Pina, de Wim Wenders | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Revista Mãos dadas Equilíbrio Emocional (Revista de apoio) 19 de Vários pela Viva e Ultimato (2008)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Grande Amigo de Deus 18ºed. de Taylor Caldwell pela Record (2002)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Homem Que Sabia: a Inquirição de um Homem pela Verdade de Russel Norman Champlin pela Nova Época
>>> Handbuch Der Wissenschaft Und Bildung - 2 de Kultur Und Wirtschaft pela Deutsche Buch Gemeinschaft (1960)
>>> The 78th Art Directors Annual de ADC Publications pela Adc Publications (1999)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Arthur C. Guyton pela Guanabara (1986)
>>> Uma Nova República: História dos Estados Unidos no Século XX de John Lukacs pela Jorge Zahar (2006)
>>> Time For Poetry: a Teachers Anthology de May Hill Arbuthnot pela Scott Foresman and Company (1951)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Twentieth Century China de O. Edmund Clubb pela Columbia University Press (1978)
>>> Realidade da Amazônia Brasileira de Otto Gilberto de Arruda Beltrão pela Não Consta
>>> Daar zit muziek in: mechanische muziekinstrumenten van speelklok tot pierement de Jan Jaap Haspels pela Bosch & Keuning Nv (1981)
>>> Bondade de Jacob Netto pela Não Consta
>>> Arquitetura da Paisagem Água de Instituto Monsa de Ediciones pela Monsa (2006)
>>> Perfis - 2ª Série - Obra Póstuma de Humberto de Campos pela José Olympio (1936)
>>> Van Gogh's Flowers de Judith Bumpus pela Universe Books (1989)
>>> Um Mundo Só - Vol. 1 / a Alemanha por Dentro - Vol. 3 de Wendell Willkie e Louis P. Lochner pela Nacional (1943)
>>> Obras Poéticas de Gonçalves Dias - 6º Volume de Manuel Bandeira (org.) pela Nacional (1944)
COLUNAS

Terça-feira, 24/4/2012
Pina, de Wim Wenders
Wellington Machado

+ de 3800 Acessos

Quem vê o diretor Wim Wenders, aos 67 anos, filmando em 3D o documentário Pina (sobre a coreógrafa alemã Pina Bausch), parece estar diante de um diretor de vinte e poucos anos, detentor dos mais intricados conhecimentos da tecnologia cinematográfica disponível no mercado. A opção pela filmagem em 3D é apropriada ao filme, pois dá ao espectador a dimensão dos cenários profundos utilizados nos balés da coreógrafa.

Pina Bausch morreu em 2009, aos 69 anos. Além de coreógrafa reconhecida mundialmente, atuou como atriz no filme Fale com ela, de Pedro Almodóvar. Seria leviano de minha parte analisar criticamente os aspectos estéticos de sua coreografia - há inúmeros especialistas capacitados para fazê-lo. Mas, valendo-me da "lente" de Wim Wenders, nota-se a grandiosidade, a imponência da expressão corporal de Bausch. Seu corpo esguio, magricelo, já enrugado no fim da vida, se assemelha a uma corda bamba que balança livremente no ar. Seus seios pequenos e murchos, invariavelmente expostos em várias cenas, afastam qualquer possibilidade de sensualização do corpo, abrindo espaço para a pura observação estética. O espectador mal percebe que Pina está nua: o foco recai exclusivamente nos movimentos, nos quais as expressões faciais da coreógrafa têm a mesma importância que os dedos da mão, os ombros, os pés.

A "parceria" Wenders-Bausch é bem-sucedida devido ao foco narrativo escolhido pelo diretor. Ao invés de inflar o documentário com imagens da coreógrafa, ou apelar para uma retrospectiva cronológica - opção confortável que só iria iconizar mais a bailarina - o diretor optou por uma abordagem inovadora: Wenders preferiu "esconder" a biografada. A história de Pina é narrada por seus alunos, provenientes de várias partes do mundo, cada um no seu idioma. Cada depoimento é ilustrado com movimentos de cada dançarino, como se Pina "possuísse espiritualmente" aquele corpo. Há pouquíssimas imagens da coreógrafa no filme. Ela está presente "nos" alunos, nos cenários de areia, nas cadeiras vazias e nos objetos cuidadosamente distribuídos no espaço em cena.

A opção de Wim Wenders por "esconder" a biografada é oposta à que foi feita em Buena Vista Social Club (1998), um dos melhores documentários da história do cinema. Se podemos dizer algo - além de inúmeras coisas - sobre o diretor, é que ele não se repete. Se em Pina a biografada é abordada "de fora para dentro" (dos alunos "corporais" para a coreógrafa), em Buena Vista... os holofotes são dispersos e individualmente direcionados a cada personagem. As histórias pessoais de cada um daqueles músicos, abandonados e carcomidos pelo tempo na memória dos cubanos (Wenders praticamente os ressuscitou), desembocam em exuberantes apresentações (em conjunto) nos palcos pelo mundo afora. Pina é côncavo; Buena Vista... é convexo.

Wim Wenders é um diretor diferenciado, diria ímpar, entre os diretores contemporâneos. Ele é tão bom diretor de ficção (Asas do Desejo; Paris, Texas; O amigo americano são apenas alguns exemplos) como documentarista - além de Pina e Buena Vista..., Wenders realizou Um filme para Nick (1979), um comovente documentário-homenagem sobre seu ídolo, o cineasta Nicholas Ray. Expoente da geração que ficou conhecida como Novo Cinema Alemão (juntamente com Fassbinder e Herzog), Wim Wenders foi o diretor que mais vivenciou, entendeu e absorveu o aparato tecnológico que seu tempo lhe proporcionou. O diretor nunca rejeitou (como fizeram vários cineastas românticos) os recursos tecnológicos disponíveis. Pelo contrário, utilizou-os como meio facilitador e de barateamento de custos em suas produções. Wim Wenders fez sua estreia com O medo do goleiro diante do pênalti (1971) em película, filmou em digital Buena vista..., e agora ousa filmar em 3D o documentário sobre Pina Bausch. Wenders é um diretor "de ligação": da película ao 3D.

Grande parte do mérito do diretor como um esteta da imagem se dá pelo fato de ele ser um ótimo fotógrafo - habilidade que o credencia a trabalhar com cores vibrantes, tons escuros e locações em lugares inóspitos. É preciso captar "o olhar" de Wim Wenders em seus filmes. As locações estáticas em Pina (desertos, topos de montanhas, cidades vazias etc.) funcionam como apoio e um contraponto ao movimento dos corpos nas cenas. Essa acuidade no trato visual é evidente também em Paris, Texas, Palermo Shooting (filme que nem entrou no circuito brasileiro) e nas cores marcantes de Buena Vista....

Pina marca o retorno de Wim Wenders à Alemanha, após uma temporada americana de altos e baixos. É certo que o cineasta fez filmes menores (não é todo dia que se filma um clássico), mas mesmo estes valem a atenção do cinéfilo (grande parte de sua filmografia foi lançada em DVD). O diretor não tem compromisso com o entretenimento. Seus personagens são emblemáticos. Em Paris, Texas, um homem "desmemoriado" caminha perdido no deserto como se quisesse fugir de uma rusga antiga com a esposa. Em Asas do desejo, Wenders cria um anjo (sem nenhuma conotação religiosa) que sobrevoa Berlin, acompanha o cotidiano das pessoas e se encanta com uma artista circense, tornando-se novamente "humano".

Assistir à Pina (principalmente em 3D) é, além de aprender sobre a coreógrafa, juntar teatro, cinema e dança em um só lugar. O documentário é uma porta de acesso à filmografia de Wenders, especialmente para os que ainda não o conhecem devidamente. Para o cinéfilo que acompanha a trajetória do diretor, Pina é mais um candidato a clássico em sua filmografia.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 24/4/2012


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2012
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès - 27/3/2012
02. De onde vem a carne que você come? - 15/5/2012
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural - 24/1/2012
04. Memória externalizada - 3/7/2012
05. Pina, de Wim Wenders - 24/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Barbie Super Princesa - História para Colorir
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2015)



Xaviera: a Rainha das Aliciadoras
Xaviera Hollander; Tradução Nélson Rodrigues
Record



Encontro Em Jerusalém
Tiago Rebelo
Presença
(2005)



O Livro das Diretas: Nasce uma Nação Apesar do Estado
Júlio César Monteiro Martins (texto)
Anima
(1984)



Marketing - Departamento de Marketing da Kellogg ...
Bobby J. Calder - Alice M. Tybout
Saraiva
(2013)



Dicionário de Management para Compreender a Dinâmica da Empresa
Ceneco
Instituto Piaget
(1996)



Adobe Photoshop 5. 5
Marcos Serafim de Andrade
Senac São Paulo
(2000)



2011 Anuário do Futebol Brasileiro
Rodolfo Rodrigues e Robson Morelli (orgs)
Letras do Brasil (sp)
(2012)



Guia Astrológico para o Sexo e o Amor
Sydney Omarr
Market Books
(2000)



Jovens Com Atitude Enriquecem Mais Rapido
Kent Healy e Jack Canfield
Universo dos Livros
(2013)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês