A rede contra as raposas analógicas | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
>>> A Caçada Ao Lobo de Wall Street de Jordan Belfort pela Planeta (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito das Coisas vol 5 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2007)
>>> Diário do Chaves de Roberto Gomez Bolanos pela Suma (2006)
>>> O Aliciador - Ele está sempre um passo à Frente de Donato Carrisi pela Record (2019)
>>> Isaac Newton e Sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia. das Letras (2021)
>>> A riqueza da vida simples - Como escolhas mais inteligentes podem antecipar a conquista de seus sonhos de Gustavo Cerbasi pela Sextante (2019)
>>> Fênix: A Ilha - Livro 1 de John Diox pela Novo Conceito (2014)
>>> Direito do Trabalho 23 ª ed. de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2007)
>>> O Sexo das Antas de Kelli Pedroso pela Pergamus (2011)
>>> Direito Administrativo 20ª Ed. de Maria Sylvia Zanella Di Pietro pela Atlas (2007)
>>> Cavalo de Tróia 1 - Jerusalém de J. J. Benitez pela Planeta (2010)
>>> O Desafio da Hiperinflação - em busca da moeda real de Francisco Lopes pela Campus (1989)
>>> Saneamento Ambiental na Baixada Cidadania e Gestao Democrática de Jorge Florêncio e outros pela Fase (1995)
COLUNAS >>> Especial Protestos

Quinta-feira, 4/7/2013
A rede contra as raposas analógicas
Carla Ceres

+ de 4000 Acessos

No princípio, era o caos nos transportes e um espírito de indignação pairava sobre as massas. Até aí, sem novidades. Sobreviver no Brasil implica driblar as várias faces do caos, que nossos políticos cultivam em benefício próprio e no dos empresários que os apoiam. Um espírito de indignação generalizada sempre pairou sobre os brasileiros. Então vinte centavos de aumento na passagem de ônibus levaram o povo às ruas da capital paulista. A manifestação liderada pelo Movimento Passe Livre terminou em violento confronto com a polícia. A grande imprensa e todas as esferas de governo se posicionaram contra os manifestantes.

Provavelmente os protestos não teriam se espalhado nem ido muito além das reivindicações por um transporte público que não trouxesse aos usuários pensamentos sobre vagões de gado e navios negreiros. Mas a polícia, na manifestação seguinte, cometeu um erro politicamente imperdoável: forneceu vítimas identificáveis à indignação popular. Até então, boa parte da opinião pública estava acomodada. O que via na televisão eram manifestantes genéricos, que a TV chamava de "vândalos arruaceiros", em confronto com policiais também genéricos, "em cumprimento do dever". Qualquer psicólogo sabe que as pessoas não conseguem ter fortes sentimentos de empatia e compaixão por multidões distantes. Podemos até sentir pena, mas não chegamos a nos mobilizar. A coisa muda de figura quando, no meio da multidão, surgem vítimas em particular. Policiais agrediram manifestantes, jornalistas e até transeuntes que nada tinham a ver com a questão. Fotos, vídeos, relatos e comentários sobre a violência injustificável chegaram às redes sociais, em tempo real. As velhas raposas analógicas da política, incapazes de compreender a internet, demoraram a reagir e ainda não o fizeram de forma adequada nem a seus interesses nem aos do povo. A grande imprensa foi mais rápida em mudar de ideia e apoiar o movimento. Mesmo assim seu erro inicial de avaliação lhe custou caro em termos de credibilidade, audiência e patrimônio.

Os protestos ganharam amplitude internacional e encamparam reivindicações das mais diversas áreas à medida que aumentava o número de participantes. Para desespero dos políticos - que ainda procuram uma liderança identificável que possam cooptar, intimidar ou usurpar - o movimento se articula de forma descentralizada e dinâmica, na velocidade da rede. Ainda assim, podemos identificar certos tipos de manifestantes:

Os sem partido

De acordo com várias pesquisas, a maioria dos manifestantes não tem filiação partidária e se mostra insatisfeita com a atuação dos políticos. Basta, no entanto, conversar com esses supostos apartidários para descobrir que alguns simpatizam fortemente com algum partido e oferecem argumentos - às vezes, estapafúrdios - para defender seus representantes. "Coitada da Dilma! Ela está presa no olho de um furacão, não pode fazer nada. Mas, se ela pudesse, eu tenho certeza que ela estaria aqui na rua, protestando com a gente. É só ver a história de vida dela", disse uma jovem, antes do pronunciamento da presidente Dilma.

Os oportunistas

Políticos e celebridades, que tentam pegar carona nos protestos para aparecer, têm se dado mal por excesso de concorrência ou desconfiança popular. Já os criminosos, que se infiltram nas passeatas para saquear estabelecimentos comerciais, têm lucrado bastante.

Os pseudoapartidários

Diante dos gritos de "Sem partido!", que pipocavam cada vez que um símbolo de partido político aparecia nas manifestações, os defensores dos partidos começaram a agir de forma dissimulada, não apenas nas ruas, mas, principalmente, nas redes sociais. A insatisfação do povo com os políticos atrapalha os sonhos de poder dos militantes. Procuram, portanto, focar o desagrado popular sobre os partidos adversários.

Os festivos

Nas grandes cidades, os pedestres costumam caminhar na defensiva, por medo da violência. No transporte coletivo, a proximidade forçada leva até o sujeito mais sociável a perder o bom humor. Durante as manifestações, no entanto, a aglomeração de pessoas ganha um tom festivo e fraternal graças ao objetivo em comum: protestar. O brasileiro não sabe ir às ruas sem fazer festa, cantar, batucar, namorar, levar a família, tirar foto, fazer vídeo, postar na rede. A maioria dos manifestantes acredita que suas reivindicações serão atendidas e que o país mudará pra melhor. Tamanho otimismo pode chegar às raias da inconsequência. Algumas mães saem pra protestar com seus bebês no colo.

Se continuarmos analisando, surgirão outras subdivisões como: os que protestam em causa própria; os que depredam o patrimônio público; os que apoiam o movimento do alto de seus prédios, piscando as luzes, jogando papel picado e estendendo panos brancos; os que representam determinadas comunidades; os que apoiam da internet. Mesmo levando em conta os proporcionalmente poucos, mas lamentáveis, casos de violência, o movimento tem sido pacífico e já obteve vitórias importantes como o arquivamento da PEC da Impunidade.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 4/7/2013


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2013
01. Histórias de gatos - 4/4/2013
02. Um livro canibal - 9/5/2013
03. Em busca de cristãos e especiarias - 7/11/2013
04. Autodidatas e os copistas da vez - 7/2/2013
05. Brasileiros aprendendo em inglês - 17/1/2013


Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Defesa do Alcazar De Toledo - Historia
Angel Palomino
Biblioteca do exercito
(2006)



As Damas do Vento
Bernard Giraudeau
Record
(2008)



A Beleza da Ação Indireta
John Kay
Best Seller
(2011)



Diários de Jack Kerouac
Kerouac, Jack
L& Pm
(2006)



O Mundo em que Eu Vivo
Zíbia M. Gasparetto
Os Caminheiros



Handbook de Relações Interorganizacionais da Oxford
Steve Cropper, Mark Ebers, Chris Huxham
Bookman
(2014)



Positivo:idéias Que Mudaram o Mundo - Geografia Ens. Médio 2ª Série
Vários
Positivo
(2007)



Os Amantes de Minha M?e
Christopher Hope
Record
(2009)



Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso
Rachel Polito
Saraiva
(2010)



Memórias de um Sargento de Milícias
Manuel Antonio de Almeida
Abril





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês