A lírica pedregosa de Mário Alex Rosa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sendo Humano
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jazz caricato
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Música instrumental brasileira
>>> If God is Brazilian
>>> Agradecimentos no Oscar
>>> Anúncios em revistas caindo
>>> Cicular
>>> O inútil de cada um
Mais Recentes
>>> Os Condenados - Obras Completas 1 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Ponta de Lança - Obras Completas 5 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> A Luz da Estrela Morta de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Quem Foi? Albert Einstein de Jess Brallier pela Dcl (2009)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1974)
>>> As Filhas de Rashi de Maggie Anton pela Rocco (2008)
>>> Drummond o Gauche no Tempo de Affonso Romano de Santanna pela Lia (1972)
>>> Traição Em Família de David Baldacci pela Arqueiro (2012)
>>> Bichos de Lá e de Cá de Lia Neiva pela Ediouro (1993)
>>> O Fogo de Katherine Neville pela Rocco (2011)
>>> Desvirando a Página - a Vida de Olavo Setubal de Ignácio de Loyola Brandão; Jorge J. Okubaro pela Global (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Saraiva (2013)
>>> Dom Casmurro - Obras Completas de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> The Elegance of the Hedgehog de Muriel Barbery pela Penguin Usa (2008)
>>> O Direito à Privacidade na Internet de Sidney Guerra pela América Jurídica (2004)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Nono Descobre o Espelho de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta pela Objetiva (2007)
>>> Nós, Mulheres - Edição Especial de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2012)
>>> Autant En Emporte Le Vent - Tomes I et II de Margaret Mitchell pela Gallimard (1938)
>>> Memória de Minhas Putas Tristes de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2005)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Um Dia "daqueles" - um Lição de Vida para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Nós, Mulheres - Vol. 10 de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2011)
>>> Minhas Rimas de Cordel de César Obeid pela Moderna (2005)
>>> Negociações Espetaculares de Harvard Business School pela Campus (2004)
>>> Em Nome de Anna de Rudi Fischer pela Primavera Editorial (2015)
>>> De Volta às Estrelas de Erich Von Däniken pela Melhoramentos (1970)
>>> Umbanda Espírita Cristã de Norevaldo C. M. Souza pela Ideia Jurídica (2014)
>>> Entre Árabes e Judeus - uma Reportagem de Vida de Helena Salem pela Brasiliense (1991)
>>> O Poder Psíquico das Pirâmides de Bill Schul e Ed Pettit pela Record (1976)
>>> Sade, Fourier e Loyola de Roland Barthes pela Brasiliense (1990)
>>> O que é Ceticismo de Plinio Smith pela Brasiliense LTDA (2021)
>>> A Odisséia dos Essênios de Hugh Schonfield pela Mercuryo (1991)
>>> Introdução à Psicologia Fenomenológica//Agressão no Homem e nos Animais de Ernest Keen e Roger N. Johnson pela Interamericana (1979)
>>> O que é Psicanálise de Fábio Hermann pela Abril (1983)
>>> Como Administrar Conflitos Profissionais de Peg Pickering pela Market Books (1999)
>>> A Aventura Prodigiosa do Nosso Corpo de Jean Pierre Gasc pela Universo da Ciência (1981)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Das CPI's de Hélio Apolinário Cardoso pela Bookseller (2002)
>>> A Mulher do Viajante no Tempo de Audrey Niffenegger pela Suma de Letras Brasil (2009)
>>> O estudante II: Mamãe querida de Adelaide Carraro pela Global (1988)
>>> O Lado Bom dos Seus Problemas EAN: 9788536416199 de Maurício Horta pela Abril (2013)
>>> Julie e Julia de Julie Powell pela Record (2009)
>>> Fogo e Gelo de Julie Garwood pela Landscape (2009)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> O Livro das Princesas - Novos Contos de Fada Por de Meg Cabot; Paula Pimenta; Lauren Kate pela Record (2013)
>>> urma da Mônica Jovem - Academia de Ninjas de Mauricio Sousa pela Mauricio Sousa (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 25/9/2012
A lírica pedregosa de Mário Alex Rosa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6400 Acessos

O livro de poemas Ouro Preto, de Mário Alex Rosa, foi lançado este mês em Belo Horizonte pela editora Scriptum. A orelha do livro foi escrita por Murilo Marcondes, professor de Literatura Brasileira da USP e uma das maiores autoridades em Murilo Mendes. Já foi resenhado pelo consagrado poeta mineiro Carlos Ávila. O livro conta com uma belíssima capa, projeto do poeta e artista gráfico ouropretano Guilherme Mansur.

Este é o primeiro livro de poesias publicado por Mario Rosa, embora se tenha conhecimento de seus poemas publicados de forma diversa em jornais literários, sites, revistas, plaquete em edição do próprio autor. O seu segundo livro, denominado Via Férrea, já se encontra no prelo e será publicado pela editora Cosacnaify. Existe ainda o livro de poesia infantil ABC futebol clube e outros poemas, publicado em 2007 pela editora Bagagem.

Segundo Harold Bloom, em sua obra Angústia da influência "os poemas não são criados por prazer, mas sim pelo desprazer de uma situação perigosa". O livro Ouro Preto deriva dessa ideia e é, por isso, pedregoso. Não é uma estrada fácil para se andar. Nele confluem a paisagem física e simbólica de Ouro Preto e o descaminho amoroso do próprio poeta. Poesia um pouco dura, pérola irregular, a nos dar o sentido dos desalentos afetivos de uma existência em crise.

Parafraseando o próprio poeta: "Não me tire a dor, nela inicia minha poesia". Mas se o poeta é um fingidor, ele finge uma dor que deveras sente? E se o próprio poeta diz: "a minha memória é falsa" - onde ele quer chegar? Pouco importa, a poesia redime a mentira. Ouro Preto, de Mario Alex Rosa, é um livro de enganos e desenganos, como talvez seja a memória que temos de Ouro Preto, que em parte inspira os poemas ou é o cenário lírico do poeta.

É difícil andar em Ouro Preto, pois suas ruas de pedras irregulares nos desequilibram a todo instante, nos jogando na incerteza da possibilidade de um andar reto. A vertigem do barroco externada na própria caligrafia da cidade de pedra? Além do mais temos que conviver com fantasmas do passado, tão presentes quanto os vivos, nas figuras de Aleijadinho, Tiradentes, Claudio Manoel da Costa, Tomás Antonio Gonzaga, Marília e o bêbado Guignard elevando Ouro Preto à categoria de cidade sonhada. Poetas, usurpadores, traidores, escravos, pintores, e segundo Cecília Meireles, "as ideias". Mais: becos perigosos, subidas íngremes, vida fantasiosa contemporânea para menos do que a cidade já foi um dia: não dá para competir com seu passado. É demais para apenas uma cidade. Ela precisa ser dura, de pedra, para continuar a existir na sua desconfiguração barroca. Ela precisa de muito mais, precisa de novos poetas para se erguer da sua atual ruína.

Guilherme Mansur caligrafa Ouro Preto, Carlos Bracher faz explodir suas tensões em inspiradas telas vangoghianas, Elias Layon torna impressionável sua neblina romântica, Fani Bracher entende que a alma mineral é sua única alma possível. Mário Alex, confidente, depõe contra a Ouro Preto de ruas que impedem o amor, de anjos que não são cupidos, da arquitetura como uma parede intransponível a separar almas. Faz tudo isso como se pisasse em si mesmo, revelando suas "próprias mãos, sujas/ do amor que não lhe coube saber/ e, se soube, matou".

Ouro Preto não é o livro de um poeta que busca a catarse, mas do poeta que rouba as flechas de São Sebastião e as crava contra seu próprio corpo. Faz isso porque a poesia precisa de uma memória com nervos expostos para o cadafalso da criação. E se precisa pagar por dores memoráveis, que seja a poesia a sua moeda de troca. "Não há perdão nisso./ Recolhido, no que já tem de muito moído,/ prossegue entre as horas restantes o acordar."

Não há desculpa para o poeta, resta-lhe enfrentar a si mesmo para encontrar a poesia: "É hora de expor o rosto/ diante do espelho. De se mirar por dentro/ de sua própria ilha". Ouro Preto impõe-se tanto quanto suas próprias dores de amor. "Não tenho em mim/ qualquer outra cidade,/ senão a tua, que me atravessa/ feito espada na bainha", diz no poema "Da espera".

A imagem da paixão de Cristo é tanto recurso da representação dolorosa do barroco como sua também. Seu "Corpus Christi" aflige-se em poesia porque "desconhece alívio". O poeta vaga dentro de si mesmo e pela cidade insone: pecados, remorsos, desconsolo remoendo-o e remoídos pelos seus versos. Diz: "Ouro Preto, depois que dormes,/ acordo".

Na sua penumbra de cidade soturna, apenas uma rara luz o atinge, brilho que vem da "moça branca de neve", motivo do desalento do poeta, por ser amor e impossibilidade de amor ao mesmo tempo. Por isso só lhe reserva um quase-lugar, na sua sádica interrogação: "guardada para sempre num poema?". Violência de quem sabe não poder se permitir a completude e, talvez, saber a razão da impossibilidade da completude.

Essa violência emocional que fere com palavras a branca pele da moça amada nos faz pensar nos embates físicos da poesia de Armando Freitas Filho. Lição de poesia aprendida por Mario Rosa, mas levada para outro campo de batalha. Como no poema abaixo, que cito integralmente:

DE ALGUM LUGAR

Se pensa em partir, parta.
Peça-lhe, com cuidado,
para tocar de leve a face
trincada pelo tempo.

Se é para cortar, corte.
Mas, prepare bem a carne,
todo cuidado é pouco.

A sobra
sem cerimônia despeje,
essas coisas - atrito do amor-,
num aterro.

Nem uma oração pode salvá-lo de um amor "coberto de penas", um "amor tardio". Ela "rezando de joelhos" para o poeta sem Deus revela apenas uma descompostura diante do amado "perdido sem Ele, sem você e sem nada".

A cada momento a poesia de Mario Alex mistura dolorosamente ruas, casarões, museus, pontes, literatura, santos e paisagens com sentimentos de fracasso: "A lua atrevida ilumina a ponte sozinha,/ enquanto o riacho passa embaixo,/ o meu amor covarde invade a cena,/ braços abertos diante da cruz vazia". Como no pathos barroco, o poeta não tem outra morada: sua poesia revela-se com uma cruz, lugar certeiro para o assujeitamento de "Cristo confinado em sua dor".

O poeta observa de seu lugar, espécie de paisagem sentimental "da contemplação" de Ouro Preto, a sua amada que sobe e desce as ladeiras, visita igrejas, estuda, peca e vive "sem sombra de dúvida/ vive na dúvida". A dúvida revela-se contradição no amor dela, que enquanto na alma é "sempre coberta de certezas", no corpo, no entanto, "é ingrato na sua liberdade".

O amor precisa de tempo em suas exigências. É privilégio dos ociosos. Reclama o poeta em "Conversas num café" que a falta de tempo "este sim, foi a maior de todas as faltas". "Seu bilhete da Sexta-feira da Paixão" mostra com uma oferenda-ofensa-atéia seu desprezo e repúdio ao tempo roubado para Deus: "É preciso rezar com raiva".

Pedregulhos criados pelo poeta, pisados por nós leitores, a machucar os pés. No labirinto dos afetos decaídos não há saída. O poeta parece amar o perdido, segundo Murilo Marcondes, "ameaçando soterrar todas as possibilidades". Menos a possibilidade da poesia existir. Eis a sua redenção final. A poesia quando é boa, não redime apenas o poeta, redime a própria poesia. Ouro Preto, de Mario Alex Rosa, faz isso. Ainda redimindo Ouro Preto mais uma vez pela arte.

Obs: A primeira ilustração é de Fani Bracher e a segunda de Elias Layon.

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Formatura de Daniel Bushatsky
03. A Copa do Mundo é sua! de Ram Rajagopal
04. Os meus conflitos de Marcelo Maroldi
05. O discreto charme dos sebos de Luis Eduardo Matta


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Segurança e Medicina do Trabalho
Não Definido
Saraiva
(2008)
R$ 10,00



Hospitalização
Mercedes Arias Lopez
Mac Graw Hill
(2002)
R$ 10,00



Dos Fatos para a Gramática
Luiz A. P. Victória
Ediouro
R$ 10,00



No Alto da Serra
álvaro Cardoso Gomes
ática
(2010)
R$ 10,00



Cinquenta Tons de Cinza
E L James; Adalgisa Campos da Silva
Intrinseca
(2012)
R$ 10,00



As Piadas de Playboy
Ricardo Setti (Org.)
Abril
(1999)
R$ 10,00



Homens Em Furia
Daniel Jones
Landscape
(2005)
R$ 10,00



Bem-vindos ao Rio Série Vaga-lume
Marcos Rey
Atica
R$ 10,00



Quem Está Escrevendo o Futuro? 25 Textos Para o Século XXI
Vários Autores
Letraviva
(2000)
R$ 10,00



Veja São Paulo Delícias por Até 10 Reais
Vários Autores
Abril
(2007)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês