Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/3/2014
Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
Ricardo de Mattos

+ de 5300 Acessos

"O manuscrito deste livro estava muito avançado. Eu não ousava publicá-lo, sem antes ter visto algo da Rússia, sem ter respirado seu ar, vislumbrado suas florestas e pradarias, por onde caminhava Turguêniev em suas caçadas" (Jayme Mason).

Queremos fazer justiça a Jayme Mason, engenheiro de formação e amante declarado da literatura russa. Seu pouco conhecido livro, Mestres da literatura russa - Aspectos de suas vidas e obras, foi para nós um verdadeiro roteiro. Por meio dele ficamos sabendo da verdadeira extensão da obra de autores como Tolstoi, Gorki e Turguêniev, entre outros. Escrito por quem se propôs a aprender russo e a visitar os lugares referidos nas grandes obras, seu texto é de tal clareza que anos depois, quando o jornal anunciou para breve o lançamento das Memórias de um caçador, primeiro livro em prosa de Ivan S. Turguêniev, já estávamos prevenidos do que se tratava e aguardamos sua chegada seguros de boa leitura. De Turguêniev - com quem compartilhamos a data de reencarne, 28 de outubro - já tivemos oportunidade de ler Ássia, Meu primeiro amor e o clássico Pais e filhos.

Qual a voz das Memórias...? A do próprio Turguêniev, em primeira pessoa. Não o escritor procurando assunto para relatos, mas o caçador que deambulou em sua propriedade e adjacências, tendo olhos de ver e ouvidos de ouvir, atento aos costumes, gestuário e curiosidades da fala do povo. Percebe-se que o principal resultado de suas caçadas não foram os animais, e sim as cenas que transformou em narrativas. Ora encontramos o narrador que apenas relatou o que testemunhou - O prado de Biejin; O escritório -, ora é aquele que interveio diretamente nos fatos - Biriuk. Quase todos os relatos iniciam-se com alguma andança atrás de caça: ora sozinho, ora acompanhado por algum empregado caçador, mas sempre com algum cão. Ao contrário dos cães especialistas de outros países - apontador, buscador, terrier -, os cães de Turguêniev pareciam ter múltiplas funções. De qualquer forma, a caçada foi o pretexto para o escritor flanar por bosques e campinas, tomar chuva e sereno, bem como aquecer-se ao Sol. Quando encontrou algo considerado digno de explorar e registrar, deixou em paz os faisões e galinholas e permitiu ao cachorro descansar. Em apenas um relato, Relíquia viva, o narrador apresenta-se com outro nome.

A caça de Turguêniev limitou-se a aves e, por vezes, lebres. Quem não estiver informado a respeito do autor e sua obra talvez desaponte-se ao tomar o livro esperando por safáris, lutas com tigres ou leões, descrições de caçadas e de armas. Estamos falando de um nobre que usou seu tempo livre em terra natal para conhecê-la mais de perto, no que diz respeito aos seus habitantes e à variada escala social. Não espere o leitor, portanto, um Ernest Hemingway russo. Por outro lado, a imersão de Turguêniev parece desautorizar a crítica que lhe endereçava seu colega Fiodor Dostoiévski. Segundo o autor de Crime e castigo, Turguêniev falava de um país que conhecia de fora, de notícias colhidas em sua permanência no exterior. Nesta coletânea, iniciada em 1847 e reunida para publicação em 1852, notamos que o autor de Pais e filhos não era alheio aos acontecimentos de sua terra, embora não tenha tido, talvez, o envolvimento desejado pelo outro. Dostoiévski foi preso e julgado, porém liberado da execução quando já experimentava o capuz de condenado. Si esta não era a índole de Turguêniev, seus escritos - a começar das Memórias - foram polêmicos o suficiente para inaugurar um novo olhar dos russos sobre sua própria realidade. E ambos legaram textos valiosos, que desde a primeira edição dão o que pensar a quem se dedica a lê-los. Vivessem no Brasil atual, Dostoiévski participaria das passeatas do ano passado e mais de uma pessoa suspeitaria de sua participação em black bloc. Já Turguêniev assistiria o movimento, conversaria com alguns manifestantes e depois escreveria sobre o assunto para o jornal O Estado de S.Paulo.

Repara, leitor. Quando o resenhista de algum jornal, revista ou site procura justificativa para recomendar a leitura de um livro escrito há algum tempo, geralmente recorre à formula: "Embora escrito no Cazaquistão do século XIII, o livro mantém-se atual". Seria melhor dizer que a sua época, o escritor já possuía olhar aguçado o suficiente para reconhecer os tipos humanos e as relações estabelecidas entre eles, os interesses envolvidos, os conflitos expostos ou jacentes. E que a Humanidade caminha em passo tão lento, arrastado e moroso, que ainda podemos encontrar nos dias de hoje aqueles mesmos tipos resistindo à transformação, querendo que o mundo pare para eles. Lembremo-nos, inclusive, que a relatividade espaço-temporal pode fazer que encontremos o Cazaquistão do século XIII no Brasil do século XXI. Prova disto obtivemos um ou dois dias após a leitura da narrativa O escritório, na qual Turguêniev concentrou-se na exposição do caráter de administradores a serviço da nobreza rural. Foram pessoas que conseguiram manter seus patrões alienados e intrometeram seus próprios interesses em meio ao trabalho pelo qual eram remunerados, obtendo propinas e portando-se como pequenos déspotas com a criadagem de hierarquia inferior. Pois bem: chegou-nos ao conhecimento o caso de senhora que, para vender certo imóvel de sua propriedade, encarregou seu sobrinho da corretagem. Todavia, soubemos depois que não estava a par das pressões feitas por ele sobre os compradores, exigindo sinais indevidos e ameaçando interromper o negócio. Muito lento, muito arrastado, e muito moroso...

Embora nas primeiras linhas do conto "Hamlet do distrito de Schigrí" o narrador envergue seu fraque, "sem o qual não aconselho ninguém a sair de casa, mesmo que seja para caçar", ele não assumiu a persona do nobre distante e observador de fatos pitorescos, o que fatalmente quebraria a espontaneidade dos circundantes. Por vezes contou chegar a um local pobre, ser reconhecido como fidalgo da região - como n'"Os cantores" - e logo as pessoas acostumarem-se e esquecerem-no. O esquecimento ocorreu porque ele não se preocupou em lembrá-las de sua fidalguia nem pretendeu comportamento ou tratamento especiais. De fato, o escritor mostrou-se à vontade entrando em tascas humílimas, abrigando-se do tempo e da noite em celeiros e estábulos, compartilhando refeição em casa de mujiques e pessoas simples. Por vezes, dialogou de igual para igual com outros de seu patamar. Percebemos, porém, maior simpatia no trato com o homem do povo, menos "armado", mais fecundo de histórias e com maior potencial de surpreender o ouvinte com expressões e soluções de demandas.

Quase toda narrativa inicia-se, também, com a descrição de algum local ao ar livre, de algum nicho natural que teria enchido os olhos de Turguêniev. Não mera descrição de cenário ou introdução ao que virá, mas verdadeira elegia da Natureza, sua fonte de abastecimento espiritual:

"Dê-me sua mão, querido leitor, e venha comigo. O tempo está maravilhoso; o céu de maio é de um azul dócil; as folhinhas lisas do salgueiro brilham como se tivessem sido lavadas; o caminho amplo e regular está todo coberto daquela erva miúda de caule avermelhado que as ovelhas beliscam com tanto gosto; à direita e à esquerda, balança suavemente, pelas encostas das colinas arredondadas, o centeio verde; sombras de pequenas nuvens deslizam sobre ele, em débeis manchas" (de "Tatiana Boríssovna e seu sobrinho").

"E que sombra fazia no bosque! Era a pura noite em pleno calor do meio dia: silêncio, perfume, frescor... Passei tempos felizes em Tchaplíguino, e por isso reconheço que não era sem melancolia que entrava naquele bosque tão familiar" (de "Morte").

"Respondi o que se responde nesses casos, e fui atrás dele. Uma pequena vereda que havia sido limpa há pouco logo nos levou para fora do bosque de tílias; entramos em uma horta. Em meio a velhas macieiras e espessos arbustos de groselheira abundavam repolhos verdes e pálidos; os altos estames do lúpulo ascendiam em espiral; galhos pardos se apertavam nos canteiros, emaranhados com a ervilha ressequida; abóboras grandes e achatadas pareciam desabar na terra..." (de "Meu vizinho Radílov").

Imagens

Esta coluna foi ilustrada com imagens de quadros pintados por Carl Brenders, pintor belga nascido em 1937.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 17/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
02. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
03. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2014
01. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev - 17/3/2014
02. Lares & Lugares - 18/8/2014
03. As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen - 10/2/2014
04. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior - 6/1/2014
05. Do outro lado, por Mary del Priore - 27/10/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIAS AZUIS
MOACIR SADER
FLOR&CULTURA
(2017)
R$ 12,00



A VIDA NOS MUNDOS INVISÍVEIS
ANTHONY BORGIA
PENSAMENTO
(1960)
R$ 40,00



AMOR DE PERDIÇÃO
CAMILO CASTELO BRANCO
CIRANDA CULTURAL
(2008)
R$ 9,90



INTELIGÊNCIA PRÁTICA - ARTE E CIÊNCIA DO BOM SENSO
KARL ALBRECHT
M. BOOKS
(2008)
R$ 59,90



ABSINTO - UMA HISTÓRIA CULTURAL
PHIL BAKER
NOVA ALEXANDRIA
(2010)
R$ 26,00



SUN CERTIFIED - JAVA PROGRAMMER
CAMILO LOPES
CIÊNCIA MODERNA
(2010)
R$ 37,00



UMA VEZ SÓ É POUCO
JACQUELINE SUSAN
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 6,90



SALTO PARA O FUTURO, EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
VÁRIOS
MEC
(1999)
R$ 7,50



ALGUÉM QUE JÁ NÃO FUI
ARTUR DA TÁVOLA
SALAMANDRA
(1978)
R$ 10,00



LA MEMORIA DE LOS SERES PERDIDOS
JORDI SIERRA I FABRA
EASY READER
(2006)
R$ 70,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês