A trilogia Qatsi | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
Mais Recentes
>>> Auto da Barca do Inferno de Gilvicente pela Estadão
>>> Bússola - a Invenção Que Mudou o Mundo de Amir D. Aczel pela Zahar (2002)
>>> A Democracia como Proposta de Francisco Weffort pela Ibasa (1991)
>>> Ações de Combate a Pobreza Rural - Vol 6 de Carlos Miranda e Cristina Costa pela Iica (2007)
>>> Propaganda para quem pqga a conta de Plínio Cabral pela Summus (2001)
>>> Gestão do Conhecimento de Harvard Business Review pela Elsevier (2000)
>>> Vitoriosa espinhos e perfumes de Lazara lessonier pela Artesanal (1988)
>>> Melyssa Em um Mundo Secreto de Bernardes pela Partners
>>> O Silêncio dos Velho Jamelões de Frendly Persuasione pela Percy Pacheco (2010)
>>> Crônica 6 de Carlos Eduardo Novaes e Outros pela Ática (2013)
>>> Conecte Literatura Brasileira - Parte 1 de William Cereja; Thereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> O misterio no colegio de Ganymedes Jose pela ao livro tecnico (2001)
>>> Direito do Trabalho - 1100 Questoes Comentadas de Stevao Gandh Costa pela Sintagma (2012)
>>> Sharpe Em Trafalgar de Bernard Cornwell pela Record (2006)
>>> Amala de Hana de Karen Levine pela Melhoramentos (2007)
>>> Os Venenos da Coroa de Maurice Druon pela Círculo do Livro
>>> Liberando o Fluir do Avivamento de Gregory R Frizzell pela Printmark (2005)
>>> A Cerimonia do Cha de Paulo Coelho pela Caras (1999)
>>> More Ups Than Downs de David Buck pela The Memoir Club (2001)
>>> Spatial Resilience in Social-ecological Systems de Graeme Cumming pela Springer (2011)
>>> Plano de Marketing de John Westwood pela Clio (2007)
>>> Vamos Aquecer o Sol de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramento (2006)
>>> Magnificat III de Silvia Maria D. Domingos pela Scortecci (2014)
>>> Juarez de Biblioteca de historia pela Tres (1990)
>>> Os Subterrâneos do Vaticano de André Gide pela Abril Cultural (1971)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/10/2015
A trilogia Qatsi
Guilherme Carvalhal

+ de 6200 Acessos



A trilogia Qatsi, idealizada pelo diretor Godfrey Reggio, foi uma das mais inovadoras formas de se realizar cinema e causar impacto nos espectadores já propostas. Composta pelos filmes Koyaanisqatsi (1983), Powaqqatsi (1988) e Naqoyqatsi (2002), essa série de documentários é umas das mais singelas maneiras de se observar o mundo moderno já executadas pela sétima arte.

O modelo estético é de um documentário mudo, regido apenas pela trilha sonora, porém sem uma narrativa textual. Seu estilo remete ao filme Um Homem com uma Câmera, de Dziga Vertov, em que apenas a imagem serve para contar uma história, dispensando palavras.

O nome dos filmes vem da língua hopi, um idioma indígena dos Estados Unidos. Qatsi significa vida e os filmes se chamam Vida em Desequilíbrio (Koyaanisqatsi), Vida em Transformação (Powaqqatsi) e Vida Como Guerra (Naqoyqatsi). Cada um representa um determinado contexto, tanto pela época em que foi produzido quanto pela evolução das ideias do diretor.

Koyaanisqatsi é expressivo com relação aos Estados Unidos moderno. O filme utiliza de imagens de natureza e de cidades, mostrando contrastes e realidades diferentes da nação. São os parques nacionais, cânions, o trânsito em constante movimento, tudo isso demonstrado através de beleza poética. É um primeiro passo na proposta de trabalho, em que o autor mostra seu país e sua realidade próxima.

No segundo filme, a proposta se torna mais ampla. Agora o foco das câmeras de Reggio não se limitam somente aos seu país, mas ao mundo inteiro. Powaqqatsi costuma ser considerado o melhor dos três e esse juízo é compreensível e facilmente aceito por quem assiste. O filme tem uma visão peculiar sobre diversos países, sendo uma expressão de sua cultura e de seu dia a dia.

Nessa segunda obra, são expressos o cotidiano e a cultura de diversos países, como o patrimônio cultural, natural e arquitetônico, além de registrar pequenos atos que mostram o funcionamento de diversos povos. É uma série de imagens marcantes que levam as pessoas a mergulhar em um imenso caldeirão cultural existente mundo afora. O Brasil tem destaque pela parte inicial, onde é mostrado o trabalho em Serra Pelada, em um retrato cru da vida dos mineradores.

Naqoyqatsi mostra o mundo moderno em uma ambientação diferente dos dois primeiros filmes. Essa visão sobre a modernidade que nos dois primeiros filmes se estabeleceu entre conflitos entre moderno e antigo, entre inovação e tradição, nas relações de trabalho e desigualdade social (um dos pontos principais de Koyaanisqatsi), aqui se foca no viés do mundo digital, uma realidade ainda não tão evidente quando no lançamento do primeiro filme da série.

Na terceira obra, as influências tanto de conteúdo quanto de estética estão ligadas às novas tecnologias que adentraram no cotidiano do mundo na década de 1990. É o visual ligado à biotecnologia, às artes digitais, à cibernética e toda inovação que se introduziu na humanidade nos anos antecessores ao seu lançamento.

Apesar de em determinados níveis os dois primeiros se interligarem mais esteticamente que o terceiro e do segundo filme ser claramente superior em relação aos demais, o conjunto dos três forma um panorama claro tanto do mundo atual quando da evolução do diretor na composição de sua obra. São filmes que mostram conflitos variados em realidades diversas, mas componentes de um único mundo. E, se muitas vezes o contato cultural é intermediado pelos relatos de um jornalista, aqui o modelo destituído de narrativa pode tornar o filtro menor, apenas mediado pela mão do cinegrafista e dos editores.

O próprio diretor afirmou não possuir nenhuma mensagem que desejasse passar através dos filmes, deixando em aberto a mensagem para que cada um chegasse às suas próprias conclusões. E, para tornar a experiência ainda mais fabulosa, os três filmes contam com trilha sonora assinado pelo grande Philip Glass.

A trilogia Qatsi é um filme que se faz cada vez mais necessário ser visto. Mesmo em um mundo globalizado, muitas barreiras culturais persistem. E obras como essa são essenciais para derrubá-las.

Koyaanisqatsi



Powaqqatsi



Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 15/10/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aborto de Marilia Mota Silva
02. A máquina de poder que aprisiona o espírito de Tatiana Cavalcanti
03. Revelando a Ditadura: entrevista com Carlos Fico de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2015
01. Influências da década de 1980 - 30/7/2015
02. A trilogia Qatsi - 15/10/2015
03. Meio Sol Amarelo - 3/9/2015
04. O cinema de Weerasethakul - 2/7/2015
05. A grande luta das pessoas comuns - 19/11/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Brasil: Território e Sociedade no Inicio do Século XXI
Milton Santos e Maria Laura Silveira
Record
(2001)



Lamenin
Pólo Noel Atan
Ação Mental Interplanetária
(1999)



Amores Infernais
Melissa Marr e Outros
Galera
(2011)



Bruce
Peter Ames Carlin; Paulo Roberto Maciel Santos
Nossa Cultura
(2013)



Ágape
Padre Marcelo Rossi
Globo
(2010)



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Você Pode Enteder a Bíblia !
Watch Towe Bible and Tract Society
Watch Towe Bible and Tract Soc
(2016)



Curso de Direito Administrativo
Aloísio Zimmer Júnior
Metodo
(2009)



Desastre na Mata
Pedro Bandeira
Melhoramentos
(2003)



The French art of tea
Mariage Frères
Mariage Frères
(2002)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês