Um mundo além do óbvio | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
21259 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
>>> Maite Proença em A MULHER DE BATH
>>> Chico Amaral celebra parcerias de sua carreira
>>> Viralizando reflete sobre as videoaulas como plataforma de ensino pela internet
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Alguns poemas traduzidos, de Manuel Bandeira
>>> Um Furto
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> Onde os fracos não têm vez, de Joel e Ethan Coen
>>> Mais outro cais
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Bem longe
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Mais Recentes
>>> A Geometria Maçônica - Rito Escocês Antigo e Aceito
>>> Os Protocolos dos Sábios do Sião - Edições Eliseo
>>> Os Chakras e os Campos de Energia Humanos
>>> São Cipriano - O Legítimo Capa Preta
>>> Inglês para Concursos - uma abordagem prática (6ª ed.)
>>> Projeção do Corpo Astral
>>> Arquétipos da Alma - Um Guia para se Reconhecer a Matriz dos Padrões
>>> O Poder do Pentagrama
>>> O Ciclo de Lunação - Uma chave para a compreensão da personalidade
>>> Radiestesia e Saúde - Como melhorar a sua saúde através da radiestesia
>>> Religião e Ética - Cadernos Ceap
>>> Deutsch Perfekt- revista 5/2012
>>> Psicopedagogia Clínica- caminhos teóricos e práticos
>>> Do luxo ao fardo - Um estudo histórico sobre o tédio
>>> Leyendo a Euclides
>>> Buda - O templo de Jetavana Vol. XIII
>>> Buda- O retorno ao reino de Magadha Vol. XI
>>> Transmissões Cristalinas - Uma Síntese de Luz
>>> Buda- O início da jornada Vol. V
>>> Conceito Rosacruz do Cosmos
>>> Buda- Em Busca da iluminação Vol. IV
>>> Buda - O nascimento de Siddhartha Vol. II
>>> Serial Killers A anatomia do mal
>>> Bom dia Veronica
>>> Millennium 3 A Rainha do castelo de ar
>>> Millennium 2 A menina que brincava com fogo
>>> Deutsch Perfekt- 9/2012- revista
>>> A Época brasileira de Vilém Flusser
>>> Sobre o óbvio
>>> Deutsch Perfekt 4/2012- revista
>>> A Estrutura da Magia
>>> Cultura Escrita, Literatura e História
>>> Animal de estimação 1ª ed.
>>> Os Essênios e os manuscritos do mar morto
>>> Blecaute
>>> Alice - Coleção Clássicos Zahar (livro de Bolso Capa Dura)
>>> Preparados para o fim?
>>> Discipulado
>>> Vem senhor Jesus
>>> Breve História da Maçonaria
>>> Astrologia para Leigos
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 7: Fim de Século
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 6: Caminhos Cruzados
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 5: o Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 4: do Romantismo ao Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 3: O Romantismo
>>> A Bíblia Sagrada: Velho e Novo Testamento
>>> Como Conhecer a Deus: um Plano de 5 Dias
>>> De Belém ao Calvário
>>> O Reaparecimento do Cristo
COLUNAS

Quinta-feira, 28/4/2011
Um mundo além do óbvio
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4200 Acessos
+ 6 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Um dia imaginei um mundo sem amarras nem mordaças, em que não dependeríamos de um click para abrir as grades de nossa própria casa, nem da caixa registradora para comprar um pé de alface. Onde todos cooperassem nas mínimas situações cotidianas, cuidassem dos próprios jardins e se sentissem aptos a realizar as mais diversas e simples tarefas, em vez de delegá-las.

Tal mundo é tão inconcebível que chega a ser difícil pensá-lo objetivamente, de maneira que massacraríamos suas possibilidades antes mesmo de tentarmos compreendê-las. Não se trata em absoluto de que todos sigam a mesma religião ou ideologia. Trata-se de algo igual e ao mesmo tempo inédito em sua concepção: vivermos mais ou menos como já vivemos, tratarmos de tocar nossos afazeres, só que sem salário, sem cartão de ponto, sem lucro, sem moeda nem esmolas.

Podemos chamar na linguagem que conhecemos em algo como "espírito coletivo". Não se trata de trabalho voluntário, muito menos carregar nas costas o fardo do que dizem ser o papel do Estado, da prefeitura ― bom que se lembre ―, mas de um trabalho de si, para si, dos outros e para todos. Diz respeito, enfim, em fazer o que precisa ser feito, consumir o que precisa ser consumido, não necessitar mais de cercas e baias, nada mais do que chiqueirinhos infantis em tamanho família. E como podemos saber tudo isso com exatidão? Como discernir diante do capricho e das necessidades prementes? Onde termina o meu espaço e começa o do outro? Ser espaçoso, passar os outros para trás a fim de se levar vantagem não tem lugar neste mundo perseverante das ideias bem acabadas e dos sonhos realizáveis.

O amor com amor deverá se pagar, ou melhor, se retribuir. Assim, desde os desiludidos do coração vão entrar em extinção, até os que buscam feitiço para trazer de volta a pessoa amada. Estes vão se encontrar, talvez sem as delongas dos fricotes, e agradecer por não ter se concretizado o descabido que um dia desejaram. Reparem que será uma era de entendimento mútuo facilitado por um espírito de boa vontade generalizado. Não tentem denominar com velhas palavras este sistema, ou modo de vida. Que se criem santuários de cobaias, que não se trucidem homens em nome de ideologias.

Como podemos ver, parece que é mais fácil dizer o que este mundo não é do que o que ele é. Pode ser que trabalhar com pares antitéticos seja uma boa forma de se fazer compreender, já que ninguém nunca o viu para poder dizê-lo e quem começa a imaginá-lo vai se rebelar antes que ele possa tomar seus mínimos contornos. É por isso que este mundo além do óbvio não pode existir senão em um delírio ― a sua realização não é possível pois sempre haverá discordância e escárnio diante dele. Então, ainda não é tempo deste mundo, o qual deve encontrar uma total sintonia de relações e funções, entre o querer e o ter, o dar e o receber.

Algumas situações e exemplos práticos.

1) vai-se ao supermercado, pega-se leite, bolachas, iogurte, guaraná, caviar. E não se paga nada por isso. Entretanto, não é porque é de graça que vamos pegar de tudo, esvaziar as prateleiras, estocar. Ainda que não de todo gratuito, mas com descontos na venda dos produtos para seus membros é o que já vem acontecendo no The People's Supermarket, em Londres. Em troca você deve trabalhar algumas horas no supermercado, abastecendo as prateleiras, atendendo no caixa etc.

2) anos atrás li em um blog, creio que da Soninha, que sempre que via lixo no chão ela pegava e jogava em seu devido lugar. Por que não fazemos o mesmo? É claro que neste mundo ideal não haveria necessidade disso, pois simplesmente ninguém atiraria papel de bala da janela do ônibus ou deixaria entulho ou poda de plantas na calçada. Quando moramos em um prédio há sempre alguém para tirar nosso lixo, limpar o chão dos (nossos) corredores. E se as tarefas aqui também fossem divididas? Cada morador limpa o chão de seu corredor uma vez por mês. Pois se há sempre alguém para ganhar pouco, outros para sobrefaturarem o preço dos materiais, e fazer o que achamos que não podemos fazer, nem temos tempo, ainda estamos longe de um mundo mais compartilhado ― diferente desse em que algumas tarefas são tidas como indignas e outras como maravilhosas, rentáveis ou intelectuais.

E quando vemos formas disparatadas mesmo no mundo real, além da normalidade espúria? Vejamos o recente apoio de um grupo de estudantes da USP às reivindicações justas dos funcionários terceirizados da limpeza. Por que os alunos não catam o lixo e limpam o chão e as escadarias puídas para chamar a atenção da reitoria e da mídia em relação ao assunto? Os alunos demonstrariam em pequena escala uma tentativa de sociedade cooperativa, em que todos podem assumir diversos papéis. Enquanto eles limpam por algumas poucas horas os banheiros, corredores, tiram o lixo, os faxineiros assistem aulas. Se já não houvesse o Programa Universidade para Todos, acho que cairia bem aqui seu nome. Em vez disso, em um motim festeiro alguns contribuem com a sujeira que se alastra na faculdade. Na certa parece mais bonito e rebelde como forma de protesto virar as latas de lixo e sujar os corredores da FFLCH com papéis e borra de café. Convenhamos que dá menos trabalho do que varrer e limpar. Nada disso precisaria ocorrer naquele mundo em que tudo é dividido e inteiro ao mesmo tempo.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 28/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
02. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
03. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
04. Notas confessionais de um angustiado (V) de Cassionei Niches Petry
05. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
02. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2011
20h36min
Texto bem argumentado e escrito: convicente, eu diria. Acho legal ter contato com outras opiniões até pra entender melhor outras visões de mundo e poder criticá-las de modo mais certeiro. Embora a autora divague de forma interessante sobre o mundo melhor - quando imagina o "tratarmos de tocar nossos afazeres, só que sem salário, sem cartão de ponto, sem lucro, sem moeda nem esmolas", ela, no decorrer do texto, deixa bem claro, intecionalmente ou não, que pensa em mudanças radicais, mas dentro da ordem em que vivemos. Uma contradição absurda, temos que falar. Não é uma posição chocante - no sentido da inovação - querer transformar o mundo (com os milhares de problemas da fome, guerras, miséria, homicídios, repressão, etc.) sem abalar a ordem social em que vivemos. Na verdade, eu acho que a maior parte das pessoas que se preocupam durante toda a vida com as questões sociais veem a coisa dessa forma.
[Leia outros Comentários de Marquinhus Vinicius]
3/5/2011
20h38min
É como se, para que a sociedade fosse igualitária, bastasse uma vontade benévola generalizada em todos os cidadãos de um país, ou do planeta. Será que para mudar o meio social em que vivemos basta um querer-bem a/por todos? É aí que entra, ao meu ver, o maior (e mais antigo) debate sobre o assunto. Sendo bem franco, eu amaria se a sociedade moderna pudesse alcançar o seu "apogeu de solidariedade" apenas por pequenas boas práticas no cotidiano (não que eu discorde delas ou que ache que elas não contribuem para nada) de cada pessoa, mas tratar os problemas da atualidade por esse caminho me parece ser uma reformulação sofistacada (no sentido de que quer condições de vidas iguais para todas as pessoas) do pensamento liberal, que aponta o indivíduo como o último culpado pelos seus atos. Não que eu pense que as pessoas não podem ajudar umas as outras dentro da ordem que vivemos, mas penso que as pequenas ajudas não arrancarão a mais simples das raízes do caos e da miséria deste mundo.
[Leia outros Comentários de Marquinhus Vinicius]
3/5/2011
20h39min
A maior prova do caráter liberal do texto é o final - que, na verdade, parece-me ser a "solução basilar" indicada pela autora. Depois de defender um mundo mais justo, sem salários, sem exploração, etc, a autora diz que a atitudade em apoio a greve de uma categoria da classe trabalhadora (no caso dos funcionários terceirizados da limpeza) é uma atitude egoísta e preguiçosa. Bem... como assim? "Ah, porque os estudantes poderiam fazer a limpeza do espaço que eles mesmo usam". E como isso ajudaria os funcionário terceirizados da universidade?
[Leia outros Comentários de Marquinhus Vinicius]
3/5/2011
20h40min
Ao meu ver, a greve dos trabalhadores não tem como causa "a sujeira em demasia que os estudantes fazem na universidade". Mas são questões salariais (de acordo com vídeos e textos que li) que, na minha ótica, não podem ser solucionados se não pelo embate com quem os emprega, já que apenas pedir/implorar por um aumento do salário não adianta, como bem sabemos. Fazendo um esforço fantasioso, poderíamos até perguntar pra que serviria o trabalho dos que fazem a faxina se todos que utilizam a universidade não as deixasse com um pingo de sujeira. Pra quê faxineiros onde não existe sujeira? Mergulhando a fundo no imaginário da autora (que acha que os grandes problemas podem ter soluções minúsculas), e se vivessemos no Fantástico Mundo de Bobby, poderíamos ter, como consequência dessa educação integralmente higiênica dos estudantes, a eliminação dos empregos dos faxineiros.
[Leia outros Comentários de Marquinhus Vinicius]
3/5/2011
20h42min
Claro que não quero dizer, com essa argumentação, que eu acho que os universitários têm mais é que sujar as salas de aula e os corredores porque isso dá emprego q pessoas que precisam. Eu só não vejo com incoveniência o apoio a manifestação dos trabalhadores da limpeza pelos estudantes. Na verdade, penso eu, trata-se de um dos tipos de práticas sociais com maior "teor" de solidariedade da sociedade em que vivemos, se quisermos construir "um mundo sem amarras nem mordaças". obs: sendo o texto muito grande, quis pontuar as questões que me pareceram mais interessantes de por em discussão... peço perdão pelo tamanho do texto!
[Leia outros Comentários de Marquinhus Vinicius]
5/5/2011
18h21min
Novidades sempre causam espanto e perplexidade. E assusta. Quem sabe? Já não houve tempo sem dinheiro, na base do escambo? Texto curto. Aprovação total o da autora. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUASE-SONHOS & TRADUZIDO DA NOITE
JEAN-JOSEPH RABEARIVELO
KALANGO
(2009)
R$ 29,00



O DIABO E O EXORCISMO
ELIAS VELLA
PALAVRA DE PRECE
(2005)
R$ 23,00
+ frete grátis



BÁLSAMO ESPIRITUAL: ALÍVIO E CONFORTO PARA MOMENTOS DIFÍCEIS DA VIDA...
ORSON PETER CARRARA
MYTHOS
(2012)
R$ 19,90



MANGÁ HITMAN - MATADOR POR ACASO 1
HIROSHI MUTOU
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 8,99



NEM TUDO QUE É SÓLIDO DESMANCHA NO AR
JORGE MIGUEL MARINHO
VOZES
(2000)
R$ 7,50



O SONHO DE CHUVISQUINHO
TONY FONSECA
POEMA
R$ 8,00



MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO - POESIA - 3ª ED.
CLEONICE BERARDINELLI (ORG.)
AGIR
(1974)
R$ 10,00



SE ARREPENDIMENTO MATASSE
ALMA CERVANTES
NOVOS TALENTOS
(2013)
R$ 15,00



A RELIGIÃO DO DIABO - PLANETA Nº 21
EDITORA TRÊS
TRÊS
(1974)
R$ 5,00



CANALETTO - GÊNIOS DA PINTURA Nº 89
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1967)
R$ 8,00





busca | avançada
21259 visitas/dia
1,1 milhão/mês