Meu cinema em 2010 ― 1/2 | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
>>> Conselheiros não se aconselham
>>> Sartre e a idade da razão
>>> O filósofo da contracultura
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
Mais Recentes
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1982)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1983)
>>> A árvore que dava dinheiro vol. 3 novela de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Artemis fowl de Eoin Colfer pela Record (2008)
>>> A estranha Madame Mizu de Thierry Lenaín pela Companhia das Letrinhas (2003)
>>> Sherlock Holmes em: Os seis bustos de napoleão e outras histórias de Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (1999)
>>> Universidade das crianças/Cientistas explicam os enigmas do mundo de Ulrich Janben e Ulla Steuernagel pela Planeta (2008)
>>> A formulação de objetivos de ensino de Robert F. Mager pela Globo (1980)
>>> Avaliação institucional da universidade de Antônio Amorim pela Cortez (1992)
>>> O estudante de Adelaide Carraro pela Global (2003)
>>> Símbolos Antigos e Sagrados - Biblioteca Rosacruz XXIII de Ralph M Lewis F.R.C. pela Renes (1979)
>>> Ab-reação Análise dos Sonhos, Transferência de C. G. Jung pela Vozes (1999)
>>> Leitura de Estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler de Leda Tessari Catello Pereira pela Alínea (2003)
>>> Pfuenprinzessin de Indu Sundaresan pela Fischer (2005)
>>> Espiritualidade e Transcendência de C. G. Jung pela Vozes (2007)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> Amaldiçoado de Joe Hill pela Arqueiro (2015)
>>> As Paixões da Ciência Estudo de História das Ciências de Nilton Japiassu pela Letras & Letras (1991)
>>> Corra, Alex Cross de James Patterson pela Arqueiro (2014)
>>> Manual da Felicidade de José Hermógenes pela Universo paralelo
>>> Amaldiçoadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Despertada - Série House Of Night 8 de P. C. Cast + kristin Cast pela Novo Século (2017)
>>> Doutrinados de Trisha Leaver; Lindsay Currie pela Gutenberg (2016)
>>> Mestre das Chamas de Joe Hill pela Arqueiro (2017)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2010

Terça-feira, 28/12/2010
Meu cinema em 2010 ― 1/2
Wellington Machado

+ de 11000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Assim como se especula o fim dos livros, com os lançamentos de inúmeras plataformas eletrônicas de leitura, há vários profetas prevendo o fim das salas de cinema. Sair de casa para assistir a um filme é um programa cada vez mais raro. Vários fatores conspiram a favor da desistência: trânsito carregado (mesmo em fins de semana), (falta de) segurança, estacionamento, filas etc. Muito mais atrativo é o conforto de casa, escornados em poltronas que mais estimulam o sono, com um equipamento high tech que nos faz abaixar quando um helicóptero atravessa a tela de TV de "led-slim-sei-lá-o-quê". Não é por não ter toda essa parafernália cinematográfica em casa que não abro mão ir ao cinema. É que sair de casa para ver um filme na telona, sala escura, sem campainha, telefone, internet, e logo depois comer uma massa, é para mim um programa em si.

* * *

Considero-me, com o perdão da expressão tosca, um "bígamo cultural". Literatura e cinema travam uma acirrada disputa em busca do meu tempo livre. Administrar internamente, de forma democrática, as duas paixões é complicado. Já tentei dedicar menos tempo aos filmes, abrindo mais espaço para os livros. Mas o cinema chegou antes para mim, quando era criança: é uma paixão antiga. Procuro, dentro da minha ansiedade em ler e ver tudo, intercalar livros e filmes. Com o consentimento da literatura, vou me ater aqui ao cinema.

* * *

Paciência e dedicação. A cada filme visto, uma fichinha de cartolina pautada (contendo o ano, país, diretor e sinopse) se junta às mais de quinhentas que coleciono sistematicamente desde 2005. Este pequeno arquivo, ordenado alfabeticamente por título, me auxilia nas pesquisas rápidas e na hora de saber se já assisti ou não a determinado filme. Paralelamente ao arquivo de fichas, adotei a prática de anotar os filmes vistos em um caderno médio de capa azul ― que já anda meio surrado. Um filme por linha, com a tradicional classificação cinco estrelas (ruim, razoável, bom, muito bom e ótimo). Na soma do presente ano, computando os filmes vistos no cinema e alugados em locadoras, lá se vão mais de 130 títulos ― dentro da minha média (em 2005, 120; em 2006, 135; 2007, 116; 2008, 105; 2009, 127). Já tentei informatizar isso tudo, mas notei que a absorção é maior quando anoto no papel.

* * *

Belo Horizonte já foi considerada a capital dos cinéfilos nos anos 80 e 90. Mas a cidade está decadente em decorrência do fechamento de várias salas alternativas, que exibiam filmes off-Hollywood. Em proporção inversa, as salas de cinema em shoppings se multiplicaram. E temos de admitir que são estilos de filmes bem distintos, se analisarmos a programação dos dois espaços. Sendo assim, vários filmes lançados no Brasil não passaram pela capital mineira. Ao percorrer a lista de filmes que aqui chegaram em 2010, separei alguns que mais me chamaram a atenção. Muitos deles chegaram às locadoras sem serem exibidos no cinema. São eles:

Aconteceu em Woodstock (Ang Lee, EUA, 2009) ― Um retrato de como se deu a arquitetura da realização do histórico festival em 1969. Um filme competente do diretor Ang Lee (O tigre e o dragão; O segredo de Brokeback Mountain; Razão e sensibilidade), que faz uma ótima reconstituição de época, fazendo o espectador entrar no clima do festival, sem mostrar uma banda sequer (apenas o som ao fundo). Destaque para uma cena "lisérgica" dentro de uma Kombi, só comparável a uma outra do mesmo estilo, feita em Sem Destino (1969), de Dennis Hopper.

O homem que engarrafava nuvens (Lírio Ferreira, Brasil, 2009) ― Um dos melhores documentários do ano. Para quem pensa que baião é coisa "só" de Luiz Gonzaga, não pode perder este filme. Tão importante quanto o "Gonzagão", o compositor Humberto Teixeira, figura um tanto ofuscada pelo sanfoneiro, tem seu merecido reconhecimento neste documentário. O filme é também uma verdadeira história do baião e uma genealogia da música brasileira, quase toda derivada do ritmo. Lírio Ferreira, diretor de Baile perfumado (1997), Árido movie (2006) e Cartola (2006), fez uma intensa pesquisa em jornais e levantou um raro acervo de imagens de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Com uma montagem ágil, mesclando recortes de jornais, depoimentos de cantores contemporâneos e imagens de arquivo, o filme não é nem um pouco cansativo, apesar de didático. O homem que engarrafava nuvens mostra como o baião incrivelmente, nos anos 50, ganhou o mundo (há um depoimento de David Byrne sobre o ritmo) e influenciou a Bossa Nova. Certamente este documentário integrará a minha lista de melhores documentários brasileiros, juntando-se a Edifício Master, O fim e o princípio e Jogo de Cena (de Eduardo Coutinho), Garapa (José Padilha), Santiago (João Moreira Salles), A alma do osso (Cao Guimarães) e Estamira (Marcos prado).

Onde vivem os monstros (Spike Jonze, EUA, 2009) ― Adaptação do livro de Maurice Sendak lançado em 1963 (que já vendeu mais de 19 milhões de exemplares até hoje). O filme é interessante tanto para crianças como para adultos. A sensacional história de um garoto que foge da cidade para entrar em um mundo fantástico, onde se torna rei diante de animais selvagens, é uma obra-prima do diretor Spike Jonze (Quero ser John Malkovich e Adaptação). O grande mérito do filme é, ao contrário dos 99% dos filmes infanto-juvenis lançados, mostrar que a tristeza é uma realidade, até nos filmes de fantasia. O tom sombrio e lúgubre prende o espectador e o desfecho da história deixa as crianças um tanto decepcionadas ― o que é bom.

Guerra ao terror (Kathryn Bigelow, EUA, 2008) ― O filme chegou com atraso, mas faturou o Oscar em 2010. Assim como o Tropa de elite, mostra a guerra (do Iraque) sob o enfoque da tensão de um grupo de soldados especializado em desativar bombas deixadas pelos nativos resistentes à ocupação americana. Entende-se, diante da complexidade das situações postas ao exército nessa guerra insana, os motivos pelos quais os Estados Unidos têm dificuldades em deixar o país. Sem heroísmos e cenas sensacionalistas, Guerra ao terror é um filme enxuto que nos faz refletir o drama das famílias de americanos que têm seus filhos lutando no Iraque.

O segredo dos seus olhos (Juan José Campanella, Argentina, 2009) ― Sem sombra de dúvidas, o melhor filme de ficção do ano. É um policial (muita gente ignora isto) equilibrado, que mescla drama pessoal, investigação e paixão, com pitadas de humor. O filme aborda a história de um agente do judiciário que se propõe a escrever um livro ao se aposentar. Ele acaba rememorando um crime ocorrido em 1974, do qual participou da investigação. O segredo dos seus olhos representa o ápice do cinema argentino atual. Prova que os nossos vizinhos estão bem superiores ao Brasil no quesito cinema. Campanella e Daniel Burman (sobre quem falarei no próximo texto) são os melhores diretores argentinos em atividade. E o país tem também um dos melhores atores do mundo: Ricardo Darín. Os argentinos têm produzido filmes densos, abordando conflitos familiares, dramas pessoais e psicológicos, sem abrir mão de entreter. Enquanto o cinema argentino emplaca sucessos a cada ano, nós, brasileiros, continuamos achando graça do Tony Ramos depilando as costas...

No meu próximo texto, abordarei os outros cinco títulos. Também falarei sobre os filmes que não consegui ver, mas que certamente teriam boas chances de entrar na lista dos melhores de 2010. E, como estamos "fechando uma década" do novo século, elencarei os meus melhores filmes brasileiros nos anos 2000.

Nota do Editor
Wellington Machado de Carvalho mantém o blog Esquinas Lúdicas.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 28/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Vagabunda Letrada e os Sentimentos Nobres de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2010
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. A sombra de Saramago - 3/8/2010
05. Guimarães Rosa em Buenos Aires - 28/9/2010


Mais Especial Melhores de 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/1/2011
19h21min
Gostei do texto! Legal, também faço minhas listas de filmes vistos, mas as minhas são escritas no computador. Fiquei impressionada com seus números de filmes que viu, pois esse ano anotei 101 filmes (apesar de não ter anotado todos) assistidos até o dia 31 de dezembro - e olha que pensava que estava assistindo filmes demais! Especialmente agora nas férias! Muito bom!
[Leia outros Comentários de Angélica]
3/1/2011
17h36min
Gostei muito da sua lista: quatro dos cinco filmes estariam na minha lista anual, se eu fosse fazê-la. Recomendo a todos assistirem "O homem que engarrafava nuvens", não só como filme propriamente dito, mas também para conhecer uma importante fase da música popular brasileira. "O segredo dos seus olhos" é imperdível, Darín está ótimo. Por outro lado, Tony Ramos é subaproveitado, basta ver sua atuação em "Tempos de Paz", no teatro e no cinema. "Guerra ao terror" foi um Oscar merecido. Aguardo, com espectativa, o restante da lista.
[Leia outros Comentários de José Frid]
3/1/2011
18h34min
Achei a terceira via. Quando pequena, lia exaustivamente as histórias de fadas, depois o Flash Gordon, o Fantasma, o Submarino, os gibis, o X-9 etc. Li "Os Miseráveis", "A dama das camélias", "Amor de perdição", "Amor de salvação", toda a coleção J. Cronin. Aí chegaram os filmes, "Perigos de Nioka" (seriado), "Tarzan", "Flash Gordon", "O Zorro", "Os três patetas", "Chaplin", "E o vento levou...". Conheci Miguel Ângelo, Rubens, Leonardo... e entao achei minha vocação. Sua lista fez tudo isso vir à tona. Obrigada.
[Leia outros Comentários de maria anna machado]
26/1/2011
22h26min
Me identifiquei com esse seu conflito interno entre cinema e literatura, tenho exatamente o mesmo problema. E só quem gosta muito dos dois sabe como é torturante ter de escolher entre um e outro. Por diversas vezes me peguei preocupado por ter assistido de mais e lido de menos. Ao mesmo tempo, me torturo ao pensar quantos títulos estou perdendo por não ter tempo de acompanhar tudo, sejam livros ou filmes. É um conflito sem fim...
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Homem Que Pagou a Dívida Externa do Brasil
João Bithencourt
Civilização Brasileira
(1995)
+ frete grátis



O Incrível Hulk Nº 121
Marvel
Abril
(1993)



Deliciosos e Disfarçados
Jessica Seinfeld
Ediouro Publicações
(2008)



A Solidão da Cidade na Pandemia e Antes Dela
Arlindo Gonçalves
Estronho
(2020)



Quase Tudo - Memorias
Danuza Leão
Cia das Letras
(2006)



Bases da Fisioterapia Respiratória
Maria da Glória Rodrigues Machado
Guanabara
(2013)



Dona Morte em: O segredo da vida... e da morte
Raphani Margiotta
Seleções
(2017)



Building Construction Inspection - a Guide For Architects
Jay Bannister
John Wiley & Sons
(1991)



Moderno Dicionário Escolar
Douglas Tufano
Moderna
(2005)



A Comunicação na Gestão da Sustentabilidade das Organizações
Margarida Maria Krohling Kunsch
Difusão
(2009)





busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês