hornby admira e faz questão de citar que seus textos são lidos. Se for esse o motivo, aí a literatura está realmente mal. Certamente o grande mérito de Hornby como escritor, acredito, está em ser sensível aos problemas de uma parcela da população que até então não era retratada com fidelidade pela literatura. A classe média (inglesa, no caso), tema de seus livros, sempre passou ao largo dos grandes escritores, que sempre se dividiram entre o retrato da miséria humana (Tolstói) e a pujança das classes abastadas (Fitzgerald). E essa foi a grande sacada da literatura de Hornby.

Mesmo On the road, que é insistentemente citado como uma obra "pop", tem como maior mérito ter mostrado um lado até então desconhecido do american way of life, com jovens desvendando de forma alucinada os recônditos norte-americanos. O livro não é importante porque fala de drogas e bebedeiras, mas porque trouxe à literatura a idéia de um texto espontâneo que, controvérsias à parte, influenciou várias gerações de escritores. As referências ao jazz e à música de um modo geral ficam em segundo plano ou mesmo nunca são lembradas.

Mas o que mais incomoda nessa discussão, que parece meio fora de foco, é que a expressão "literatura pop" se tornou uma muleta que pouco ou nada diz a respeito de autores ou livros. Em um tempo em que os gêneros literários estão cada vez mais fragmentados (ou seria pulverizados?), é no mínimo pouco inteligente tentar enquadrar escritores tão diferentes em uma classificação que prima pela falta de critério. Como todo rótulo, esse é mais um que nada acrescenta na discussão da literatura. Depois de tantas transformações, a História nos provou que o que menos a literatura precisa é ser classificada. Persistir nessa idéia é querer reviver velhos e anacrônicos expedientes que há muito a própria literatura sepultou.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 5/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pílulas Poéticas para uma quarentena de Luís Fernando Amâncio
02. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry
03. Tebow é Fé de Daniel Bushatsky
04. Felicidade de Daniel Bushatsky
05. Ter ou não ter de Marta Barcellos


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2007
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. A Literatura na poltrona - 13/9/2007
05. O sucesso do Cansei de Ser Sexy - 31/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/9/2008
11h41min
O que está em jogo não é classificar ou não um texto como sendo pop. Creio que o ponto crucial é colocar em cena a discussão a respeito de aspectos comuns encontrados nesses textos. Além disso, falar em literatura pop não significa enquadrar escritores de décadas diferentes e apagar qualquer particularidade relativa aos seus textos e contextos. Penso que o rechaço do termo literatura pop pode estar muito mais relacionado com um desejo ainda freqüente de se conferir à literatura um status inquestionável de ALTA cultura, prssupondo uma fronteira intransponível entre o alto e o baixo (a cultura pop). Quanto aos critérios para se considerar algo literatura pop, existem trabalhos acadêmicos (provavelmente ignorados pelos alvos dessas críticas) que os definem de maneira bastante precisa e sistemática.
[Leia outros Comentários de Antonio Eduardo]
21/9/2008
20h20min
Prezados Luiz Rebinski e leitores, caso classificássemos os textos literários por meio de tais critérios, isto é, fazendo uso de rótulos, qual deles empregaríamos ao "Ulisses", de James Joyce: SuperPop?! Por ocasião da edição de "Ulisses", a circulação do referido romance foi proibida na Inglaterra, nos E.U.A. e outros países quetais! Joyce já realizava a tal da "cultura pop" desde o início do século XX!
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
12/5/2009
11h05min
Estou produzindo justamente uma monografia no curso de Letras acerca dessa classificação. Continuemos a discussão. É sempre de bom proveito. Abraço a todos.
[Leia outros Comentários de Germano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO ESTIMULAR A MEMÓRIA
ROSÉ MARY BUENO P. A. CUNHA
GOLD
(2007)
R$ 8,00



PRESS CONTROL AROUND THE WORLD
JANE LEFTWICH CURRY E JOAN R. DASSIN
PRAEGER
(1982)
R$ 62,82



POLÔNIA A CRISE DE 500 DIAS QUE ABALOU O SOCIALISMO
CARLOS CASTILHO / WILLIAM WAACK
CODECRI
(1982)
R$ 10,00



FALOU E DISSE - 1ª EDIÇÃO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
GEEM
(1978)
R$ 7,00



EMOÇÕES SEM NÓ
ESTHER SERRUYA AZULAY
NORDICA
(1996)
R$ 6,90



O DIA DO CHACAL - CLÁSSICOS MODERNOS 6
FREDERICK FORSYTH
ABRIL CULTURAL
(1974)
R$ 18,00
+ frete grátis



NOITE CONTRA NOITE E UM RAMO PARA LUÍZA - OBRAS ESCOLHIDAS III
JOSE CONDE
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1977)
R$ 6,90



PERFECT PHRASES FOR CUSTOMER SERVICE: HUNDREDS OF TOOLS, TECHNIQU
ROBERT BACAL
MCGRAW-HILL
(2004)
R$ 29,82



A OUTRA FACE
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2013)
R$ 9,00



A CONQUISTA DA MATEMÁTICA 8º ANO 7ªSÉRIE COM PROJETO INTERDISCIPLINAR
GIOVANNI CASTRUCCI GIOVANNI JR
FTD
(2007)
R$ 13,00





busca | avançada
57128 visitas/dia
2,0 milhão/mês