Um lugar para o tempo | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
Mais Recentes
>>> Níquel Náusea - Botando os bofes de fora de Fernando Gonsales pela Devir (2002)
>>> Pecar e Perdoar: Deus e o Homem na História de Leandro Karnal pela Harper Collins (2015)
>>> Brincando com o Espelho - Coleção Histórias de Contar de Nílson José Machado pela Scipione (2003)
>>> inexplicado volume 2 - A Realidade Além da Mente, do Tempo e do Espaço de Vários Autores pela Rio Gráfica (1985)
>>> A desconstrução de um sonho de Paulo César Sampaio pela Do Autor (2015)
>>> Mania de Bicho de Donizete Galvão pela Piá (2020)
>>> Iracema de José de Alencar pela Lafonte (2018)
>>> Marilyn de Norman Mailer pela Civilização Brasileira (1973)
>>> Uma Prova do Céu de Dr. Eben Alexander III pela Sextante (2014)
>>> Sagrada Família: Entre Fraldas e Anjos de Alexandre; Viviane Varela pela Planeta (2020)
>>> A Montanha Do Menino de Christina Dias pela Piá (2020)
>>> Minutos Com Chico Xavier de José Carlos de Lucca pela Intelítera (2010)
>>> A Construção Social da Subcidadania - Para Uma Sociologia Política da Modernidade Periférica de Jessé Souza pela Ufmg (2012)
>>> Dom Bosco: Presente de Deus para as Juventudes de Pe. Marcos Sandrini pela Paulus (2018)
>>> Caminhos de Volta de Francisco Cândido Xavier pela Geem (1975)
>>> Na Era do Espírito de Francisco Cândido Xavier pela Geem (1976)
>>> São Francisco de Assis de Jacques Le Goff pela Record (2011)
>>> Judas de Amós Oz pela Companhia das Letras (2014)
>>> Poeminhas Sensacionais de Alexandre Azevedo pela Cbese (2020)
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem (1983)
>>> De mãos Vazias: A Espiritualidade de Santa Teresinha do Menino Jesus de Conrado de Meester pela Vozes (2018)
>>> A Peste de Albert Camus pela Record (2017)
>>> São Cristóvão: Condutor de Cristo e Guia do Motorista de Padre Mário José Neto pela Paulinas (2006)
>>> Tempo e Amor de Francisco Cândido Xavier pela Instituto de Difusão Espírita (1984)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1989)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/9/2011
Um lugar para o tempo
Elisa Andrade Buzzo

+ de 5200 Acessos
+ 3 Comentário(s)


Ilustra: Tartaruga Feliz

Não houve tempo para me despedir de Preta. Estive trabalhando e não pude viajar para vê-la. É preciso dizer que bateu uma indefinição, um sentimento estranho e triste, pois perdi a chance de algo que afinal seria a última vez. Poderia muito bem ter passado a noite em claro, inventado qualquer estratégia, pois somos treinados para dançar conforme a música, mas pular alguma faixa se necessário. Foi quando ela mais precisava que eu pegasse na sua mão, no seu rosto alongado e gentil, ela que estava sempre pronta a receber, carinho era a sua moeda de troca - o que todos desejam, ainda que muitas vezes com um egoísmo desmedido.

O tempo de Preta acabou. Tanto faz que se passem um, dois minutos, uma hora, dias, anos, séculos - a partir do momento em que o término foi selado o tempo deixa de ser matéria, o corpo abandona a relevância. A natureza transitória do instante passa, mais do que nunca, a ser compreendida e a ser o alvo de nossa insatisfação por nos deixar... sem tempo. É difícil conceber que isso iria acontecer, sem piedade o corte ainda havia de ser profundo, e de vez o retorno seria impossível. Deve ser como uma estrada, em que o auto estaca e o asfalto de chofre acaba. Qualquer que seja seu estado, a concretude do corpo físico e os laços emocionais são tão presentes, que a ideia do desaparecimento, da falta repentina, é difícil de ser concebida.

Frente ao meu mísero tempo me vem a questão: por que insistimos e nos vangloriamos de não ter tempo para nada, de ter uma jornada maluca, apertada, como se isso fosse um símbolo de status social? Muito dinheiro entrando, muito reconhecimento, muitos amigos e convites, pouco dinheiro entrando, mas muito qualquer coisa que compense uma falta. É um privilégio não ter tempo para algumas essencialidades? Quem tem muito tempo está, inversamente, perdendo tempo?

Se os motivos e as resoluções são cobrados indistintamente, se o tempo do repouso, da reflexão não é incentivado, tendo até mesmo ares de proibição, se não há espaços adequados na cidade para curti-los em paz, em que momento estaremos consigo próprios, depois, com os outros? Esses fragmentos de tempos, duramente adquiridos, estamos direcionando-os para um falar que nada diz, a frenética procura da tela do celular, a insistência em apertar botões que também demandam seu tempo para funcionar, a resposta instantânea e a falta de voz e mão? Creio na pertinência do momento de rever os acontecimentos, seu impacto, a projeção futura, depois, como disse Drummond, esquecer para lembrar.

O editor de livros, por exemplo, não tem tempo para ler em profundidade, nem para ir nas livrarias, muito menos bibliotecas. O médico não tem tempo de conversar com os pacientes. Às duras penas, alguns tentam não cair no espírito de rotatividade que nos ronda. Não temos tempo de ir ao teatro, visitar esquifes, o patrimônio histórico e cultural nas nossas imediações, no entanto, partimos para a Europa com sede de ver velharias. E, caso fôssemos dar o devido tempo às coisas, não haveria maneira de organizar o dia. Assim, passamos ao largo da existência num equílibrio delicado, nos desvencilhando das amarras de post-its e check-lists.

Por que cada vez mais parece que se tem menos tempo exatamente para as pessoas que mais amamos? Mesmo para o contato humano, direto, íntimo e caloroso? E mais, às vezes trata-se com disfarçado menosprezo aquilo de que já temos a segurança da posse, enquanto o que ainda é desafio, desejo de conquista e nos dirije certa indiferença vai render esforços desmedidos. Temos o ímpeto meio que incorrigível de correr atrás do que brilha e se mexe com uma suposta maior vitalidade. Eu não tive tempo para o essencial, o serenar de olhos abertos, para a despedida definitiva de alguém; eu o gastei com amenidades, deveres insensíveis.

Parecia que Preta e eu tínhamos todo o tempo do mundo para conversar, envelhecer, comungar com o mundo, cada instante mais um instante, existir, cada dia mais um dia e desse amontoado impreciso tirar o nome "vida". De repente o tempo esgotou-se, o último grão de areia pousou no gomo de baixo da ampulheta, meio que sem aviso, nem um a mais, nem um a menos, apenas a medida rigorosa. Foi-se e agora cá estou eu com meus tempos de marcar consultas, treinar, entregar trabalhos, ir a lançamentos, e quando eu finalmente chegar, vou levar comigo um momento retardatário (o mesmo que nada?). A conta é exata e a vida é desprotegida demais para andarmos num meio tempo.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 29/9/2011


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
02. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. História de um papagaio de papel - 3/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/10/2011
03h11min
Preenchemos nossos dias... gastando nosso tempo. Pode ser que, se pararmos para pensar na importância do que fazemos, percebamos que nossos afazeres não têm importância alguma. Há necessidades e exigências que não podem ser postas de lado. Até os pássaros da floresta precisam ir atrás de seu alimento. Há desejos que, verdadeiros ou não, merecem algum esforço. Todo desejo é válido já que só nos certificaremos de sua veracidade ao realizá-lo. Não podemos viver apenas no necessário. Não somos cadeiras num salão de festas. O tempo existe para ser gasto, e a consciência diária de nossa morte pode se tornar nossa morte. Mas, e a pergunta? Aquela, a essencial, a primária? A que deveria definir cada ação nossa? A pergunta adiada, calada, alijada? "Sou eu mesmo gastando este meu próprio tempo?" Se a enfrentarmos, mesmo se não seguirmos a resposta que encontrarmos no momento, descobriremos, no segundo seguinte, que o mundo continua girando. E, talvez, girando um pouquinho mais feliz.
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
2/10/2011
13h17min
Falou tudo !
[Leia outros Comentários de Denise]
9/10/2011
11h06min
Bom dia, Elisa! Tudo bem? Desejo que sim! Você, além de escrever muito bem, é filosofa vocacionada e, cada vez mais, me torno seu fã. Quando li "Um lugar para o tempo" logo lembrei-me de um poema que fiz tempos atrás: O Tempo no Espelho. Embora não tenha a qualidade que você impõe aos seus textos, serve de exemplo também. Se o espaço permitisse eu o inseriria aqui, porém, se você quiser recebê-lo em pergaminho para parede é só enviar o endereço por e-mail. Parabéns! Abraços! João Lopes (Jota Ipiranga)
[Leia outros Comentários de João Lopes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Estuporei o Escafoide - uma Introdução a Muitos Assuntos
Walter del Picchia

(2016)



Amigo e Mestre de Luiz Sérgio
Irene Pacheco Machado
rema
(1999)



A era da Ambição Em Busca da Riqueza / 1ª Ed - Confira !!!
Evan Osnos
Companhia das Letras
(2015)



Fala Sério É Proibido Ser Diferente ? 4ªed (2005)
Diego Fernandes
Canção Nova
(2005)



Wittgenstein (1995)
João da Penha
Atica
(1995)



Yemanjá, A Rainha do Mar
Ariomar Lacerda
pallas
(2003)



Os Aspectos Astrológicos
Charles E. O. Carter
Pensamento
(1989)



Livro - Técnica Processual Penal: Doutrina e Procedimentos Práticos
Lia Felberg
Jurídica Brasileira
(2004)



Atividades na Pré-escola
Sarah P. Souza Caldas (autor)
Saraiva
(1999)



Livro - A Volta ao Mundo Em Oitenta Dias - Eu Leio
Júlio Verne
Ática
(2000)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês