Entrevista com o poeta Armando Freitas Filho | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
29017 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
>>> Eloy Casagrande e Michelle Abu encerram o projeto Baterias Brasileiras no Sesc Belenzinho
>>> LANÇAMENTO - livro " O CRIME COMO GÊNERO NA FICÇÃO AUDIOVISUAL DA AMÉRICA LATINA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
>>> Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras
>>> nem tanto assim
>>> Sob o domínio do Mal
>>> Palavra na Tela - Blogs
Mais Recentes
>>> Jantares De Mesa E Cama de Alexandra Forbes pela Marco Zero (2004)
>>> Cândido ou o Otimismo de Voltaire pela LPM Pocket (2018)
>>> Cinemas de Horror (Cinema Estronho) de Demian Garcia (Org.) pela Estronho (2016)
>>> 1001 Discos Para Ouvir Antes de Morrer de Robert Dimery pela Sextante (2007)
>>> O Massacre da Serra Elétrica - Arquivos Sangrentos de Stefan Jaworzyn pela Darkside Books (2013)
>>> Dick Tracy - Edição Especial 50 Anos de Chester Gould pela Rge
>>> Isaac Asimov Magazine nº 10 de Vários Autores pela Record (1985)
>>> Isaac Asimov Magazine nº 3 de Vários Autores pela Record (1991)
>>> Açucar de Gilberto Freyre pela Ministério da Indústria e do Comércio (1969)
>>> Histeria - Primeiros Artigos II de Sigmund Freud pela Imago (1986)
>>> Critique No 471-472 1986 Michel Foucault: du Monde Entier de Axel Honneth, François Ewald e outros pela Éditions de Minuit (1986)
>>> A Felicidade em Albert Camus, Aproximação à sua Obra de Marcello Z. Mathias pela Tempo Brasileiro (1975)
>>> Los Rollos del Mar Muerto, El Descubrimiento de los Manuscritos Bíblicos de Edmund Wilson pela Fondo de Cultura Económica (1956)
>>> Mundo do Fim do Mundo de Luis Sepúlveda pela Relume Dumará (1997)
>>> Claves para el Diagnostico de las Enfermedades de los Peces de H.-H. Reichenbach-Klinke pela Acribia (1976)
>>> A Alimentação dos Peixes de Aquário de Gastão Botelho e outros pela Nobel (1984)
>>> Miscelânea de Língua e Literatura Portuguêsa Medieval de M. Rodrigues Lapa pela Instituto Nacional do Livro (1965)
>>> Revolução Industrial e Subdesenvolvimento de Paul Bairoch pela Brasiliense (1976)
>>> Revista Tempo Brasileiro 30 / 31 Epistemologia 2 de Carlos Henrique de Escobar, Louis Althusser e outros pela Tempo Brasileiro (1973)
>>> Aforismos para a Sabedoria de Vida de Arthur Schopenhauer pela Folha de São Paulo (2015)
>>> Receita de Ano Novo de Carlos Drummond de Andrade pela Record (2011)
>>> Um Espia Na Casa Do Amor de Anaïs Nin pela L&PM (2006)
>>> Jogos divertidos e Brinquedos Criativos de Marcos Teodorico Pinheiro de Almeida pela Vozes (2007)
>>> O efeito urano de Fernanda Young pela Objetiva (2001)
>>> Tarzan Nº 27 5ª Série de Edgar Rice Burroughs pela Ebal (1979)
>>> Tarzan Nº 35 5ª Série de Edgar Rice Burroughs pela Ebal (1980)
>>> Tarzan Bi Nº 10 2ª Série de Edgard Rice Burroughs pela Ebal (1978)
>>> L'Origine et l'Evolution de la Vie de A. Oparine pela Éditions de la Paix
>>> O Acaso e a Necessidade de Jacques Monod pela Vozes (1976)
>>> O Capital Livro 2 Volume III de Karl Marx pela Difel (1983)
>>> Os Paraísos Artificiais / O Ópio e Poema do Haxixe de Charles Baudelaire pela L&pm (1982)
>>> Se Deus Fosse um Ativista dos Direitos Humanos de Boaventura de Sousa Santos pela Cortez (2014)
>>> Realidad del Alma de C. G. Jung pela Losada (1946)
>>> 501 Filmes Que Merecem Ser Vistos de Larrousse Editorial pela Larrousse Editorial (2009)
>>> Almanaque dos seriados de Paulo Gustavo Pereira pela Ediouro (2008)
>>> No Jardim das Feras de Erik Larson pela Intrínsica (2012)
>>> A massai branca de Corinne Hofmann pela Geração (2007)
>>> Norte e Sul - Edição Bilíngue de Elizabeth Gaskell pela Landmark (2010)
>>> Julieta de Anne Fortier pela Arqueiro (2010)
>>> A Balada do Velho Marinheiro de Samuel T. Coleridge pela Disal (2006)
>>> Que País É Este? e Outros Poemas de Affonso Romano de Sant'Anna pela Civilização Brasileira (1980)
>>> A Mulher Mais Linda da Cidade e Outras Histórias de Charles Bukowski pela L&pm (2017)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela Expressão Popular (2018)
>>> Adução - O Dossiê Alienígena de Pedroon Lanne pela Talentos Da Literatura (2015)
>>> Medo Clássico de Edgar Allan Poe pela Darkside Books (2018)
>>> Mandrake - a Bíblia e a bengala de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Memórias de Minhas Putas Tristes de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> Belo Sacrifício de Jamie Mcguire pela Verus (2016)
>>> Perdido na Amazônia 1: Dan contra a terrível Doutora Nova de Toni Brandão pela Sm (2005)
>>> Deixe os homens aos seus pés de Marie Forleo pela Universo dos livros (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 7/1/2004
Entrevista com o poeta Armando Freitas Filho
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 7600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Armando Freitas Filho nasceu no Rio de Janeiro, no dia 18 de fevereiro de 1940. É considerado um dos principais expoentes da poesia contemporânea brasileira, e sua obra tem sido estudada por escritores e especialistas como Heloísa Buarque de Holanda, Flora Süssekind, Silviano Santiago e José Miguel Wisnik. Em 1986, ganhou o Prêmio Jabuti de poesia com o livro 3x4, publicado pela Editora Nova Fronteira, que também lançou À mão livre, Longa vida, De cor, Cabeça de homem, Números anônimos e Duplo cego.

Ao completar 40 anos da publicação de sua primeira obra, Palavra, de 1963, Armando Freitas Filho lança Máquina de escrever - Poesia reunida e revista. O livro agrupa outros 12 já publicados e um inédito - Numeral/Nominal, que abre o volume. São 608 páginas de poesia, revistas pelo autor, que, pessoalmente, digitalizou grande parte da obra. Máquina de escrever traz ainda prefácio de Viviana Bosi e orelha-retrospecto da trajetória poética de Armando Freitas Filho assinada por Sebastião Uchoa Leite.

O Digestivo Cultural aproveita este importante momento para entrevistar Armando Freitas Filho. Agradeçemos a participação do poeta Mário Alex Rosa, que formulou as três últimas questões desta entrevista.

1- Jardel: Armando, você está lançando nesse momento sua obra poética completa, num único volume. Isso representa o resultado de uma vida dedicada à poesia. O que você pensa ou como se sente diante desse fato?

ARMANDO FREITAS FILHO: A sensação é ambígua. Se por um lado dá uma satisfação ver todos esses 40 anos, esses livros reunidos, pois Máquina de escrever abriga 13 livros de 1963 a 2003, dá, também, uma sensação de despedida, baseado na certeza que não terei outros 40 anos nem outros 13 livros para reunir.

2- Jardel: Sua poética revela sempre algo de visceral. Até que ponto você é mais vísceras que cérebro?

ARMANDO FREITAS FILHO: Não posso dizer se sou mais uma coisa ou outra. Mas o cérebro é uma espécie de estação central onde tudo passa, onde o corpo inteiro, enfim, “não se passa a limpo, mas, sim, em revista”.

3- Jardel: Sabemos das várias parcerias entre você e o artista plástico Rubens Gerchman. As artes plásticas são fonte de inspiração para sua poética? Sua poesia também dialoga com a música?

ARMANDO FREITAS FILHO: Minha poesia tem um certo índice interdisciplinar, como é comum na arte moderna. Creio, contudo, que essa “invasão” de outros gêneros só ocorre quando eu tenho uma relação orgânica, digamos assim, com a obra dos autores citados. Quero crer, por isso mesmo, que as “citações”, quando acontecem, têm um caráter estrutural, não são gratuitas ou ornamentais.

4- Jardel: Armando, até que ponto um acontecimento trágico como o suicídio de Ana Cristina César interferiu nos rumos de sua poética?

ARMANDO FREITAS FILHO: Um acontecimento dessa ordem não afeta somente o que você escreve, mas a sua vida inteira; ainda mais quando acontece com alguém de sua intimidade. Portanto, pega geral, interfere, não só quando se dá a tragédia, mas acompanha, consciente ou inconscientemente, cada dia seu. Essa interferência não é boa, é má.

5- Jardel: Você teve interesse pela poesia concreta em algum momento? O que você pensa sobre a obra do grupo concreto?

ARMANDO FREITAS FILHO: Meu poeta de vanguarda, meu poeta lato sensu, foi Ferreira Gullar, dentre aqueles que eram meus contemporâneos mais próximos. Autor de um livro seminal para a literatura brasileira, A luta corporal, o experimento de sua poesia, sempre me foi bastante, até porque este não era dogmático, parado, sempre estava indo em frente, sem preconceitos, inclusive para consigo próprio. Sua presença eclipsava o pessoal de São Paulo. Visto em retrospecto, a obra do grupo concreto me parece, cada vez mais, irremediavelmente, datada. Os últimos poemas de Augusto de Campos me soam – é curioso – quase ginasianos.

6- Jardel: Que poetas foram de fundamental importância para sua formação de leitor e escritor de poesia?

ARMANDO FREITAS FILHO: Meus poetas de cabeceira são: Drummond, Cabral, Bandeira, Gullar. Claro que há muitos outros de outras línguas, e mesmo da nossa, mas nenhum teve a influência em mim que tiveram os componentes desse four de ases.

7- Jardel: Durante o período da ditadura militar você lançou o livro À Mão Livre, criando versos de impactante violência. Direta ou indiretamente muitos destes versos faziam pensar na violência dos militares. Você também participou da poesia-práxis. Como era ser poeta nesse período?

ARMANDO FREITAS FILHO: A diferença que havia, e que é importante, era o clima horrível em que se vivia. As prisões, a tortura, as mortes, que todo mundo sabia, e o governo, cinicamente, negava, criavam um clima horroroso, depressivo. Gullar foi um dos que mais sofreram, na carne, essa tragédia. É natural que minha poesia refletisse tudo isso, direta ou indiretamente: desde Dual, de 1966, passando por Marca registrada, de 1970, De corpo presente, de 1975, À mão livre (como você diz), de 1979, até Longa vida, de 1982, pelo menos. Minha opção pela Práxis se deu porque das vanguardas instituídas era a que tinha, desde o seu começo, uma preocupação política mais ostensiva; mas não só por isso: foi, também, porque a Práxis, não aboliu, na sua prática ou por decreto autoritário, sem base ou justificativa sustentáveis, minimamente, o verso, a linha, o sujeito e o predicado.

8- Jardel: Você poderia comentar um pouco sobre os poetas da atualidade que você vê como importantes para a poesia brasileira?

ARMANDO FREITAS FILHO: É aquela velha história. Se citar um punhado vou deixar de citar outro tanto. Mas o momento poético é excelente, fora de qualquer dúvida. Se fortaleceu muito, digamos, de 1997 para cá. Os poetas que valem a pena, de múltiplas tendências – o que é ótimo – chega de ordem unida, estão publicados nas várias revistas que surgiram em toda a parte. Têm uma visibilidade muito maior do que aquela que tínhamos nos idos dos 60.

9- Mário Alex: Se você fosse definir sua poesia, qual a definição que você daria para ela?

ARMANDO FREITAS FILHO: Minha poesia é herdeira da poesia do modernismo. Acho que todos os poetas da minha geração têm essa marca de nascença. Não poderia ser diferente: desde os poetas da fase colonial, creio, não tivemos um conjunto de nomes tão importantes, em quantidade e qualidade.

10- Mário Alex: O intervalo entre a crítica jornalística e a universitária sempre foi enorme. Como você tem visto os trabalhos dessas duas naturezas sobre sua poesia?

ARMANDO FREITAS FILHO: Acho esse “intervalo” compreensível. Afinal, no espaço sempre mais controlado do jornal, cabem as resenhas; no espaço acadêmico, há lugar para o ensaio, a dissertação, a tese. Minha poesia e qualquer outra se beneficia dessas apreciações de alcances diferentes. A resenha, às vezes, escrita no calor da hora, com prazo de entrega, consegue captar, pontualmente, aquilo que vai ser desenvolvido, depois, com mais tempo, por outros autores. São aproximações, enfim, distintas e necessárias.

11- Mario Alex: Vários poetas brasileiros (Drummond, Murilo Mendes e até Cecília Meireles) fizeram poemas sobre a Segunda Guerra Mundial, mesmo o Brasil estando distante dos conflitos, pelo menos num primeiro momento. Recentemente aconteceu a guerra no Iraque. É raro aparecer um poema ou um poeta brasileiro discutindo esse tema, como foi na década de 40. O poeta hoje é mais local, mais voltado para a sua subjetividade? Não existe mais espaço para o poema, digamos “engajado”?

ARMANDO FREITAS FILHO: Creio que por se tratar de uma Segunda Grande Guerra, a mobilização foi mais ampla e imperativa. Mas não custa lembrar que nossa poesia no regime do AI-5 procurou engajar-se e protestar. Gullar é o exemplo primeiro e mais eficaz dessa militância poética. Alex Pollari, com seu importante livro Inventário de cicatrizes, de 1978, outro. A minha poesia, como já disse, refletiu, a seu modo, esse momento.

Quanto ao engajamento mais global a que você se refere, hoje, curiosamente, no mundo que só é globalizado na economia (outra forma de guerra) as guerras são localizadas: Coréia, Vietnã, Oriente Médio, Golfo Pérsico. São declaradas, desde os anos ’50 pela única potência com força para isso, o que não deixa de ter sua lógica perversa e covarde. Quem sabe, num futuro próximo, não tenhamos que nos unir contra o inimigo comum, como na época do nazismo, já que “não podes, sozinho, dinamitar a ilha de Manhattan”.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 7/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
04. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
05. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2004
01. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004
02. Maior que São Paulo, só o Masp - 19/1/2004
03. Entrevista com o poeta Armando Freitas Filho - 7/1/2004
04. Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse - 9/8/2004
05. Tàpies, Niculitcheff e o Masp - 27/12/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/1/2004
13h41min
Prezado jardel, gostei deveras da entrevista com o poeta armando freitas. que bom que o site dá voz a estas pessoas que fizeram de sua vida algo importante para a cultura brasileira. embora discorde do comentário sobre Augusto de Campos, aprecio muitísismo a poesia do Armando.
[Leia outros Comentários de claudia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EURICO, O PRESBÍTERO - GRANDES NOMES DA LITERATURA - TEXTO INTEGRAL
ALEXANDRE HERCULANO
DIFUSÃO CULT. DO LIVRO
(2005)
R$ 9,00



INTRIGA
ANNA GODBERSEN
ROCCO JOVENS LEITORES
(2010)
R$ 24,00



POSTO DE ESCUTA - CRÔNICAS QUÍMICAS E ECONÔMICAS
ALBERT HAHN
SLA
(2012)
R$ 10,00



OS INOCENTES - A VOLTA DO PARAFUSO
HENRY JAMES / CLÁUDIA LOPES (ADAP.)
SCIPIONE
(1986)
R$ 4,00



MÚSICA(S) E SEU ENSINO
MAURA PENNA
SULINA
(2015)
R$ 21,99



MEDICINA DA ALMA
ROBSON PINHEIRO
CASA DOS ESPÍRITOS
(2007)
R$ 45,00



NOS PASSOS DE HANNAH ARENDT - BIOGRAFIA
LAURE ADLER
RECORD
(2004)
R$ 130,00



CRIATIVA MENTE
MARCELO GALVÃO
QUALITYMARK
(1992)
R$ 9,80



HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (2ª EDIÇÃO REVISTA)
PAULO GHIRALDELLI JR.
CORTEZ
(2001)
R$ 34,90



FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO - 3 - ELETRICIDADE, FÍSICA MODERNA - 3ª EDIÇÃO
KAZUHITO YAMAMOTO; LUIZ FELIPE FUKE
SARAIVA
(2013)
R$ 8,00





busca | avançada
29017 visitas/dia
1,1 milhão/mês