Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 20/8/2019
Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Renato Alessandro dos Santos

+ de 4300 Acessos


Admiro quem sabe simplesmente fritar um ovo - o que não significa somente derramar um pouco de óleo em uma frigideira, escorregar Clara & Gema abraçadas ali e jogar uma pitada de sal sobre as duas. O talento (por que não?) de quem sabe fritar um ovo é algo a se levar em conta. Admito: eu não sei fritar um ovo decente, sem esquartejá-lo; mas, se soubesse, gostaria de jogar umas ervas ali, recém-tiradas da horta e cortadas displicentemente com uma faca: manjericão, salsinha, jambu, cheiro-verde. Se a fome desperta o urso hibernado há meses, e a improvisação pede que se abra a geladeira para encontrar o que está ao alcance das mãos, nessas horas, o sabor de um prato feito com simplicidade pode ser inesquecível; para o bem, se preparado por alguém que saiba o que está fazendo; para o mal, caso pessoas como eu sejam as únicas disponíveis no momento. O que achou do ímã “Diga não à junkie food !” na porta da geladeira?

Um pão francês com ovo frito é uma delícia; um prato com arroz, feijão e um sutil ovo frito pode ser refeição das mais saborosas a ser provada. Depende da fome. Aqui, estamos diante de um dos grandes prazeres da vida: comer quando se está com fome. O escritor Jack London sabia das coisas: “Dar um osso a um cachorro não é caridade; caridade é dividir o osso com o cachorro, quando também se está com fome de cão”.

Meu pai sempre diz (música de harpa para o flashback ): “Nunca devemos lamentar o dinheiro gasto com comida.”. Concordo. Nunca fui a um restaurante francês com a cotação máxima de três estrelas no Guia Michelin , lugares em que a comida é uma celebração, uma oportunidade rara a ser experimentada - talvez - uma única vez na vida. Comer bem, cultivando a alta gastronomia, é um prazer, mas nem todo mundo pode participar desse clube. Você e eu, certamente. Restaurantes badalados não entram no meu dia a dia, da mesma forma que muitos brasileiros não entram no dia a dia de grandes restaurantes. Uma pena. Ainda bem que nem toda boa comida precisa de grife: trufas Gucci , suflês Dolce & Gabbana , bistecas Diesel . O destino é certo: almoço na casa da mãe, jantar à mesa da sogra. Pimentinha? Por favor. E uma rede...

Gastronomia é uma ciência? Não, gastronomia envolve o conhecimento prático ou teórico em relação a tudo que diz respeito à arte culinária, de refeições apuradas ao prazer que se tem à mesa. É o que Aurélio afirma. E mais: gastronomia é a “arte de regalar-se com finos acepipes”. É engraçada essa ideia de “regalar-se com finos acepipes”, mas é a mais pura verdade. Nas mãos de minha garota, gastronomia é a arte que se faz na cozinha, com ingredientes a saltitar de saúde, escolhidos a dedo por quem sabe o que serve à mesa.

Entretanto, nada de restaurantes como os que figuram na lista S. Pellegrino de melhores do mundo de 2010 [quando ainda acompanhava essas coisas]. Nada de D.O.M. (18º). Nada de El Bulli , de Ferrán Adriá (2º). Nada de The Fat Duk (3º). Nada de nada. Nunca fui nem mesmo a um restaurante realmente conceituado e reconhecido por Josimar Melo. Acho restaurantes como o Coxilha dos Pampas , em Ribeirão Preto, bons lugares para se comer; não poderia frequentá-lo com a dedicação de um comensal habitué, mas adoraria a oportunidade de comer novamente aquela costelinha assada que eles fazem por lá, acompanhada com uma geladíssima cervejinha Serra Malte . Se os olhos são as j_nel_s d_ alm_, o olfato e o paladar, seduzidos pelo alimento que os olhos veem, bem que poderiam ser as verdadeiras portas da percepção. Mas não são não. As portas da percepção são outras, segundo William, Aldous, Timothy, Jim...

Se bem que, pensando bem, a comida também pode aguçar os sentidos e nos fazer transcender, como acontece em uma cena do filme Rattatouille , em que o crítico Anton Ego prova a primeira garfada do prato que dá nome ao filme, preparado por Remy, o ratinho simpático da história, e vê-se instantaneamente arremessado a uma lembrança da infância, quando ainda era muito pobre e vivia com os pais. A lembrança da infância, ou do passado, provocada pelo paladar não é um acontecimento raro em nossa vida; acontece também com a música, quando escutamos certas canções que nos remetem a uma época, a uma pessoa, a nós mesmos incendiando por dentro, enquanto a adolescência balançava suas franjas. A fragrância de um perfume também diz muito sobre um momento vivido.

E o manjar celeste?

Hmmm... Gula?

Garçom, por favor, o prato do dia! Existe mesmo esse negócio de “prato do dia”? Deve existir, naturalmente, mas nunca pedi nada dessa forma em um restaurante. Mas admiro pessoas capazes de gastar uma $$$ com um prato sobre o qual não sabem nada a respeito, pelo qual não perguntam o preço e no qual apostaram a sorte de (sem dúvida) ser algo realmente saboroso e capaz de dar conta de seu apetite.

Comida caseira

Nunca me esqueço de um dia em que fui ajudar meus tios quando eles mudaram de casa; eles mudaram para outro bairro, perto da casa de minha tia Bete. Como irmãos siameses, eu e Rogério, meu primo, não desgrudávamos; quase com a mesma idade, a infância e a adolescência estavam em transição. Ainda éramos crianças, e - claro - meninas eram inimigas, veja você... Tenho certeza disso porque ainda não sabia nada de sexo. Naquela ocasião, depois de passar o dia inteiro esvaziando o caminhão de mudança e carregando caixas, utensílios de toda espécie, móveis, aparelhos elétricos e eletrônicos para dentro da casa nova, quando o sol estava a se pôr, eu e meu primo fomos jantar na casa de nossa tia, que é irmã da mãe dele, que, por sua vez, é minha tia. Desculpe. Ela morava em uma casinha simples onde morava gente simples. A casa ficava a apenas dois quarteirões, mas, enquanto passávamos por uma esquina, entabulamos uma discussão sábia a respeito de sexo:

— Você sabe o que é fazer amor? - perguntou meu primo.
— Claro.
[...]
— E aí?! O que é então?
— Ah! - disse - É quando, deitados, um homem sobe (!) em uma mulher e fica sobre ela algum tempo (!!).
— Só isso? E eles ficam lá... parados? Eles não se mexem? Não fazem nada?
— É. Eles conversam também, mas praticamente ficam parados (!); passa um tempo e, depois, eles se vestem (!!).
— O quê?! Eles estavam pelados?!

Naquela hora, estávamos prestes a nos refestelar com a comida de nossa tia. Meu primo e eu éramos aguardados na casa; na verdade, havia um rodízio entre as pessoas que ajudavam na mudança. Quando chegamos, a comida já estava à mesa. Comemos na cozinha, com a pia a fervilhar de pratos, talheres e copos a ser lavados. Havia uma panela de arroz, outra de feijão e mais uma de carne moída com quiabo. Apenas isso, mas não precisávamos de mais nada. F.O.M.E. Não precisávamos de D.O.M. naquele momento. A intimidade da família permitia a simplicidade da comida. Minha tia ainda teve a delicadeza de se desculpar pela refeição. Como se precisasse... Comi como se nunca tivesse comido nada parecido em minha vida. Que fome! Como minha tia Bete cozinha bem. A culinária caseira é como impressão digital: ninguém faz a mesma comida igual à de outra pessoa. Ninguém. À exceção das franquias de restaurantes de shoppings e do bandejão da universidade pública, em que o salitre diz a que veio. Ao menos é o que sei. E minha tia soube escolher a medida exata de cada ingrediente que colocou naquela panela de carne moída & quiabo. O arroz e o feijão tinham um sabor delicioso: misturar tudo aquilo no prato e comer feito criança em fase de crescimento são lembranças saborosas, literalmente. Talvez um dia, quando tiver cruzado a porta to the other side , a memória dessa refeição me seja presenteada novamente, e então - como Anton de Rattatouille - poderei reviver a satisfação que experimentei naquele último momento inesquecível da infância.

Já falei da sopa de mandioca que minha mãe faz?

Nota do Autor
Texto publicado originalmente no site tertuliaonline.com.br; depois, no livro Mercado de pulgas: uma tertúlia na internet e, agora, aqui, no Digestivo Cultural.

Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).



Nota do Editor
Leia também "Delírios da baixa gastronomia", de Ruy Castro, e "Baixíssima gastronomia", de Ricardo Freire.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 20/8/2019


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. Meu Telefunken - 16/7/2019
02. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
03. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
04. A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020) - 24/9/2019
05. K 466 - 26/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JOGOS MANGÁ COM ADESIVOS !
EDITORA GIRASSOL
GIRASSOL
(2017)
R$ 9,90



A NOVA MÍDIA A COMUNICAÇÃO DE MASSA NA ERA DA INFORMAÇÃO
WILSON DIZARD JR.
JORGE ZAHAR
(2000)
R$ 10,00



LONGE DA ÁRVORE - PAIS, FILHOS E A BUSCA DA IDENTIDADE
ANDREW SOLOMON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2015)
R$ 51,60



MANUAL DE CONDUTAS EM PATOLOGIAS OBSTÉTRICAS
ANTONIO GUARIENTO E OUTROS
SANTA JOANA
(2003)
R$ 4,00



SENHORAS PROGRESSISTAS E UMA TERRA DE CRIANÇAS
MONIQUE SOCHACZEWSKI
AUTOR (RJ)
(2007)
R$ 28,28



URUBU E O FLAMENGO
HENFIL
34
(1996)
R$ 190,00



MÃES EM GUERRA
JILL KARGMAN
ESS?NCIA
(2010)
R$ 4,25



COMUNICAÇÃO REDACIONAL
HÊNDRICA NADÓLSKIS
SARAIVA
(2011)
R$ 50,00



LENSBABY: BENDING YOUR PERSPECTIVE
COREY HILZ
FOCAL PRESS
(2010)
R$ 75,00



REFLEXÕES SOBRE A VAIDADE DOS HOMENS E CARTA SOBRE A FORTUNA
MATHIAS AIRES
ESCALA
(2008)
R$ 5,00





busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês