Ferreira Gullar ou João Goulart? | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Toca Raul!
>>> Seu Mauro
>>> Mamãe
>>> O underground e o Estado
>>> Relativismos literários
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> A morte do Jornal do Brasil
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Sobre os enganos do mundo, de Sêneca
>>> Entrevista com Harry Crowl
Mais Recentes
>>> Bitcoin - A Moeda Na Era Digital de Fernando Ulrich pela Mises Brasil (2014)
>>> Manifesto do Nada na Terra do Nunca de Lobão pela Nova Fronteira (2013)
>>> Homem-Aranha 2 - Adaptação oficial do filme em quadrinhos de Roberto Aguirre-Sacasa (roteiro) e Staz Johnson, Pat Olliffe e Ron Lim (desenhos) pela Panini Comics (2004)
>>> Wolverine e Cable: Coragem e Glória de Joe Casey pela Abril (2000)
>>> Guy Gardner, o Pacificador de Howard Chaykin (texto e arte) e Michelle Madsen (cores) pela Panini Comics (2007)
>>> Especial Thor, o Senhor de Asgard - Deuses e Homens de Dan Jurgens (roteiro) e Scot Eaton (desenhos) pela Panini Comics (2005)
>>> Amy winehouse: biografia - amy whinehouse: the biografia de Chas Newkwy- Burden pela Globo (2008)
>>> Lanterna Verde versus Aliens de Ron Marz (argumentos), Rick Leonardi (desenhos) e Mike Perkins (arte-final) pela Abril (2001)
>>> A fantastica historia de silvio santos de Arlindo Silva pela Do brasil (2000)
>>> Educação - Agentes Formais e Informais de Maria Christina Siqueira de Souza Campos pela E.p.u. (1985)
>>> O Militar e o Diplomata - Coleção General Benício de Delano Teixeira Menezes pela Biblioteca do Exército (1997)
>>> Celestial - o Paraíso na Terra Não Poderia Durar para Sempre de Jennifer Laurens pela Novo Século (2012)
>>> Vidas Partidas de William C. Gordon pela Record (2013)
>>> As Obras-primas da Música de Jean Jacques Soleil - Guy Lelong pela Martins Fontes (1992)
>>> Box Harry Potter 20 Anos - Edição Comemorativa de J. K. Rowling pela Rocco (2020)
>>> O Sertão Vai Virar Mar de Moacyr Scliar pela Ática (2003)
>>> Sia Nefer Sacerdote do Templo de Mênfis de Christian Larré pela Biblioteca Rosacruz (2007)
>>> Chobits 12 de Clamp pela Jbc (2003)
>>> Chobits 11 de Clamp pela Jbc (2003)
>>> Encantamento do Sonho - a Viagem da Nave do Tempo de José Argüelles e Lloydine Argüelles pela Intergaláctica (1998)
>>> Chobits Especial - Vol. 10 de Clamp pela Jbc (2003)
>>> Chobits - Vol. 9 de Clamp pela Jbc (2003)
>>> Chobits Especial - Vol. 8 de Clamp pela Jbc (2003)
>>> O Efeito Urano de Fernanda Young pela Rocco (2011)
>>> Chobits Especial - Vol. 7 de Clamp pela Jbc (2003)
COLUNAS

Terça-feira, 7/12/2010
Ferreira Gullar ou João Goulart?
Wellington Machado

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em recente crônica na Folha de São Paulo [conteúdo restrito para assinantes], o poeta Ferreira Gullar faz um interessante relato de um passeio dominical que fez pelo calçadão de Copacabana. Enquanto andava, o poeta foi vítima do acaso, quando foi abordado por uma turma de jovens (ele não cita a idade deles). O cerne do artigo é a importância do acaso em nossas vidas. Tivesse ele se atrasado por algum motivo mínimo, como voltar para apanhar um guarda-chuva, pegar uns trocados ou conferir o gás, certamente teria se encontrado com pessoas bem diferentes das que encontrou. Mas, ao se deparar com os jovens, Ferreira Gullar vivenciou uma inusitada e hilária confusão com o seu nome. O primeiro deles confundiu-o com ator Paulo Goulart. Persistindo a dúvida, os outros passaram a fazer suas tentativas: um deles confundiu o poeta com o João Goulart; um outro chamou-o de Goulart de Andrade.

O episódio um tanto engraçado nos leva a refletir acerca de algumas questões. A confusão nos faz pensar sobre as transformações contemporâneas. E abordar o nosso tempo é inevitavelmente pensar sobre o vertiginoso avanço tecnológico, a nossa própria velocidade (computador, internet, comunicação instantânea, globalização etc.). Tais avanços provocaram (e continuarão provocando) uma radical transformação cultural e modificaram nossa maneira de lidar com a história, com os movimentos culturais, as correntes de pensamento e, mais precisamente aqui, no caso do Ferreira Gullar, o fenômeno da idolatria.

Vamos nos ater à cultura. Como em toda mudança, há perdas e ganhos. O que constatamos hoje? Múltiplas oportunidades para os novos artistas (cujo espaço para a divulgação de seus trabalhos era exíguo há alguns anos), e o consequente aumento da concorrência para os artistas, digamos, "estabelecidos", pré-internet. Grandes ídolos consagrados disputam hoje espaço com uma infinidade de pequenos candidatos ao reconhecimento ― muitos destes são voláteis. A "pulverização cultural" substituiu a "canalização cultural". Explico.

O lado positivo desse avanço tecnológico é que, principalmente em cultura, passamos a ter (ou conhecer) centenas, milhares de músicos, escritores, artistas plásticos etc., aos quais antes não tínhamos acesso. O que temos agora? Milhões de possibilidades! Pessoas que antes da internet não tinham espaço de divulgação, agora têm infinitos caminhos para se promoverem (YouTube, Facebook, Orkut, blogs, sites etc.). Com esse arsenal, a sociedade internauta criou pequenos grupos organizados por afinidades.

Não é novidade para ninguém que aumentamos substancialmente nossa diversidade cultural e, repito, isso é ótimo! Nossos ídolos (artistas, não aquela idolatria histérica) são menores, no entanto, são mais acessíveis. Meses atrás, um grupo de amigos do Rio de Janeiro se organizou, abriu uma lista na internet para levantar o cachê e contratar o grupo Belle & Sebastian para um show na cidade ― a banda passaria somente por São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre. Fosse o Paul McCartney, um dos últimos "megaídolos" remanescentes, a empreitada não teria o mesmo sucesso. Há muito mais artistas exibindo seus trabalhos para grupos bem mais restritos de admiradores: é o que eu denomino aqui "pulverização cultural". E essa tendência em formar grupos por afinidades se faz em outras áreas. Ocorre até em nossas estruturas físicas: as nossas salas de cinema estão cada vez menores, mas são milhares delas, setorizadas. Vivemos o melhor momento em se tratando de disseminação cultural.

O lado negativo é que podemos estar perdendo um importante "lastro histórico-cultural" com consequências danosas ― principalmente no que tange à preservação da memória e do diálogo cultural entre correntes e movimentos. Os componentes desses pequenos grupos dialogam entre si e com seus "microídolos", mas pouco conversam com os outros grupos. Como era antes e o que mudou? Tínhamos antes uma certa "canalização cultural", qual seja, a que produzia grandes artistas, já que nossas fontes midiáticas eram bem reduzidas. Os poucos canais de que dispúnhamos eram a TV, o rádio, os jornais e as revistas. As grandes massas bebiam somente nessas fontes, nivelando igualitariamente os gostos e preferências. Vai daí, por exemplo, o boom de idolatria na música nos anos 60 e 70, insuflado pelos meios de divulgação "canalizados" principalmente na TV e no rádio. Os ícones surgiram nessa época: Beatles, Pink Floyd, Bob Dylan, Rolling Stones, até chegarmos aos mais recentes, Michael Jackson e Madonna. A fonte de "megaídolos" seca a cada dia.

Essa "canalização cultural" teve uma função importante: acabou propiciando uma aglomeração de pares por afinidade, o surgimento de correntes de pensamento e movimentos culturais, respeitando uma certa linha histórica. Essas correntes dialogavam com a tradição, contrariando-a ou modificando-a (até bem antes da TV). Na pintura, por exemplo, o academicismo foi questionado pelo impressionismo, que influenciou o cubismo; vieram depois o expressionismo, futurismo, dadaísmo, pop art etc. Na literatura, sucederam-se as epopeias, romances de cavalaria da Idade Média, renascimento, romantismo, realismo, os beatniks, realismo fantástico. No cinema, o impressionismo alemão, o realismo, o neorrealismo, a Nouvelle Vague, Dogma 95.

Havia nas artes, portanto, ou uma ruptura ou uma evolução provocada pelo constante diálogo entre as correntes ou movimentos ("canalizados", já que eram poucos) que se comunicavam, criando uma linha evolutiva um tanto coerente. Tínhamos um "lastro histórico-cultural" com quem dialogar. Essa tradição é mais presente na Europa e um pouco nos Estados Unidos, apesar de ambos estarem sofrendo hoje também os efeitos globalizantes da "pulverização cultural". No Velho Mundo, óbvio, o "lastro histórico" vem desde a tradição greco-romana. Os Estados Unidos ainda conseguiram aglutinar algumas correntes e alinhavar uma tradição, ainda que pequena e tardia, com a fuga dos artistas europeus ante a iminência da Segunda Guerra.

O certo é que a era dos grandes movimentos culturais já se foi. A última corrente forte e coesa no cinema foi o Dogma 95. Nas artes plásticas não houve mais um movimento com a força e a influência da pop art, lá nos anos 70 ― o que tivemos depois foi a "pulverização": arte conceitual, performances, instalações, videoarte e tubarões embalsamados. Provavelmente teremos bem menos álbuns de música, clássicos como um Sgt. Peppers (Beatles), unificados por uma história ou fruto de uma experiência do compositor. As músicas estão cada vez mais espalhadas pela internet para serem baixadas isoladamente em pequenos aparelhos, sem nenhuma relação "física" que as una. De novo, tudo está menor e em grande quantidade.

Mais especificamente no Brasil, o avanço tecnológico e a "pulverização" aconteceram em momento enviesado. O país foi pego no contrapé da sua formação histórico-cultural devido à sua pouca idade. Como temos pouco mais de 500 anos, o nosso "lastro cultural" é muito mais curto. Qual é a idade da nossa de vida cultural "autônoma"? Pouco mais de 150 anos! Em literatura podemos considerar, grosso modo, Machado de Assis, o modernismo, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Drummond, o concretismo. Em cinema, nosso único grande movimento foi o Cinema Novo. Nossos últimos ídolos "de massa" foram os impulsionados pela TV: Chico Buarque, Caetano Veloso, Milton, Gilberto Gil etc.

A "pulverização cultural", apesar de abrir milhares de possibilidades de acesso à cultura, paradoxalmente ofusca a nossa memória cultural: para a nova geração parece que o mundo acontece do agora pra diante. Ferreira Gullar, apesar de estar na estrada há muito tempo e ser um poeta consagrado, foi vítima na sua caminhada do contrapé histórico-cultural brasileiro. Foi refém de uma geração tecnológica que dialoga pouco com o passado, com os grandes movimentos culturais que existiram. A chamada Geração Y mal dialoga com a geração que a antecedeu. Some-se a isso o nosso baixo nível cultural e a nossa deficitária educação ― vergonhosamente classificada em testes mundiais.

Ferreira Gullar, aos 80 anos, é o nosso maior poeta vivo ― goste-se ou não dele, da sua obra, dos seus resmungos, crônicas, opiniões, dos seus gatos. Ele travou um importante embate com os concretistas. Os mais otimistas chegaram a aventar a possibilidade de o poeta concorrer ao Nobel de Literatura. Gullar é bem presente na mídia. Escreve semanalmente nos jornais, tem participado com frequência de eventos culturais e do debate político. O poeta não é tão recôndito assim. Além disso, sua figura esguia e a cabeleira incomum são traços muito marcantes. É culturalmente triste para o Brasil o Ferreira Gullar ser confundido nas ruas.

Nota do Editor
Wellington Machado de Carvalho mantém o blog Esquinas Lúdicas.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 7/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2021, o ano da inveja de Luís Fernando Amâncio
02. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
03. Na translucidez à nossa frente de Elisa Andrade Buzzo
04. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
05. O fim dos livros físicos? de Luís Fernando Amâncio


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2010
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. A sombra de Saramago - 3/8/2010
05. Guimarães Rosa em Buenos Aires - 28/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/12/2010
19h05min
Na verdade, o cronista apresenta uma tese, mas ela é pouco plausível. Não é o que ele chama de pulverização cultural o responsável pelo divertido episódio com o Ferreira Gullar, mas sim a ignorância do jovem: na realidade, o que se tem é uma juventude profundamente ignorante. Se o poeta tivesse sido abordado por pessoas de mais idade, certamente seria reconhecido. Além do mais, antes da internet nem sempre prevaleciam os grandes: quantos nomes se consagraram na música, nas artes plásticas etc. e não passam de mediocridades? A "pulverização cultural" pelo menos abre espaço a todos, e a facilidade de obter informação na Web apenas demonstra uma vez mais a profunda ignorância da juventude, mais preocupada com os bate-papos vazios dos "chats de conversa fiada" do que com o que é de fato importante.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Rezando Com Jesus
George Martin
Pensamento
(2006)



Coisas da Casa
Zélia Maria Guerra Simões
Karmim
(1990)



A Literatura no Brasil Vol 4 Parte II era Realista era de Transição
Afranio Coutinho e Eduardo de Faria Coutinho
Global
(2004)



O Pernilongo Suga Sangue
Didier Lévy - Anne Wilsdorf
Escala Educacional
(2005)



Seminário Ética e Civismo
Epítome (coleção Extensão)
Adesg
(1994)



Dry Law, Wet Politics: Drinking and Prohibition in Post-revolutio
Latin American Research Review, Nº 2 - Vol 37
Latin American Research
(2002)



Men Inte Om Get Galler Din Dotter
Jan Guillou
Pocketforlaget
(2008)



Fernando de Noronha
Bia Hetzel
Prêmio
(1995)



Anatomia da Internet
Marcello Póvoa
Casa da Palavra
(2000)



Os Segredos da Múmia de Gelo
Rogério Andrade Barbosa
Ftd
(1996)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês