As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
>>> O Dom de Sabedoria na mente ,vida e obra de Plinio Correa De Oliveira - 3 Vol - Ver Descrição de Mons. João Scognamiglio Cla Dias , Ep pela Vaticana (2016)
>>> Ana E O Gato de Gusmao Marta^Gusmao Tania pela Franco (2011)
>>> Uma história do mundo de David Coimbra pela L&Pm (2012)
>>> Figura na sombra de Luiz Antonio De Assis Brasil pela L&Pm (2012)
>>> O bem de Cristina Von pela Callis (2011)
>>> Drogas de Leslie Iversen pela L&Pm (2012)
>>> Peanuts: ninguém gosta de mim de Charles M. Schulz pela L&Pm (2013)
>>> Teatro Para A Juventude de Tatiana Belinky pela Companhia Nacional (2005)
>>> Pré-história de Cris Gosden pela L&Pm (2012)
>>> Razão e sentimento: de Jane Austen pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 2 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 1 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2654--ia dar um tiro nele e me suicidar de Abril pela Abril (2019)
>>> O cão da morte de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/2/2014
As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen
Ricardo de Mattos

+ de 5300 Acessos

"A vaca de Stalin é um bode". (Sofi Oksanen)

Pode-se dizer que aquele que não gosta de ter seus defeitos, vícios e doenças mencionados por outrem apresenta dois principais motivos para seu desgosto. Primeiro, porque já sabe por si mesmo, conscientemente ou não, mais a respeito de suas mazelas do que seria confortável. Segundo, porque sente-se totalmente nu diante de quem apenas admirou seu calcanhar.

Certo provérbio maçom afirma que "um homem com Deus forma a maioria". O crente sabe que a extensão de sua sombra é de conhecimento divino, o que já é desconforto suficiente. Portanto, mais gente além d'Ele informada sobre o conteúdo pétreo de seus sapatos é a multiplicação deste desconforto. "Si a maioria já sabe, que mais quereis: declaração de próprio punho?".

A tarefa mais difícil do ser humano talvez não seja conhecer-se, mas reconhecer-se. Reconhecer-se naquele que fala em demasia (!), no que trapaceia, no que inveja, no que tira vantagem até em festa infantil, no que se soterra sob mecanismos de defesa. Poderia ser a tarefa mais fácil, pois o sujeito desta pesquisa está ao permanente alcance: desnecessário marcar hora para entrevistá-lo. Vá tentar surpreendê-lo, contudo... Escorre pelos dedos e torna-se necessário descobrir seu novo esconderijo.

O indivíduo poderia ser sua melhor companhia. Devido a certo masoquismo sobre o qual ainda não nos detemos, prefere ser sua pior companhia, concentrando-se em seus aspectos desfavoráveis. Pensamos naquele jogo da memória, em que as cartas ou figuras são viradas para baixo, cabendo ao participante desvendar os pares. Fulano levanta a primeira carta e descobre um defeito. Levanta a segunda e descobre outro. Então queda-se depressivo: "Eu não presto!". Por que, em vez de ficar miando e atormentando aqueles que lhe são próximos, não levanta as demais cartas para ver quais qualidades também estão ali ocultas?

Sendo-nos lícito, de nossa experiência revelamos que encarar e aceitar nossos defeitos mais fortaleceu-nos que nos abateu. Houve sua parcela de incômodo, evidente. Passada a turbulência, si não fizemos deles nosso cartão de visitas, não aceitamos em nossa caixa ovos que não são nossos.

Terminamos a leitura de As vacas de Stalin, da escritora finlandesa Sofi Oksanen (1977). É o primeiro livro por ela escrito, o segundo traduzido no país. Precedeu Expurgo na forma, ou seja, na narrativa sem linearidade cronológica. O período abrangido, entretanto, vai da década de quarenta do século passado à entrada da atual centúria. Dir-se-ia que foi escrito conforme a personagem lembrava ou tinha conhecimento dos fatos. Fechado o livro, percebe-se o todo, ainda que circular. Nossa preferência segue a ordem de publicação: primeiro Expurgo, depois As vacas de Stalin. Não são leituras para estômagos frágeis. Todavia, também não são para glutões. O leitor afeito a detalhes eróticos saberá que a personagem Anna, jovem bulímica, mantém relações sexuais com o namorado e até com estranhos, mas nãoo que ela faz durante as relações. Primeiro porque, neste sentido, o explícito parece não fazer parte do trabalho de Oksanen. Segundo, porque a frigidez decorre da doença e dos remédios por ela tomados, de forma que as relações não primam pelo entusiasmo. Terceiro, porque os detalhes são reservados ao que ela chama suas "sessões": comer pantagruelicamente e depois devolver tudo. Pode se perguntar: "um livro inteiro sobre uma garota vomitando?". Caro leitor, não seja simplista. N'As vacas de Stalin Oksanen reforçou aqui e descuidou ali. Há cenas fortes e há pontos entediantes. Por isso dissemos preferir Expurgo, muito mais pesquisado e equilibrado.

No primeiro livro que escreveu, Oksanen descreveu o passado próximo e o "médio", por assim dizer. Próximo no que se refere à vida da personagem. "Médio", por incursionar na história da Estônia, porém sem ir muito longe. Tanto a escritora quanto a personagem são filhas de pai finlandês e mãe estoniana, o que sugere certo conteúdo autobiográfico. Eis, inclusive, ponto interessante do livro. Em dado parágrafo, ou mesmo em dada frase, a narrativa muda da primeira para a terceira pessoa sem aviso prévio. E não se trata da fala d'outro personagem em discurso indireto. O "eu" cede ao "ela" de forma que, si conteúdo biográfico há, talvez seja a forma de distinguir a ficção da realidade; o limite entre a criadora e a criatura, feita a sua imagem e semelhança, com ela não se confundindo.

A que vacas refere-se o título? Trata-se, ao que parece, de um esforço de humor dos prisioneiros - políticos ou não - egressos da Sibéria, que diziam ter visto por lá a raça bovina desenvolvida por Stalin. O desmentido revela o chiste: "A vaca de Stalin é um bode". Portanto, algo aquém ou completamente diverso do esperado. No começo da leitura, como há referência à negação da prostituição no território soviético, imaginamos que "vaca" envolveria a referência às prostitutas pelas autoridades do regime. Os negros trazidos à força ao Brasil não eram referidos como galinhas d'Angola, o que rendeu nome ao porto nordestino? O desacordo entre o que se espera e o que se tem parece mais conforme. O que se esperava do regime político não se cumpriu. O que se esperava da mudança de país, também não. Cidadãos foram convertidos em números e manejados dentro do país como gado dentro da fazenda. Os excedentes ou problemáticos são abatidos. Tornando ao conhecimento ou reconhecimento de si. O que um profissional da saúde demoraria dias, semanas, meses, anos (?!) para levantar, a personagem entrega pronto. E não, ele nada teria a acrescentar-lhe: "Eu também sabia tudo o que era possível sobre distúrbios alimentares, tendo lido sobre tudo, estudado tudo. Eu não precisava de suas aulas sobre bulimia e seus nutricionistas - talvez tivesse precisado disso dez anos atrás, porém agora não mais". Repetir o que se sabe enfada. O que vem depois?

Os dados sobre Anna e sua família são graduados. Muito sobre ela, sua mãe e sobre a Estônia. Menos sobre o pai. Menos ainda sobre a avó e os demais. Na crueza da narrativa, a personagem não estabelece relações de causa e efeito entre sua vivência e sua doença. O leitor atento perceberá sozinho os liames.

A partir das lembranças de Anna, a Estônia adquire fisionomia humana. Equivale a parente querido que se conheceu o suficiente para amar, mas do qual foi obrigada a afastar-se e mesmo negar. Anna nasce na Finlândia, e seu contato com o país de origem dá-se através das constantes viagens maternas. Katariina, a mãe, cumpriu a praxe de então para sair de país do bloco soviético em busca de melhores oportunidades: casou-se com um finlandês. Não foi bem sucedida sentimental nem financeiramente. Podemos ver seu constante ir e vir de contrabandista como tentativa de amenizar o prejuízo.

Muitas vezes a tentativa de amenizar implica em agravar. Com todos seus defeitos, na Estônia Anna identifica sua origem. Localiza o ponto de apoio que o país de nascimento não oferece. Na Finlândia, ela é alguém a mais, cuja origem deve ser cuidadosamente resguardada, pois considera-se prostituta toda mulher de origem soviética. Isto é algo de que ela demonstra consciência, pois refere-se mais de uma vez a homens que pensam ser sua mãe a sua cafetina. Por outro lado, na sua querida Estônia, ainda que precária e maltratada pelo regime político absurdo, ela é vista como a "princesinha" estrangeira. Logo, não consegue a imersão desejada.

Princesinha submetida à tirania de um Senhor: seu corpo. Cremos que Viktor Frankl não consideraria absurdo o seguinte raciocínio: as enfermidades atingem o indivíduo na dimensão noética - ou espiritual -, na dimensão psíquica e na dimensão física. Todavia, o que ocorre na dimensão física, na maioria dos casos, é expressão, consequência ou manifestação do que ocorre na dimensão noética, certo efeito de cascata. Além dos conflitos com o passado e com o presente, Anna estabelece no corpo os limites de sua individualidade. Poderia repetir com Hitchens: "Eu sou meu corpo". Mal sabendo de onde veio, ignorando para onde vai e limitada ao perecível, disto resulta a degradação e a estagnação. Pode ser esta a causa da narrativa começar e terminar com a personagem falando de bulimia. Apesar de minada pelo flagelo auto-imposto, nada indica que ela deixou ou deixará o estágio em que se encontra.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 10/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rugas e rusgas de Elisa Andrade Buzzo
02. Web 2.0 (ou uma tentativa de) de Julio Daio Borges
03. É Julio mesmo, sem acento de Julio Daio Borges
04. Umbigo torto e outras tolices de Rafael Lima


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2014
01. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev - 17/3/2014
02. Lares & Lugares - 18/8/2014
03. As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen - 10/2/2014
04. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior - 6/1/2014
05. Por que o mundo existe?, de Jim Holt - 28/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grandes Romances Universais Vol 10: o Bôbo / o Arco de Santana
Alexandre Herculano e Almeida Garrett
W M Jackson
(1955)



O Controle de Inconstitucionalidade das Leis
Luiz Fabião Guasque
Freitas Bastos
(2004)



La Construcción de La Vida y de La Muerte
Dorothy Rowe
Fondo de Cultura Economica
(1989)



Les Invasions Barbares
Pierre Riché
Puf (paris)
(1953)



City of Gold
Len Deighton (capa Dura)
Harper Collins
(1992)



Receitas da Tia Marlu
Marlu Coimbra
Jácomo



O Terceiro Milênio
José Maria Domenecht
Círculo do Livro
(1974)



Bases da Uro-oncologia
Eric Roger Wroclowski e Sidney Glina
Soc Bras Urologia
(2007)



De La Revolucion Industrial a La Actualidad - Terceira Edicion
Valentin Vazquez de Prada (capa Dura)
Rialp
(1964)



Educação para Segurança do Trabalho
Luis Hiromitsu Sasaki
Corpus
(2007)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês