Dilbert | Nemo Nox | Digestivo Cultural

busca | avançada
28338 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> Documentário "O Corpo em Terapia' estreia em São Paulo no Cinema Reserva Cultural
>>> EXPOSIÇÃO DOS FINALISTAS E ANÚNCIO DOS VENCEDORES DO 5º PRÊMIO DE ARQUITETURA INSTITUTO TOMIE OHTAK
>>> HOSPITAL CRUZ VERDE REALIZA LEILÃO DE ARTES BENEFICENTE EM SÃO PAULO
>>> Ópera rock curitibana concorre ao Troféu HQMIX, um dos mais importantes prêmios do cartoon nacional
>>> Jornada do Patrimônio: Shopping Pátio Higienópolis abre o casarão "Nhonhô Magalhães" para visitação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
>>> Uma jornada Musical
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES V
>>> A passos de peregrinos lll - Epílogo
>>> Jeferson De, Spike Lee e o novo Cinema Negro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quente e aromática tradição
>>> A esperança segundo a ficção
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Michael Jackson, destinado ao eterno
>>> Quem destruiu Anita Malfatti?
>>> Influências da década de 1980
>>> Entrevista com Luis Salvatore
>>> TV pública ou estatal?
>>> Não quero ser Capitu
>>> Arrington pós-TechCrunch
Mais Recentes
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1999)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1994)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1998)
>>> O Impeachment De Fernando Collor - Sociologia De Uma Crise de Brasilio Sallum Jr. pela 34 (2015)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Billy And The Queen de Stephen Rabley pela Longman (1996)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1999)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1993)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1996)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1991)
>>> A Máquina de Fazer Espanhóis de Valter Hugo Mãe pela Biblioteca Azul (2016)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Rocco (1998)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1991)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1990)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1990)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1988)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Aleph (2014)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2014)
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> Caminhos de Saida do Estado de Menoridade de Alfonso M. Iacono pela Lacerda (2001)
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> As ideias de Marcuse de Alasdair MacIntyre pela Cultrix (1973)
>>> Fórmula para o Caos de Luiz Alberto Moniz Bandeira pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Ática/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Ática/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1987)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1988)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1990)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1992)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1990)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1985)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1985)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1992)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/6/2002
Dilbert
Nemo Nox

+ de 33300 Acessos

Scott Adams nasceu em 1957 e levou uma vida obscura até os trinta anos de idade. Depois de estudar Economia, trabalhou sete anos no Crocker National Bank, em San Francisco, e nove anos na Pacific Bell, em San Ramon. Em 1988, desenhou cinqüenta tiras com quadrinhos de Dilbert e Dogbert e as apresentou às grandes empresas do ramo. Foi recusado por quase todas, e algumas chegaram a sugerir que ele fosse aprender a desenhar ou fizesse parceria com alguém que soubesse. A United Media, porém, ofereceu-lhe um contrato, prontamente aceito, e o resto é história.

Dilbert foi inspirado em vários colegas de trabalho de Adams, e as primeiras tiras eram baseadas no seu dia-a-dia no Crocker National Bank e na Pacific Bell. Mostrando funcionários de grandes empresas como vítimas de gerentes incompetentes e colocando-os em situações ridículas e absurdas, a série falou diretamente ao coração de milhares de trabalhadores que se identificavam com Dilbert e seus problemas. O bonequinho sem boca foi incluído em 1996 pela revista People em sua lista das 25 personalidades mais interessantes do país, ao lado do jogador de basquete Dennis Rodman e da popstar Madonna. No ano seguinte, Dilbert apareceu na capa da revista Time, como uma das 25 figuras mais influentes dos EUA.

O sucesso, evidentemente, atraiu também muitas críticas. Dilbert foi acusado de dualidade, de ser ao mesmo tempo mascote dos funcionários e ferramenta de marketing de grandes corporações, que passaram a usá-lo em suas campanhas publicitárias. Vários críticos já apontaram que as tiras fazem humor à custa da imbecilidade dos chefes mas nunca abordam as razões desse comportamento, não dando abertura para um questionamento dos problemas reais das grandes corporações. Fica a dúvida: Dilbert colabora na conscientização dos trabalhadores sobre suas reais condições ou serve como válvula de escape alienante? Adams esquiva-se de responder com interpretações mais profundas e afirma que o objetivo das tiras é simplesmente divertir: "Minha meta não é mudar o mundo, somente ganhar algum dinheiro e fazer com que vocês riam um pouco."

Dilbert é sem dúvida um anti-herói. Mergulhado em burocracia e cercado de incompetência, seu trabalho é como uma tortura inevitável. Em contraste, seu cãozinho Dogbert é um tirano megalômano cujo maior objetivo é dominar o mundo e transformar todos os humanos em seus vassalos. E com qual destes dois personagens os leitores da tira se identificam? Por incrível que possa parecer, com Dilbert. Masoquismo ou catarse?

O universo teórico de Dilbert ultrapassou os quadrinhos pelas mãos do próprio Scott Adams. O ensaio O Princípio Dilbert nasceu como artigo para o Wall Street Journal e transformou-se depois em livro, ocupando o primeiro lugar da lista de best sellers do New York Times. O conceito básico do Princípio Dilbert é que os funcionários mais ineficazes são sistematicamente transferidos para onde podem causar menos danos: a gerência. Isto nada mais é que uma adaptação do velho Princípio de Peter (descrito no livro de mesmo nome, que no Brasil foi batizado como Todo Mundo é Incompetente Inclusive Você, de Laurence Peter), segundo o qual os funcionários capazes iriam sendo promovidos até alcançarem o seu nível de incompetência. A diferença introduzida por Adams está em outro conceito, aqui apresentado nas palavras do próprio criador de Dilbert: "As pessoas são idiotas. Inclusive eu. (...) A única diferença é que somos idiotas em áreas diferentes, em diferentes ocasiões. Por mais esperto que seja, você passa a maior parte do dia agindo feito um idiota. Essa é a premissa básica desta obra tão erudita." E agora? Você prefere ser chamado de incompetente por Peter ou de idiota por Adams?

Criticando, ironizando e satirizando as grandes corporações econômicas, o próprio Scott Adams transformou-se numa corporação. Dilbert é hoje uma marca que vale milhões e aparece em todos os tipos de produtos, de livros a software, passando por miudezas como camisetas e mouse pads. E já foi garoto-propaganda de empresas como Intel, American Airlines e Xerox. Adams admite que faz de tudo para ganhar o máximo possível, e não teme queimar o personagem: "Não dá para ficar queimado sem antes ficar obscenamente rico."

Estandarte dos funcionários oprimidos ou marionete das megacorporações, quanto a uma coisa Dilbert não deixa dúvidas: suas tiras são engraçadas, arrancando gargalhadas dos dois lados do muro. Scott Adams realmente conseguiu criar um microcosmo humorístico que é um divertido espelho do macrocosmo das grandes empresas. E é aí que reside seu valor. Querer encontrar em suas historinhas algo mais profundo que isto é bobagem. Uma bobagem que fará Scott Adams ficar ainda mais rico.

Nota do Editor
Texto getilmente cedido pelo autor. Nemo Nox é editor do blog Por um Punhado de Pixels e do site Burburinho, onde este texto foi originalmente publicado.

Para ir além
The Official Dilbert Website by Scott Adams

Para ir além






Nemo Nox
Washington, 7/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
03. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
04. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
05. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Nemo Nox
Mais Acessadas de Nemo Nox em 2002
01. O apanhador no campo de centeio - 8/7/2002
02. Dilbert - 7/6/2002
03. Um Bonde Chamado Desejo - 22/10/2002
04. Os Impossíveis - 11/9/2002
05. Modelos de beleza - 28/10/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SONHOS LÚCIDOS
FLORINDA DONNER
NOVA ERA
(2009)
R$ 30,00



DICTIONARY OF FINANCE AND INVESTMENT TERMS
JOHN DOWNES AND JORDAN ELLIOT GOODMAN
BARRON'S
(1995)
R$ 29,00



O EXECUTIVO SEM CULPA
JOÃO ERMIDA
LUA DE PAPEL
(2010)
R$ 13,16



BORNÉU - COLEÇÃO AS REGIÕES SELVAGENS DO MUNDO
TIME LIFE LIVROS
TIME LIFE
R$ 8,08



BUCARESTE - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
LETRAVIVA
(2010)
R$ 17,00



CURSO DE MATEMÁTICA - VOLUME ÚNICO
EDWALDO BIANCHINI / HERVAL PACCOLA
MODERNA
(2003)
R$ 12,00



OS PÁSSAROS
FRANK BAKER
DARKSIDE
(2016)
R$ 30,00



VERDI - GRANDES COMPOSITORES DA MÚSICA CLÁSSICA VOL 17 COM CD
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL COLEÇÕES
R$ 14,90



NAMORO, CASAMENTO E MATERNIDADE
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO NO IE
(2003)
R$ 15,00



O DEUS DAS PEQUENAS COISAS
ARUNDHATI ROY
ASA
(1999)
R$ 11,90





busca | avançada
28338 visitas/dia
737 mil/mês