A rede contra as raposas analógicas | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Vontade de abraçar todo mundo
>>> Italo Calvino: descobridor do fantástico no real
>>> Notícias do Brasil
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
Mais Recentes
>>> Gramática de Hoje - Curso Ilustrado para 5º a 8º Série de Ernani e Nicola pela Scipione (1995)
>>> Guia do Brigadeiro de Sem Autor pela Alto astral (2012)
>>> Dinâmicas de Grupo: Redescobrindo Valores de Giovanna Leal Borges pela Vozes (2002)
>>> A Chave dos Lusíadas 11ª edição. de Luís de Camões (prefacio e notas de José Agostinho pela Figueirinhas Porto
>>> Guia Arte e Artesanato Bonecas de Pano de Varios Autores pela Casadois (2014)
>>> Guia de Ouro: Patch Apliquê - 290 Ideias de Moldes de Guia de Ouro pela Alto Astral (2013)
>>> Páginas Preferidas (versos) primeiro volume de Armando Gonçalves pela Autor (1964)
>>> Guia Arte e Artesanato Applique 52 Modelos Passo a Passo de Janaina Medeiros pela Artesanato (2013)
>>> Market Leader Upper Intermediate Business English Practice File de John Rogers pela Pearson Longman (2006)
>>> Os Temperamentos - a Face Revela o Homem- II de Norbert Glas pela Antroposofica (2011)
>>> Noções fundamentais da língua latina de Napoleão Mendes de Almeida pela Saraiva (1957)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis (14) pela Folha (2008)
>>> Uma Historia de Sabedoria e Riqueza de Mark Fisher pela Ediouro (1997)
>>> Five-minute Activities: a Resource Book of Short Activities de Penny Ur e Andrew Wright pela Cambridge University Press (1992)
>>> Sexo e Sexualidade Adolescência: Feliz... Idade de TodoLivro pela Todolivro
>>> Quem mexeu na minha bagunça ? de Celi Piernikarz pela Cortez
>>> Viagem ao Centro da Terra Em Quadrinhos de Júlio Verne pela Farol Hq (2010)
>>> Crianca Aos 9 Anos, A de Hermann Koepke pela Antroposofica (2014)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura - Coleção Reencontro Literatura de Miguel De Cervantes pela Scipione (paradidaticos) (2007)
>>> Quando os Lobos Uivam de Aquino Ribeiro pela Livraria Bertrand (1958)
>>> Amargo Despertar de Sardou Victorien pela O Clarim (1978)
>>> Querida Mamãe: Obrigado Por Tudo de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Os Mais Relevantes Projetos de Conclusão dos Cursos - Mbas 2014 de Strong Educacional pela Fgv (2015)
>>> Mobimento: Educação e Comunicação Mobile de Wagner Merije pela Peirópolis (2012)
>>> Go beyond students book pack 2 workbook de Nina Lauder, Ingrid Wisniewska pela Macmillan Education (2018)
COLUNAS >>> Especial Protestos

Quinta-feira, 4/7/2013
A rede contra as raposas analógicas
Carla Ceres
+ de 4500 Acessos

No princípio, era o caos nos transportes e um espírito de indignação pairava sobre as massas. Até aí, sem novidades. Sobreviver no Brasil implica driblar as várias faces do caos, que nossos políticos cultivam em benefício próprio e no dos empresários que os apoiam. Um espírito de indignação generalizada sempre pairou sobre os brasileiros. Então vinte centavos de aumento na passagem de ônibus levaram o povo às ruas da capital paulista. A manifestação liderada pelo Movimento Passe Livre terminou em violento confronto com a polícia. A grande imprensa e todas as esferas de governo se posicionaram contra os manifestantes.

Provavelmente os protestos não teriam se espalhado nem ido muito além das reivindicações por um transporte público que não trouxesse aos usuários pensamentos sobre vagões de gado e navios negreiros. Mas a polícia, na manifestação seguinte, cometeu um erro politicamente imperdoável: forneceu vítimas identificáveis à indignação popular. Até então, boa parte da opinião pública estava acomodada. O que via na televisão eram manifestantes genéricos, que a TV chamava de "vândalos arruaceiros", em confronto com policiais também genéricos, "em cumprimento do dever". Qualquer psicólogo sabe que as pessoas não conseguem ter fortes sentimentos de empatia e compaixão por multidões distantes. Podemos até sentir pena, mas não chegamos a nos mobilizar. A coisa muda de figura quando, no meio da multidão, surgem vítimas em particular. Policiais agrediram manifestantes, jornalistas e até transeuntes que nada tinham a ver com a questão. Fotos, vídeos, relatos e comentários sobre a violência injustificável chegaram às redes sociais, em tempo real. As velhas raposas analógicas da política, incapazes de compreender a internet, demoraram a reagir e ainda não o fizeram de forma adequada nem a seus interesses nem aos do povo. A grande imprensa foi mais rápida em mudar de ideia e apoiar o movimento. Mesmo assim seu erro inicial de avaliação lhe custou caro em termos de credibilidade, audiência e patrimônio.

Os protestos ganharam amplitude internacional e encamparam reivindicações das mais diversas áreas à medida que aumentava o número de participantes. Para desespero dos políticos - que ainda procuram uma liderança identificável que possam cooptar, intimidar ou usurpar - o movimento se articula de forma descentralizada e dinâmica, na velocidade da rede. Ainda assim, podemos identificar certos tipos de manifestantes:

Os sem partido

De acordo com várias pesquisas, a maioria dos manifestantes não tem filiação partidária e se mostra insatisfeita com a atuação dos políticos. Basta, no entanto, conversar com esses supostos apartidários para descobrir que alguns simpatizam fortemente com algum partido e oferecem argumentos - às vezes, estapafúrdios - para defender seus representantes. "Coitada da Dilma! Ela está presa no olho de um furacão, não pode fazer nada. Mas, se ela pudesse, eu tenho certeza que ela estaria aqui na rua, protestando com a gente. É só ver a história de vida dela", disse uma jovem, antes do pronunciamento da presidente Dilma.

Os oportunistas

Políticos e celebridades, que tentam pegar carona nos protestos para aparecer, têm se dado mal por excesso de concorrência ou desconfiança popular. Já os criminosos, que se infiltram nas passeatas para saquear estabelecimentos comerciais, têm lucrado bastante.

Os pseudoapartidários

Diante dos gritos de "Sem partido!", que pipocavam cada vez que um símbolo de partido político aparecia nas manifestações, os defensores dos partidos começaram a agir de forma dissimulada, não apenas nas ruas, mas, principalmente, nas redes sociais. A insatisfação do povo com os políticos atrapalha os sonhos de poder dos militantes. Procuram, portanto, focar o desagrado popular sobre os partidos adversários.

Os festivos

Nas grandes cidades, os pedestres costumam caminhar na defensiva, por medo da violência. No transporte coletivo, a proximidade forçada leva até o sujeito mais sociável a perder o bom humor. Durante as manifestações, no entanto, a aglomeração de pessoas ganha um tom festivo e fraternal graças ao objetivo em comum: protestar. O brasileiro não sabe ir às ruas sem fazer festa, cantar, batucar, namorar, levar a família, tirar foto, fazer vídeo, postar na rede. A maioria dos manifestantes acredita que suas reivindicações serão atendidas e que o país mudará pra melhor. Tamanho otimismo pode chegar às raias da inconsequência. Algumas mães saem pra protestar com seus bebês no colo.

Se continuarmos analisando, surgirão outras subdivisões como: os que protestam em causa própria; os que depredam o patrimônio público; os que apoiam o movimento do alto de seus prédios, piscando as luzes, jogando papel picado e estendendo panos brancos; os que representam determinadas comunidades; os que apoiam da internet. Mesmo levando em conta os proporcionalmente poucos, mas lamentáveis, casos de violência, o movimento tem sido pacífico e já obteve vitórias importantes como o arquivamento da PEC da Impunidade.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 4/7/2013

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pintura do caos, de Kate Manhães de Jardel Dias Cavalcanti
02. Livros e Saúde de Ricardo de Mattos
03. 10 grandes de Gian Danton


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2013
01. Histórias de gatos - 4/4/2013
02. Um livro canibal - 9/5/2013
03. Em busca de cristãos e especiarias - 7/11/2013
04. Autodidatas e os copistas da vez - 7/2/2013
05. Brasileiros aprendendo em inglês - 17/1/2013


Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Literatura Estrangeira The Queens and the Hive
Jack Matthew
Macmillan
(1962)



/Os Homens que não Amavam as Mulheres
Stieg Larsson
Companhia das Letras
(2008)



Livro História do Brasil Campanhas Jornalísticas Volume 3 Obras Seletas de Rui Barbosa VIII
Rui Barbosa
Record
(1998)



Álbum-Lembraça da Exposição Iconográfica e Bibliográfica Bahiana
Desconhecido
Prefeitura Municipal do Salvador
(1951)



Livro Literatura Estrangeira This Charming Man
Marian Keyes
Penguin Books
(2008)



Livro Literatura Brasileira As Pupilas do Senhor Reitor Biblioteca Folha 11
Júlio Dinis
Ediouro
(1997)



A Obra do Artista ( uma Visão Holística do Universo)
Frei Betto
Ática
(1995)



Em busca da paz
Fernando Carraro
Elementar
(2009)



Reperessão Sexual: Essa Nossa Desconhecida
Marilena Chaui
Brasiliense
(1984)



Livro Gibis Armeiro Ninjak
Kindt Matt
Jambô
(2017)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês