Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
Mais Recentes
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
>>> Curso de Eletrotécnica Vol 6 Corrente Alternada de Chester L. Dawes pela Globo (1979)
COLUNAS

Terça-feira, 20/8/2019
Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2000 Acessos


Admiro quem sabe simplesmente fritar um ovo - o que não significa somente derramar um pouco de óleo em uma frigideira, escorregar Clara & Gema abraçadas ali e jogar uma pitada de sal sobre as duas. O talento (por que não?) de quem sabe fritar um ovo é algo a se levar em conta. Admito: eu não sei fritar um ovo decente, sem esquartejá-lo; mas, se soubesse, gostaria de jogar umas ervas ali, recém-tiradas da horta e cortadas displicentemente com uma faca: manjericão, salsinha, jambu, cheiro-verde. Se a fome desperta o urso hibernado há meses, e a improvisação pede que se abra a geladeira para encontrar o que está ao alcance das mãos, nessas horas, o sabor de um prato feito com simplicidade pode ser inesquecível; para o bem, se preparado por alguém que saiba o que está fazendo; para o mal, caso pessoas como eu sejam as únicas disponíveis no momento. O que achou do ímã “Diga não à junkie food !” na porta da geladeira?

Um pão francês com ovo frito é uma delícia; um prato com arroz, feijão e um sutil ovo frito pode ser refeição das mais saborosas a ser provada. Depende da fome. Aqui, estamos diante de um dos grandes prazeres da vida: comer quando se está com fome. O escritor Jack London sabia das coisas: “Dar um osso a um cachorro não é caridade; caridade é dividir o osso com o cachorro, quando também se está com fome de cão”.

Meu pai sempre diz (música de harpa para o flashback ): “Nunca devemos lamentar o dinheiro gasto com comida.”. Concordo. Nunca fui a um restaurante francês com a cotação máxima de três estrelas no Guia Michelin , lugares em que a comida é uma celebração, uma oportunidade rara a ser experimentada - talvez - uma única vez na vida. Comer bem, cultivando a alta gastronomia, é um prazer, mas nem todo mundo pode participar desse clube. Você e eu, certamente. Restaurantes badalados não entram no meu dia a dia, da mesma forma que muitos brasileiros não entram no dia a dia de grandes restaurantes. Uma pena. Ainda bem que nem toda boa comida precisa de grife: trufas Gucci , suflês Dolce & Gabbana , bistecas Diesel . O destino é certo: almoço na casa da mãe, jantar à mesa da sogra. Pimentinha? Por favor. E uma rede...

Gastronomia é uma ciência? Não, gastronomia envolve o conhecimento prático ou teórico em relação a tudo que diz respeito à arte culinária, de refeições apuradas ao prazer que se tem à mesa. É o que Aurélio afirma. E mais: gastronomia é a “arte de regalar-se com finos acepipes”. É engraçada essa ideia de “regalar-se com finos acepipes”, mas é a mais pura verdade. Nas mãos de minha garota, gastronomia é a arte que se faz na cozinha, com ingredientes a saltitar de saúde, escolhidos a dedo por quem sabe o que serve à mesa.

Entretanto, nada de restaurantes como os que figuram na lista S. Pellegrino de melhores do mundo de 2010 [quando ainda acompanhava essas coisas]. Nada de D.O.M. (18º). Nada de El Bulli , de Ferrán Adriá (2º). Nada de The Fat Duk (3º). Nada de nada. Nunca fui nem mesmo a um restaurante realmente conceituado e reconhecido por Josimar Melo. Acho restaurantes como o Coxilha dos Pampas , em Ribeirão Preto, bons lugares para se comer; não poderia frequentá-lo com a dedicação de um comensal habitué, mas adoraria a oportunidade de comer novamente aquela costelinha assada que eles fazem por lá, acompanhada com uma geladíssima cervejinha Serra Malte . Se os olhos são as j_nel_s d_ alm_, o olfato e o paladar, seduzidos pelo alimento que os olhos veem, bem que poderiam ser as verdadeiras portas da percepção. Mas não são não. As portas da percepção são outras, segundo William, Aldous, Timothy, Jim...

Se bem que, pensando bem, a comida também pode aguçar os sentidos e nos fazer transcender, como acontece em uma cena do filme Rattatouille , em que o crítico Anton Ego prova a primeira garfada do prato que dá nome ao filme, preparado por Remy, o ratinho simpático da história, e vê-se instantaneamente arremessado a uma lembrança da infância, quando ainda era muito pobre e vivia com os pais. A lembrança da infância, ou do passado, provocada pelo paladar não é um acontecimento raro em nossa vida; acontece também com a música, quando escutamos certas canções que nos remetem a uma época, a uma pessoa, a nós mesmos incendiando por dentro, enquanto a adolescência balançava suas franjas. A fragrância de um perfume também diz muito sobre um momento vivido.

E o manjar celeste?

Hmmm... Gula?

Garçom, por favor, o prato do dia! Existe mesmo esse negócio de “prato do dia”? Deve existir, naturalmente, mas nunca pedi nada dessa forma em um restaurante. Mas admiro pessoas capazes de gastar uma $$$ com um prato sobre o qual não sabem nada a respeito, pelo qual não perguntam o preço e no qual apostaram a sorte de (sem dúvida) ser algo realmente saboroso e capaz de dar conta de seu apetite.

Comida caseira

Nunca me esqueço de um dia em que fui ajudar meus tios quando eles mudaram de casa; eles mudaram para outro bairro, perto da casa de minha tia Bete. Como irmãos siameses, eu e Rogério, meu primo, não desgrudávamos; quase com a mesma idade, a infância e a adolescência estavam em transição. Ainda éramos crianças, e - claro - meninas eram inimigas, veja você... Tenho certeza disso porque ainda não sabia nada de sexo. Naquela ocasião, depois de passar o dia inteiro esvaziando o caminhão de mudança e carregando caixas, utensílios de toda espécie, móveis, aparelhos elétricos e eletrônicos para dentro da casa nova, quando o sol estava a se pôr, eu e meu primo fomos jantar na casa de nossa tia, que é irmã da mãe dele, que, por sua vez, é minha tia. Desculpe. Ela morava em uma casinha simples onde morava gente simples. A casa ficava a apenas dois quarteirões, mas, enquanto passávamos por uma esquina, entabulamos uma discussão sábia a respeito de sexo:

— Você sabe o que é fazer amor? - perguntou meu primo.
— Claro.
[...]
— E aí?! O que é então?
— Ah! - disse - É quando, deitados, um homem sobe (!) em uma mulher e fica sobre ela algum tempo (!!).
— Só isso? E eles ficam lá... parados? Eles não se mexem? Não fazem nada?
— É. Eles conversam também, mas praticamente ficam parados (!); passa um tempo e, depois, eles se vestem (!!).
— O quê?! Eles estavam pelados?!

Naquela hora, estávamos prestes a nos refestelar com a comida de nossa tia. Meu primo e eu éramos aguardados na casa; na verdade, havia um rodízio entre as pessoas que ajudavam na mudança. Quando chegamos, a comida já estava à mesa. Comemos na cozinha, com a pia a fervilhar de pratos, talheres e copos a ser lavados. Havia uma panela de arroz, outra de feijão e mais uma de carne moída com quiabo. Apenas isso, mas não precisávamos de mais nada. F.O.M.E. Não precisávamos de D.O.M. naquele momento. A intimidade da família permitia a simplicidade da comida. Minha tia ainda teve a delicadeza de se desculpar pela refeição. Como se precisasse... Comi como se nunca tivesse comido nada parecido em minha vida. Que fome! Como minha tia Bete cozinha bem. A culinária caseira é como impressão digital: ninguém faz a mesma comida igual à de outra pessoa. Ninguém. À exceção das franquias de restaurantes de shoppings e do bandejão da universidade pública, em que o salitre diz a que veio. Ao menos é o que sei. E minha tia soube escolher a medida exata de cada ingrediente que colocou naquela panela de carne moída & quiabo. O arroz e o feijão tinham um sabor delicioso: misturar tudo aquilo no prato e comer feito criança em fase de crescimento são lembranças saborosas, literalmente. Talvez um dia, quando tiver cruzado a porta to the other side , a memória dessa refeição me seja presenteada novamente, e então - como Anton de Rattatouille - poderei reviver a satisfação que experimentei naquele último momento inesquecível da infância.

Já falei da sopa de mandioca que minha mãe faz?

Nota do Autor
Texto publicado originalmente no site tertuliaonline.com.br; depois, no livro Mercado de pulgas: uma tertúlia na internet e, agora, aqui, no Digestivo Cultural.

Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).



Nota do Editor
Leia também "Delírios da baixa gastronomia", de Ruy Castro, e "Baixíssima gastronomia", de Ricardo Freire.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 20/8/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour de Jardel Dias Cavalcanti
02. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro
03. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
04. Meu Telefunken de Renato Alessandro dos Santos
05. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. Meu Telefunken - 16/7/2019
02. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
03. K 466 - 26/3/2019
04. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) - 22/1/2019
05. Nos braços de Tião e de Helena - 7/4/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL A. DE ALMEIDA
KLICK
(1997)
R$ 15,00
+ frete grátis



AT THE LAKE IN JUNE: LONG VOWELS (LONG U)
SUZANNE BARCHERS
LEAP FROG
(2009)
R$ 19,28



PODEROSA
SÉRGIO KLEIN
FUNDAMENTO
(2013)
R$ 12,00



MÚSICA CAIPIRA
JOSÉ HAMILTON RIBEIRO
REALEJO
(2015)
R$ 75,00



O MELHOR DE LEGIÃO URBANA
IRMÃOS VITALE
IRMAOS VITALE
(1999)
R$ 42,00



GLÓRIA MORTAL
NORA ROBERTS; J. D. ROBB; RENATO MOTTA
BERTRAND BRASIL
(2004)
R$ 10,00



INTEGRAÇÃO E SEUS SINAIS
ISAIAS RAW E PAULO LEE HO
UNESP
(2000)
R$ 17,00



O DESAFIO MUNDIAL
JEAN-JACQUES E SERVAN_SCHREIBER
NOVA FRONTEIRA
(1980)
R$ 35,91
+ frete grátis



PIANTE MEDICINALI NELLA COSMETICA - 3634
GIUSEPPE PENSO
ORGANIZZAZIONE MEDICO FARM.
(1984)
R$ 25,00



IN AETERNUM: JOY DIVISION: A BUSCA AFETIVA POR UMA IMAGEM
ARLINDO GONÇALVES
HORIZONTE
(2018)
R$ 145,00
+ frete grátis





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês