Um lugar para o tempo | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Pesquisa e blog discutem "Marca Amazônia"
>>> Vida e morte do Correio da Manhã
>>> O site de Dorival Caymmi
>>> Entrevista à revista Capitu
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Arte e Poupança
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> A Marcha da Família: hoje e em 1964
>>> A escola está acabando
Mais Recentes
>>> Civilização e Doença de Henry Sigetist pela Hucitec (2011)
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Atica
>>> Grandes Histórias de Halloween de Walt Disney pela Abril (2014)
>>> Transmissão do Calor de Renato Salmoni pela Mestre Jou (1966)
>>> A Estetica da Morte de Salomão Jorgf pela Saraiva (1964)
>>> O Pato Donald Xxiv Nº 1. 150 de Abril pela Abril (1973)
>>> Glossário de Dificuldades de Zelio Jota pela Fundo de Cultura (1962)
>>> Valsa Negra de Patricia Melo pela Companhia das Letras (1998)
>>> Principios de Gerencia por objetivos de Paul Mali pela Pallas (1976)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2009)
>>> O papel do trabalho na transformação do macaco em homem de F. Engels pela Global (1986)
>>> O Socialismo Pré-marxista de Babeuf Blanqui Fourier Saint-Simon pela Global (1980)
>>> 6º Alvo de James Patterson e Maxine Paetro pela Arqueiro (2012)
>>> Uncharted o Quarto Labirinto de Christopher Golden pela Benvirá (2012)
>>> Alice no País dos Enigmas Vol 1- 60 Jogos e Desafios de R. W. Galland pela Coquetel
>>> 551 atividades: Diversão que não acaba de Waldomiro Neto pela Culturama (2016)
>>> Os Anjos Também Choram de Elzira Ribeiro de Almeida pela São Cristóvão (2005)
>>> Quarup de Antônio Callado pela Circulo do Livro
>>> As Vantagens de Ser Otimista de Allan Percy pela Sextante (2014)
>>> A Turma do Arrepio Nº 22 de Globo pela Globo (1991)
>>> Mundo do Terror Nº 12- Monstro Humano de Press Editorial pela Press Editorial (1987)
>>> Elogio da Mentria de Patricia Melo pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Chefão - a Verdade Sobre a Máfia de Mário Puzo pela Expressão e Cultura (1970)
>>> Vigiar e Punir de Michel Foucault pela Vozes (1999)
>>> Uma Constelação de Fenômenos Vitais de Anthony Marra pela Intrinseca (2014)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/9/2011
Um lugar para o tempo
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4700 Acessos
+ 3 Comentário(s)


Ilustra: Tartaruga Feliz

Não houve tempo para me despedir de Preta. Estive trabalhando e não pude viajar para vê-la. É preciso dizer que bateu uma indefinição, um sentimento estranho e triste, pois perdi a chance de algo que afinal seria a última vez. Poderia muito bem ter passado a noite em claro, inventado qualquer estratégia, pois somos treinados para dançar conforme a música, mas pular alguma faixa se necessário. Foi quando ela mais precisava que eu pegasse na sua mão, no seu rosto alongado e gentil, ela que estava sempre pronta a receber, carinho era a sua moeda de troca - o que todos desejam, ainda que muitas vezes com um egoísmo desmedido.

O tempo de Preta acabou. Tanto faz que se passem um, dois minutos, uma hora, dias, anos, séculos - a partir do momento em que o término foi selado o tempo deixa de ser matéria, o corpo abandona a relevância. A natureza transitória do instante passa, mais do que nunca, a ser compreendida e a ser o alvo de nossa insatisfação por nos deixar... sem tempo. É difícil conceber que isso iria acontecer, sem piedade o corte ainda havia de ser profundo, e de vez o retorno seria impossível. Deve ser como uma estrada, em que o auto estaca e o asfalto de chofre acaba. Qualquer que seja seu estado, a concretude do corpo físico e os laços emocionais são tão presentes, que a ideia do desaparecimento, da falta repentina, é difícil de ser concebida.

Frente ao meu mísero tempo me vem a questão: por que insistimos e nos vangloriamos de não ter tempo para nada, de ter uma jornada maluca, apertada, como se isso fosse um símbolo de status social? Muito dinheiro entrando, muito reconhecimento, muitos amigos e convites, pouco dinheiro entrando, mas muito qualquer coisa que compense uma falta. É um privilégio não ter tempo para algumas essencialidades? Quem tem muito tempo está, inversamente, perdendo tempo?

Se os motivos e as resoluções são cobrados indistintamente, se o tempo do repouso, da reflexão não é incentivado, tendo até mesmo ares de proibição, se não há espaços adequados na cidade para curti-los em paz, em que momento estaremos consigo próprios, depois, com os outros? Esses fragmentos de tempos, duramente adquiridos, estamos direcionando-os para um falar que nada diz, a frenética procura da tela do celular, a insistência em apertar botões que também demandam seu tempo para funcionar, a resposta instantânea e a falta de voz e mão? Creio na pertinência do momento de rever os acontecimentos, seu impacto, a projeção futura, depois, como disse Drummond, esquecer para lembrar.

O editor de livros, por exemplo, não tem tempo para ler em profundidade, nem para ir nas livrarias, muito menos bibliotecas. O médico não tem tempo de conversar com os pacientes. Às duras penas, alguns tentam não cair no espírito de rotatividade que nos ronda. Não temos tempo de ir ao teatro, visitar esquifes, o patrimônio histórico e cultural nas nossas imediações, no entanto, partimos para a Europa com sede de ver velharias. E, caso fôssemos dar o devido tempo às coisas, não haveria maneira de organizar o dia. Assim, passamos ao largo da existência num equílibrio delicado, nos desvencilhando das amarras de post-its e check-lists.

Por que cada vez mais parece que se tem menos tempo exatamente para as pessoas que mais amamos? Mesmo para o contato humano, direto, íntimo e caloroso? E mais, às vezes trata-se com disfarçado menosprezo aquilo de que já temos a segurança da posse, enquanto o que ainda é desafio, desejo de conquista e nos dirije certa indiferença vai render esforços desmedidos. Temos o ímpeto meio que incorrigível de correr atrás do que brilha e se mexe com uma suposta maior vitalidade. Eu não tive tempo para o essencial, o serenar de olhos abertos, para a despedida definitiva de alguém; eu o gastei com amenidades, deveres insensíveis.

Parecia que Preta e eu tínhamos todo o tempo do mundo para conversar, envelhecer, comungar com o mundo, cada instante mais um instante, existir, cada dia mais um dia e desse amontoado impreciso tirar o nome "vida". De repente o tempo esgotou-se, o último grão de areia pousou no gomo de baixo da ampulheta, meio que sem aviso, nem um a mais, nem um a menos, apenas a medida rigorosa. Foi-se e agora cá estou eu com meus tempos de marcar consultas, treinar, entregar trabalhos, ir a lançamentos, e quando eu finalmente chegar, vou levar comigo um momento retardatário (o mesmo que nada?). A conta é exata e a vida é desprotegida demais para andarmos num meio tempo.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 29/9/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As luzes se apagam de Cassionei Niches Petry
02. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol
03. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
04. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo
05. 150 anos de Miguel de Unamuno de Celso A. Uequed Pitol


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
02. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011
05. Doces bárbaros - 23/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/10/2011
03h11min
Preenchemos nossos dias... gastando nosso tempo. Pode ser que, se pararmos para pensar na importância do que fazemos, percebamos que nossos afazeres não têm importância alguma. Há necessidades e exigências que não podem ser postas de lado. Até os pássaros da floresta precisam ir atrás de seu alimento. Há desejos que, verdadeiros ou não, merecem algum esforço. Todo desejo é válido já que só nos certificaremos de sua veracidade ao realizá-lo. Não podemos viver apenas no necessário. Não somos cadeiras num salão de festas. O tempo existe para ser gasto, e a consciência diária de nossa morte pode se tornar nossa morte. Mas, e a pergunta? Aquela, a essencial, a primária? A que deveria definir cada ação nossa? A pergunta adiada, calada, alijada? "Sou eu mesmo gastando este meu próprio tempo?" Se a enfrentarmos, mesmo se não seguirmos a resposta que encontrarmos no momento, descobriremos, no segundo seguinte, que o mundo continua girando. E, talvez, girando um pouquinho mais feliz.
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
2/10/2011
13h17min
Falou tudo !
[Leia outros Comentários de Denise]
9/10/2011
11h06min
Bom dia, Elisa! Tudo bem? Desejo que sim! Você, além de escrever muito bem, é filosofa vocacionada e, cada vez mais, me torno seu fã. Quando li "Um lugar para o tempo" logo lembrei-me de um poema que fiz tempos atrás: O Tempo no Espelho. Embora não tenha a qualidade que você impõe aos seus textos, serve de exemplo também. Se o espaço permitisse eu o inseriria aqui, porém, se você quiser recebê-lo em pergaminho para parede é só enviar o endereço por e-mail. Parabéns! Abraços! João Lopes (Jota Ipiranga)
[Leia outros Comentários de João Lopes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eragon
Christopher Paolini
Rocco
(2003)
R$ 12,00



A Pintura Flamenga e Holandesa da Fundação Medeiros Almeida
Realidade e Capricho Novembro 2008
Fundação Medeiros e Almeida
(2008)
R$ 19,28



A Pré História
Teófilo Torronteguy
Ftd
(1995)
R$ 5,00



Wish Vol I
Clamp
Jbc
(2009)
R$ 5,00



Nas Fronteiras Celestiais
Stanley Stewart
Publicações Europa América
(2000)
R$ 84,78



Eles eram muitos cavalos
Luiz Ruffato
Record
(2007)
R$ 21,90



Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
Martin Claret
(2001)
R$ 24,30



O Campeão de Audiência
Walter Clark Com Gabriel Priolli
Best Seller
(1991)
R$ 19,90



Canadian Country Furniture 1675-1950
Michael S. Bird
Stoddart
(1994)
R$ 40,00



A história de Carmen Rodrigues
Ana Luiza Libânio
Literare Books International
(2012)
R$ 29,90





busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês