O cinema de Weerasethakul | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Atmosphere
Mais Recentes
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
>>> Somos Todos Inocentes de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (1997)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (1980)
>>> Vida e Obra de Anália Franco de Maria Cândida Silveira Barros pela Copidart (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/7/2015
O cinema de Weerasethakul
Guilherme Carvalhal

+ de 1800 Acessos

É bastante complexo avaliar o trabalho do diretor tailandês Apichatpong Weerasethakul. Autor de um cinema de difícil compreensão, em muitos aspectos remetendo ao estilo quase incompreensível de Godard, ele se tornou premiado com diversas de suas obras, principalmente Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas, ganhador da Palma de Ouro de 2010.

O diretor bebe de muitas fontes. Seu cinema tem um estilo próprio com uma fotografia bastante peculiar e uma maneira quase bucólica de contar histórias. Ele utiliza em seus filmes desde uma pegada de surrealismo (caso de Tio Bonmee), de um estilo mais tradicional de contar histórias (Síndromes e um Século, 2006), e até mesmo de minimalismo, como em Mal do Século(2004), em que boa parte do filme se passa sem diálogos, contando a história apenas pelo visual.

A multiplicidade técnica de Weerasethakul o coloca como um dos principais realizadores de filme da atualidade. Seu estilo se caracteriza pela mistura de dramas pessoais com temas rurais, aliados a boas doses da cultura de seu país e estilos narrativos diferenciados.

Avaliar seu cinema ao longo dos anos mostra muito a evolução do diretor. Em Eternamente Sua (2002) há um romance com características peculiares. Min é um rapaz diagnosticado com uma doença que segue ao interior para se tratar. Nessa viagem ele é acompanhado por Roong e Orn, que estão em contato constante com ele. Esse trabalho é bastante simples, tanto em enredo como em filmagem. Uma história de amor, que mesmo carregada, é apenas um prenúncio do desenvolvimento do diretor.

Em 2004 ele lançou Mal dos Trópicos, um filme que coloca o dedo na ferida e facilmente pode ser considerado seu melhor filme. O longa se divide em duas partes. Na primeira há uma narrativa rural sobre Keng e Tong, dois rapazes namorados. Eles passam por situações simples do dia, mostrando como é sua relação com a cidade e com as pessoas. Um mero aperitivo para a virada do filme na segunda parte.

Quando Tong desaparece na floresta em meio a uma lenda sobre homens que se transformam em monstros, Keng parte em uma jornada em busca de localizá-lo. Sobre o filme com altas cores (uma característica do diretor) cai uma atmosfera completamente sombria da madrugada, em uma narrativa diferenciada, tangenciada pelas percepções a respeito dos sentimentos e pensamentos de Keng enquanto procura seu amado.

Um ponto interessante nesse filme é que Tong fala sobre seu tio Bonmee e sua capacidade de relembrar suas vidas passadas. Isso mostra duas coisas: que Weerasethakul é um narrador construindo um universo único dentro de suas obras, em que os filmes se correlacionam, e que desde estes tempos ele já planejava produzir seu mais premiado filme.

Síndromes e um Século é uma obra de cunho bastante pessoal, remetendo a lembranças de infância do diretor. A história se passa em um hospital da Tailândia, onde médicos e demais profissionais de saúde convivem com o choque de realidade entre moderno e antigo (situação tão comum nas artes brasileiras; no cinema Bye Bye Brasil é um marco). Um dos momentos principais é quando um monge budista é atendido e o conflito entre a tradição religiosa e a técnica científica se chocam.

O curta Uma Carta Para o Tio Boonmee (2009) serve como prólogo para a obra que será lançada no ano seguinte. É um relato quase pessoal, em que ele anuncia que pretende filmar a vida de seu tio, em uma narrativa em primeira pessoa. Não é por si só um grande filme, mas dentro do conjunto da obra é de alto significado.

Em 2010 veio o arrebatador (e divisor de opiniões) Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas. Aqui, o personagem principal se encontra adoentado com problemas renais e se prepara para encarar a própria morte. Suas vidas passadas vem à tona, em uma avalanche de significados vastos, que para muitos pode ser brilhante e para outros mera bobagem. Boonme se vê no corpo de uma princesa e o fantasma de sua esposa morta aparece, acompanhada de seu filho transmutado em uma espécie de macaco. O final em aberto é plenamente discutível e dá origem a diversos significados.

Weerasethakul passa batido por qualquer tipo de formalismo artístico. Seu estilo é bastante pessoal e repleto de simbologias que deixam o espectador diante de suas próprias opiniões. Pequenos detalhes, como um monge budista de All Star, dão sentido diferenciado ao que ele apresenta nas telas. Dificilmente se pode falar objetivamente de sua arte, então o melhor a fazer é assistir e tirar as próprias conclusões.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 2/7/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
03. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
04. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
05. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2015
01. Influências da década de 1980 - 30/7/2015
02. A trilogia Qatsi - 15/10/2015
03. Meio Sol Amarelo - 3/9/2015
04. A grande luta das pessoas comuns - 19/11/2015
05. O cinema de Weerasethakul - 2/7/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ORDEM
HUGH HOWEY
INTRÍNSECA
(2015)
R$ 21,00



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



A EQUAÇAO DOS SONHOS
GISELE CHABOUDEZ
CIA DE FREUD
(2000)
R$ 15,00



AJUDE SEU FILHO A CONVERSAR COM VOCÊ - TEORIA E CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA E PSICOMOTORA
HELENA MARINHO
REVINTER
(2012)
R$ 24,90



ENCONTRO COM OS DEUSES
JAIME GUEDES
MANDÁLIA
(1978)
R$ 10,00



A QUEDA PARA O ALTO - HERZER (LITERATURA BRASILEIRA - MEMÓRIAS)
HERZER
VOZES
(1987)
R$ 7,00



PALAVRAS DE UM PROFESSOR
SAN TIAGO DANTAS
FORENSE
(2001)
R$ 130,00



VARIANDO O CARDÁPIO VOL. 1
VÁRIOS AUTORES
NESTLÉ
(1991)
R$ 15,00



INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA FILOSOFIA VOL. 1 DOS PRÉ-SOCRÁTICOS
MARILENA CHAUI
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 60,00



MASTERS OF CINEMA: ALFRED HITCHCOCK
ALFRED HITCHCOCK; BILL KROHN
PHAIDON PRESS
(1972)
R$ 30,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês