Roland Barthes e o prazer do texto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> CONVITE, 14/08, 19h || Querido Embaixador, exibição especial seguida de debate
>>> Kyungso Park se apresenta dia 15 na Caixa Cultural Brasília
>>> Dia Mundial da Fotografia no Museu da República (RJ)
>>> SHOW SPYAIR
>>> Mariana Xavier fala sobre o canal Mundo Gordelícia no Viralizando
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
>>> Uma jornada Musical
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES V
>>> A passos de peregrinos lll - Epílogo
>>> Jeferson De, Spike Lee e o novo Cinema Negro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arrington pós-TechCrunch
>>> Como se vive uma vida vazia?
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Autobiografia teológica
>>> Tumblr: a renovação dos blogs
>>> 10 grandes
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela circulo do Livro (1981)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1978)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1979)
>>> Um Tesouro de Contos de Fadas de Vários (Clássicos Recontados) pela Ds max
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas da Oceania de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas das Américas de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Arcanjo Zadkiel e os Anos dos Milagres de Elizabeth Clare Prophet pela Nova Era (2009)
>>> Obras Escogidas: los Buddenbrook/ Alteza Real/ Señor y Perros de Thomas Mann/ (prêmio Nobel- 1929) pela Aguilar, Madrid (1956)
>>> Obras Escogidas (tomo Ii): Bajo las Estrellas de Otoño... de Knut Hamsun (prêmio Nobel- 1920) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Maçonaria Religião e Simbolismo de Samuel Nogueira Filho pela Traço (1984)
>>> Comedias Escogidas: El Nido Ajeno/ La Noche del Sábado... de Jacinto Benavente (prêmio Nobel/ 1922) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Obras Escogidas: Mirèio/ Calendau/ Las Islas di Oro... de Frédéric Mistral pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> Os Bruxos de Machu Picchu - Os Cinco Degraus do Conhecimento de Padma Patra pela Madras (1997)
>>> Comedias Escogidas/ Héroes/ Cándida/; Trata de Blancas/ Fascinación... de Bernard Shaw (premio Nobel 1925) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obras Ecogidas : una Aldea/ El Amor de Mitia y Otros Cuentos... de Iván Bunin/ (prêmio Nobel- 1933) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obra Escojida: Lírica Breve/ Teatro/ Cuento/ Aforismo... de Rabindranaz Tagore (premio Nobel 1913) pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> A língua de eulália de Marcos Bagno pela Editora Contexto (2014)
>>> Um dia de David Nicholls pela Intrínseca (2012)
>>> A maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> A culpa é das estrelas de John Green pela Intrínseca (2012)
>>> Os dois ou o inglês maquinista de Martins Pena pela Ibep Jovem (2013)
>>> O herói perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2011)
>>> O filho de Netuno de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> Cinco Minutos de José de Alencar pela L&PM Pocket (2011)
>>> O doente imaginário de Molière pela Editora 34 (2011)
>>> Iracema / Cinco Minutos de José de Alencar pela Martin Claret (2010)
>>> Bruxaria Contemporânea de Luciana Pereira Machado pela Pallotti (2008)
>>> O médico e o monstro de Robert Louis Stevenson pela Martin Claret (2013)
>>> Isaac Newton e sua maçã de Kjartan Poskitt pela Companhia das Letras (2011)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Editora Ática (2011)
>>> A Verdade sobre o Sudário de Kenneth E. Stevenson e Gary R. Habermas pela Paulinas (1983)
>>> A pirâmide vermelha de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> O lado bom da vida de Matthew Quick pela Intrínseca (2013)
>>> Espumas Flutuantes de Catro Alves pela Editora Escala (2018)
>>> Os cientistas e seus experimentos de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Companhia das Letras (2011)
>>> Um certo capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Companhia das Letras (2010)
>>> O poeta do exílio de Marisa Lajolo pela FTD (2011)
>>> Cromo-Cristal-Terapia na Apometria de Elizabeth Monteiro Schreiner pela Kuarup (1999)
>>> Uma Ideia Solta no Ar/ Girassol de Pedro Bandeira/ Ilustrações: Rogério Borges pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Um Anjo no Jardim/ Veredas de Lino de Albergaria/ Ilustr. Nélson Cru pela Moderna/ SP. (1993)
>>> O Senhor dos Pesadelos de Elisabeth Maggio pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Iniciação ao Tarô de Pedro Camargo pela Nova Era (1996)
>>> Sopa de Letrinhas de Teresa Noronha pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Sai pra Lá, Dedo-duro de Fanny Abramovich pela Moderna/ SP. (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 21/8/2012
Roland Barthes e o prazer do texto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 16400 Acessos

"O discurso está cansado, exausto de tanto produzir sentido". Com esse diagnóstico Roland Barthes não pretende instituir um saber, mas um certo jeito de viver o saber: "nenhum poder, um pouco de saber, um pouco de sabedoria, e o maior sabor possível".

Com a proposta de "saber com sabor", Barthes reinvindica, além da liberdade crítica, o prazer. Renunciando a qualquer pretensão de uma leitura sistemática, baseada em verdades linguísticas, históricas ou sociológicas. Barthes produz um texto desejado, sonhado, saboreado, transformado em texto prazeroso e deslumbrante, texto barthesiano.

Sua intensão foi buscar a produtividade do texto. Essa produtividade seria sua capacidade de produzir sentidos múltiplos e renováveis, que mudam de leitura a leitura. Ler não seria, então, aplicar modelos prévios, mas criar formas únicas, que são formas virtuais do texto ativadas pela imaginação do leitor. Ao reagir contra a indiferença da semiologia com relação aos objetos, Barthes reivindica a diferença: "cada texto é único em sua diferença. Cada leitura também é única em sua diferença". O próprio Barthes não desejava que seu trabalho fosse usado como modelo científico suscetível de ser aplicado a outros textos.

No seu livro "O prazer do texto", ele assume o individual contra o universal do modelo estruturalista, do corpo contra o conceito, o prazer contra a seriedade acadêmica, o diletantismo contra o cientificismo. Barthes se desloca a partir de então com um à-vontade despudorado, provocando os que exigem do intelectual uma estabilidade ideológica. Barthes não acredita em nenhuma posição de "verdade"; pelo contrário, achava que qualquer posição que se instala, que toma consistência e se repete, torna-se posição ideológica no mau sentido: uma posição que pode ser facilmente recuperada e utilizada pelo sistema dominante, para que ele mesmo se mantenha imutável.

Mas o livro "O prazer do texto" acabou desagradando a gregos e troianos, ou melhor, a marxistas, que o acusavam de ser um aristocrata, um individualista, um alienado; e a estruturalistas, que o acusavam de abandono do método.

Duas tendências coexistiam em Barthes: uma tendência apolínea (seu lado clássico, metódico, "científico") e uma tendência dionisíaca (seu lado sensual, anárquico). A partir de "O prazer do texto", foi a segunda tendência que prevaleceu: o Barthes do corpo, do gozo sensual dos signos, o Barthes escritor.

Barthes falava da escritura como instigadora da pulsão da curiosidade; e acrescentava freudianamente: "toda curiosidade é de fundo sexual. O que é erótico em um texto não é o tema, é o próprio texto. O texto é uma trança, cada fio, cada código é uma voz, essas vozes trançadas ou trançantes forma a escritura. O texto é em suma um fetiche, reduzi-lo à unidade do sentido, por uma leitura abusivamente unívoca, é cortar a trança, é esboçar o gesto castrador".

Assim Barthes desloca o erótico do tema para o texto, mostrando como o "fraseado" é líquido, lubrificado, "ele conjuga numa mesma plenitude o sentido e o sexo". A escritura é isso: "a ciência dos gozos da linguagem e seu kamasutra (dessa ciência, só há um tratado: a própria escritura)".

O texto não exprime nada, desdobra-se num duplo fetichismo: primeiro, o do sujeito que escreve sob suas eleições (a descrição da suavidade das mãos, o contorno dos lábios, o desenho do nariz, os pés) - tudo que no outro faz disparar o desejo; depois, já longe do quadro, o fetiche volta-se para a própria linguagem. Escreve-se, então, não para ser amado, mas para que as palavras sejam amadas, como fetiche. O texto, então, goza não da apreensão do significado, mas da voluptuosidade do significante.

Na verdade, diz Barthes, o sentido de um texto não pode ser outra coisa senão o plural de seus sistemas, sua transcriptibilidade infinita; um sistema transcreve o outro, mas reciprocamente: face ao texto não há língua crítica "primeira", "natural", "nacional", materna. O texto é, de chofre, ao nascer, multilíngue; não há nem língua de saída, nem língua de entrada, pois o texto tem do dicionário não o poder direcional (fechado), mas a escritura infinita.

Giles Deleuze, no seu livro "Dialogues" parece ter se sintonizado ao pensamento de Barthes, como fica claro na sua sugestão do que seria a leitura hoje: "As boas maneiras de ler um texto, é chegar a tratar um livro como se escuta um disco, como se olha um filme... como se é tocado por uma canção: todo tratamento do livro que exigisse um respeito especial, uma atenção de outra espécie, vem de outra época e condena definitivamente o livro. Não há nenhuma questão de dificuldade nem de compreensão: os conceitos são exatamente como sons, cores ou imagens, são intensidades que convêm a você ou não... não há nada a compreender, nada a interpretar."

O poeta inglês Dylan Thomas também sintetiza bem o que seria o pensamento barthesiano ao responder à pergunta: O que é poesia? "Que importa o significado da poesia? Se lhe pedirem uma definição digam: poesia é o que me faz rir ou chorar, que me faz vibrar, o que me faz desejar isso ou aquilo ou nada. O que interessa na poesia é o movimento eterno que está atrás dela, a vasta corrente subterrânea de dor, de loucura ou exaltação, por modesta que seja a intenção do poema".

No fim da vida, em sua "Aula", no Collège de France, a relação entre a língua e o poder se tornará uma assertiva radical. Para Barthes toda língua é uma classificação, a língua é fascista, pois obriga a dizer. Aqui se encontra a radicalização da idéia de discurso e poder de Foucault. Mas como sair da engrenagem fascista da língua? Para Barthes, só a literatura como "revolução permanente da linguagem" pode alterar essa situação.

Segundo Antoine Campagnon, no seu livro Os antimodernos, a questão que Barthes se coloca é: como neutralizar o poder da língua refazendo dela um objeto amado? Diferente do procedimento da vanguarda (surrealismo, principalmente) que incitava o ódio pela linguagem, em "O Neutro" Barthes propõe não a revolução, não a violência, mas a carícia. Ele diz: "Não desinfetar a língua, mas saboreá-la, roçá-la lentamente, ou até mesmo esfregá-la, mas não purificá-la". A língua como "écriture", lugar onde o homem pode exercer livremente sua sensualidade. Em seu Fragmentos de um discurso amoroso ele anota, finalmente: "A linguagem é uma pele: esfrego minha linguagem no outro. É como se eu tivesse palavras ao invés de dedos, ou dedos na ponta das palavras".

Para ir além



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/8/2012


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
02. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACCIÓN Y SÍMBOLO EN MIGUEL DE CERVANTES SAAVEDRA - BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ (LITERATURA ESPANHOLA)
BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ
USP - FACULDADE DE DIREITO
(1940)
R$ 50,00



INSTABILIDADE DO CANTO
HENRIQUE SIMAS
JOSÉ OLYMPIO
(1963)
R$ 8,97



DICIONÁRIOS BERTRAND FRANCÊS - PORTUGUÊS
JEAN ROUSÉ
BERTRAND
(1986)
R$ 8,00



CASTRO ALVES- IMAGENS FRAGMENTADAS DE UM MITO
EDILENE MATOS
EUC- FAPESP
(2001)
R$ 24,90



MICHELANGELO - A RENASCENÇA - GRANDES ARTISTAS
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 6,00



OS GRANDES PINTORES DA HISTÓRIA QUERO SABER POCKET
CONSTANTINO KOUZMIN-KOROVAEFF (TRADUÇÃO)
ESCALA
(2007)
R$ 8,00



TRÈS SAGE HÉLOISE - ROMAN
JEANNE BOURIN
LA TABLE RONDE
(1966)
R$ 14,90



GUIA PRÁTICO DE INVESTIMENTOS DAS BEARDSTOWN LADIES
BEARDSTOWN LADIES
SALAMANDRA
(1994)
R$ 20,00



MARIA NO NOVO TESTAMENTO
R.E. BROWN, K.P. DONFRIED, J.A. FITZMYER, J. REUMANN (ORG)
EP
(1986)
R$ 79,90
+ frete grátis



ANTOLOGIA POETICA
MANUAL BANDEIRA
NOVA FRONTEIRA
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês