Novos autores na poesia brasileira | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amor platônico
>>> 80 (Melhores) Blogs na Época
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
Mais Recentes
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
>>> A Mão e a Luva - Coleção Prestígio de Machado de Assis pela Ediouro (1987)
>>> Introdução à Teologia Fundamental de Rino Fisichella pela Loyola (2012)
>>> O Mulato - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Uma Lágrima de Mulher - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz e Terra (1975)
>>> Civilização e Cultura. Volume 1 de Luis da Câmara Cascudo pela Livraria José Olympio (1973)
>>> Antologia do Folclore Brasileiro - 2 Volumes de Luis da Câmara Cascudo pela Martins (1965)
>>> Alguém Que Anda por Aí de Julio Cortázar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Revolução na América Latina de Augusto Boal pela Massao Ohno (1961)
>>> Arte de Amar e Contra íbis de Ovídio pela Cultrix (1962)
>>> História Concisa da Literatura de Alfredo Bosi pela Cultrix (1979)
>>> Por Que Almocei Meu Pai de Roy Harley Lewis pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Filosofia de Descartes de Ferdinad Alquié pela Presença / Martins Fontes (1969)
>>> A . Comte - Sociologia de Evaristo de Moraes Filho; Florestan Fernandes pela Ática (1983)
>>> The Pedants Return de Andrea Barham pela Bantam Books (2007)
>>> O Ser e o Tempo da Poesia de Alfredo Bosi pela Companhia das Letras (2004)
>>> Thomas Hobbes de Os Pensadores: Hobbes pela Abril Cultural (1979)
>>> Introdução ao Filosofar de Gerd Bornheim pela Globo Livros (2003)
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho pela Global (2000)
>>> Berenice Contra o Maníaco Janeloso de João Carlos Marinho pela Global (1997)
>>> Conceptual Issues in Evolutionary Biology de Elliott Sober pela Mit Press (1993)
>>> A History Their Own Women in Europe - 2 Volumes de Bonnie S. Anderson; Judith P. Zinsser pela Harper & Rowpublishers (1988)
>>> Revelações de Uma Bruxa de Marcia Frazão pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir; Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (2000)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Quinta-feira, 18/5/2006
Novos autores na poesia brasileira
Elisa Andrade Buzzo

+ de 12900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Parece título de ficção científica. Geração 2000. Ela chegou? Aproxima-se, enfim, oferecendo algo inédito, tecnológica?

Quero pensar aqui na consistência dessa tal Geração 00 na poesia brasileira, se é que assim podemos chamá-la. Não digo poesia brasileira contemporânea, pois aí seria necessário abranger todos que estão vivos e inseridos numa produção poética, o que não é o caso desta conversa.

Mesmo que datas possam não ser os indicativos ideais para "classificar" um grupo de escritores, é quase irresistível falar numa Geração 00. Imagino os antecedentes dessa geração sendo de jovens que se iniciaram na poesia por volta da década de 1990, seja por meio de leituras e esboços, atingem certa maturidade e começam a encetar publicações e participar mais ativamente de projetos e rodas literárias nos primeiros anos do século XXI. Reducionismo? É uma maneira de estipular ordem na dispersão. Aqui falarei um pouco de minhas leituras mais apuradas, já que muitos outros autores certamente poderiam ser incorporados a este texto.

Os novos poetas podem ser jovens, daí chamá-los de "novos", como também podem não ser necessariamente "novos", mas que tenham começado a publicar neste atual século em livros, revistas, suplementos, sites, blogs pessoais ou coletivos. Também são aqueles que escrevem com qualidade, embora não publiquem; e ainda assim fazem parte da novíssima geração. Há quem faça alusões, citações mil, há quem rumine em silêncio, transformando capim em complexidade — o que está em jogo são variadas trajetórias e estilos (a poesia desta Geração 00 atende a vasto público, o que creio ser algo positivo).

Apostar no tenro mundo literário se assemelha às investigações preliminares de um pescador que laça objetos incertos do profundo escuro. À meia-luz, não consegue distinguir a dureza desses seres, sua vida útil ou capacidade criativa. Na volta paulatina da claridade, alguns podem se mostrar enganosos, pneu retrógrado, sapato decrépito. O arguto pescador também pode descamar um peixe indócil, e desse lustro saltar superfície fértil.

Quem queira embarcar na poesia dos novos autores deve, primeiramente, procurar as escondidas e minguadas prateleiras dedicadas ao gênero nas livrarias (porque raramente haverá espaço para estes livros nas mesas e gôndolas de lançamentos). Em seguida, com calma, mesmo sujeito a uma torção de corpo, deve abrir cada livro como quem abre uma concha. O leitor pode ser seduzido por uma capa mais vistosa ou um nome mais televisionado, mas que não se atenha ao desconhecido.

Coleções como a Guizos de Poesia da Editora 7Letras, e a Canto do Bem-te-Vi, da Editora Bem-te-Vi, ambas do Rio de Janeiro, têm publicado diversos livros de poesia nos últimos anos, em sua maioria de escritores estreantes. Surgem autores em livro como Annita Costa Malufe, Carlos Alexandre Artigas, Diego Vinhas, Rodrigo Magalhães, Virna Teixeira, entre outros — todos pela coleção Guizos, cujo lançamento data de 2004. Já pela Canto do Bem-te-Vi, lançada em 2005 com cinco livros, mantive contato com as belas edições de Mônica de Aquino (Sístole) e Marcos Vasques (Elegias Urbanas).

Além das coleções, ainda ressalto A casa azul ao meio-dia/The blue house around noon (Travessa dos Editores, 2005), onde Flávia Rocha mostra sua poesia em edição bilíngüe (português e inglês), Chantal Castelli com Memória Prévia (Com-Arte, 2000), Micheliny Verunschk, Geografia Íntima do Deserto (Landy, 2003) e ainda Ana Rüsche com Rasgada (Quinze & Trinta Edições, 2005).

Há ainda autores que não se encontram em blogs ou mesmo livros, água que se colhe e sorve com a mão em concha. Aí estão, por exemplo, os versos de Vinícius Guilherme Rodrigues Vieira. Depois dos malabarismos nas prateleiras, do contato íntimo com o livro, chegou a hora de espiar sites e blogs literários.

A internet através dos blogs, principalmente, funciona como um espaço de autopublicação e experimentação constante, papel em branco em que se rabisca e se escreve e se altera e se apaga. Impressionante a quantidade de blogs de literatura que brotaram nos últimos anos. Também entrei nessa euforia (ou será melhor dizer moda?). No fundo, parece sempre haver uma esperança juvenil de que essa produção seja "reconhecida" em livro, o que já aconteceu com alguns blogs de prosa. No entanto, creio que esse viés do blog, ainda que válido, seja apenas um resultado de sua importância. O blog possibilita que um texto entre em consonância (ou dissonância) com imagens, sons ou mesmo vídeos postados, sua reunião cria uma comunidade virtual ativa. Ainda há a interatividade, um canal de comunicação através dos comentários entre leitores-autores, autores-autores.

Blog pode ser sim literatura, mas antes de tudo é experimento, extensão do caderno de notas do escritor (pelo caráter da livre alteração das postagens), sujeito às ranhuras dos comentaristas. Depende das intenções do blogueiro em relação aquele espaço. Digo que blog pode ser literatura assim como um livro convencional também pode ser literatura.

Foi nessa dispersão virtual que tomei uma xícara de chá com Angélica Freitas no seu blog e mantive contato com Octávio Roggiero em suas delicadas Primícias poéticas.

No arquivo do blog de Reuben da Cunha, O trompetista gago ainda é possível conhecer jóias como "Madame Boudelaire", "Madame Lúcifer gosta de comer os meus olhos com mel" e outros poemas e pequenas prosas imantados de uma sofisticação coloquial como os de Angélica.

O recém-criado blog coletivo Algaravária une um belo visual com poesia inédita de onze jovens autores espalhados pelo Brasil. O que me parece ser uma tendência a ser explorada: reunião de um grupo de jovens poetas com estilos marcados de escrita, opção pela postagem semanal, tentativa de contemplar autores de diversos estados (o que demonstra uma preocupação em estimular parcerias entre outros eixos na roda literária), espaço para reflexão com a postagem de entrevistas.

É ainda tempo de formação e de se conhecer a Geração 00 na poesia. Por enquanto, ela se aquece com luz refratada. Sua apreciação, ainda à deriva, sua fruição, submarina.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 18/5/2006


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2006
01. Novos autores na poesia brasileira - 18/5/2006
02. Mia Couto revisitado - 14/9/2006
03. FLAP! Uma bofetada na indiferença* - 10/8/2006
04. Qual é o seu departamento? - 26/10/2006
05. As crianças cheirando cola - 7/12/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/5/2006
11h05min
Confesso que sou mais voltado para a prosa do que para a poesia. Mas a escrita em versos tem também seu espaço, embora seja ainda um espaço muito restrito. O que me alegra é saber que leitores de poesia existem, mas me parece que se escondem. Fui à Bienal em Salvador no fim do ano passado. Enquanto que no "Café literário" as pessoas comiam e conversavam - poucos prestavam atenção no que o autor da vez estava explanando - no "Porto da poesia" muita gente em silêncio se espremia para ver e aplaudia com entusiasmo os poetas que ali declamavam seus versos. O negócio é fazer as grandes editoras perceberem isso, e fazer uma maior divulgação de livros de poesias e tal. É utópico, talvez. Mas acredito ser possível. Só um adendo: o livro da Ana Rüsche é muito bom. Ela gentilmente me enviou e gostei por demais dele.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
18/5/2006
10h41min
é isso aí, elisa... e o legal no teu delicioso texto é q vc se lembrou de diversas poetas-mulheres, o q nem sempre todo mundo faz! elas (nós) estão (estamos) por aí não é? e vamos em frente! grande beijo da annita.
[Leia outros Comentários de annita costa malufe]
18/5/2006
18h09min
Eis o olhar clínico e as palavras autorizadas da entusiástica escritora e jornalista Elisa! Muito importante este artigo, pois além de dar as boas-novas poéticas que vem de "tudocuntécanto" deste Brasilzão e resgatar preciosidades dos desvãos do anonimato, também sinaliza a crescente utilização dos blogs, que desempenham - pode-se até arriscar dizer que lado a lado com os livros-convencionais - meio aparentemente eficaz para a propagação da arte poética. Admiração à Elisa, minha companheira onírica!
[Leia outros Comentários de Octávio Roggiero]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Próximo Destino Marte
Marina Vigial
Panda Books
(2005)



Bicentenário de Campinas a Saga Que a Cidade Amou - Autografado
Rubem Costa
Komedi
(2013)



As Ostras Estão Morrendo
Walmir Ayala
Leitura
(2007)



Concepção de Frases Em Ninhos de água
Pedro Cezar
7 Letras
(2002)



A Cultura como Crença
J. Rogério Lopes
Cabral
(1995)



Umbanda Gira! - 1ª Edição
Gisela Darruda
Pallas
(2010)



Terapia do Ser Mulher
Karen Katafiasz
Paulus
(1998)



Osso - na Cabeceira das Avalanches - Autografado
Bruno Cattoni
7 Letras
(2005)



A culpa é das estrelas
John Green
Intrínseca
(2012)



Come and Get Me and Other Ghost Stories
Peter Bullard
Longman
(1983)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês