Expurgo, de Sofi Oksanen | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
COLUNAS

Segunda-feira, 31/12/2012
Expurgo, de Sofi Oksanen
Ricardo de Mattos

+ de 3300 Acessos

"Nem mesmo um cachorro pode mastigar a corrente da hereditariedade" (Sofi Oksanen).

O que sabemos a respeito do pequeno país europeu nomeado Estônia? Que é um país cuja independência finalmente veio em 1992, quando mais nenhuma potestade reivindicou poder sobre ele, seja poder territorial, seja o poder necessário para impor uma ideologia. Que é um país cujo território está definido numa área disputada ao longo dos séculos, onde os nativos precisaram ser teimosos para manterem-se contra tudo e contra todos e, ainda assim, desenvolverem um sentimento nacionalista que fortalecesse e permitisse-lhes pensar na independência.

De fato, em sua história mais remota, a Estônia foi disputada por dinamarqueses, suecos, alemães, russos e pelo poder papal. No século XII, foi alvo de uma cruzada planejada e promovida pelo Papa Celestino III (1106-1198), fundamentada na necessidade de combater hereges. Acossada entre 1208 e 1227 por esta investida pontifícia, precisou defender-se concomitantemente ao norte contra a invasão da Dinamarca. Apesar da resistência, os estonianos perderam e seus territórios foram divididos em bispados. Tanto se esforçou Roma que os estonianos aderiram ao luteranismo e hoje são um dos povos menos religiosos do mundo. Assim, deu-se a sequência de invasão, divisão e reunificação que parece ser o contorno geral de sua história. Conforme a ordem dominante perdia força e prestígio, outra se apresentava para reivindicar o espólio. Exemplo disto, à Ordem Teutônica - associação análoga à dos Templários - sucedeu o principado de Moscou.

No começo do século XX houve uma primeira tentativa de independência estoniana. Foi em 1918. Contudo, Roma, Suécia e Dinamarca foram apenas substituídas por Rússia e Alemanha. Si real ou virtualmente dotada de autonomia política, a Estônia acabou compondo a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Apenas em 1992 a Estônia pôde dizer-se livre. O que não significa um desembaraço total, pois, si a Natureza não dá saltos, que dizer de situações nas quais estão envolvidos interesses diversos, mormente interesses econômicos.


Estônia
Fonte: davybarreto.com

Diante de tal instabilidade, não se poderia esperar grande desenvolvimento literário. Não se trata de crítica, mas de compadecimento. Oito poetas de biografia escassa e obra inacessível compõem o quadro estoniano: Villem Gunthal-Ridala, Jaan Kaplinski, Lydia Koidula, Kalyu Lepik, Juhan Liiv, Karl Ristikivi, Gustav Suits e Marie Under. Um estudioso local poderá espernear e aumentar a lista. Observamos que localizar os mais famosos já foi inusitado, que dizer daqueles de expressão restrita. Dentre eles, o mais famoso é Juhan Liiv, por nomear o mais importante prêmio literário nacional. O número de escritores importantes não parece muito maior. Nas histórias destes poetas, e de outros poucos escritores encontrados, reflete-se a história do país: nacionalismo na busca e valorização de suas origens, patriotismo, preocupação humanística, perseguição política, exílio. As obras do escritor August Annist e do poeta Suits tiveram estreita ligação com o fogo.

Reputamos a esta falta de fôlego da literatura nacional o fato da mais importante obra de ficção envolvendo a Estônia ter sido escrita por uma finlandesa. Referimo-nos a Sofi Oksanen, escritora que numa só obra conseguiu projetar seu talento para o mundo e, de quebra, evidenciar a importância da escrita em aproximar realidades geograficamente distantes mas semelhantes em diversos aspectos.

Segundo os dados constantes de seu site pessoal, Oksanen nasceu em 1977, na Finlândia, na cidade com o impronunciável nome de Jyväskylä. Até o momento é autora de cinco livros: Stalin's Cows, de 2003; Baby Jane, de 2005; Purge - Expurgo -, de 2008; Too Short Skrit - Tales from the Kitchen, de 2011; e When the Doves Disappeared, de 2012, em vias de ser lançada no Brasil. Antes de passar a escrever em tempo integral, Oksanen foi estudante de dramaturgia na Academia de Teatro de Helsinki. A primeira versão de Expurgo, seu principal romance, foi uma peça encenada pela primeira vez no Teatro Nacional Finlandês em sete de fevereiro de 2007. A mais recente adaptação é para o cinema, sendo que já há fumos de indicação para o "Oscar" na categoria de melhor filme estrangeiro. De acordo com o dicionário Houaiss, "expurgo" é o ato ou o efeito de "expurgar". Este verbo, por sua vez, significa "deixar puro, limpo, purificar (...) deixar livre (...) ficar sem erros, corrigir-se". O competente e injustamente menos lembrado dicionário de Pasquale acrescenta: "tornar imune". Limpar e impedir que suje: "Vá e não peque mais".


Teatro Nacional Finlandês

Há duas personagens principais: Aliide Truu e Zara. A primeira é idosa, ressentida, magoada e colaboracionista quando da ocupação da Estônia pelos soviéticos durante a Segunda Guerra Mundial. A segunda, jovem presa das ofertas sedutoras de vida fácil e rica, alcançável sem trabalho ou esforço. Avaliando a narrativa, o expurgo foi "benefício" concedido a ambas, uma oportunidade de reajustarem prioridades e apaziguarem-se com seus fantasmas. Si no primeiro momento Aliide sacrificou os de seu sangue em favor dos invasores, no segundo momento fez o que seria esperado.

O que tornou Aliide "impura", "suja"? Sua vida foi reunião de frustrações e preterições. Todas as atenções voltavam-se para sua irmã, tida como mais bonita e hábil nos afazeres típicos de uma mulher do campo. O homem que escolheu para si, viu-o casar-se com ela. O incentivo de seus familiares ao casamento com um militar alemão não apenas a fez sentir-se mais rejeitada que encorajada como criou-lhe problemas por ocasião da ocupação soviética. Quando a Alemanha foi expulsa e os soviéticos chegaram, precisou lidar com as suspeitas destes sobre eventual colaboracionismo. A abertura de arquivos e o estudo e publicação de documentos mostram que os soviéticos, sob a batuta de Stálin, não representaram exatamente o papel de mocinhos. Como estoniana, Aliide nada queria com um alemão. Trocados os invasores, casou-se por estratégia com um russo, o que lhe garantiu proteção. Com a proteção, todavia, granjeou também a rejeição generalizada de seu povo, rejeição que a acompanhou até a velhice.

Em Expurgo, o colaboracionismo de Aliide foi ao mesmo tempo um estratagema para livrar-se de novas agressões, um instrumento de vingança e uma forma de manter junto a si o homem amado. Uma faca pode cortar a mão inábil, mas pode-se aprender a manuseá-la com destreza e utilizá-la para o ataque. Socialmente, medidas extremas podem ser antipáticas, mas para quem não se preocupava com a reação social, a opinião das pessoas foi inócua. Pessoalmente, a avaliação dos próprios atos promovida pelo tempo pode ser um incômodo semelhante à mosca que, volta e meia, vinha atormentá-la. Tenha ela desejado ou não uma oportunidade para acertar as contas, esta oportunidade veio através de Zara.

Talvez pareça relativamente óbvio o curso que a trama seguirá, bem como as ligações reveladas entre as personagens. Não as mencionamos aqui, pois desejamos que o leitor desfrute de ótima leitura, ainda que em alguns momentos demasiado crua. Que não havia notável diferença entre nazistas e soviéticos e que Hitler e Stálin eram farinha do mesmo saco, isto nós sabemos hoje. Que o aliciamento de jovens com a promessa de sucesso nas passarelas pode ser, em muitos casos, o encaminhamento para a prostituição, é um alerta ao qual não atentam apenas estas mulheres que abdicam da maternidade em favor do conforto pessoal mediante a entrega das filhas a rufiões. O horror encontra-se nos fatos, não na referência a eles, bem o sabemos. Oksanen desenvolve o enredo de maneira a prender a atenção pelas quase 350 páginas bem escritas.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 31/12/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
04. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
05. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2012
01. A ilha do Dr Moreau, de H. G. Wells - 12/3/2012
02. Aborto - 2/4/2012
03. Freud segundo Zweig - 25/6/2012
04. Deus: uma invenção?, de René Girard - 6/2/2012
05. A Virada, de Stephen Greenblatt - 8/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EXTENSÃO RURAL E REFORMA AGRÁRIA: A COPSERVIÇOS NO NORTE DO BRASIL
JAIME RODRIGO DA SILVA MIRANDA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



O DOCUMENTO R
IRVING WALLACE
RECORD
(1976)
R$ 11,84
+ frete grátis



O SUCESSO ESTA NO SUCESSO NO EQUILIBRIO
ROBERT WONG
CAMPUS
(2006)
R$ 4,50



MARIETA
DANIEL S. ARTAZÚ
FEB
(1944)
R$ 13,00



O CEU E A TERRA
LLUIS FARRÉ
SM
R$ 8,00



O ANEL DA DESTRUIÇÃO
PERRY RHODAN
EDIOURO
(1989)
R$ 6,50



JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO
JUAN ESTEVES (FOTOGRAFIA) MARIA GUIMARÃES (TEXTO)
TERCEIRO NOME
(2012)
R$ 50,00



MONET COLEÇÃO DE ARTE
EDITORA GLOBO
GLOBO
(1997)
R$ 9,90



ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS CIVIS DO ESTADO DE SÃO PAULO
LEI 10.261 DE 28-10-1968
ATLAS
(2003)
R$ 5,00



A NOSTALGIA NÃO É MAIS O QUE ERA
SIMONE SIGNORET
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 4,04





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês