Hugo Cabret exuma Georges Méliès | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Dos Embargos de Terceiro de José Horácio Cintra G. Pereira pela Atlas (2002)
>>> Entre o Amor e a Guerra de Zíbia Gasparetto pela Espaço Vida e Consciência (1994)
>>> Consciência Moral e Consciência Jurídica de Mariá A. Brochado Ferreira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Abril cultural (1971)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (1994)
>>> Appassionata de Kurt Pahlen pela Melhoramentos (1991)
>>> As Pupilas do Senhor Reitor de Júlio Diniz pela Três (1984)
>>> Antibióticos na Clínica Diária de Almir L. Fonseca pela Epuc (1991)
>>> A 25a Hora de Virgil Gheorghiu pela Círculo do livro (1976)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1999)
>>> Sociedade e Ambiente: território, desigualdade e vulnerabilidade de Zoraide Souza Pessoa (Org.) pela Livraria da Física (2014)
>>> Elementos de Direito Administrativo de Celso Antonio Bandeira de Mello pela Revista dos Tribunais (1987)
>>> Odisséia de Homero - adaptação: Roberto Lacerda pela Scipione (1997)
>>> Constituição e Hermenêutica Constitucional de Márcio Augusto Vasconcelos Diniz pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> A Outra Face do Poder Judiciário: Decisões Inovadoras ...(Encadernado) de Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka pela Del Rey/ Bhz.: Esc. P. Direito (2005)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Globo (2008)
>>> Administração do Tempo: Um Programa de Autodesenvolvimento de Luiz Augusto Costacurta Junqueira pela Cop Ed. (1992)
>>> O Enigma de Rama de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1991)
>>> Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engels pela Moraes Editores
>>> Sonhos de Robô de Isaac Asimov pela Record (1991)
>>> Verdadeiras Profecias de A.w. tozer pela Clássicos (2001)
>>> O Homem Eterno de G. K. Chesterton pela Mundo Cristão (2010)
>>> O Observador no Escritório de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1985)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro (Jornalista) pela Sulminas (2004)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro (Jornalista) pela Sulminas (2019)
>>> Nada a perder volume 3 de Edir Macedo pela Planeta (2014)
>>> Campinas no início do século 20: percursos do olhar de Suzana Barretto Ribeiro pela Annablume (2006)
>>> A privataria tucana de Amaury Ribeiro Júnior pela Geração Editorial (2012)
>>> Campinas: visões de sua história de Lília Inés Zanotti de Medrano pela Átomo (2006)
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
COLUNAS

Terça-feira, 27/3/2012
Hugo Cabret exuma Georges Méliès
Wellington Machado

+ de 7700 Acessos

O espectador não deve ir ver A invenção de Hugo Cabret (Martin Scorsese, 2011) por causa da indicação ao Oscar. O filme tem todos os ingredientes de que a Academia gosta: uma criança encantadora como personagem principal, um cachorro enxerido, um velho mal-humorado, momentos de tensão, tiradas engraçadas e muita fantasia. Difícil não remeter ao apelo infantil de Roberto Begnini em A vida é bela (1997). Só que o guri Hugo Cabret é esperto. Órfão de um relojoeiro, aprendeu o ofício com maestria e é o responsável por acertar os relógios de uma estação de trem em Paris. Como não tem dinheiro, vive furtando croissants nas lanchonetes e surrupia quinquilharias de um velho desiludido, dono de uma loja de reparos em brinquedos.

A invenção de Hugo Cabret marca a estreia de Martins Scorsese (Touro indomável, Táxi Driver, Cabo do medo) no formato 3D, com tudo o que o diretor tem de bom e de vulnerável. Não é novidade que o diretor é um hábil roteirista. Isso foi provado no rocambolesco Depois de Horas (1985) - infelizmente pouco valorizado pela crítica e praticamente ignorado pelo público. "Hugo Cabret" não é diferente. O filme tem uma narrativa bem equilibrada, sem entraves ou excessos. Toda cena é crucial para compor o emaranhado de acontecimentos e reviravoltas.

Mas Scorsese cede ao que há de mais condenável - e evidente - no cinema hollywoodiano: o excesso de "momentos de tensão". O diretor foi (inadvertidamente, espero) tomado pelo vício do cinema americano comum e pelas artimanhas da narrativa de entretenimento. Chamo de "momentos de tensão" aquelas cenas levadas às últimas consequências, no limiar do "último segundo", no qual o personagem principal se safa por um fio. Steven Spielberg acentuou essa artimanha em seus filmes (vide a série Indiana Jones) e criou uma espécie de "molde mental" nas platéias, sobre o qual é alicerçado grande parte dos filmes de entretenimento americano. Infelizmente, Scorsese abusa dessa artimanha à Spielberg.

Mas deixemos isso de lado, pois é o que faz ganhar Oscar. O que interessa no filme, o fio narrativo, é um boneco desenhista movido a corda: um autômato que o pai de Hugo Cabret insistia em consertar. A empreitada é perseguida pelo garoto, a fim de descobrir o desenho que o boneco iria produzir. Por uma série de peripécias habilmente entrelaçadas por Scorsese, Hugo consegue reaver a última peça que faltava para mover o autômato: uma chave em forma de coração. O desenho traçado pela geringonça é uma cena do filme Viagem à lua (1902), do diretor Georges Méliès (1861-1938).

E eis que o grande público do século 21, sentado em confortáveis poltronas, nas mais modernas salas de projeção que a humanidade pôde produzir, em meio a baldes de pipoca e refrigerante, embebido pelas aventuras e fantasias de Hugo Cabret, embarca em uma viagem ao passado, mais especificamente a uma pequena sala do século 19, onde é projetado o primeiro filme da história do cinema, A chegada do trem à estação Ciotat (1895), realizado pelos irmãos Lumière. Na ocasião, as pessoas se abaixaram na sala de projeção, temendo a entrada do trem no ambiente. Apesar da incrível invenção que colocava uma série de fotografias em movimento, os próprios Lumière não punham lá muita esperança naquilo, já que as imagens "apenas" retratavam a realidade crua. O cinematógrafo, recém-inventado, teve sua morte decretada pelos próprios Lumère.

O cinema certamente não existiria hoje, com suas pipocas e poltronas confortáveis, não fosse um curioso espectador que provavelmente também se abaixou em uma daquelas sessões em 1895. O inquieto ilusionista Georges Méliès procurou saber como é que funcionava aquela maquininha que projetava imagens, e deu um novo suspiro no desânimo dos Lumière. O escalafobético Méliès começou a recortar as películas, emendá-las, sobrepô-las, e fez da realidade crua da estação Ciotat um mundo de sonhos e imaginação. Estava inventada a trucagem. Estava inventada a ficção e a fantasia. O primeiro filme colorido da história do cinema não foi feito nos anos 30, mas por Georges Méliès - colorido à mão, quadro a quadro.

Charles Chaplin, Orson Welles, Eisentein, Buñuel, Kubrick, Spielberg e Scorsese teriam de batalhar outra profissão, não fosse Georges Méliès, que levou a cabo o invento dos irmãos Lumière. Esse mágico, que perdeu o encanto com a depressão causada pela Primeira Guerra (1914-1917), viu seus projetos fracassarem, levando-o à ruína financeira. Desiludido, queimou filmes, rasgou storyboards (foi o pioneiro nessa técnica também), derrubou cenários e o estúdio de vidro que usava para captar melhor a luz.

Georges Méliès se enclausurou, abandonou a vida pública e entrou em depressão. Tornou-se um velho mal-humorado, indo ganhar a vida como reformador de brinquedos quebrados na estação em que Hugo Cabret roubava croissants e recuperava um autômato que reproduziria a imagem de uma bala de canhão atingindo o olho da lua no filme Viagem à lua.

A cena da lua, juntamente com vários outros retalhos recuperados de filmes de Méliès, emociona a plateia do século 21, que, estupefata, questiona se o mágico realmente existiu ou se foi criação da mente de Scorsese - este diretor que também faz storyboard para seus filmes e usa e abusa das trucagens (agora feitas digitalmente). Martin Scorsese, um diretor do século 21 que, após filmar clássicos como Táxi Driver e Touro indomável, não se deixa atropelar pela evolução tecnológica, desafiando preconceitos puristas. O diretor estreia no formato 3D em grande estilo, fazendo a neve tocar nossas pupilas, o cão quase morder nosso nariz, e nos conduz a um voo noturno por uma Paris cintilante. História e tecnologia se aliam, fazendo de "Hugo Cabret" uma porta que nos conduz a um só caminho: a paixão pelo cinema.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 27/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
02. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
03. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2012
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès - 27/3/2012
02. De onde vem a carne que você come? - 15/5/2012
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural - 24/1/2012
04. Memória externalizada - 3/7/2012
05. Pina, de Wim Wenders - 24/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEORIA E PRATICA DOS TESTAMENTOS (CAPA DURA)
MANOEL UBALDINO DE AZEVEDO
SARAIVA (SP)
(1965)
R$ 19,00



COMUNICAR COM A CRIANÇA: DA CONCEPÇÃO À ADOLESCÊNCIA
MICHEL ROTA
TERRAMAR
(1995)
R$ 25,68



ANTOLOGIA POÉTICA
FERNANDO PESSOA
RBA
(1994)
R$ 9,70



ALMANAQUE DO PENSAMENTO 1997 - GUIA ASTROLÓGICO
EDITORA PENSAMENTO
PENSAMENTO
(1995)
R$ 8,00



A MARCA DO FELINO
VALERIE MARTIN
ROCCO
(1996)
R$ 4,00



CORTEM AS CABEÇAS - VOL.3 - SÉRIE ALICE NO PAÍS DAS ARMADILHAS
MAINAK DHAR
UNICA - GENTE
(2017)
R$ 23,86



HISTÓRIAS DOS NOSSOS ALUNOS
JOÃO EUDES BEZERRA GUERRA
EDIÇÃO DO AUTOR
(2004)
R$ 7,00



PASSOS NA AREIA
MARIA JÚLIA FERNANDES
CONTEXTO
(1996)
R$ 26,99



CURSO DE SIMPLIFICAÇÃO DO TRABALHO - COMPLETO
ENG. ANNIBAL BOMFIM
SESI
(1971)
R$ 16,00



EDUCAÇÃO SOCIAL NA ESCOLA BÁSICA MODELOS E MÉTODOS
RAMIRO MARQUES
HORIZONTE
(1997)
R$ 26,06





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês