Simplicidade ou você quer dormir brigado? | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre um Papo recebe lançamento de Lívia Sant’Anna Vaz
>>> ANUAL DE ARTE FAAP ABRE AO PÚBLICO NO DIA 30 DE NOVEMBRO
>>> JOSYARA FAZ SHOW NO SESC BELENZINHO
>>> Revista Úrsula na Copa
>>> Mostra Contemporânea de Natal - Vai na Fé - no Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Duetos com Renato Russo
>>> Eureca!
>>> A secretária de Borges
>>> Saint-John Perse: o oxigênio da profundeza
>>> Ela tem um blog?
>>> 8 de Abril #digestivo10anos
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Querem proibir as palavras
>>> WikiLeaks, uma arma contra o abuso de poder
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
Mais Recentes
>>> Matematica Financeira de Augusto c. morgado benjamin cesar pela Elsevier (2006)
>>> Escolas da Floresta: Entre o Passado Oral e o Presente Letrado de Nietta Lindenberg Monte pela Multiletra (1996)
>>> Samurai Saburo Sakai de Martin caidin e fred saito pela C & R Editorial (2014)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> Estatistica basica de Wilton de o. bussab pedro a. morettin pela Saraiva (2010)
>>> Ecg Essencial - Eletrocardiograma na Prática Diária de Malcolm S. Thaler pela Artmed (2008)
>>> O vampiro que descobriu o brasil de Ivan jef pela Atica (2019)
>>> Pilates para Você um Guia Completo para Pratica de Pilates Em Casa de Ann Crowther e Helena Petre pela Madras (2010)
>>> Òrun Àiyé: o Encontro de Dois Mundos de Jose beniste pela Bertrand Brasil (2013)
>>> Ecos do Cinema de Lumière ao Digital de Ivana bentes pela Ufrj (2007)
>>> A Doença Como Caminho de Thorwald dethlefsen rudiger dahlke pela Cultrix (2007)
>>> Redes de Computadores Guia Total de Lindeberg barros de sousa pela Érica (2009)
>>> O Efeito Nocebo de Roger de lafforest pela Siciliano (1991)
>>> O Poder da Ação de Paulo vieira, phd pela Gente (2015)
>>> Como Se Iniciar na Bruxaria de Hans holzer pela Record (1980)
>>> Mulheres que correm com os lobos de Clarissa pinkola estes pela Rocco (1994)
>>> Linguagem de corpo de Cristina cairo pela Mercuryo (2009)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> A Arte de Escutar de Carla faour pela Agir (2009)
>>> Gabo Periodista de Héctor Feliciano pela Fnpi (2014)
>>> Treinamento Desportivo, Carga, Estrutura e Planejamento de Prof. Dr. Armando Forteza de La Rosa pela Phorte (2008)
>>> Teorias da Arte de Anne Cauquelin pela Martins Fontes (2005)
COLUNAS

Segunda-feira, 31/5/2010
Simplicidade ou você quer dormir brigado?
Daniel Bushatsky

+ de 6800 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Há uma falsidade no ar! Estão me enganando. Sorriem para mim (ora, mas eu nem o conheço). Estou um pouco abalado, apreensivo, talvez. Com certeza, uma depressãozinha, aquela sadia, que todos devem ter um dia.

Está frio! Isso piora a sensação. Devemos ser felizes? Devemos nos dar bem com todos? Vejo pessoas na rua desagasalhadas. Se eu fosse realmente bom, tiraria o meu melhor casaco e daria para ela?

Meus pensamentos começaram no teatro. A peça A grande volta, com Fúlvio Stefanini e Rodrigo Lombardi, discute a relação de um pai, ator malsucedido, com o filho, publicitário, recém-demitido ― logo eles, que vendem a felicidade. Nunca haviam se falado de verdade. Tido intimidade! Lá às tantas, Fúlvio diz que não precisa sempre falar coisas inteligentes ao comentar como a lua estava bonita.

Fiquei pensando se isso não era a causa da minha tristeza. Cansei de sempre termos que falar coisas bonitas, complexas, profundas. É tão gostoso sentir o cheiro da manhã, tomar um café à tardezinha, ler o jornal despretensiosamente, admitir que gosta de Zorra Total (tá bom, exagerei).

A sociedade parece sempre estar fingindo. Devemos ter os sentimentos certos, o gosto correto, a roupa adequada. Quantas obrigações. Haja sofisticação...

Como estou cansado de fingir, o bonito é aquele casal de velhinhos conversando em uma praça, de mãos dadas. Quantos conseguem atingir isso? Poucos: as estatísticas demonstram que a maioria dos casais se separa antes dos três anos de casamento.

Por que isso acontece? Provavelmente porque estamos em uma era de individualismo. Não se divide mais nada. O que é meu é meu! Não dou ou empresto. Todos querem muito. Como um casamento, que prega justamente o contrário, pode continuar e prosperar?

Talvez seja a sociedade: competitiva e predatória. Talvez, e pior, porque impossível mudar, seja a natureza humana. Nos unimos para vencermos, mas e quando vencemos sem nos unirmos? Separamos!

Falando em casamento, fui há um muito bonito no sábado passado. O pai do noivo era também o pastor. Na prédica, a simplicidade. Nada de discutir política mundial, macroeconomia ou tentar fazer os ouvintes terem uma epifania.

Pelo contrário: ele ensinou aos noivos o básico, mas algo que todos esquecem ou querem esquecer com o passar do tempo. Para o noivo, disse que toda a mulher gosta de pequenas surpresas, um chocolate, uma rosa, uma valsa e até mesmo, pasmem, um pequeno elogio. Um reconhecimento. Lembrou-o, também, que mulheres, em geral, são mais emotivas e gostam de ver as estrelas, a lua e o céu.

Para a noiva, disse que todo homem é mais prático. Não tem o sexto sentido. Porém gostam de uma comida caseira feita especialmente para ele, de ver a esposa bonita e bem arrumada, fidelidade e, também, pasmem, um pequeno elogio. Um reconhecimento.

Para os dois, advertiu: nunca durmam brigados. É a pior atitude que vocês podem ter.

Fiquei emocionado. Um discurso despretensioso, mas profundo, que todos comentaram durante e após a festa. Alguns tirando sarro da esposa, pela falta da comida gostosa, mas todos sabiam o principal daquela mensagem: a paz.

Se não a paz mundial, pelo menos a paz familiar. Os ensinamentos do pai-pastor fizeram com que todos refletissem se o que perseguimos é real. O que é a felicidade? Como você define a felicidade?

Os filmes nos mostram uma utópica. Os romances, idem. Eu sonho com um dia na praia, coqueiros, céu azul, sem nuvens de preferência, com uma linda mulher e uvas sendo colocadas na minha boca. Acho difícil que aconteça, mas quem sabe.

Tudo é tão pretensioso. Tudo deve ser tão sofisticado. Nunca estamos satisfeitos com o que temos. Aposto que se eu estivesse na praia, com os coqueiros, um lindo dia e uma linda mulher, ainda me faltaria a sombra.

Por isso gostei da prédica. Nada de dinheiro, casas, carros e viagens. Muito menos aqueles discursos bíblicos ininteligíveis. Falava sobre a simplicidade. Como podemos agradar um ao outro sem prepotência e fingimento.

Na peça, pai e filho se aproximam após uma boa e sincera conversa. Simples, não?

Mas não é só. Minha única mudança no discurso seria acrescentar que podemos fazer o mesmo com nossos filhos, irmão, amigos e colegas de trabalho. Podemos ser mais sinceros. Falar a verdade.

Temos tantos problemas inventados pela sociedade, que merecemos descomplicar o complicado. Bucólico? Não! Simplesmente mais tranquilo e menos pretensioso. Não precisamos voltar à vida campestre, mas chega de perseguirmos o inatingível ― antes que me critiquem, não estou coibindo o sonho, só chega da palavra "falta". Sonhem com algo possível, menos material, mais espiritual.

Ou você quer dormir brigado?


Daniel Bushatsky
São Paulo, 31/5/2010


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2010
01. Agonia - 18/10/2010
02. Big Brother da Palmada - 9/8/2010
03. Simplicidade ou você quer dormir brigado? - 31/5/2010
04. A interpretação dos chatos - 1/3/2010
05. Dilma e o Big Mac - 1/11/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/5/2010
18h10min
Concordo em número, gênero e grau. A conversa, o diálogo, serve para qualquer relação humana. Qualquer. E é imprescidível para o bom andamento das coisas.
[Leia outros Comentários de Hellen ]
26/5/2010
19h33min
A pior coisa do mundo é você conviver com alguém quardando uma mágoa desta pessoa. É essencial que exista diálogo entre as pessoas, principalmente com as que moram conosco; o esposo ou a esposa, principalmente. Nós nos sentimos muito melhores sabendo que estamos bem com todos ao nosso redor - e eles também.
[Leia outros Comentários de Maíra Barbosa]
7/6/2010
15h05min
simplesmente sofisticado Assim mesmo sem vírgula nem ponto e nem mesmo caixa alta. Essência, pura e simples. Infeliz daquele que, diante desse texto, diante das pessoas que praticam o que o texto simplesmente retrata, não for cordato. Temos aqueles que por falta de atitude, postura, caráter ou dignidade trocam o diálogo por silêncio calunioso, não querem se comprometer com o entendimento do mais simples, pois lhes exigirá o rogo da prática. Obrigado por seu texto, querido escritor.
[Leia outros Comentários de Fredh Hoss]
14/6/2010
17h12min
Um texto complicado para falar da simplicidade. Lembrou-me o "samba do crioulo doido". Mas não vamos dormir brigados: conversemos!
[Leia outros Comentários de José Frid]
18/6/2010
18h54min
Daniel, gratidão por esse texto. Me descomplicou, me aliviou. Que bom que profissionais da mídia tenham essa visão mais espiritual, mais equânime, menos inatingível! Esse lugar não existe, é um grande clichê que liga o nada a lugar nenhum. Que bom que há luz e discernimento na caverna de Platão.
[Leia outros Comentários de Paula Ribas]
16/10/2013
07h04min
Adorei o texto, professor. Sua coluna ganhou uma fã.
[Leia outros Comentários de Mariana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




6ª Bienal de Design Gráfico
Varios
Sesc
(2002)



Bela Distração (vol. 1 Irmãos Maddox)
Jamie Mc Guire
Verus
(2016)



A Academia de Leonardo - Lições Sobre Ética
Fabio Benites . Bruno Perrone, Mizael Silva
Ciência Moderna
(2012)



A Ciência Médica de House
Andrew Holtz
Best Seller
(2007)



Snoopy 6 - Como Você é Azarado, Charlie Brown! - Livro de Bolso
Charles M. Schulz
L&pm Pocket
(2011)



Livro - As Três Irmãs Contos
Tchekhov
Abril Cultural
(1979)



Plano de Ataque - A História dos vôos de 11 de setembro
Ivan Sant`anna
Objetiva
(2006)



A Descoberta do Amor
Helena Maurício Craveiro Carvalho
petit
(1996)



Natal de Sabina (pelo Espírito de Francisca Clotilde)
Francisco Cândido Xavier
Gemm
(1973)



Terapia de Vidas Passadas
Célia Resende
Nova Era
(1999)





busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês