A grande luta das pessoas comuns | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> I do not want this
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
Mais Recentes
>>> A Filha da Tempestade de H. Rider Haggard pela Nacional (1984)
>>> Por uma Semente de Paz de Ganymédes José pela Do Brasil (1990)
>>> A Loja De Tudo Jeff Bezos e A Era Da Amazon de Brad Stone pela Intrinseca (2014)
>>> Ressurreição e Vida de Yvonne A. Pereira pela Feb (2021)
>>> A Desintegração da Morte de Origenes Lessa pela Moderna (1983)
>>> Eles Morrem , Você Mata! de Stella Carr pela Moderna (1987)
>>> Algodao Doce de Carla Denise pela Cubzac (2015)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Circulo do Livro (1973)
>>> A Herdeira de Henry James pela Abril Cultural (1984)
>>> As cinco pessoas que você encontra no céu de Mitch Albom pela Sextante (2004)
>>> Novelas Exemplares de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1971)
>>> Literatura Brasileira das Origens aos Nossos Dias. de José de Nicola pela Scipione
>>> O Menino e o Presidente de Wilson Rio Apa pela Brasiliense (1983)
>>> Matemática Contexto & Aplicações Vol. 3 de Luiz Roberto Dante pela Ática (2011)
>>> Queda Livre de Renato Tapajós pela Atica (1998)
>>> Detetives por Acaso de Carlos de Marigny pela Brasiliense (1983)
>>> Senhor Vento e Dona Chuva de Sylvia Orthof pela Melhoramentos (1986)
>>> A Montanha dos Lagartos de Ouro de Renato Chagas pela Ftd (1993)
>>> O Caso Colombo de Maqui pela Scipione (1995)
>>> O Falsário Ou a Vida Extraordinária de Fernand Legro de Roger Peyrefitte pela Record (1976)
>>> A Menina que Roubava Livros - Volume 1 de Markus Zusak pela Intrinseca (2013)
>>> Cabelos ao Vento de Salwa Salem pela Best Seller (1993)
>>> O Segredo Azul de Pedro Bloch pela Ediouro
>>> O Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Record (1984)
>>> Os Desafios do Rebeldes de Assis Brasil pela Saraiva (1996)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/11/2015
A grande luta das pessoas comuns
Guilherme Carvalhal

+ de 2300 Acessos



Como é de amplo conhecimento, Minha Luta foi o livro escrito por Hitler durante seu período de cárcere, obra que repercutiria seu ideal nazista e seria um passo propagandístico em sua ascensão ao poder. Seu ideário execrável faz com que o termo ganhasse um olhar pejorativo, sempre associado ao que o líder da Alemanha pregou.

Essa é a estranheza inicial da obra Minha Luta, publicada pelo autor norueguês Karl Ove Knausgård em diversas partes. O título é obviamente provocador e foi desincentivado pelo editor, mas o escritor bateu o pé. Pelo menos, se Hitler queria colocar sua luta como um feito heroico de salvação de um povo, Knausgård se volta para uma atmosfera ao estilo romantista, em que esse grande feito não está na mãos de um herói, mas justamente nas pessoas comuns.

A primeira obra que compõe essa série é A Morte do Pai. Nesse livro, temos o próprio autor narrando sobre a difícil relação familiar provocada pelo pai alcoólatra. E quando me refiro a próprio autor, é ele mesmo, pois o livro é de fato uma narrativa autobiográfica bastante crua, com direito a brigas familiares e problemas judiciários por causa de fatos relatados.

O texto é o atual Knausgård relembrando sua adolescência agora sob o ar da maturidade, contando seus planos, feitos e frustrações tão típicos dessa idade, isso tudo cercado pela figura paterna. Assim sendo, é uma obra de idas e vindas pelo tempo, baseado pela memória apesar de algumas linearidades e não por fatos soltos. São as primeiras relações com as garotas na escola, as fugas para beber escondido e a tentativa de levar sua banda de rock adiante que vão formando esse período de sua vida.

Se pensarmos no cotidiano vulgar como tema da literatura, precisamos pensar um pouco na inserção desse dia a dia na literatura. Na linhagem história, a literatura sempre foi campo do heroico, dos grandes feitos envolvendo figuras mitológicas acima dos meros mortais, que enfrentavam gigantes, dragões, hidras e demais criaturas. Até mesmo as grandes tragédias envolviam nobres e criaturas superiores, como o drama de Medeia ou os textos de Shakespeare envolvendo a classe alta feudal.

Cervantes com Dom Quixote foi uma quebra nesse modelo. Ao invés de Lancelot ou Hércules, aqui temos um mero louco perambulando atrás de aventuras que sua mente insana criava. O espaço do heroico foi ocupado por uma pessoa comum, sem nada que a tornasse superior exceto suas próprias alucinações. O movimento romantista também foi um dos principais na introdução desse personagem cotidiano nas narrativas, como nas obras de Victor Hugo. Outros escritores como Zola e Dickens também desenvolveram seus personagens no popular.

O século XX foi pleno dessa ótica popular na literatura. Sem a figura do nobre a assolar, o conteúdo dos livros cada vez mais encontrou nas figuras do cotidiano sua matéria-prima, como Joyce em Ulisses ao criar a grande aventura da vida comum. Porém, se durante o século XX sobraram experimentações linguísticas, a literatura do século XXI está menos focada em inovações e mais preocupada com as histórias e com os relatos, além de um grande foco no cotidiano, algo presente no trabalho de autores como Frazen e de Ian McEwan.

O trabalho de Knausgård pode ser situado nesse meio, de uma literatura contemporânea, focada basicamente nas experiências comuns do dia a dia e altamente introspectiva. Aliás, o que mais chama a atenção é o nível de introspecção. O detalhamento de pequenos fatos é excessivo, envolvendo o leitor completamente com sua própria vida. Sua literatura é plenamente voltada à vida privada, arrastando o leitor para dentro dos quartos ou o acompanhando em caminhadas na neve durante o Natal.

Quando o autor decidiu pelo nome Minha Luta, ele quis remeter a uma luta pessoal. Não uma luta heroica, nem a tentativa de derrubar governos ou de impor uma ideologia suprema. A luta à qual Knausgård se refere é aquela que cada um enfrenta a cada novo dia, em um valor pessoal para cada um. A grande característica dele foi de conseguir leva a sua luta particular para os outros, apresentando os significados que cada evento tiveram em sua vida para os outros. Ele não apenas conta fatos; ele compartilha o significado de cada momento com o leitor, em uma explicação detalhada do que os seus relatos significaram. E esse é o grande valor de sua obra, por conseguir produzir um cenário realista e até corriqueiro, mas carregado de significados especiais que apenas cada indivíduo pode produzir.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 19/11/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
02. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
03. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
04. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio
05. A trilogia Qatsi de Guilherme Carvalhal


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2015
01. Influências da década de 1980 - 30/7/2015
02. A trilogia Qatsi - 15/10/2015
03. Meio Sol Amarelo - 3/9/2015
04. A grande luta das pessoas comuns - 19/11/2015
05. O cinema de Weerasethakul - 2/7/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Princípio
Nanda Pertile
Chiado
(2019)



Guia Addresses da 3ª Idadde
Denise Pinheiro e Luiza Pinheiro
Addresses
(2009)



A Forma Custa Caro
Rodolfo Mesquita
Cepe
(2017)



Introdução a Ciencia do Direito
Roberto Thomas Arruda (capa Dura)
Juriscredi (sp)
(1972)



La Batalla Contra las Bacterias
Peter Baldry
Reverté (barcelona)
(1981)



Um Dia no Passado
Pedro Santiago
Eme
(2006)



Otelo - Coleção L&pm Pocket
William Shakespeare
L&pm
(2002)



Normas de Auditoria Governamental
Vários
Irb
(2011)



Os Subterrâneos da Liberdade II - Agonia da Noite
Jorge Amado
Martins
(1974)



Literatura Comentada Oswald de Andrade
Jorge Schwartz
Nova Cultural
(1988)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês