Poder e Vocação | Ronaldo Brito Roque | Digestivo Cultural

busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2006

Sexta-feira, 22/9/2006
Poder e Vocação
Ronaldo Brito Roque

+ de 5900 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Você vai ficar deprimido, mas ainda assim o documentário Vocação do Poder, de Eduardo Escorel, é uma boa pedida.

A gente aprende na escola que a democracia foi uma conquista. O povo passou a escolher seus governantes e legisladores, e com isso as leis ficaram mais justas, mais favoráveis à igualdade. Há maior controle da população sobre os detentores do poder. O sistema de mandatos faz com que a câmara se renove ou se conserve, segundo o desempenho e a aprovação social dos políticos. Tudo muito lindo na teoria. Mas e na prática, como a coisa funciona? É isso que o filme procura mostrar. A equipe acompanhou seis candidatos a vereador na cidade do Rio. O diretor foi muito feliz na montagem, alternando momentos do dia da eleição, quando a adrenalina dos candidatos era máxima, com cenas das campanhas que vinham ocorrendo meses antes.

Aos poucos você vai percebendo - quando não percebe logo de cara - que a maioria, mesmo que quisesse, nada poderia fazer pela população que a elegeu, a não ser pequenos favores como doar cadeiras de rodas e caixões. Os candidatos parecem nem saber a diferença entre executivo e legislativo. Acreditam que o vereador possa exercer funções como controle da polícia ou do sistema de saúde. É até difícil de acreditar, mas nenhum dos candidatos revela sequer uma proposta, nem nas reuniões internas dos partidos. Tudo que sabem fazer é recorrer a termos vagos, como "justiça social", "debate", "democracia", que eles mesmos não saberiam definir. Aliás, estou fazendo uma injustiça. Um dos candidatos tem uma proposta concreta. A construção de uma grande danceteria com palco para shows e desfiles. E é justamente o candidato do setor mais pobre da população. É claro que ele não fala em saúde e educação, todo mundo sabe que pobre precisa é de sexo e música ruim. Os candidatos de nível social melhor, que poderiam apresentar propostas mais concretas, sabem apenas abordar as pessoas na rua e dizer "Posso contar com você?", ou coisa pior. E é isso que é mais deprimente: Justamente os mais instruídos, que têm um curso de Direito ou coisa parecida, que poderiam expor propostas sérias e viáveis, ficam só naquele papo de "a gente precisa de alguém do Leblon lá em cima". O filme só não deprime mais porque é bem feito. Pelo menos nossos documentaristas são bons.

Mas quando vi o documentário, me ocorreu outra questão, também ligada à vocação do poder, que não é abordada no filme talvez por não caber naquele formato. A questão é a seguinte: quando você conversa com um sujeito de 18 anos, e pergunta sobre seus sonhos, ele normalmente responde que quer ser compositor popular, poeta, escritor, atleta, bombeiro, militar, médico, engenheiro de computadores, artista plástico, desenhista de quadrinhos e por aí vai. A minha pergunta é simples: por que ninguém quer ser político? Por que ninguém sonha desde cedo com a carreira de administrador público?

Na minha modesta opinião, é aí que está a raiz do problema: a carreira política não é a realização de um sonho autêntico. Ela é uma saída mais ou menos improvisada para a falta de grana ou para a falta de aptidão para outras áreas. Outros países têm políticos melhores justamente porque lá o ideal de ser político é esteticamente viável. Esses países têm uma cultura que reconhece a importância do político, e por isso um sujeito pode sonhar em ser legislador ou administrador público sem sentir vergonha de si mesmo. Um sujeito pode declarar para os pais e para os amigos que quer ser político, e daí surgem os diálogos e as tensões que vão informar ao indivíduo o que uma sociedade espera de um político, qual é seu papel, de que maneira ele vai servir sua comunidade, etc. Mas, no Brasil, o professor de história já é o primeiro a nos dizer que os políticos não passam de uma corja de incapazes. Se você disser a seu pai que gostaria de seguir a carreira política, ele possivelmente vai zombar de você.

Ser político no Brasil é feio, e por isso mesmo as mentes mais capazes e letradas - justamente as que melhor podem servir a comunidade - vão buscar sua realização em outras carreiras. Se quisermos melhorar a política nacional, acho que a primeira coisa a fazer é mostrar aos jovens que ser político não é feio; não é essencial da política manchar a biografia de ninguém. O curso de história deveria mostrar como a sociedade pode ser transformada - para melhor - pela ação de talentos políticos autênticos.

Precisaríamos de livros que contassem a vida de políticos que conseguiram construir sua carreira sem usar o dinheiro público para pagar suas putas (nada contra putas; apenas não se deve pagá-las com dinheiro público). É por isso que eu gosto do Gilberto Gil como ministro da cultura. Não concordo com nenhuma das suas idéias políticas, às vezes ele me parece um verdadeiro retardado. Mas pelo menos ele passa uma informação aos jovens: político não precisa ser um cretino. Um homem pode exercer um cargo público movido pelo desejo autêntico de melhorar a sociedade. Daqui a cinco anos ninguém vai se lembrar dos cantadores de cordel e dos cineastas medíocres que foram financiados pela política cultural do Gil, mas se pelo menos isso ficar na cabeça dos jovens, já está bom.


Ronaldo Brito Roque
Rio de Janeiro, 22/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti
02. Cinzas e sombras de Vicente Escudero
03. O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté de Ricardo de Mattos
04. Traficante, sim. Bandido, não. de Adriana Baggio
05. A dama do crime de Gian Danton


Mais Ronaldo Brito Roque
Mais Especial Eleições 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2006
12h44min
Seu texto foi muito bem escrito. Tudo que penso sobre a política, você conseguiu colocar no papel de forma clara e objetiva! Parabéns!
[Leia outros Comentários de Mariana]
22/9/2006
20h15min
É incrível como você consegue sintetizar tudo em um texto. Parabéns!!!
[Leia outros Comentários de Danielle]
24/9/2006
20h18min
Ronaldo, o texto é muito bom. Eu trabalho com política e vivencio muito do que você está vivendo. Não sou político, contudo. Decidi me dedicar à Ciência Política. De fato, a maior parte das pessoas não tem nenhuma capacidade de fazer propostas. Mas tem um ponto que faltou: não é só uma questão de vontade. Mesmo que boas pessoas quisessem entrar para a política, as barreiras de entradas não podem ser subestimadas. De qualquer modo, meus parabéns pelo texto. Abraços
[Leia outros Comentários de Pablo]
26/9/2006
09h24min
Pablo, acho que vc está enganado. Fazer política de qualidade e melhorar o mundo não é uma questão de vontade. É uma questão de inteligência. Eu não acredito em vontade. Eu fujo de pessoas bem intencionadas. Quer um exemplo? Vc chega numa cidade pobre do interior e encontra uma criança doente. Ela está com febre. O curandeiro da região já deu os chás de sempre, e não adiantou. Eu te pergunto: se vc não souber nada de medicina, vc vai poder fazer alguma coisa para ajudar? É claro que não. Então boa vontade não adianta. Em política é a mesma coisa. Um sujeito com boa vontade que não tenha os conhecimentos e as idéias certas não pode fazer absolutamente nada para ajudar. Lute contra essa sua idéia, meu amigo. A política não precisa de pessoas bem intencionadas. Aliás, acredito que ela já está cheia delas. Precisa é de pessoas inteligentes, com conhecimentos precisos de economia e administração. Fuja das boas intenções. Abraço, Rbr
[Leia outros Comentários de Ronaldo]
26/9/2006
13h08min
Desde a criação da Democracia, na Grécia Antiga, ser político não é profissao, é serviço público. O cidadão afirma-se quando participa da vida de sua cidade, inclusive política. Por isso, político não deve ser profissão: deve ser um cidadão que, a partir de uma etapa da vida, resolve colocar seus conhecimentos a serviço da sociedade. O problema é que houve deturpação do conceito: a política está cheia ou de espertalhões ou de gente que não tem nenhuma profissão. Essas são as que se servem da sociedade, e não servem à sociedade.
[Leia outros Comentários de Alexandre Magno]
5/10/2006
14h10min
Eu concordo com o Ronaldo e ainda vou mais longe: no Brasil o cara não entra na política pensando em trabalhar pelo Estado, e sim em enriquecer de uma maneira mais fácil. É uma saída que essas pessoas encontram para sair da indigência, daí a explicação para tantos candidatos bizarros nos horários eleitorais. Esses caras sabem que as imunidades parlamentares e pizzas vão salvá-los quando eles se envolverem com a corrupção, que está enraizada em nossa cultura, já que criou-se a idéia de que não dá pra fazer política sem sujar as mãos.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRÉCIS DE PATHOLOGIE MÉDICALE TOME 2
F. BEZANÇON MARCEL LABBÉ LÉON BERNARD
MASSON
(1923)
R$ 105,05



O SENHOR DE SÁNDARA
CARLOS BERNARDO GONZÁLEZ PECOTCH
LOGOSÓFICA
(2009)
R$ 5,00



O ANO 2000
HERMAN KAHN E ANTHONY J WIENER
MELHORAMENTOS
(2000)
R$ 31,92



O DILEMA POPULACIONAL NA AMÉRICA LATINA
EDITORES R. DELGADO GARCIA/J. MAYONE STYCOS/JORGE
EDIÇÕES O CRUZEIRO
(1968)
R$ 11,00



TUTELA CAUTELAR E TUTELA ANTECIPADA:TUTELAS SUMÁRIAS DE URGÊNCIA 8599
JOSE ROBERTO DOS SANTOS BEDAQUE
MALHEIROS
(2003)
R$ 60,00



A NOVA MULHER
MARINA COLASANTI
NORDICA
(1980)
R$ 6,90



LIVRO O VERMELHO E O NEGRO
STENDHAL
PUBLIFOLHA
(1998)
R$ 9,00



ROTEIRO TURÍSTICO DE MINAS GERAIS AUTOGRAFADO
LOURIVAL BRASIL FILHO
EDIÇÃO DO AUTOR
(1973)
R$ 21,01



NOSSO CÃES
ALBERTO APFEL
MELHORAMENTOS
R$ 25,90



PAIXÃO ÍNDIA
JAVIER MORO
PLANETA
(2010)
R$ 11,00





busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês