A interpretação dos chatos | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Songbook Chão da Gente tem lançamento grátis nas plataformas de digitais dia 24 de abril
>>> Heinz e Z Deli abrem conversa no Clubhouse sobre tradição e inovação
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> Alimentaçao Saudavel - Dicas e Receitas de Helena Tonetto; Angela Tonetto pela L&Pm Editores (2003)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Paulo de Azevedo Ltda (1968)
>>> Edições de Planeta - Jung de Varios Autores pela Tres
>>> Viagens e Outros Poemas de Zirlano Teixeira pela Bagaço (2003)
>>> A Revolução Industrial de Leticia Bicalho Canedo pela Atual (1987)
>>> Inteligencia Competitiva de Gomes Elisabeth^Braga Fabiane pela Campus (2002)
>>> Revista do Instituto Historico e Geografico da Vitoria de Sto Antão de Varios Autores pela Instituto Historico de Vitoria (2000)
>>> Temas Tomistas Em Debate de Elcias Ferreira da Costa Org pela Circulo Catolico (2003)
>>> A Separação Passo a Passo- Antes Durante e Depois de Paulo Dantas Saldanha pela Raiz (1999)
>>> Liderando Mudanças de Kotte pela Campus (1999)
>>> Liderando Mudanças de Kotte pela Campus (1999)
>>> O Amante de Lady Chatterley de D H Laurence pela 1972 (1972)
>>> O Gitanja Li e Rubaiyat de Rabindranath Tagore e Omar Khayyam pela Jose Olimpio E (1938)
>>> Instituto de Pesquisas Filosoficas Santo Antonio de Aquino de Elcias Ferreira Costa pela Instituto de Pesquisas (2001)
>>> Gramática - Teoria e exercícios de Paschoalin e Spadato pela FTD (1996)
>>> 365 Belas Historias para Sonhar de D ánne Murat pela Blu (2014)
>>> Terra Pauxi de Francisco Manoel Brandão pela Do Autor (1955)
>>> Terra Pauxi de Francisco Manoel Brandão pela Do Autor (1955)
>>> Dragões de Eter Vol.1 - Caçadores de Bruxas de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Agatha Christie - o Incidente da Bola de Cachorro de John Curran pela Leya (2010)
>>> Esposa de Mentira de Ruby M Ayres pela José Olympio (1946)
>>> O Circo e o Sonho de O Circo e o Sonho pela Lidador (1965)
>>> Lucro A Partir Do Core Business de Chris Zook pela Elsevier (2010)
>>> A Casuarina de W Somerset Maugham pela Globo (1951)
>>> Liderando Mudança de John P. Kotter pela Campus (1997)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/3/2010
A interpretação dos chatos
Daniel Bushatsky

+ de 5600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em dezembro passado escrevi um artigo com o sugestivo título de "Choro da verdade". Ele, basicamente, fazia uma relação despretensiosa, em meros 14 parágrafos, não muito longos, sobre os patentes problemas de infraestrutura do Brasil e o choro do presidente Lula ao saber da vitória brasileira para ser sede das Olimpíadas. Tentei, mas não sei se consegui ― alguns leitores disseram que sim ―, passar a ideia de que o comportamento do presidente e sua equipe geravam uma onda de ufanismo e escondiam os vários problemas de infraestrutura do país através de notícias tendenciosas e manipuladas.

Após cadastrar no Digestivo o artigo, enviei-o para vários amigos e um, em especial, me disse que "não obstante não saber qual é seu público alvo ou seu objetivo com esse artigo, achei-o insatisfatório e pouco profundo".

Não me dei ao trabalho de responder. Qualquer pessoa que se expõe, seja escrevendo, dando palestras ou aulas está sujeita a receber críticas positivas e negativas. Espera-se que as positivas massageiem o ego e que as negativas sejam construtivas.

Essa crítica não era para ser construtiva porque quem não entende qual é o público alvo de um artigo, bem como não identifica seus objetivos, deve voltar a assistir às aulas de interpretação de texto na escola. Foi uma crítica chata, sem objetivos, que simplesmente me fez pensar: "o que eu fiz para ele?".

Mas, como acabei levando na esportiva, essa crítica acabou sendo construtiva porque fui estudar a interpretação de texto e me fez refletir o que faz uma pessoa chata e o que a difere da legal. Em uma rápida busca na internet, em um site de nome Guia de Mulher, achei a definição de interpretar: "o ato de interpretar tem primeiro e principal objetivo a identificação da ideia principal". Meu amigo não conseguiu.

Outras dicas são tiradas de manuais de interpretação: ler atentamente o texto, só responder perguntas após a segunda leitura, identificar as formas de discurso, o tipo de texto etc. Fácil perceber que meu crítico não seguiu nenhuma das técnicas acima. Pelo contrário, mandou dois e-mails me criticando negativamente, não sugeriu algo construtivo e no primeiro deles confessou que só havia lido por cima e que iria reler depois.

Também, era de se esperar: segundo reportagem da Folha de São Paulo, de 27 de fevereiro de 2010, os alunos de escolas públicas do terceiro colegial têm nível de oitava série.

Mas não sou só eu quem sofre com os comentários impensados de leitores. Certa vez li um belo artigo, descrevendo o ato de vender livros e como é difícil atender os clientes "cricas", que não só não vão comprar nada, como ainda ficam reclamando da loja, do produto, do vendedor ― como se eles estivessem obrigados a estar lá e como se não vivêssemos em um país com inúmeras opções de escolha.

Um leitor, indignado com a descrição, rebelou-se e enviou seguidos comentários ao autor do artigo, doutrinando-o sobre o direito do consumidor e o cartel dos livros. O autor deu-se ao trabalho de explicar que o artigo não tinha como objetivo (como se não fosse óbvio) tratar de tais assuntos. Simplesmente estava falando sobre os chatos do nosso dia a dia e, no máximo, da arte de vender.

Novamente estávamos à frente de um leitor que não conhece as regras de interpretação de texto ou estava simplesmente querendo aborrecer.

Como concordo com Stéphane Mallarmé, poeta francês, quando diz que "definir é matar; sugerir é criar", não vou estereotipar o chato. Isto é pessoal. Quem é entediante para mim, pode não ser para você.

Somente para me inspirar, fui buscar a definição do Aurélio, que define o chato como aquele que é maçante. Maçante, por sua vez, o que aborrece e entedia.

Porém, as pessoas que não criticam construtivamente e simplesmente buscam criar uma atmosfera negativa quanto a determinado assunto, poderiam repensar suas posturas, até para não passarem por incultas.

Observar a realidade e fazer comentários pertinentes ao tema são atributos cobrados desde o colégio e não o fazer gera tortuoso caminho para a construção de conversas, das mais fáceis às mais complexas.

É como discutir futebol, sem usar as palavras certas, referências adequadas e entender o modus operandi da discussão. Só o chato discutiria futebol usando expressões jurídicas.

Há vários tipos de chato: há o certinho, o pontual, o que fala tudo muito baixinho e ninguém consegue entender (estes são os que eu mais odeio), o que reclama de tudo ― mas todos são chatos porque deixam a atmosfera ruim. Eles só fazem isso porque têm uma má interpretação da realidade, não conseguindo seguir o padrão da sociedade ou tentando se diferenciar com qualidades não reconhecidas ou aceitas. Esta é a minha sugestão, e não uma definição de quem é chato.

Meu amigo é o chato "crica". Tudo sempre podia estar melhor, mais bem feito, mais bonito etc. Perguntem se ele trabalha, escreve ou produz qualquer tipo de coisa. Não! Seu trabalho é falar que os outros não fizeram tão bem feito.

A verdade é que os chatos se parecem com um tablóide inglês. Chamam a atenção de forma bizarra e só conseguem ser populares pelo tempo de uma manchete!

Assim, se você tiver um amigo chato, relaxe. Identifique em qual tipo de chato ele se encaixa e faça como eu: não envie mais artigos para ele e fale, educadamente, que mesmo interpretar sendo uma arte, ter faltado a aula de português fez uma grande falta na formação dele.

Ele não vai entender nada e vai te achar um chato, mas você fez seu papel de amigo!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 1/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura em transe de Marta Barcellos
02. Uma lição de solfejo de Carina Destempero
03. Uma lição de solfejo de Carina Destempero
04. Guerras sujas: a democracia nos EUA e o terrorismo de Humberto Pereira da Silva
05. Era uma vez de Carina Destempero


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2010
01. Big Brother da Palmada - 9/8/2010
02. Simplicidade ou você quer dormir brigado? - 31/5/2010
03. Agonia - 18/10/2010
04. A interpretação dos chatos - 1/3/2010
05. Simplesmente tive sorte - 8/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/3/2010
17h19min
Difícil criticar um texto em que se critica a crítica, mas vou tentar ser construtivo. O que seu amigo me parece ter dito, pelo que você citou, não é que ele não entendeu a ideia do texto, mas a quem você dirigia e quais resultados esperava ter. São coisas diferentes. Você pode precisar dar ou não determinado tipo de informação ou se esforçar ou não para convencer sobre determinadas coisas, dependendo de para quem escreve - mesmo que esteja passando a mesma ideia. Você, neste artigo, tem uma ideia de público: é o cara que tem a perfeita apreensão, tem na ponta da língua as regras de interpretação que você precisou consultar manuais para lembrar. Mas são todos assim? A crítica dele era construtiva nesse ponto: "não sei se sua mensagem convence alguém, mas a mim, não". Também penso que você criticá-lo porque ele não produz é uma falácia. Que importa se não produz? Principalmente quando se fala de texto, ele tem a capacidade de raciocínio e de saber se a mensagem chega a ele ou não.
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Insurreição da Anl Em 1935: o Relatório Bellens Porto
Marly a G Vianna (apresentação e Organização)
Revan
(2015)



Os Grandes Líderes - Kadafi
Nova Cultural
Nova Cultural
(1988)



The Partners Book 17
Scopen
Scopen
(2017)



Legalidade e Regulação
Clarissa Sampaio Silva
Fórum
(2005)



A História de Rasselas, Príncipe da Abissínia
Samuel Johnson
é Realizações
(2019)



Saúde da Mente, Saúde do Espírito
Gerald G. May
Paulinas
(1985)



El Hatha Yoga y La Ciencia Moderna
José Alvarez López
Editorial Kier (buenos Aires)
(1959)



Guia do Pão-duro - Feche o Bolso e Abra Sorrisos
Gustavo Nagih
Matrix
(2004)



Cidadão Cannes - o Homem por Trás do Festival
Giles Jacob
Companhia das Letras
(2010)



A Conquista do México
Mustafa Yazbek
Ática
(1988)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês