As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
33053 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/2/2014
As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen
Ricardo de Mattos

+ de 4700 Acessos

"A vaca de Stalin é um bode". (Sofi Oksanen)

Pode-se dizer que aquele que não gosta de ter seus defeitos, vícios e doenças mencionados por outrem apresenta dois principais motivos para seu desgosto. Primeiro, porque já sabe por si mesmo, conscientemente ou não, mais a respeito de suas mazelas do que seria confortável. Segundo, porque sente-se totalmente nu diante de quem apenas admirou seu calcanhar.

Certo provérbio maçom afirma que "um homem com Deus forma a maioria". O crente sabe que a extensão de sua sombra é de conhecimento divino, o que já é desconforto suficiente. Portanto, mais gente além d'Ele informada sobre o conteúdo pétreo de seus sapatos é a multiplicação deste desconforto. "Si a maioria já sabe, que mais quereis: declaração de próprio punho?".

A tarefa mais difícil do ser humano talvez não seja conhecer-se, mas reconhecer-se. Reconhecer-se naquele que fala em demasia (!), no que trapaceia, no que inveja, no que tira vantagem até em festa infantil, no que se soterra sob mecanismos de defesa. Poderia ser a tarefa mais fácil, pois o sujeito desta pesquisa está ao permanente alcance: desnecessário marcar hora para entrevistá-lo. Vá tentar surpreendê-lo, contudo... Escorre pelos dedos e torna-se necessário descobrir seu novo esconderijo.

O indivíduo poderia ser sua melhor companhia. Devido a certo masoquismo sobre o qual ainda não nos detemos, prefere ser sua pior companhia, concentrando-se em seus aspectos desfavoráveis. Pensamos naquele jogo da memória, em que as cartas ou figuras são viradas para baixo, cabendo ao participante desvendar os pares. Fulano levanta a primeira carta e descobre um defeito. Levanta a segunda e descobre outro. Então queda-se depressivo: "Eu não presto!". Por que, em vez de ficar miando e atormentando aqueles que lhe são próximos, não levanta as demais cartas para ver quais qualidades também estão ali ocultas?

Sendo-nos lícito, de nossa experiência revelamos que encarar e aceitar nossos defeitos mais fortaleceu-nos que nos abateu. Houve sua parcela de incômodo, evidente. Passada a turbulência, si não fizemos deles nosso cartão de visitas, não aceitamos em nossa caixa ovos que não são nossos.

Terminamos a leitura de As vacas de Stalin, da escritora finlandesa Sofi Oksanen (1977). É o primeiro livro por ela escrito, o segundo traduzido no país. Precedeu Expurgo na forma, ou seja, na narrativa sem linearidade cronológica. O período abrangido, entretanto, vai da década de quarenta do século passado à entrada da atual centúria. Dir-se-ia que foi escrito conforme a personagem lembrava ou tinha conhecimento dos fatos. Fechado o livro, percebe-se o todo, ainda que circular. Nossa preferência segue a ordem de publicação: primeiro Expurgo, depois As vacas de Stalin. Não são leituras para estômagos frágeis. Todavia, também não são para glutões. O leitor afeito a detalhes eróticos saberá que a personagem Anna, jovem bulímica, mantém relações sexuais com o namorado e até com estranhos, mas nãoo que ela faz durante as relações. Primeiro porque, neste sentido, o explícito parece não fazer parte do trabalho de Oksanen. Segundo, porque a frigidez decorre da doença e dos remédios por ela tomados, de forma que as relações não primam pelo entusiasmo. Terceiro, porque os detalhes são reservados ao que ela chama suas "sessões": comer pantagruelicamente e depois devolver tudo. Pode se perguntar: "um livro inteiro sobre uma garota vomitando?". Caro leitor, não seja simplista. N'As vacas de Stalin Oksanen reforçou aqui e descuidou ali. Há cenas fortes e há pontos entediantes. Por isso dissemos preferir Expurgo, muito mais pesquisado e equilibrado.

No primeiro livro que escreveu, Oksanen descreveu o passado próximo e o "médio", por assim dizer. Próximo no que se refere à vida da personagem. "Médio", por incursionar na história da Estônia, porém sem ir muito longe. Tanto a escritora quanto a personagem são filhas de pai finlandês e mãe estoniana, o que sugere certo conteúdo autobiográfico. Eis, inclusive, ponto interessante do livro. Em dado parágrafo, ou mesmo em dada frase, a narrativa muda da primeira para a terceira pessoa sem aviso prévio. E não se trata da fala d'outro personagem em discurso indireto. O "eu" cede ao "ela" de forma que, si conteúdo biográfico há, talvez seja a forma de distinguir a ficção da realidade; o limite entre a criadora e a criatura, feita a sua imagem e semelhança, com ela não se confundindo.

A que vacas refere-se o título? Trata-se, ao que parece, de um esforço de humor dos prisioneiros - políticos ou não - egressos da Sibéria, que diziam ter visto por lá a raça bovina desenvolvida por Stalin. O desmentido revela o chiste: "A vaca de Stalin é um bode". Portanto, algo aquém ou completamente diverso do esperado. No começo da leitura, como há referência à negação da prostituição no território soviético, imaginamos que "vaca" envolveria a referência às prostitutas pelas autoridades do regime. Os negros trazidos à força ao Brasil não eram referidos como galinhas d'Angola, o que rendeu nome ao porto nordestino? O desacordo entre o que se espera e o que se tem parece mais conforme. O que se esperava do regime político não se cumpriu. O que se esperava da mudança de país, também não. Cidadãos foram convertidos em números e manejados dentro do país como gado dentro da fazenda. Os excedentes ou problemáticos são abatidos. Tornando ao conhecimento ou reconhecimento de si. O que um profissional da saúde demoraria dias, semanas, meses, anos (?!) para levantar, a personagem entrega pronto. E não, ele nada teria a acrescentar-lhe: "Eu também sabia tudo o que era possível sobre distúrbios alimentares, tendo lido sobre tudo, estudado tudo. Eu não precisava de suas aulas sobre bulimia e seus nutricionistas - talvez tivesse precisado disso dez anos atrás, porém agora não mais". Repetir o que se sabe enfada. O que vem depois?

Os dados sobre Anna e sua família são graduados. Muito sobre ela, sua mãe e sobre a Estônia. Menos sobre o pai. Menos ainda sobre a avó e os demais. Na crueza da narrativa, a personagem não estabelece relações de causa e efeito entre sua vivência e sua doença. O leitor atento perceberá sozinho os liames.

A partir das lembranças de Anna, a Estônia adquire fisionomia humana. Equivale a parente querido que se conheceu o suficiente para amar, mas do qual foi obrigada a afastar-se e mesmo negar. Anna nasce na Finlândia, e seu contato com o país de origem dá-se através das constantes viagens maternas. Katariina, a mãe, cumpriu a praxe de então para sair de país do bloco soviético em busca de melhores oportunidades: casou-se com um finlandês. Não foi bem sucedida sentimental nem financeiramente. Podemos ver seu constante ir e vir de contrabandista como tentativa de amenizar o prejuízo.

Muitas vezes a tentativa de amenizar implica em agravar. Com todos seus defeitos, na Estônia Anna identifica sua origem. Localiza o ponto de apoio que o país de nascimento não oferece. Na Finlândia, ela é alguém a mais, cuja origem deve ser cuidadosamente resguardada, pois considera-se prostituta toda mulher de origem soviética. Isto é algo de que ela demonstra consciência, pois refere-se mais de uma vez a homens que pensam ser sua mãe a sua cafetina. Por outro lado, na sua querida Estônia, ainda que precária e maltratada pelo regime político absurdo, ela é vista como a "princesinha" estrangeira. Logo, não consegue a imersão desejada.

Princesinha submetida à tirania de um Senhor: seu corpo. Cremos que Viktor Frankl não consideraria absurdo o seguinte raciocínio: as enfermidades atingem o indivíduo na dimensão noética - ou espiritual -, na dimensão psíquica e na dimensão física. Todavia, o que ocorre na dimensão física, na maioria dos casos, é expressão, consequência ou manifestação do que ocorre na dimensão noética, certo efeito de cascata. Além dos conflitos com o passado e com o presente, Anna estabelece no corpo os limites de sua individualidade. Poderia repetir com Hitchens: "Eu sou meu corpo". Mal sabendo de onde veio, ignorando para onde vai e limitada ao perecível, disto resulta a degradação e a estagnação. Pode ser esta a causa da narrativa começar e terminar com a personagem falando de bulimia. Apesar de minada pelo flagelo auto-imposto, nada indica que ela deixou ou deixará o estágio em que se encontra.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 10/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
03. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
04. Como uma Resenha de 'Como um Romance' de Duanne Ribeiro
05. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2014
01. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev - 17/3/2014
02. Lares & Lugares - 18/8/2014
03. As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen - 10/2/2014
04. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior - 6/1/2014
05. Do outro lado, por Mary del Priore - 27/10/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OBSERVATÓRIO DO VALONGO 50 ANOS DO CURSO DE ASTRONOMIA
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
UFRJ
(2008)
R$ 20,28



VB . NET GUIA DO DESENVOLVEDOR
CAMERON WAKEFIELD
STARLIN ALTA CONSULT
(2002)
R$ 64,99



A SOMBRA DO VENTO
CARLOS RUIZ ZAFÓN; MÁRCIA RIBAS
SUMA DE LETRAS
(2007)
R$ 56,94



OS CICLOS ECONÔMICOS E SUAS CAUSAS
W. C. MITCHELL
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 20,00



SINTA-SE LIVRE ONDE VOCÊ ESTIVER
THICH NHAT HANH
SEXTANTE
(2004)
R$ 56,45



ATLAS DE ANATOMIA HUMANA
GUSTAV BROESIKE
CIENTIFICA
(1951)
R$ 19,60



SÃO PAULO EM PERSPECTIVA VOL. 10
ND
SEADE
(1978)
R$ 50,00



PEDRAS ALTAS: A VIDA NO CAMPO SEGUNDO ASSIS BRASIL
CARLOS REVERBEL
L&PM
(1984)
R$ 7,00



PERÍCIA CONTÁBIL
ANTONIO LOPES DE SÁ
ATLAS
(2000)
R$ 49,00
+ frete grátis



O TAMANHO DO CÉU
THRITY UMRIGAR
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 11,00





busca | avançada
33053 visitas/dia
1,3 milhão/mês