Roland Barthes e o prazer do texto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Comum como uma tela perfeita
>>> Revista Meio Digital
>>> Do jornalismo como performance
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Os prédios mais feios de SP
>>> Fup, de Jim Dodge
>>> Harry Potter e eu
Mais Recentes
>>> Evolução da Vida - Coleção Prisma Vol 1 de Catherine Jarman pela USP
>>> ELEMENTOS DE GENÉTICA de CRODOWALDO PAVAN & A. BRITO DA CUNHA pela COMPANHIA EDITORA NACIONAL (1966)
>>> Box O Essencial da Filosofia Grega c/ 3 livros - Filosofia de Socrates - Platão e Aristoteles pela Hunter (2017)
>>> Cidades de papel de John Green pela Intrínseca (2014)
>>> BIL GRAHAM APRESENTA MINHA VIDA DENTRO E FORA DO ROCK de BILL GRAHAM pela BARRACUDA
>>> 50 ANOS A MIL de LOBÃO pela NOVA FRONTEIRA (2010)
>>> Box O Essencial da Mitologia c/ 3 livros - Historia de Baby Siqueira Abrao pela Hunter (2016)
>>> VIVE TUA VIDA! COMO? de FRANCISCA PEREIRA NOVIS pela AGIR (1976)
>>> A Magia do Poder Extra-Sensorial de Joseph Murphy pela Record
>>> Cálculo e administração de medicamentos na enfermagem de Marcelo Tardelli da Silva e Sandra Regina L.P.T. Silva pela Martinari (2014)
>>> COLEÇÃO TRABALHOS MARAVILHOSOS - VOL 6 de Editora Abril pela Abril (1969)
>>> COLEÇÃO TRABALHOS MARAVILHOSOS - VOL 5 de Editora Abril pela Abril (1969)
>>> COLEÇÃO TRABALHOS MARAVILHOSOS - VOL 4 de Editora Abril pela Abril (1969)
>>> Cake pops receitas e dicas para mais de 40 minidelícias de Bakerella pela Manole (2011)
>>> Mano descobre a Ecologia -Infanto Juvenil de Heloisa Prieto e Gilberto Dimenstein pela Atica (2002)
>>> A Ladeira da Saudade - Infanto Juvenil de Ganymedes Jose pela Moderna (2012)
>>> COLEÇÃO TRABALHOS MARAVILHOSOS - VOL 2 de Editora Abril pela Abril (1969)
>>> COLEÇÃO TRABALHOS MARAVILHOSOS - VOL 1 de Editora Abril pela Abril (1969)
>>> Pizza 50 das melhores receitas de Academia Barilla pela Manole (2014)
>>> Renoir de Pierre Auguste pela Record
>>> PINTANDO FLORES A LA ACUARELA de JOSÉ M. PARRAMÓN pela PARRAMÓN (1992)
>>> Mortos de Fama -Os Cientistas e seus experimentos de arromba - Infanto Juvenil de Dr. Mike Goldsmitc pela Cia das Letras (2014)
>>> Ouro Preto e Mariana de Tarquínio J. B. De Oliveira & Tom Maia & Theresa Regina Maia pela Berlendis & Vertecchia LTDA
>>> Mortos de Fama -Isaac Newton e sua maça - Infanto Juvenil de Kjartan Poskitt pela Cia das Letras (2021)
>>> Michelangelo de Paolo Occhipinti pela Electa
>>> As famosas receitas do Ana Maria brogui de Caio novaes pela Sextante (2014)
>>> Vende-se Uma Familia - Infanto juvenil de Socorro Acioli pela Democrito Rocha (2015)
>>> Mortos de Fama - Leonardo da Vinci e seus supercerebro - Infanto Juvenil de Michel Cox pela Cia das Letras (2011)
>>> COLEÇÃO MÃOS DE OURO - VOL 5 de Editora Abril pela Abril (1968)
>>> Vendo Poesia - Infanto Juvenil de Leo Cunha pela Ftd (2010)
>>> O Cachorinho Samba - Infanto Juvenil de Maria Jose Dupre pela Atica (1982)
>>> COLEÇÃO MÃOS DE OURO - VOL 4 de Editora Abril pela Abril (1968)
>>> COLEÇÃO MÃOS DE OURO - VOL 3 de Editora Abril pela Abril (1968)
>>> Deu a Louca No Guarda Roupa - Infanto Juvenil de Jonas Ribeiro pela Paulinas (2000)
>>> COLEÇÃO MÃOS DE OURO - VOL 1 de Editora Abril pela Abril (1968)
>>> Coleção História Mundial da Arte - Vol 4-Do Barroco ao Romantismo de Upjohn,Mahler,Wingert pela Editora Difel SA
>>> Coleção História Mundial da Arte - Vol 3- O Renascimento de Upjohn,Mahler,Wingert pela Editora Difel SA
>>> Coleção História Mundial da Arte - Vol 1- Da Pré História à Grécia Antiga de Upjohn,Mahler,Wingert pela Editora Difel SA
>>> HISTÓRIA E TÉCNICA DOS TAPETES DE ARRAIOLOS de Fernando Baptista de Oliveira pela Fundação Calouste Goulbenkian (1991)
>>> História da Pintura Moderna de Herbert Read pela Zahar Editores
>>> Amar se Aprende Amando de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1986)
>>> ENCICLOPÉDIA DE AGULHAS E LINHAS - VOL 2 de JUDY BRITTAIN pela Circulo do Livro S A (1979)
>>> Anjos á mesa de Debbie Macomber pela Novo conceito (2013)
>>> DIMENSÕES OCULTAS de DAN DYCKMAN pela ROCCO (1995)
>>> 3º Grau de James Patterson; Andrew Gross pela Rocco (2010)
>>> DESENHO E SUA TÉCNICA de JOÃO MEDEIROS pela PARMA (1980)
>>> DESENHO E ANATOMIA de VICTOR PERARD pela EDIOURO
>>> CULTURA de ALVORADA pela ALVORADA (1979)
>>> CÓMO DIBUJAR EN PERSPECTIVA de JOSÉ M. PARRAMÓN pela PARRAMÓN (1982)
>>> O Menino e o Bruxo - Infanto Juvenil de Moacyr Scliar pela Atica (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 21/8/2012
Roland Barthes e o prazer do texto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 23100 Acessos

"O discurso está cansado, exausto de tanto produzir sentido". Com esse diagnóstico Roland Barthes não pretende instituir um saber, mas um certo jeito de viver o saber: "nenhum poder, um pouco de saber, um pouco de sabedoria, e o maior sabor possível".

Com a proposta de "saber com sabor", Barthes reinvindica, além da liberdade crítica, o prazer. Renunciando a qualquer pretensão de uma leitura sistemática, baseada em verdades linguísticas, históricas ou sociológicas. Barthes produz um texto desejado, sonhado, saboreado, transformado em texto prazeroso e deslumbrante, texto barthesiano.

Sua intensão foi buscar a produtividade do texto. Essa produtividade seria sua capacidade de produzir sentidos múltiplos e renováveis, que mudam de leitura a leitura. Ler não seria, então, aplicar modelos prévios, mas criar formas únicas, que são formas virtuais do texto ativadas pela imaginação do leitor. Ao reagir contra a indiferença da semiologia com relação aos objetos, Barthes reivindica a diferença: "cada texto é único em sua diferença. Cada leitura também é única em sua diferença". O próprio Barthes não desejava que seu trabalho fosse usado como modelo científico suscetível de ser aplicado a outros textos.

No seu livro "O prazer do texto", ele assume o individual contra o universal do modelo estruturalista, do corpo contra o conceito, o prazer contra a seriedade acadêmica, o diletantismo contra o cientificismo. Barthes se desloca a partir de então com um à-vontade despudorado, provocando os que exigem do intelectual uma estabilidade ideológica. Barthes não acredita em nenhuma posição de "verdade"; pelo contrário, achava que qualquer posição que se instala, que toma consistência e se repete, torna-se posição ideológica no mau sentido: uma posição que pode ser facilmente recuperada e utilizada pelo sistema dominante, para que ele mesmo se mantenha imutável.

Mas o livro "O prazer do texto" acabou desagradando a gregos e troianos, ou melhor, a marxistas, que o acusavam de ser um aristocrata, um individualista, um alienado; e a estruturalistas, que o acusavam de abandono do método.

Duas tendências coexistiam em Barthes: uma tendência apolínea (seu lado clássico, metódico, "científico") e uma tendência dionisíaca (seu lado sensual, anárquico). A partir de "O prazer do texto", foi a segunda tendência que prevaleceu: o Barthes do corpo, do gozo sensual dos signos, o Barthes escritor.

Barthes falava da escritura como instigadora da pulsão da curiosidade; e acrescentava freudianamente: "toda curiosidade é de fundo sexual. O que é erótico em um texto não é o tema, é o próprio texto. O texto é uma trança, cada fio, cada código é uma voz, essas vozes trançadas ou trançantes forma a escritura. O texto é em suma um fetiche, reduzi-lo à unidade do sentido, por uma leitura abusivamente unívoca, é cortar a trança, é esboçar o gesto castrador".

Assim Barthes desloca o erótico do tema para o texto, mostrando como o "fraseado" é líquido, lubrificado, "ele conjuga numa mesma plenitude o sentido e o sexo". A escritura é isso: "a ciência dos gozos da linguagem e seu kamasutra (dessa ciência, só há um tratado: a própria escritura)".

O texto não exprime nada, desdobra-se num duplo fetichismo: primeiro, o do sujeito que escreve sob suas eleições (a descrição da suavidade das mãos, o contorno dos lábios, o desenho do nariz, os pés) - tudo que no outro faz disparar o desejo; depois, já longe do quadro, o fetiche volta-se para a própria linguagem. Escreve-se, então, não para ser amado, mas para que as palavras sejam amadas, como fetiche. O texto, então, goza não da apreensão do significado, mas da voluptuosidade do significante.

Na verdade, diz Barthes, o sentido de um texto não pode ser outra coisa senão o plural de seus sistemas, sua transcriptibilidade infinita; um sistema transcreve o outro, mas reciprocamente: face ao texto não há língua crítica "primeira", "natural", "nacional", materna. O texto é, de chofre, ao nascer, multilíngue; não há nem língua de saída, nem língua de entrada, pois o texto tem do dicionário não o poder direcional (fechado), mas a escritura infinita.

Giles Deleuze, no seu livro "Dialogues" parece ter se sintonizado ao pensamento de Barthes, como fica claro na sua sugestão do que seria a leitura hoje: "As boas maneiras de ler um texto, é chegar a tratar um livro como se escuta um disco, como se olha um filme... como se é tocado por uma canção: todo tratamento do livro que exigisse um respeito especial, uma atenção de outra espécie, vem de outra época e condena definitivamente o livro. Não há nenhuma questão de dificuldade nem de compreensão: os conceitos são exatamente como sons, cores ou imagens, são intensidades que convêm a você ou não... não há nada a compreender, nada a interpretar."

O poeta inglês Dylan Thomas também sintetiza bem o que seria o pensamento barthesiano ao responder à pergunta: O que é poesia? "Que importa o significado da poesia? Se lhe pedirem uma definição digam: poesia é o que me faz rir ou chorar, que me faz vibrar, o que me faz desejar isso ou aquilo ou nada. O que interessa na poesia é o movimento eterno que está atrás dela, a vasta corrente subterrânea de dor, de loucura ou exaltação, por modesta que seja a intenção do poema".

No fim da vida, em sua "Aula", no Collège de France, a relação entre a língua e o poder se tornará uma assertiva radical. Para Barthes toda língua é uma classificação, a língua é fascista, pois obriga a dizer. Aqui se encontra a radicalização da idéia de discurso e poder de Foucault. Mas como sair da engrenagem fascista da língua? Para Barthes, só a literatura como "revolução permanente da linguagem" pode alterar essa situação.

Segundo Antoine Campagnon, no seu livro Os antimodernos, a questão que Barthes se coloca é: como neutralizar o poder da língua refazendo dela um objeto amado? Diferente do procedimento da vanguarda (surrealismo, principalmente) que incitava o ódio pela linguagem, em "O Neutro" Barthes propõe não a revolução, não a violência, mas a carícia. Ele diz: "Não desinfetar a língua, mas saboreá-la, roçá-la lentamente, ou até mesmo esfregá-la, mas não purificá-la". A língua como "écriture", lugar onde o homem pode exercer livremente sua sensualidade. Em seu Fragmentos de um discurso amoroso ele anota, finalmente: "A linguagem é uma pele: esfrego minha linguagem no outro. É como se eu tivesse palavras ao invés de dedos, ou dedos na ponta das palavras".

Para ir além



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/8/2012


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO - VOLUME DOIS O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS
DOUGLAS ADAMS
ARQUEIRO
(2004)
R$ 10,00



CAETANO VELOSO
MABEL VELLOSO
MODERNA
(2002)
R$ 10,00



O QUE E HOMEOPATIA
FLAVIO DANTAS
BRASILIENSE
(1989)
R$ 10,00



LAGOA SANTA, VIDAS E OSSADAS - 9200
HENRIK STANGERUP
NÓRDICA
(1983)
R$ 10,00



O DIA DO CHACAL
FREDERICK FORSYTH
ABRIL
R$ 10,00



A GOVERNANTA DE PORCELANA
MARGERY ALLINGHAM
FRANCISCO ALVES
(1977)
R$ 10,00



O GALINHO QUIRIQUIQUI
EUNICE SAES M. VALVERDE
VICENTINO DE EDUCAÇÃO
R$ 10,00



ABRINDO O JOGO COM O ADOLESCENTE
JAMIEL DE OLIVEIRA LOPES
CANDEIA
(1997)
R$ 10,00



QUERIDO DIÁRIO OTÁRIO: NÃO É MINHA CULPA SE EU SEI DE TUDO
JIM BENTON
FUNDAMENTO EDUCACIONAL
(2009)
R$ 10,00



CURSO DE DIREITO PREVIDENCIARIO
SEBASTIAO FAUSTINO DE PAULA
VESTCON
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês