A interpretação dos chatos | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/3/2010
A interpretação dos chatos
Daniel Bushatsky

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em dezembro passado escrevi um artigo com o sugestivo título de "Choro da verdade". Ele, basicamente, fazia uma relação despretensiosa, em meros 14 parágrafos, não muito longos, sobre os patentes problemas de infraestrutura do Brasil e o choro do presidente Lula ao saber da vitória brasileira para ser sede das Olimpíadas. Tentei, mas não sei se consegui ― alguns leitores disseram que sim ―, passar a ideia de que o comportamento do presidente e sua equipe geravam uma onda de ufanismo e escondiam os vários problemas de infraestrutura do país através de notícias tendenciosas e manipuladas.

Após cadastrar no Digestivo o artigo, enviei-o para vários amigos e um, em especial, me disse que "não obstante não saber qual é seu público alvo ou seu objetivo com esse artigo, achei-o insatisfatório e pouco profundo".

Não me dei ao trabalho de responder. Qualquer pessoa que se expõe, seja escrevendo, dando palestras ou aulas está sujeita a receber críticas positivas e negativas. Espera-se que as positivas massageiem o ego e que as negativas sejam construtivas.

Essa crítica não era para ser construtiva porque quem não entende qual é o público alvo de um artigo, bem como não identifica seus objetivos, deve voltar a assistir às aulas de interpretação de texto na escola. Foi uma crítica chata, sem objetivos, que simplesmente me fez pensar: "o que eu fiz para ele?".

Mas, como acabei levando na esportiva, essa crítica acabou sendo construtiva porque fui estudar a interpretação de texto e me fez refletir o que faz uma pessoa chata e o que a difere da legal. Em uma rápida busca na internet, em um site de nome Guia de Mulher, achei a definição de interpretar: "o ato de interpretar tem primeiro e principal objetivo a identificação da ideia principal". Meu amigo não conseguiu.

Outras dicas são tiradas de manuais de interpretação: ler atentamente o texto, só responder perguntas após a segunda leitura, identificar as formas de discurso, o tipo de texto etc. Fácil perceber que meu crítico não seguiu nenhuma das técnicas acima. Pelo contrário, mandou dois e-mails me criticando negativamente, não sugeriu algo construtivo e no primeiro deles confessou que só havia lido por cima e que iria reler depois.

Também, era de se esperar: segundo reportagem da Folha de São Paulo, de 27 de fevereiro de 2010, os alunos de escolas públicas do terceiro colegial têm nível de oitava série.

Mas não sou só eu quem sofre com os comentários impensados de leitores. Certa vez li um belo artigo, descrevendo o ato de vender livros e como é difícil atender os clientes "cricas", que não só não vão comprar nada, como ainda ficam reclamando da loja, do produto, do vendedor ― como se eles estivessem obrigados a estar lá e como se não vivêssemos em um país com inúmeras opções de escolha.

Um leitor, indignado com a descrição, rebelou-se e enviou seguidos comentários ao autor do artigo, doutrinando-o sobre o direito do consumidor e o cartel dos livros. O autor deu-se ao trabalho de explicar que o artigo não tinha como objetivo (como se não fosse óbvio) tratar de tais assuntos. Simplesmente estava falando sobre os chatos do nosso dia a dia e, no máximo, da arte de vender.

Novamente estávamos à frente de um leitor que não conhece as regras de interpretação de texto ou estava simplesmente querendo aborrecer.

Como concordo com Stéphane Mallarmé, poeta francês, quando diz que "definir é matar; sugerir é criar", não vou estereotipar o chato. Isto é pessoal. Quem é entediante para mim, pode não ser para você.

Somente para me inspirar, fui buscar a definição do Aurélio, que define o chato como aquele que é maçante. Maçante, por sua vez, o que aborrece e entedia.

Porém, as pessoas que não criticam construtivamente e simplesmente buscam criar uma atmosfera negativa quanto a determinado assunto, poderiam repensar suas posturas, até para não passarem por incultas.

Observar a realidade e fazer comentários pertinentes ao tema são atributos cobrados desde o colégio e não o fazer gera tortuoso caminho para a construção de conversas, das mais fáceis às mais complexas.

É como discutir futebol, sem usar as palavras certas, referências adequadas e entender o modus operandi da discussão. Só o chato discutiria futebol usando expressões jurídicas.

Há vários tipos de chato: há o certinho, o pontual, o que fala tudo muito baixinho e ninguém consegue entender (estes são os que eu mais odeio), o que reclama de tudo ― mas todos são chatos porque deixam a atmosfera ruim. Eles só fazem isso porque têm uma má interpretação da realidade, não conseguindo seguir o padrão da sociedade ou tentando se diferenciar com qualidades não reconhecidas ou aceitas. Esta é a minha sugestão, e não uma definição de quem é chato.

Meu amigo é o chato "crica". Tudo sempre podia estar melhor, mais bem feito, mais bonito etc. Perguntem se ele trabalha, escreve ou produz qualquer tipo de coisa. Não! Seu trabalho é falar que os outros não fizeram tão bem feito.

A verdade é que os chatos se parecem com um tablóide inglês. Chamam a atenção de forma bizarra e só conseguem ser populares pelo tempo de uma manchete!

Assim, se você tiver um amigo chato, relaxe. Identifique em qual tipo de chato ele se encaixa e faça como eu: não envie mais artigos para ele e fale, educadamente, que mesmo interpretar sendo uma arte, ter faltado a aula de português fez uma grande falta na formação dele.

Ele não vai entender nada e vai te achar um chato, mas você fez seu papel de amigo!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 1/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma lição de solfejo de Carina Destempero
02. Perdidos em Perdizes de Elisa Andrade Buzzo
03. Alguns momentos com Daniel Piza de Eduardo Carvalho


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2010
01. Big Brother da Palmada - 9/8/2010
02. Simplicidade ou você quer dormir brigado? - 31/5/2010
03. A interpretação dos chatos - 1/3/2010
04. Simplesmente tive sorte - 8/2/2010
05. Dilma e o Big Mac - 1/11/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/3/2010
17h19min
Difícil criticar um texto em que se critica a crítica, mas vou tentar ser construtivo. O que seu amigo me parece ter dito, pelo que você citou, não é que ele não entendeu a ideia do texto, mas a quem você dirigia e quais resultados esperava ter. São coisas diferentes. Você pode precisar dar ou não determinado tipo de informação ou se esforçar ou não para convencer sobre determinadas coisas, dependendo de para quem escreve - mesmo que esteja passando a mesma ideia. Você, neste artigo, tem uma ideia de público: é o cara que tem a perfeita apreensão, tem na ponta da língua as regras de interpretação que você precisou consultar manuais para lembrar. Mas são todos assim? A crítica dele era construtiva nesse ponto: "não sei se sua mensagem convence alguém, mas a mim, não". Também penso que você criticá-lo porque ele não produz é uma falácia. Que importa se não produz? Principalmente quando se fala de texto, ele tem a capacidade de raciocínio e de saber se a mensagem chega a ele ou não.
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MOLEQUES DE RUA AS AVENTURAS DE JOÃO PÃO, UM MENOR ABANDONADO
ROBERTO FREIRE
MODERNA
(1997)
R$ 6,00



OS GRANDES PROFETAS
NOVA CULTURAL
NOVA CULTURAL
(1985)
R$ 16,00



NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS E A GLOBALIZAÇÃO
CELSO CLAUDIO DE HILDEBRAND E GRISI
LTR
(1999)
R$ 28,00



LADYBUG - CORES DA AVENTURA
CIRANDA CULTURAL
CIRANDA CULTURAL
(2016)
R$ 8,90



OAB: DIREITO EMPRESARIAL
ANDRÉ LUIZ SANTA CRUZ RAMOS
ED. JUSPODIVM
(2012)
R$ 29,91



ENQUANTO O DIABO COCHILA
DELCIO MONTEIRO DE LIMA
LIVRARIA FRANCISCO ALVES
(1990)
R$ 7,00



PORTUGUÊS 2 TODA A LISBOA E ARREDORES 153 FOTOGRAFIAS A CORES
XAVIER COSTA CLAVELL
ESCUDO DE ORO
(1986)
R$ 35,00



BRASIL: EM COMPASSO DE ESPERA - PEQUENOS ESCRITOS POLÍTICOS
FLORESTAN FERNANDES
UFRJ
(2011)
R$ 44,00



UMA EDUCAÇÃO PARA A LIBERDADE - TEXTOS MARGINAIS
PAULO FREIRE
FIRMEZA
(1974)
R$ 51,85



I HAVE LANDED
STEPHEN JAY GOULD
HARVARD UNIVERSITY PRESS
(2011)
R$ 160,00





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês