Memória externalizada | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 3/7/2012
Memória externalizada
Wellington Machado

+ de 4200 Acessos

Vou propor um desafio ao leitor. Você seria capaz de memorizar 99 retratos, identificados por nome e sobrenome, num prazo de 15 minutos? Que tal decorar um poema inédito de 50 versos no mesmo tempo? Talvez você prefira guardar uma lista de 300 palavras aleatórias, também nesse curto espaço de tempo. Caso o desafio seja uma barbada, que tal decorar uma página com mil dígitos (25 linhas de 40 números) ou fixar a ordem de cartas de um baralho em cinco minutos? Sim, leitor, isso é possível.

As façanhas listadas acima fazem parte de um campeonato mundial de memorização, onde verdadeiros "atletas da memória" se digladiam anualmente em busca do prestigiado título. As modalidades da competição e as artimanhas dos competidores para memorizar tudo estão descritas no livro A arte e a ciência de memorizar tudo, do escritor e jornalista americano Joshua Foer (irmão do também escritor Jonathan Safran Foer). Durante uma viagem pelo interior dos Estados Unidos, Joshua se deparou com uma das etapas da competição e resolveu fazer uma matéria sobre o evento. Mas ele se envolveu tanto com os competidores que decidiu treinar para também competir no ano seguinte.

O livro é uma investigação - e aprendizado - do autor sobre as técnicas usadas pelos "atletas" para obterem melhor desempenho nos torneios. O que se pode concluir, genericamente, é que cada competidor desenvolve sua técnica. Mas a maioria utiliza a associação - de letras, números, cartas de baralho - com criações exóticas de pessoas, imaginadas num ambiente comumente chamado de "palácio da memória". A técnica consiste em imaginar celebridades praticando ações inusitadas que remetem ao objeto a ser memorizado, dispostas sequencialmente em um ambiente fictício (uma casa, um apartamento ou mesmo um enorme palácio). Seria como se, para memorizar as palavras "tesoura", "bicicleta" e "suspensório", por exemplo, o competidor se imaginasse entrando numa casa em cuja garagem está Michael Jackson cortando a própria perna com uma tesoura; na sala houvesse o Mick Jager comendo uma bicicleta de chocolate; e no quarto, a Madona comendo um "prato de suspensório" como se fosse um espaguete. Segundo os campeões da memória, o exotismo da situação auxilia a memorização. Memorizar não é repetir; memorizar é criar.

O início do ato de memorizar, segundo a pesquisa de Joshua Foer, se deu no século V a.C. Durante um jantar de notáveis (possivelmente filósofos), o teto de mármore do salão desabou sobre os comensais que estavam ao redor da mesa. Sortudo, o poeta grego Simônides de Ceos havia sido chamado à cidade para entoar uma ode. Durante o recital, o poeta foi interrompido por mensageiros que o comunicaram da catástrofe. Ao chegar no local, Simônides se deparou com um cenário catastrófico. Em meio à fumaça e pedregulhos de mármore, restos mortais irreconhecíveis eram retirados pelas equipes de resgate, para o desespero dos parentes. Como havia estado no salão pouco antes do desabamento, Simônides pode, assim, identificar os corpos de acordo com a posição de cada um na mesa, valendo-se da memória.

Lendas à parte, o fato é que o ato de memorizar teve seus momentos de reprimenda e prestígio ao longo da história. Antes de a escrita ser inventada - e difundida -, a memória era o único "papel" de que as pessoas dispunham para guardar os ensinamentos que recebiam e as histórias que lhes eram narradas. Com a difusão da escrita, a memória passou a ter, como dizia Platão, uma "muleta". Na Idade Média, Cícero já criava suas próprias técnicas para auxiliar os devotos a memorizarem sermões e orações. Até a chegada de Gutenberg, quando os livros começaram a ser produzidos em larga escala, a memória tinha seu prestígio.

Há estudos, ainda que sujeitos à controvérsia, que comprovam que o laureado vício de jogar xadrez, comumente associado ao "turbinamento" do raciocínio, não cumpre esta promessa. Descobriu-se que um bom jogador de xadrez nada mais é do que uma pessoa que estudou muitas partidas de campeões mundiais e as reteve na memória para repeti-las em partidas futuras.

Atualmente, vivemos dias de primazia do raciocínio em detrimento da memória. Há muito os vestibulares deixaram de lado a decoreba e colocaram os alunos pra pensar, tomar decisões com o que têm arquivado em mente. O tão propalado "exercício de memória", o ato de exercitar a memória como se fora um músculo (fazendo palavras-cruzadas, contas aritméticas etc.), não produz nenhum benefício, segundo especialistas.

A memória nos trai a cada minuto. Não se culpe, leitor, se meses depois de ler um livro, a sua memória lhe "devolver" pouquíssimas lembranças da história narrada. Isso acontece com todo ser mortal. Tal esquecimento atormentava tanto Montaigne, que ele decidiu fazer um breve resumo na contracapa dos livros que lia, para tentar salvar algo da história narrada.

O "declínio da memória" é ainda mais profundo se analisarmos nossos hábitos diários, munidos das "maquininhas" de que dispomos. Não se decora mais números de telefones dos entes queridos após o surgimento dos celulares, com suas agendas e aplicativos. Se antes tínhamos arquivados, em algum lugar do nosso cérebro, todas as capitais brasileiras, alguns dos principais presidentes do Brasil, o ano da Abolição da Escravatura, hoje isso tudo pode ser obtido com poucos cliques em celulares ou tablets. Estamos, aos poucos, "delegando a nossa memória", externalizando-a.

A extensa pesquisa de Joshua Foer para escrever o livro comprova que, nas nossas leituras, priorizamos a quantidade (de livros, reportagens, sites) em detrimento da qualidade. Enquanto lemos um livro, estamos já pensando em terminar logo a leitura deste para começar outro; pensamos em algum texto que está pendente na internet, vídeos no Youtube ou programas na TV. Perde-se aí dois dos fundamentos mais preciosos, utilizados por todos os "atletas da memória" em seus exercícios: a atenção e a concentração.

A "externalização da memória" segue a passos largos e velozes no desenrolar da nossa história. Começamos a "delegar" nossa memória para o papel; passamos a arquivá-la (com o surgimento dos computadores) em discos rígidos, disquetes, CDs, DVDs, pen drives. Agora já estamos soltando nossos pensamentos em "nuvens" espalhadas por algum canto da atmosfera. Outro dia um cientista disse que não precisaremos nem mesmo aprender outros idiomas, pois bastará a dois (ou mais) estrangeiros posicionarem seus tablets de frente para o outro, conversar normalmente, que os aparelhos vão produzindo legendas, em qualquer língua, para que os outros possam ler a tradução.

E ainda estamos falando de coisas, diria, "palpáveis". Sem mencionar as teorias dos futurólogos de plantão, que planejam implantar chips nos nossos cérebros ou injetar nanorrobôs nas nossas veias. Cenas dos próximos capítulos. Haverá um dia em que, com a permissão dos deuses, teremos todo o conhecimento do mundo na internet e tudo isso disponível em nossos cérebros. Talvez um "chip do conhecimento humano" implantado em cada terráqueo. A humanidade poderá, finalmente, se preocupar com coisas mais importantes, pois coisas simples poderão ser consultadas instantaneamente na nanoWikipédia ou no nanoGoogle. Coisas como descascar uma banana, por exemplo.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 3/7/2012


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2012
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès - 27/3/2012
02. De onde vem a carne que você come? - 15/5/2012
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural - 24/1/2012
04. Memória externalizada - 3/7/2012
05. Pina, de Wim Wenders - 24/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FELIZMENTE HÁ LUAR!
LUIS DE STTAU MONTEIRO
AREAL EDITORES
(2000)
R$ 31,70



ARTE NA ESCOLA
ZENAIDE BASSI SOARES (ORG.)
UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL
(1995)
R$ 10,00



CENTENÁRIO DA IMIGRAÇÃO JAPONESA NO BRASIL
MASSAO OHNO
LAROUSSE DO BRASIL
(2008)
R$ 30,00
+ frete grátis



SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO
CLÁUDIO ANTONIO DIAS DE OLIVEIRA
YENDIS
(2012)
R$ 16,60



DAMPFTURBINEN
FRITZ DIETZEL
MUNCHEN
(1970)
R$ 70,00



A VIDA DE UM IMIGRANTE LIBANÊS
AMYN DAHER JR
DIVERSOS
(2010)
R$ 22,00



É DIVERTIDO APRENDER - CULINÁRIA PARA CRIANÇAS
EDIÇÕES ALTAYA
ALTAYA
(1997)
R$ 10,79



STEAM-TRAINS A WORLD PORTRAIT
COLIN GARRATT
TIGER BOOKS
(1989)
R$ 80,00



DIE KUNST IM 20. JAHRHUNDERT
PIERRE CABANNE
SOMOGY
(1985)
R$ 70,00



CENTRO NERVOSO
FERNANDO BONASSI
DO AUTOR
(2006)
R$ 15,00





busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês