Autodidatas e os copistas da vez | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> Zé Carioca Nº 1821 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> The Theory of Economic Development de Lord Robbins pela Macmillan (1968)
>>> Matemática - Magistério 1 de Ruy Madsen Barbosa pela Atual (1985)
>>> Do alto da tribuna de Ademar rigueira neto pela Lumen juris (2017)
>>> A Vida de D. Pedro I - Tomo I de Octávio Tarquínio de Sousa pela José Olympio (1972)
>>> Novos Canticos de Dolares Bacelar Espíritos Diversos pela Não Informada (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour; Luciano Trigo pela Intrinseca (2009)
>>> Zé Carioca Nº 1820 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> Cozinha do Mundo: Itália Vol. 1 de Abril Coleções pela Abril Coleçoes (2010)
>>> Who's Best? de Varios Autores pela Foundations Reading Library (2006)
>>> The Elements of Typographic Style de Robert Bringhurst pela Hartley & Marks (1997)
>>> Doctor Who: Adventures in time and space de Vários autores pela Bbc (2009)
>>> Cálculos Trabalhistas de Adalberto José do Amaral Filho pela Ltr (2002)
>>> A Fenda do Tempo de Dionísio Jacob pela Infanto Juvenis (2005)
>>> Lobo Solitário 8 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Cedibra (1989)
>>> Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter de Mário de Andrade pela Penguin Companhia (2016)
>>> Oficina de História - Volume único de Flávio Campos pela Leya (2012)
>>> Zé Carioca Nº 1818 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Romance Senzala de Salvador Gentile pela Instituto Difusão Espirita (1993)
>>> Cartas Chilenas de Tomás Antônio Gonzaga pela Martin Claret (2007)
>>> Skate - Guia Passo a Passo Ilustrado de Clive Gifford pela Zastras (2008)
>>> Mensagens de Matthew Mckay; Martha Davis; Patrick Fanning pela Summus (1999)
>>> Zé Carioca Nº 1798 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Ente Osso agora de Maitê Proença pela Record (2015)
>>> Aprendi com meu pai - 54 pessoas bem-sucedidas contam a maior lição que receberam do seu pai de Luís Colombini pela Virsar (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/2/2013
Autodidatas e os copistas da vez
Carla Ceres

+ de 5000 Acessos

O surgimento do livro impresso levou monges copistas a temer pelo futuro de sua ocupação. Mais tarde foram as universidades que se preocuparam. De nosso ponto de vista atual, parece absurdo que alguém levasse a sério esse tipo de temor, mas, naquela época, a relativa popularização do livro e a criação de bibliotecas públicas eram vistas como novidades ameaçadoras por muitas instituições de ensino. Acreditava-se que, uma vez alfabetizado e com livre acesso às fontes de conhecimento, o leitor estivesse apto a prescindir de professores.

De fato, os copistas eventualmente deixaram de existir. As universidades, no entanto, continuaram florescendo. No Brasil de hoje, com a popularização do ensino de baixa qualidade chegando ao terceiro grau, cursos superiores para semianalfabetos medram e se alastram tanto no mundo real quanto no virtual. Mas há uma nova ameaça rondando esses rentáveis empreendimentos, os cursos online gratuitos. Escrevi a respeito deles na coluna anterior. Ainda não existem ofertas desses cursos em português, mas isso é só uma questão de tempo. Tentaram proibi-los nos Estados Unidos. Os internautas se mobilizaram e as autoridades voltaram atrás.

Agora muitos professores se consideram os copistas da vez. Imaginam que, quando os alunos puderem acompanhar aulas de pós-doutores pela internet, de graça, não vão mais querer saber de ensino caro e ineficiente à moda antiga. A profissão estaria com os dias contados.

Acredito que, mais uma vez, o medo da inovação esteja pintando um quadro improvável. Pelo menos no primeiro e no segundo graus, o ensino continuará presencial e quase o mesmo. Crianças e adolescentes não costumam possuir algumas qualidades imprescindíveis para o aproveitamento de um curso online. Falta-lhes interesse, disciplina, força de vontade e método de estudo próprio. Seus professores deveriam auxiliá-los a desenvolver-se nesses aspectos, mas antes precisam descobrir como afastá-los dos estímulos bem mais interessantes que a internet em sala de aula proporciona, como redes sociais e jogos.

As qualidades necessárias para ter sucesso em cursos online são as mesmas que alguns autodidatas apresentam desde cedo. Eles são obsessivamente motivados por seus próprios interesses. Nascem com um talento especial para alguma área e, de tanto dedicar-se a ela, descobrem como tornar seus esforços mais produtivos, ou seja, estudam por gosto e aprendem como estudar melhor. Parece haver um certo grau de autismo em seu comportamento porque nem lhes passa pela cabeça trocar suas pesquisas por uma vida social agitada.

Acontece que autodidatas natos são raros e a escola costuma entediá-los tanto que alguns acabam por desistir dela. Os que aturam o sistema de ensino massificado até o fim do segundo grau sentem-se mais felizes na universidade, embora ainda precisem dar atenção a umas poucas matérias desinteressantes. Na pós-graduação, finalmente, podem dedicar-se à pesquisa junto com outros alunos que não nasceram com vocação para pesquisadores, mas foram preparados para isso por escolas eficientes.

Mais do que nunca, um dos principais objetivos de uma boa escola deveria ser ensinar aos alunos como encontrar e extrair informações confiáveis e relevantes em um mundo virtual cada vez mais rico, porém cheio de inutilidades e erros. As formas antigas de promover disciplina também requerem mudanças. Precisam sair do simples "Fica quieto e presta atenção!", porque o silêncio agora pode significar que a classe toda está discutindo outros assuntos através de mensagens de texto, sem o professor perceber.

As gerações pré-internet conheceram bem a sensação de se desligar do infinito blablablá do professor e se perder em pensamentos. A cabeça viajava, mas voltava num estalo, quando algo exterior nos chamava a atenção. Isso nem se compara ao grau de concentração atingido por um aluno imerso em um videogame com fones de ouvido. Existe muita diferença entre estar meio distraído e estar completamente absorto em um mundo fechado. Hoje vivemos dentro de uma bolha virtual. Escolhemos os estímulos que farão parte dela e excluímos o resto. Convém que esse autismo voluntário não se transforme em pura perda de tempo.

Professores que não sabem usar as novas tecnologias como fonte de motivação para pesquisas interessantes precisam de um upgrade urgente sob o risco de se tornarem obsoletos. Banir computadores da sala de aula seria ótimo como preparação para a vida no século retrasado, mas, antes de implementarmos a medida, os pesquisadores precisam criar a máquina do tempo.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 7/2/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hamlet... e considerações sobre mercado editorial de Paulo Polzonoff Jr
02. Literatura e cinema na obra de Skármeta de Marcelo Barbão


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2013
01. Histórias de gatos - 4/4/2013
02. Um livro canibal - 9/5/2013
03. Em busca de cristãos e especiarias - 7/11/2013
04. Autodidatas e os copistas da vez - 7/2/2013
05. Brasileiros aprendendo em inglês - 17/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De fora da arca
Ana Maria Machado e Ziraldo
Salamandra
(1996)



Eurico, o Presbítero - Clássicos de Ouro
Alexandre Herculano - Apresentação Antônio Soares
Ouro
(1969)



Lucréce Borgia
Cecil Saint-laurent
Stock
(1988)



O Aprendiz da Madrugada
Luiz Carlos Lisboa
Gente
(1994)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
ática
(1983)



Dirigindo Com Sabedoria sem o Cd
Tony Gandra
Abrather
(2002)



Direito do Comercio Internacional
Antonio Carlos Rodrigues do Amaral
Edicoes Aduaneiras
(2005)



O vento nas vidraças
Roberto Bittencourt Martins
Lpm
(1983)



História: Sociedade & Cidadania - 7º Ano
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(2015)



Fundamentos da Reforma Íntima
Abel Glaser pelo Espírito Cairbar Schutel
O Clarim
(2011)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês