A trilogia Qatsi | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Casa Flutuar apresenta agenda cultural com grandes nomes da música eletrônica brasileira
>>> Sarau do Vale participa do projeto de 10 anos do Grupo Rosas Periféricas
>>> Cia Linhas Aéreas serve aperitivo para a temporada presencial de 2022
>>> Rosas Periféricas apresenta Labirinto Selvático e Ladeira das Crianças em novembro
>>> SESI-SP apresenta Filó Machado 60 Anos de Música em teatros de São Paulo e Piracicaba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
>>> Cuba E O Direito de Amar (2)
>>> A Velhice
>>> I know you
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Um piano pela estrada
>>> The Good Wife visita Private Practice
Mais Recentes
>>> Venda Mais - Os 14 mitos do Marketing - Ano 6 - Nº77 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Por que as empresas quebram? - Ano 6 - Nº80 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Você pode realizar seus sonhos - Ano 6 - Nº 75 de Vários pela Quantum (2021)
>>> Venda Mais - Porque você é do jeito que é - Ano 6 - Nº 78 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Edição aniversário - 7 anos - Vendendo mais e melhor de Vários pela Quantum (2001)
>>> Venda Mais - Negociando para ganhar - Ano 6 Nº 81 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Venda Mais! Venda para nichos de Mercado de Vários pela Quantum (2001)
>>> Torto arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2020)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham; Lourdes Sette pela Harper Collins (2017)
>>> O Profeta de Gibran Khalil Gibran pela Acigi
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Quando o Amor Triunfa de Giseti Marques pela Boa Nova (2016)
>>> Baía da Esperança de Jojo Moyes pela Intrinseca (2016)
>>> Milena de Denise Corrêa de Macedo pelo espírito Milena pela Eme (2019)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J.W.Rochester Vera Kryzhanovskaia pela Eme (2018)
>>> Técnicas de Venda - Vendas X Produção de Vários pela Quantum (2000)
>>> O Livro da Verdadeira Cruz de Caravaca de Naasson Vieira Peixoto pela Eco
>>> Música, Ídolos e Poder: do Vinil ao Download de Andre Midani pela Nova Fronteira (2008)
>>> La Grande Aventure de La Criminologie de Jurgen Thorwaldo pela Albin Michel (1967)
>>> Português no Ginásio - Gramática e Antologia para 3ª Série de Raul Moreira Lêllis pela Companhia Nacional (1960)
>>> Tipos e Aspectos do Brasil de Sem Autor pela Ibge (1966)
>>> Historia Gráfica del Arte de Joseph Gauthier pela Victor Leru (1944)
>>> Garibaldi una Grande Vita in Breve de Denis Mack Smith pela Lerici (1959)
>>> Arte de Ensinar e Arte de Aprender de Varios pela Fundação Getúlio Vargas (1974)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/10/2015
A trilogia Qatsi
Guilherme Carvalhal

+ de 5700 Acessos



A trilogia Qatsi, idealizada pelo diretor Godfrey Reggio, foi uma das mais inovadoras formas de se realizar cinema e causar impacto nos espectadores já propostas. Composta pelos filmes Koyaanisqatsi (1983), Powaqqatsi (1988) e Naqoyqatsi (2002), essa série de documentários é umas das mais singelas maneiras de se observar o mundo moderno já executadas pela sétima arte.

O modelo estético é de um documentário mudo, regido apenas pela trilha sonora, porém sem uma narrativa textual. Seu estilo remete ao filme Um Homem com uma Câmera, de Dziga Vertov, em que apenas a imagem serve para contar uma história, dispensando palavras.

O nome dos filmes vem da língua hopi, um idioma indígena dos Estados Unidos. Qatsi significa vida e os filmes se chamam Vida em Desequilíbrio (Koyaanisqatsi), Vida em Transformação (Powaqqatsi) e Vida Como Guerra (Naqoyqatsi). Cada um representa um determinado contexto, tanto pela época em que foi produzido quanto pela evolução das ideias do diretor.

Koyaanisqatsi é expressivo com relação aos Estados Unidos moderno. O filme utiliza de imagens de natureza e de cidades, mostrando contrastes e realidades diferentes da nação. São os parques nacionais, cânions, o trânsito em constante movimento, tudo isso demonstrado através de beleza poética. É um primeiro passo na proposta de trabalho, em que o autor mostra seu país e sua realidade próxima.

No segundo filme, a proposta se torna mais ampla. Agora o foco das câmeras de Reggio não se limitam somente aos seu país, mas ao mundo inteiro. Powaqqatsi costuma ser considerado o melhor dos três e esse juízo é compreensível e facilmente aceito por quem assiste. O filme tem uma visão peculiar sobre diversos países, sendo uma expressão de sua cultura e de seu dia a dia.

Nessa segunda obra, são expressos o cotidiano e a cultura de diversos países, como o patrimônio cultural, natural e arquitetônico, além de registrar pequenos atos que mostram o funcionamento de diversos povos. É uma série de imagens marcantes que levam as pessoas a mergulhar em um imenso caldeirão cultural existente mundo afora. O Brasil tem destaque pela parte inicial, onde é mostrado o trabalho em Serra Pelada, em um retrato cru da vida dos mineradores.

Naqoyqatsi mostra o mundo moderno em uma ambientação diferente dos dois primeiros filmes. Essa visão sobre a modernidade que nos dois primeiros filmes se estabeleceu entre conflitos entre moderno e antigo, entre inovação e tradição, nas relações de trabalho e desigualdade social (um dos pontos principais de Koyaanisqatsi), aqui se foca no viés do mundo digital, uma realidade ainda não tão evidente quando no lançamento do primeiro filme da série.

Na terceira obra, as influências tanto de conteúdo quanto de estética estão ligadas às novas tecnologias que adentraram no cotidiano do mundo na década de 1990. É o visual ligado à biotecnologia, às artes digitais, à cibernética e toda inovação que se introduziu na humanidade nos anos antecessores ao seu lançamento.

Apesar de em determinados níveis os dois primeiros se interligarem mais esteticamente que o terceiro e do segundo filme ser claramente superior em relação aos demais, o conjunto dos três forma um panorama claro tanto do mundo atual quando da evolução do diretor na composição de sua obra. São filmes que mostram conflitos variados em realidades diversas, mas componentes de um único mundo. E, se muitas vezes o contato cultural é intermediado pelos relatos de um jornalista, aqui o modelo destituído de narrativa pode tornar o filtro menor, apenas mediado pela mão do cinegrafista e dos editores.

O próprio diretor afirmou não possuir nenhuma mensagem que desejasse passar através dos filmes, deixando em aberto a mensagem para que cada um chegasse às suas próprias conclusões. E, para tornar a experiência ainda mais fabulosa, os três filmes contam com trilha sonora assinado pelo grande Philip Glass.

A trilogia Qatsi é um filme que se faz cada vez mais necessário ser visto. Mesmo em um mundo globalizado, muitas barreiras culturais persistem. E obras como essa são essenciais para derrubá-las.

Koyaanisqatsi



Powaqqatsi



Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 15/10/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Governo retrógrado, caranguejo ou ximbica? de Valdemir Martins
02. A máquina de poder que aprisiona o espírito de Tatiana Cavalcanti
03. Manoel de Barros: poesia para reciclar de Fabrício Carpinejar
04. Seu Mauro de Marcelo Guedes Nunes


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2015
01. Influências da década de 1980 - 30/7/2015
02. A trilogia Qatsi - 15/10/2015
03. Meio Sol Amarelo - 3/9/2015
04. O cinema de Weerasethakul - 2/7/2015
05. A grande luta das pessoas comuns - 19/11/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia Facil para Entender a Biblia
Larry Richards
Thomas Nelson
(2013)



Comentários à Lei de Mobilidade Urbana - 2ª Ed.
Geraldo Spagno Guimarães
Fórum
(2019)



Dialogos I e II
Platao
Edipro
(2007)



Hora de Alimentar Serpentes
Marina Colasanti
Global
(2013)



Danem-se os Normais
João Estrella de Bettecourt
Casa da Palavra
(2014)



Ana Terra
Erico Veríssimo
Globo Antigo
(1990)



Viva Como Voce Quer Viver
Eduardo Shinyashiki
Gente
(2004)



Fronteiras da Ciência e da Fé
Dr. Roque Marcos Savioli
Gaiva
(2006)



Denário do Sonho
Marguerite Yourcenar
Nova Fronteira
(1982)



Pimbinha
Pedro Bloch
Moderna





busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês