A lírica pedregosa de Mário Alex Rosa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 25/9/2012
A lírica pedregosa de Mário Alex Rosa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6100 Acessos

O livro de poemas Ouro Preto, de Mário Alex Rosa, foi lançado este mês em Belo Horizonte pela editora Scriptum. A orelha do livro foi escrita por Murilo Marcondes, professor de Literatura Brasileira da USP e uma das maiores autoridades em Murilo Mendes. Já foi resenhado pelo consagrado poeta mineiro Carlos Ávila. O livro conta com uma belíssima capa, projeto do poeta e artista gráfico ouropretano Guilherme Mansur.

Este é o primeiro livro de poesias publicado por Mario Rosa, embora se tenha conhecimento de seus poemas publicados de forma diversa em jornais literários, sites, revistas, plaquete em edição do próprio autor. O seu segundo livro, denominado Via Férrea, já se encontra no prelo e será publicado pela editora Cosacnaify. Existe ainda o livro de poesia infantil ABC futebol clube e outros poemas, publicado em 2007 pela editora Bagagem.

Segundo Harold Bloom, em sua obra Angústia da influência "os poemas não são criados por prazer, mas sim pelo desprazer de uma situação perigosa". O livro Ouro Preto deriva dessa ideia e é, por isso, pedregoso. Não é uma estrada fácil para se andar. Nele confluem a paisagem física e simbólica de Ouro Preto e o descaminho amoroso do próprio poeta. Poesia um pouco dura, pérola irregular, a nos dar o sentido dos desalentos afetivos de uma existência em crise.

Parafraseando o próprio poeta: "Não me tire a dor, nela inicia minha poesia". Mas se o poeta é um fingidor, ele finge uma dor que deveras sente? E se o próprio poeta diz: "a minha memória é falsa" - onde ele quer chegar? Pouco importa, a poesia redime a mentira. Ouro Preto, de Mario Alex Rosa, é um livro de enganos e desenganos, como talvez seja a memória que temos de Ouro Preto, que em parte inspira os poemas ou é o cenário lírico do poeta.

É difícil andar em Ouro Preto, pois suas ruas de pedras irregulares nos desequilibram a todo instante, nos jogando na incerteza da possibilidade de um andar reto. A vertigem do barroco externada na própria caligrafia da cidade de pedra? Além do mais temos que conviver com fantasmas do passado, tão presentes quanto os vivos, nas figuras de Aleijadinho, Tiradentes, Claudio Manoel da Costa, Tomás Antonio Gonzaga, Marília e o bêbado Guignard elevando Ouro Preto à categoria de cidade sonhada. Poetas, usurpadores, traidores, escravos, pintores, e segundo Cecília Meireles, "as ideias". Mais: becos perigosos, subidas íngremes, vida fantasiosa contemporânea para menos do que a cidade já foi um dia: não dá para competir com seu passado. É demais para apenas uma cidade. Ela precisa ser dura, de pedra, para continuar a existir na sua desconfiguração barroca. Ela precisa de muito mais, precisa de novos poetas para se erguer da sua atual ruína.

Guilherme Mansur caligrafa Ouro Preto, Carlos Bracher faz explodir suas tensões em inspiradas telas vangoghianas, Elias Layon torna impressionável sua neblina romântica, Fani Bracher entende que a alma mineral é sua única alma possível. Mário Alex, confidente, depõe contra a Ouro Preto de ruas que impedem o amor, de anjos que não são cupidos, da arquitetura como uma parede intransponível a separar almas. Faz tudo isso como se pisasse em si mesmo, revelando suas "próprias mãos, sujas/ do amor que não lhe coube saber/ e, se soube, matou".

Ouro Preto não é o livro de um poeta que busca a catarse, mas do poeta que rouba as flechas de São Sebastião e as crava contra seu próprio corpo. Faz isso porque a poesia precisa de uma memória com nervos expostos para o cadafalso da criação. E se precisa pagar por dores memoráveis, que seja a poesia a sua moeda de troca. "Não há perdão nisso./ Recolhido, no que já tem de muito moído,/ prossegue entre as horas restantes o acordar."

Não há desculpa para o poeta, resta-lhe enfrentar a si mesmo para encontrar a poesia: "É hora de expor o rosto/ diante do espelho. De se mirar por dentro/ de sua própria ilha". Ouro Preto impõe-se tanto quanto suas próprias dores de amor. "Não tenho em mim/ qualquer outra cidade,/ senão a tua, que me atravessa/ feito espada na bainha", diz no poema "Da espera".

A imagem da paixão de Cristo é tanto recurso da representação dolorosa do barroco como sua também. Seu "Corpus Christi" aflige-se em poesia porque "desconhece alívio". O poeta vaga dentro de si mesmo e pela cidade insone: pecados, remorsos, desconsolo remoendo-o e remoídos pelos seus versos. Diz: "Ouro Preto, depois que dormes,/ acordo".

Na sua penumbra de cidade soturna, apenas uma rara luz o atinge, brilho que vem da "moça branca de neve", motivo do desalento do poeta, por ser amor e impossibilidade de amor ao mesmo tempo. Por isso só lhe reserva um quase-lugar, na sua sádica interrogação: "guardada para sempre num poema?". Violência de quem sabe não poder se permitir a completude e, talvez, saber a razão da impossibilidade da completude.

Essa violência emocional que fere com palavras a branca pele da moça amada nos faz pensar nos embates físicos da poesia de Armando Freitas Filho. Lição de poesia aprendida por Mario Rosa, mas levada para outro campo de batalha. Como no poema abaixo, que cito integralmente:

DE ALGUM LUGAR

Se pensa em partir, parta.
Peça-lhe, com cuidado,
para tocar de leve a face
trincada pelo tempo.

Se é para cortar, corte.
Mas, prepare bem a carne,
todo cuidado é pouco.

A sobra
sem cerimônia despeje,
essas coisas - atrito do amor-,
num aterro.

Nem uma oração pode salvá-lo de um amor "coberto de penas", um "amor tardio". Ela "rezando de joelhos" para o poeta sem Deus revela apenas uma descompostura diante do amado "perdido sem Ele, sem você e sem nada".

A cada momento a poesia de Mario Alex mistura dolorosamente ruas, casarões, museus, pontes, literatura, santos e paisagens com sentimentos de fracasso: "A lua atrevida ilumina a ponte sozinha,/ enquanto o riacho passa embaixo,/ o meu amor covarde invade a cena,/ braços abertos diante da cruz vazia". Como no pathos barroco, o poeta não tem outra morada: sua poesia revela-se com uma cruz, lugar certeiro para o assujeitamento de "Cristo confinado em sua dor".

O poeta observa de seu lugar, espécie de paisagem sentimental "da contemplação" de Ouro Preto, a sua amada que sobe e desce as ladeiras, visita igrejas, estuda, peca e vive "sem sombra de dúvida/ vive na dúvida". A dúvida revela-se contradição no amor dela, que enquanto na alma é "sempre coberta de certezas", no corpo, no entanto, "é ingrato na sua liberdade".

O amor precisa de tempo em suas exigências. É privilégio dos ociosos. Reclama o poeta em "Conversas num café" que a falta de tempo "este sim, foi a maior de todas as faltas". "Seu bilhete da Sexta-feira da Paixão" mostra com uma oferenda-ofensa-atéia seu desprezo e repúdio ao tempo roubado para Deus: "É preciso rezar com raiva".

Pedregulhos criados pelo poeta, pisados por nós leitores, a machucar os pés. No labirinto dos afetos decaídos não há saída. O poeta parece amar o perdido, segundo Murilo Marcondes, "ameaçando soterrar todas as possibilidades". Menos a possibilidade da poesia existir. Eis a sua redenção final. A poesia quando é boa, não redime apenas o poeta, redime a própria poesia. Ouro Preto, de Mario Alex Rosa, faz isso. Ainda redimindo Ouro Preto mais uma vez pela arte.

Obs: A primeira ilustração é de Fani Bracher e a segunda de Elias Layon.

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
02. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
03. O poeta, a pedra e o caminho de Wellington Machado
04. A vida exemplar de Eric Voegelin de Celso A. Uequed Pitol
05. Xamãs & Concurseiros de Guilherme Pontes Coelho


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês