O Google e o negócio da China | Nemo Nox | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Animismo
>>> E Éramos Todos Thunderbirds
>>> Lares & Lugares
>>> Arco da Crise
>>> 24 Horas: os medos e a fragilidade da América
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> Precisa-se de empregada feia. Bem feia.
>>> I won’t dance, don’t ask me
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Fui pra Cuba
Mais Recentes
>>> Shalimar, o equilibrista de Salman Rushdie pela Companhia das letras (2005)
>>> Canhões de agosto de Barbara W. Tuchman pela Objetiva (1994)
>>> Vínculos do fogo de Alberto Dines pela Companhia das letras (1992)
>>> Massa e poder de Elias Canetti pela Melhoramentos (1983)
>>> Auto de fé de Elias Canetti pela Nova Fronteira (1982)
>>> Foco inicial de Patricia D. Cornwell pela Companhia das letras (2002)
>>> Lavoura de corpos de Patricia D. Cornwell pela Companhia das letras (1998)
>>> Contágio criminoso de Patricia D. Cornwell pela Companhia das letras (2001)
>>> Post-Mortem de Patricia D. Cornwell pela Companhia das letras (1999)
>>> Revolta e revolução - Cinquenta anos depois de José Joffily pela Paz e Terra (1979)
>>> Os deuses da guerra de John Toland pela Francisco Alves (1991)
>>> A feiticeira de Florença de Salman Rushdie pela Companhia das letras (2008)
>>> Pareça Mais Jovem, Viva Mais Tempo de Gayelord Hauser pela José Olympio (1984)
>>> Cangaceiros e fanáticos de Rui Facó pela Civilização Brasileira (1983)
>>> O Poder para Perdoar de Reinhard Hirtler pela Cultura do Reino (2020)
>>> Inferno em Sobibor - A tragédia de um adolescente judeu de Stanislaw Szmajzner pela Bloch (1979)
>>> Diario - Segundo volume (1927-1941) de Virginia Woolf pela Bertrand (1985)
>>> Diario - Primeiro volume (1915-1926) de Virginia Woolf pela Bertrand (1985)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> Conversa na catedral de Mario Vargas Llosa pela Círculo do livro (1969)
>>> O Poder Total do Subconsciente de Sidney de Moraes pela Escola de Parapsicologia
>>> Senhor, Eu Preciso de um Milagre de Benny Hinn pela Holy Bible (2010)
>>> Sem olhos em Gaza de Aldous Huxley pela Círculo do livro
>>> Em nome de Salomé de Julia Alvarez pela Rocco (2003)
>>> O Poder da Magia - Coleção O Poder do Poder de Vários Autores pela Martin Claret (1995)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/2/2006
O Google e o negócio da China
Nemo Nox

+ de 10000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A expressão "fazer um negócio da China" está ganhando um novo significado. Além de ser um empreendimento lucrativo, agora implica também em curvar-se aos desejos de um governo totalitário em troca da penetração num mercado de tamanho descomunal. Trata-se de uma manobra pouco surpreendente para corporações que colocam o lucro acima de qualquer postura política, mas causa espanto e indignação quando a protagonista do negócio da China é uma empresa que sempre se orgulhou de sua ética e ostenta em sua filosofia corporativa máximas como "democracia funciona bem na rede" ("democracy on the web works") e principalmente "você pode ganhar dinheiro sem praticar o mal" ("you can make money without doing evil"). Sim, o Google foi à China.

Conforme anunciado em 24 de janeiro de 2006 por Andrew McLaughlin, conselheiro da empresa, "para poder operar com base na China, nós retiramos algum conteúdo dos resultados de busca disponíveis em google.cn em resposta a leis e políticas locais". A justificativa? "Apesar da remoção seletiva de resultados ser inconsistente com a missão do Google, não oferecer informação alguma seria mais inconsistente ainda."

A notícia circulou rapidamente pela internet, despertando pelo caminho incontáveis comentários desfavoráveis. Entre as primeiras e mais veementes condenações ao novo contrato do Google está a Repórteres Sem Fronteiras, ONG dedicada à defesa da liberdade de imprensa, que acusou a empresa de hipocrisia e chamou o episódio de "um dia negro para a liberdade de expressão na China".

A resposta do Google não tardou e veio através do weblog oficial da empresa, o Google Blog. "Chegamos à nossa decisão perguntando a nós mesmos que caminho seria o mais eficiente para dar continuidade à missão de organizar a informação mundial e torná-la universalmente útil e acessível. Ou, de forma mais simples: como podemos oferecer o maior acesso à informação ao maior número de pessoas?" Se parece paradoxal achar que a melhor forma de distribuir informação é censurando parte dela, mais curiosa ainda é a completa ausência de qualquer referência ao fator econômico da decisão, como se não estivessem em jogo os lucros gigantescos num mercado que já tem mais de cem milhões de pessoas usando a internet e uma das maiores taxas de crescimento na quantidade de usuários da rede.

Na verdade, o Google está entrando no mercado chinês com algum atraso. Yahoo e Microsoft já estão lá, também censurando resultados de busca. Mas do Google esperava-se um comportamento diferente, afinal a empresa sempre fez questão de enfatizar seu anticonvencionalismo. No documento oficial enviado a Securities and Exchange Comission quando abriram seu capital, afirmavam que "O Google não é uma empresa convencional. Não temos intenção de nos tornarmos uma empresa convencional. Através de toda a evolução do Google como empresa privada, fizemos uma administração diferente. Temos também enfatizado uma atmosfera de criatividade e desafio, que nos tem ajudado a oferecer acesso imparcial, preciso e livre para todos que confiam em nós em todo o mundo." Talvez agora tenham que acrescentar: "menos na China".

Os defensores da postura do Google (entre eles os blogueiros Jason Calacanis, que recentemente vendeu sua empresa Weblogs Inc para o grupo AOL, e David Weinberger, autor do livro Small Pieces Loosely Joined) argumentam que, apesar de não ser uma decisão agradável ou popular, tem potencial para ser a mais eficiente a longo prazo para uma eventual abertura chinesa. Dar um gostinho do que um mecanismo de busca em moldes ocidentais pode oferecer e esperar que a censura governamental vá afrouxando suas restrições. Calacanis chega ao extremo de elogiar a coragem do Google por comprometer sua ética para fincar um pé na China. Mas é exatamente por ter usado essa ética como bandeira por tantos anos que o Google agora se vê vítima de tantas críticas. Sua pureza de intenções parece ter sido útil somente enquanto não se chocou com os interesses econômicos. Até que ponto estariam dispostos a adaptar seus princípios frente a novas exigências do governo chinês? Se a Microsoft censurou o weblog do chinês Zhao Jing, e a Yahoo forneceu informações que contribuíram para colocar o dissidente chinês Shi Tao na prisão, o que podemos esperar do Google? Eles realmente acreditam que "nosso compromisso com a China é a melhor (e talvez a única) maneira de ajudar a levar os tremendos benefícios do acesso universal à informação para todos os usuários de lá" ou estão somente interessados em fazer um negócio da China?

Para ir além
Leia também The Search, John Battelle e a história do Google.

Nota do Editor
Nemo Nox assina o blog Por um Punhado de Pixels.


Nemo Nox
Washington, 13/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O incompreensível mercado dos e-books de Vicente Escudero


Mais Nemo Nox
Mais Acessadas de Nemo Nox
01. O apanhador no campo de centeio - 8/7/2002
02. Dilbert - 7/6/2002
03. Um Bonde Chamado Desejo - 22/10/2002
04. Os Impossíveis - 11/9/2002
05. Modelos de beleza - 28/10/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/9/2007
13h17min
Repórteres sem fronteiras não é uma ONG dedicada à liberdade de expressão. É antes uma entidade financiada pela CIA, pelo governo estadunidense, pela União Européia, implicada na defesa da tortura, de guerras e conivente com crimes cometidos contra jornalistas quando estes são de um espectro ideológico não neoliberal. Esta entidade se situa num campo extremo do neliberalismo, da direita e do universo ultra-conservador. Não é digna de credibilidade. Convido todas e todos a investigar seu histórico.
[Leia outros Comentários de emerson da silva]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Encontro Com o Milagroso - 1ª Edição
Girard Haven
Pensamento
(2001)



O Segredo Bem Guardado
Marcia Frederico
Edc
(2000)



Damião, o Leproso
John Farrow
Quadrante
(1995)



A Mulher de uma Noite
Alfred Machard
Civilização Brasileira S/a
(1939)



Bourgogne les Chemins Du Coeur
Jean François Bazin
Nathan
(1990)



Hepatology a Clinical Textbook
Stefan Mauss
Flying
(2010)



Guia Addresses da 3ª Idadde
Denise Pinheiro e Luiza Pinheiro
Addresses
(2009)



O Padrão Humi as Orientações dos Mestres Volume 1
Servidores Humi
Oafe
(1992)



Frei Bolinha, Companheiro de São Francisco-uma Historia de Boa Vontade
Sergio Lapastina
Mercuryo
(2003)



Advanced English 1
Education First Ef
Signum Internacional
(2009)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês