O Orkut é coisa nossa | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
>>> A vida sem computador
>>> Sobre os blogs de jornalistas
>>> Pink Floyd 1972
>>> A mulher madura
>>> Regras da Morte
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
Mais Recentes
>>> Coleção Os Pensadores de Vários pela Abril Cultural (1973)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Um Diplomata da Regeneração - O 1º Conde de Villa Franca do Campo de Fernando Abecassis pela Tribuna da Historia (2007)
>>> Inspeção do Trabalho de Nelson Mannrich pela LTr (1991)
>>> Jurupari - Estudos de Mitologia Brasileira de Silvia Maria S. de Carvalho pela Ática (1979)
>>> Sport in the 21st Century de John Mehaffey & Reuters pela Thames & Hudson (2007)
>>> Matemática para economistas de Alpha Chiang pela Unesp (1982)
>>> Memórias do cárcere 3º volume Colônia Correlaccional de Graciliano Ramos pela José Olympio (1954)
>>> As hortaliças na medicina doméstica de A. Balbach pela Edel
>>> Caderno de teses vol.2 28ºCongresso Nacional procuradores Estado de Helena Maria Silva Coelho pela Metropole industria gráfica ltda (2002)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbasi pela Gente/ SP. (2004)
>>> Ordem Juridico-econômica e trabalho de Ricardo Antonio Lucas Camargo pela Sergio antonio fabris (1998)
>>> Capo Verde. Una storia lunga dieci isole de Marzio Marzot & Maria de Lourdes de Jesus et alii pela D'Anselmi (1989)
>>> Investimentos Inteligentes: Para Conquistar e Multiplicar o seu Primeiro Milhão de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson do Brasil (2008)
>>> Esquecidos e Renascidos - Historiografia Acadêmica Luso-americana de Iris Kantor pela Hucitec (2004)
>>> Nova York anos 40 de Andreas Feininger pela Museu Lazar Segall (2011)
>>> O Intelectual e o Poder de Eduardo Portella pela Tempo Brasileiro/ RJ. (1983)
>>> Indivíduo e Cosmos na Filosofia do Renascimento de Ernest Cassirer pela Martins Fontes (2001)
>>> Fundamentos Culturales de Civilizacion Industrial de John U. Nef pela Editorial Paidós/ Buenos Aires (1964)
>>> Noções Preliminares de Direito Previdenciário de Wagner Balera pela Quartier Latin (2004)
>>> Salvador Negro Amor de Sérgio Guerra pela Maianga (2007)
>>> Ensaios de Biologia Social - Encadernado de Josué de Castro pela Brasiliense/ SP (1957)
>>> A imprensa na História do Brasil & Fotojornalismo no século XX de Oswaldo Munteal & Larissa Grandi pela Desiderata/PUC (2005)
>>> Roteiro de Macunaíma (Encadernação de Luxo) de M. Cavalcanti Proença/ Autografado pela Ahembi/ SP. (1955)
>>> Alferes Teófilo Olegário de Brito Guerra -Um Memorialista Esquecido de Raimundo Soares de Brito pela Coleção Mossoroense (1980)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 2 + A Volta do Camelo de Barro de Lee Falk pela Globo (1989)
>>> Lugar de Fala de Djamila Ribeiro pela Polen (2019)
>>> Administração Financeira Internacional de David K. Eiteman, ArthurStonehill, e Michael Moffett pela Bookman (2002)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 1 + o Retorno do Cobra de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> História da Literatura Portuguesa/ Encadernado de Antonio José Saraiva e Oscar Lopes pela Porto Ed.
>>> Cortez -A Saga de Um sonhador de Teresa Sales -Goimar Dantas pela Cortez (2010)
>>> HQ Os grandes inimigos do Mandrake Nº 4 + Os Oito Tentáculos da Morte de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> HQ Rastros de ódio - Revista Cinemin Nostalgia 3 de Diversos Autores pela Ebal (1989)
>>> Regulamento do ICMS do Rio de Janeiro de Ana Cristina Martins Pereira pela Lex (2006)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova froteira (2007)
>>> HQ Revistsa Elipse nº 1 + Crepúsculo dos Super-heróis de David Campiti & Kevin Juaire & Bart Sears pela Ebal (1992)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> As mil e uma noites- os corações desumanos de René Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> HQ Quem foi? Os prisioneiros de Sulma de Diversos Autores pela Ebal (1982)
>>> Autoritarismo e Participação Política da Mulher de Fanny Tabak pela Graal/ RJ. (1983)
>>> Cartas entre amigos - sobre os medos contemporâneos de Fábio de melo e Gabriel chalita pela Ediouro (2009)
>>> A Civilização Romana de Pierre Grimal pela Edições 70 (2001)
>>> Centenário de José Bezerra Gomes de Joabel R. de Souza pela Fcjbg (2011)
>>> Alienação na Univesidade - a Crise dos Anos 80 de Paulo L. Hoffmann pela Edit. da UFSC (1985)
>>> O castelo da intriga de Paulo Stewart pela Scipicione (1996)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1993)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1996)
>>> As asas do joel de Walcir Carrasco pela Quinteto Editorial (2019)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1998)
COLUNAS >>> Especial Orkut

Quinta-feira, 16/2/2006
O Orkut é coisa nossa
Celso A. Uequed Pitol

+ de 9800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A farta divulgação que a mídia brasileira tem dedicado ao Orkut faz parecer que estamos diante de um fenômeno mundial. Quem lê matérias dos nossos jornais sobre as facilidades que o site criado por um webmaster turco trouxe para quem quer encontrar amigos, arranjar namorada ou até mesmo emprego acredita que o mesmo acontece no mundo inteiro, especialmente na Europa e nos EUA, onde a internet é muito mais difundida do que entre nós. Por essa via, pensa também que estamos diante de uma ferramenta capaz de mudar até mesmo o conceito atual de internet e, conseqüentemente, toda a comunicação entre seres humanos.

Antes de fazer qualquer afirmação comparativa como esta devemos elencar dados sobre o mesmo objeto e relacioná-los de modo a extrair uma conclusão. Isto é, devemos comparar. Tomemos então uma estatística, a da porcentagem de usuários do Orkut por nacionalidade. Os brasileiros lideram a lista, com 73%. Logo vêm os americanos, com 11%, seguidos dos iranianos, com 2,7%, dos paquistaneses, com 2,4% e dos indianos, com 2,16%. Do sexto lugar para baixo os percentuais são inexpressivos, mesmo em se tratando de países populosos como Inglaterra ou Japão. Notem ainda que, dos cinco primeiros, há apenas um país do chamado Primeiro Mundo, e este é um dado importante para quem quer avaliar a importância mundial de qualquer coisa. O país em questão são os Estados Unidos, e seria estranho se não estivesse na lista, afinal, 160 milhões de americanos têm acesso à internet; ou seja, os milhões de orkuteiros de lá não têm grande peso dentro de seu próprio país. Os quatro países restantes não têm grande inserção econômica e cultural no mundo - à exceção da Índia, que, neste campo, praticamente empata conosco -, além de estarem longe dos dois primeiros. É muito pouco, portanto, para se falar em febre internacional. Mas é mais do que suficiente para afirmarmos, desta vez categoricamente, que o Orkut é um fenômeno brasileiro. Ou que só é um fenômeno no Brasil.

Não faltam razões para tentar explicá-lo. Para ficarmos no campo das estatísticas, podemos começar citando a do tempo de uso da internet. Nesse quesito, os brasileiros são líderes mundiais, e os americanos, ficam, novamente, com o segundo lugar. Quanto maior o tempo de uso, maior é, naturalmente, a quantidade de sites acessados. A questão é que, apesar de permanecerem diante do computador praticamente o mesmo tempo dos brasileiros e contarem com grande parte dos usuários de internet em todo o mundo, os americanos continuam atrás de nós. E isso não é tudo. Nos perfis de estrangeiros, na seção onde aparecem os contatos, há quase sempre um brasileiro, não raro o que o convidou para fazer parte do serviço. Somos, além de tudo, grandes embaixadores do Orkut.

O que não ajuda a nos fazer populares lá dentro. Na mesma razão em que cresce o número de brasileiros dentro do Orkut aumentam as reclamações dos usuários de outros países contra a nossa presença por lá. São, em sua maior parte, europeus e americanos, cansados de criar comunidades sobre seus assuntos preferidos e serem surpreendidos por interessados brasileiros que insistem em escrever em português e, impondo-se pelo número, acabam por deixar o inglês de fora. Como vingança, criam comunidades contra nós. Uma delas, chamada "WTF, A Crazy Brazilian Invasion?", moderada pelo americano de origem russa Gera Dikarev, tem nada menos do que 1500 membros. Há outras menores, e muitas delas francamente ofensivas e até racistas. As reclamações variam de tom, mas se reduzem a alguns pontos básicos. Em resumo, dizem que somos desordeiros, que insistimos em falar em português mesmo quando educadamente alguém pede que usemos o inglês - e que, quando falamos, falamos mal -, que roubamos perfis de usuário, que tratamos mal aos outros e, por fim, que somos exibicionistas, falsos e nossas mulheres são fáceis. Essa última, feita por mulheres estrangeiras, deve derivar dos flertes orkutianos entre europeus casados e brasileiras, cada vez mais comuns.

Um observador atento notará que as críticas que os gringos do Orkut nos fazem são exatamente as mesmas feitas pelos gringos que nos conhecem em carne e osso, e aí está a razão pela qual essa tal "invasão louca de brasileiros", de que fala Dikarev, não se explica pelos números. Nossos vícios - e também as nossas virtudes - se encaixam perfeitamente nos espaços em branco que o Orkut destina para serem preenchidos. A ferramenta que se apresenta como "um ambiente de confraternização, onde é possível fazer novos amigos e conhecer pessoas que têm os mesmos interesses" atende aos anseios do "homem cordial", de Sérgio Buarque de Holanda. "Cordial" vem do latim "cors", "coração". É o homem que reage com o coração, e não com a razão, às circunstâncias da vida. É incapaz de manter relações sociais impessoais, como as que mantém com o Estado e a lei, e, por isso, qualquer infração é relativizada. Por outro lado, ele dá tapinhas nas costas, sorri facilmente, abraça, ama, mas quer que esperem dele qualquer ato heróico ou sacrifical: prefere a simpática superficialidade aos conflitos das relações profundas. Incomoda-lhe a solidão, a introspecção, a análise lenta dos acontecimentos; gosta da presença de amigos, da casa cheia, das festas, do ato impensado, da esperteza em detrimento da análise em profundidade e da originalidade, de mostrar-se bom, simpático, inteligente e bonito - de mostrar-se, enfim. Por isso enchemos nosso perfil de usuário de fotos com decotes e roupas coladas, criamos comunidades do tipo "eu sou..." ou "eu tenho..." e convidamos pessoas para entrar no Orkut e serem nossos amigos com a mesma facilidade com que abrimos a porta de nossa casa para recém-conhecidos. E, aqui fora como lá dentro, desrespeitamos leis, relativizamos todo comportamento equivocado e nos achamos o máximo por isso.

Não que isso seja próprio somente dos brasileiros. A diferença é que tais características não se constituem, pelo menos nos europeus e nos americanos do Norte, em um ethos nacional próprio, e muito menos na imagem idealizada de um herói coletivo, como a do malandro entre nós. A facilidade com que o Orkut nos conquistou e se tornou um fenômeno brasileiro deu-se justamente porque ele fornece os canais para que tudo isso se manifeste, para desespero dos recatados europeus e americanos, que queriam apenas um meio de conversar amigavelmente. O mesmo aconteceu com o futebol, o carnaval ou qualquer outra coisa criada por gringos cintura-dura que o brasileiro tenha contaminado com sua inimitável batucada.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 16/2/2006


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2006
01. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
02. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
03. Entre o sertão e a biblioteca - 27/4/2006
04. O ano de ouro de Nélida Piñon - 4/1/2006
05. Mordaça virtual: o Google na China - 23/3/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2006
14h40min
De tudo que você escreveu o que me pareceu ser a grande sacada é dizer que o Orkut é um fenômeno BRASILEIRO. É curioso como muitas pessoas tentaram o Multiply e outros similares, desistiram e sempre a explicação dada para a desistência era a mesma: "não tem ninguém lá". Ou seja, uma das maiores razões do Orkut ser um "fenômeno" é porque, aparentemente, "todo mundo está lá" - todos os brasileiros on-line do país. É também impressionante como os piores defeitos do brasileiro se destacam - e muito - no Orkut. São esses mesmos defeitos que encheram o Orkut de brasileiros que estão agora, ironicamente, causando a evasão de brasileiros do Orkut.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
16/2/2006
00h12min
Eu, particularmente, vejo o ORKUT com muita reserva. Sim, vi muitos brasileiros agredindo outros sem razão e principalmente pq brasileiro chama qualquer um e não somente gente conhecida. Tem até um site que faz isso pelo usuário, sem que ele precise conhecer alguém no ORKUT prá ser chamado. Meu trabalho principal no ORKUT hoje é treinar meu inglês, lidar contra o SPAM e sair de comunidades sem função além de joguinhos. No fundo o ORKUT "brasileiro" tem que ser muito peneirado por quem quiser encontrar conteúdo. Talvez a única comunidade que realmente me faça entrar lá seja um clube de leitura e comentários.
[Leia outros Comentários de Eurandi Corvello]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DICIONÁRIO DE VERBOS PORTUGUESES
PORTO EDITORA
PORTO
(2003)
R$ 24,70



ENFEITIÇADOS PELO DESEJO
SYLVIA DAY; DEBORA SALLES
LEYA CASA DA PALAVRA
(2014)
R$ 18,00



O MELHOR DA FICÇÃO CIENTÍFICA DO SÉCULO XIX
ISAAC ASIMOV E OUTROS
MELHORAMENTOS
(1988)
R$ 25,00



DESCUBRA O SEU ECONOMISTA INTERIOR
TYLER COWEN
RECORD
(2009)
R$ 42,90



DIREITO DO TRABALHO
DÉLIO MARANHÃO
FGV
(1982)
R$ 39,90
+ frete grátis



O GUARANI
JOSÉ DE ALENCAR
KLICK
(1999)
R$ 4,20



MONSIGNORE
JACK ALAIN LEGER
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,00



VOCABULÁRIO DE FILOSOFIA
ARMAND CUILLIER
LIVROS HORIZONTE
(1997)
R$ 28,00
+ frete grátis



SIMULAÇÕES NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DE QUÍMICA: ESTUDO DE CASO
ADILSON LUIS PEREIRA SILVA, ALVARO ITAUNA S. PEREIRA UND JALDYR JESUS G. VARELA JR.
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



COMECE A CONHECER O SEU PAÍS
ARLETTE PACHECO F. K. GOLDBERG
MELHORAMENTOS
R$ 10,00





busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês