Hugo Cabret exuma Georges Méliès | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Viva a revolução
>>> AC/DC 1977
>>> As maravilhas do mundo que não terminam
>>> Nem Aos Domingos
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Mais Recentes
>>> Los Condenados de la Tierra (Os Condenados da Terra) de Frantz Fanon pela Fondo de Cultura Econónica (2018)
>>> Les Confessions de Jean-Jacques Rousseau pela Hachete (1903)
>>> O primo Basílio de Eça de Queirós pela Abril Cultural (1979)
>>> Revue Française de Science Politique Volume XXI Numéro 3 juin 1971 de Jean Brusset, Mattei Dogan e outros pela Puf (1971)
>>> Introdução à Geografia da População de Wilbur Zelinsky pela Zahar (1974)
>>> Revista do Brasil de Antonio Candido, Celso Furtado, Julio Cortázar, Manoel Bonfim, Poty e outros pela Rioarte / Funarte (1984)
>>> Painel da Literatura em Língua Portuguesa de José de Nicola pela Scipione (2010)
>>> Crónica de una muerte anunciada de Gabriel García Márquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Marlene D de Marlene Dietrich pela Nordica (1984)
>>> Notícia de un secuestro de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Há Males Que Vêm Para Bem de Alec Guinness pela Francisco Alves (1990)
>>> Vivir para Contarla de Gabriel García Márquez pela Debolsillo (2017)
>>> Tango Solo de Anthony Quinn, Daniel Paisner pela Nova Fronteira (1995)
>>> El Coronel no Tiene Quien le Escriba de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Edicel (1979)
>>> A garota que eu quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> O inverno das fadas de Carolina Munhóz pela Casa da palavra (2012)
>>> Treinando a emoção para ser feliz de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> E se for você? de Rebecca Donovan pela Globo (2016)
>>> O guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1993)
>>> Um porto seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ouse ir Além - Coaching para Resultados Extraordinários de José Roberto Marques pela Ibc (2016)
>>> Segundo - Eu me chamo Antônio de Pedro Gabriel pela Intrínseca (2014)
>>> Doce Cuentos Peregrinos de Gabriel García Márques pela Plaza Janés (1999)
>>> A cadeira de prata - As crônicas de Nárnia de C. S. lewis pela Martins Fontes (2003)
>>> Ases nas alturas - Wild Cards de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Homens de grossa aventura. Acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro 1790-1830 de João Luís Fragoso pela Civilização Brasileira (1998)
>>> Anjos caídos de Asa Schwarz pela Planeta (2010)
>>> Um conto do destrino de Mark Helprin pela Novo Conceito (2014)
>>> O diabo e a Terra de Santa Cruz de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1986)
>>> O Antigo Regime nos trópicos de João Fragoso & Maria Fernanda Bicalho & Maria de Fátima Gouvêa. Organizadores pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Dominguinhos o Neném de Garanhuns de Antônio Vilela de Souza pela Garanhuns (2014)
>>> Viva a Vagina de Nina Brochman / Ellen Sorkken Dahl pela Pararela (2017)
>>> Grandes Pensadores em Psicologia - 10A de Rom Harré pela Roca (2009)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2015)
>>> Steve Jobs : a biografia de Walter Isaacson pela Companhia Das Letras (2011)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> Cien Años de Soledad de Gabriel Garcia Marques pela Plaza Janés (1999)
>>> O Taro Adivinhatório de Vários pela Pensamento
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2002)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> O Paraíso na Outra Esquina de Mario Vargas Llosa pela Arx (2003)
>>> A Festa da Insignificância de Milan Kundera pela Companhia das Letras (2014)
>>> História da Menina Perdida de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2017)
>>> A Lenda do Graal (Do Ponto de Vista Psicológico) de Emma Jung e Marie Louise Von Franz pela Cultrix (1991)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (1975)
>>> O Verão Sem Homens de Siri Hustvedt pela Companhia das Letras (2013)
>>> Hostória de Quem Foge e de Quem Fica de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 27/3/2012
Hugo Cabret exuma Georges Méliès
Wellington Machado

+ de 8500 Acessos

O espectador não deve ir ver A invenção de Hugo Cabret (Martin Scorsese, 2011) por causa da indicação ao Oscar. O filme tem todos os ingredientes de que a Academia gosta: uma criança encantadora como personagem principal, um cachorro enxerido, um velho mal-humorado, momentos de tensão, tiradas engraçadas e muita fantasia. Difícil não remeter ao apelo infantil de Roberto Begnini em A vida é bela (1997). Só que o guri Hugo Cabret é esperto. Órfão de um relojoeiro, aprendeu o ofício com maestria e é o responsável por acertar os relógios de uma estação de trem em Paris. Como não tem dinheiro, vive furtando croissants nas lanchonetes e surrupia quinquilharias de um velho desiludido, dono de uma loja de reparos em brinquedos.

A invenção de Hugo Cabret marca a estreia de Martins Scorsese (Touro indomável, Táxi Driver, Cabo do medo) no formato 3D, com tudo o que o diretor tem de bom e de vulnerável. Não é novidade que o diretor é um hábil roteirista. Isso foi provado no rocambolesco Depois de Horas (1985) - infelizmente pouco valorizado pela crítica e praticamente ignorado pelo público. "Hugo Cabret" não é diferente. O filme tem uma narrativa bem equilibrada, sem entraves ou excessos. Toda cena é crucial para compor o emaranhado de acontecimentos e reviravoltas.

Mas Scorsese cede ao que há de mais condenável - e evidente - no cinema hollywoodiano: o excesso de "momentos de tensão". O diretor foi (inadvertidamente, espero) tomado pelo vício do cinema americano comum e pelas artimanhas da narrativa de entretenimento. Chamo de "momentos de tensão" aquelas cenas levadas às últimas consequências, no limiar do "último segundo", no qual o personagem principal se safa por um fio. Steven Spielberg acentuou essa artimanha em seus filmes (vide a série Indiana Jones) e criou uma espécie de "molde mental" nas platéias, sobre o qual é alicerçado grande parte dos filmes de entretenimento americano. Infelizmente, Scorsese abusa dessa artimanha à Spielberg.

Mas deixemos isso de lado, pois é o que faz ganhar Oscar. O que interessa no filme, o fio narrativo, é um boneco desenhista movido a corda: um autômato que o pai de Hugo Cabret insistia em consertar. A empreitada é perseguida pelo garoto, a fim de descobrir o desenho que o boneco iria produzir. Por uma série de peripécias habilmente entrelaçadas por Scorsese, Hugo consegue reaver a última peça que faltava para mover o autômato: uma chave em forma de coração. O desenho traçado pela geringonça é uma cena do filme Viagem à lua (1902), do diretor Georges Méliès (1861-1938).

E eis que o grande público do século 21, sentado em confortáveis poltronas, nas mais modernas salas de projeção que a humanidade pôde produzir, em meio a baldes de pipoca e refrigerante, embebido pelas aventuras e fantasias de Hugo Cabret, embarca em uma viagem ao passado, mais especificamente a uma pequena sala do século 19, onde é projetado o primeiro filme da história do cinema, A chegada do trem à estação Ciotat (1895), realizado pelos irmãos Lumière. Na ocasião, as pessoas se abaixaram na sala de projeção, temendo a entrada do trem no ambiente. Apesar da incrível invenção que colocava uma série de fotografias em movimento, os próprios Lumière não punham lá muita esperança naquilo, já que as imagens "apenas" retratavam a realidade crua. O cinematógrafo, recém-inventado, teve sua morte decretada pelos próprios Lumère.

O cinema certamente não existiria hoje, com suas pipocas e poltronas confortáveis, não fosse um curioso espectador que provavelmente também se abaixou em uma daquelas sessões em 1895. O inquieto ilusionista Georges Méliès procurou saber como é que funcionava aquela maquininha que projetava imagens, e deu um novo suspiro no desânimo dos Lumière. O escalafobético Méliès começou a recortar as películas, emendá-las, sobrepô-las, e fez da realidade crua da estação Ciotat um mundo de sonhos e imaginação. Estava inventada a trucagem. Estava inventada a ficção e a fantasia. O primeiro filme colorido da história do cinema não foi feito nos anos 30, mas por Georges Méliès - colorido à mão, quadro a quadro.

Charles Chaplin, Orson Welles, Eisentein, Buñuel, Kubrick, Spielberg e Scorsese teriam de batalhar outra profissão, não fosse Georges Méliès, que levou a cabo o invento dos irmãos Lumière. Esse mágico, que perdeu o encanto com a depressão causada pela Primeira Guerra (1914-1917), viu seus projetos fracassarem, levando-o à ruína financeira. Desiludido, queimou filmes, rasgou storyboards (foi o pioneiro nessa técnica também), derrubou cenários e o estúdio de vidro que usava para captar melhor a luz.

Georges Méliès se enclausurou, abandonou a vida pública e entrou em depressão. Tornou-se um velho mal-humorado, indo ganhar a vida como reformador de brinquedos quebrados na estação em que Hugo Cabret roubava croissants e recuperava um autômato que reproduziria a imagem de uma bala de canhão atingindo o olho da lua no filme Viagem à lua.

A cena da lua, juntamente com vários outros retalhos recuperados de filmes de Méliès, emociona a plateia do século 21, que, estupefata, questiona se o mágico realmente existiu ou se foi criação da mente de Scorsese - este diretor que também faz storyboard para seus filmes e usa e abusa das trucagens (agora feitas digitalmente). Martin Scorsese, um diretor do século 21 que, após filmar clássicos como Táxi Driver e Touro indomável, não se deixa atropelar pela evolução tecnológica, desafiando preconceitos puristas. O diretor estreia no formato 3D em grande estilo, fazendo a neve tocar nossas pupilas, o cão quase morder nosso nariz, e nos conduz a um voo noturno por uma Paris cintilante. História e tecnologia se aliam, fazendo de "Hugo Cabret" uma porta que nos conduz a um só caminho: a paixão pelo cinema.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 27/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Poesia em Noir de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. depois da rebentação de Fabio Danesi Rossi


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2012
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès - 27/3/2012
02. De onde vem a carne que você come? - 15/5/2012
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural - 24/1/2012
04. Memória externalizada - 3/7/2012
05. Pina, de Wim Wenders - 24/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÁLCULO MATEMÁTICA PARA TODOS 41- EMPACADOS NO TEMPO
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
SEGMENTO
(2014)
R$ 10,00



MARTIN MYSTÈRE 5
PAOLO MORALES
MYTHOS
(2019)
R$ 15,50



STARTERS
LISSA PRICE
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 15,00



WHATS THAT NOISE?
JADE MICHAELS
MACMILLAN
(2004)
R$ 6,00



TONICO E O SEGREDO
ANTONIETA DIAS DE MORAES
SALAMANDRA
(1980)
R$ 6,90



PRECIS D HYGIENE
P. COURMONT A. ROCHAIX
MASSON ET CIE
(1921)
R$ 87,54



CONFERÊNCIAS, DISCURSOS E PERFIS
JACINTO GUIMARÃES
IMPRENSA OFICIAL BELO HORIZON
(1961)
R$ 29,86



REVISTA MAD ESPECIAL HALLOWEEN Nº 3 - 9922
MARCO M LUPOL
MYTHOS
(2008)
R$ 17,00



DE FRENTE E PERFIL
SPENCER LUÍS MENDES
RAZÃO CULURAL
(1999)
R$ 9,80



JORNAL DE SERRA VERDE
WALDEMAR VERSIANI DOS ANJOS
ITATIAIA
(1960)
R$ 8,90





busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês