Poder e Vocação | Ronaldo Brito Roque | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
Mais Recentes
>>> Gestão Em Enfermagem : Ferramenta para Prática Segura de Vários pela Yendis (2011)
>>> Clt Universitária - 24ª Ed de Sergio Pinto Martins pela Saraiva (2018)
>>> Seres Proibidos de Marcélio Ávila pela Do Autor
>>> Crenças, Religiões, Igrejas e Seitas: Quem São? de Estevão Tavares Bettencourt pela Nc (1995)
>>> O Manuscrito de Missolonghi de Frederic Priokosch pela Siciliano (1995)
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2007)
>>> Pedagogia: Reprodução Ou Transformação de Lauro de Oliveira Lima pela Brasiliense
>>> Introdução ao Mercado de Ações de Comissão Nacional de Bolsas de Valores pela Introdução ao Mercado de Ações (1986)
>>> Reféns no Paraíso de Giselda Laporta Nicolelis pela Quinteto Editorial (1999)
>>> Estrutura e Funcionamento do Ensino de 1ª Grau de Nelson Piletti pela Atica (1989)
>>> Qualidade e Segurança Em Anestesiologia de Fabiane Cardia e Luiz Antonio e Outros pela Sba (2012)
>>> A Viagem de uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Chico Buarque de Regina Zappa pela Relume Dumará (1999)
>>> Como Prevenir e Tratar o Câncer Com Medicina Natural de Varios pela Best Seller (2005)
>>> Música Brasileira para Sopros (vol. 1) de Irmãos Vitale pela Irmãos Vitale (2002)
>>> Legislaçao Previdenciaria de Anfip pela Anfip (2000)
>>> Viva Você sem Peixes no Muro de Davi Urias Vidigal pela Nova Letra (2006)
>>> Os Meninos Que Viraram Estrelas de Sávia Dumont pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Controle de Estímulos e Comportamento Operante - uma Introdução de Vários pela Educ (2002)
>>> Orações de Proteção de Carlos Magno Maia Dias pela Madras (2002)
>>> Matemática para o 2º Grau: Curso Completo de Antonio Nicolau Youssef e Outras pela Scipione (1998)
>>> Feng Shui - para Quem Mora Em Apartamento de Richard Webster pela Pensamento (1998)
>>> Renascendo da Dor Aids Principio Ou Fim de Sonia Tozzi Henriques Rodrigues pela Panorama
>>> Só para Gigantes de Gabí Martínez pela Rocco (2013)
>>> Mulher e Família: Diversos Dizeres de Maria Cristina Lopes de Almeida (org) e Outros pela Oficina do Livro (2006)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2006

Sexta-feira, 22/9/2006
Poder e Vocação
Ronaldo Brito Roque

+ de 7100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Você vai ficar deprimido, mas ainda assim o documentário Vocação do Poder, de Eduardo Escorel, é uma boa pedida.

A gente aprende na escola que a democracia foi uma conquista. O povo passou a escolher seus governantes e legisladores, e com isso as leis ficaram mais justas, mais favoráveis à igualdade. Há maior controle da população sobre os detentores do poder. O sistema de mandatos faz com que a câmara se renove ou se conserve, segundo o desempenho e a aprovação social dos políticos. Tudo muito lindo na teoria. Mas e na prática, como a coisa funciona? É isso que o filme procura mostrar. A equipe acompanhou seis candidatos a vereador na cidade do Rio. O diretor foi muito feliz na montagem, alternando momentos do dia da eleição, quando a adrenalina dos candidatos era máxima, com cenas das campanhas que vinham ocorrendo meses antes.

Aos poucos você vai percebendo - quando não percebe logo de cara - que a maioria, mesmo que quisesse, nada poderia fazer pela população que a elegeu, a não ser pequenos favores como doar cadeiras de rodas e caixões. Os candidatos parecem nem saber a diferença entre executivo e legislativo. Acreditam que o vereador possa exercer funções como controle da polícia ou do sistema de saúde. É até difícil de acreditar, mas nenhum dos candidatos revela sequer uma proposta, nem nas reuniões internas dos partidos. Tudo que sabem fazer é recorrer a termos vagos, como "justiça social", "debate", "democracia", que eles mesmos não saberiam definir. Aliás, estou fazendo uma injustiça. Um dos candidatos tem uma proposta concreta. A construção de uma grande danceteria com palco para shows e desfiles. E é justamente o candidato do setor mais pobre da população. É claro que ele não fala em saúde e educação, todo mundo sabe que pobre precisa é de sexo e música ruim. Os candidatos de nível social melhor, que poderiam apresentar propostas mais concretas, sabem apenas abordar as pessoas na rua e dizer "Posso contar com você?", ou coisa pior. E é isso que é mais deprimente: Justamente os mais instruídos, que têm um curso de Direito ou coisa parecida, que poderiam expor propostas sérias e viáveis, ficam só naquele papo de "a gente precisa de alguém do Leblon lá em cima". O filme só não deprime mais porque é bem feito. Pelo menos nossos documentaristas são bons.

Mas quando vi o documentário, me ocorreu outra questão, também ligada à vocação do poder, que não é abordada no filme talvez por não caber naquele formato. A questão é a seguinte: quando você conversa com um sujeito de 18 anos, e pergunta sobre seus sonhos, ele normalmente responde que quer ser compositor popular, poeta, escritor, atleta, bombeiro, militar, médico, engenheiro de computadores, artista plástico, desenhista de quadrinhos e por aí vai. A minha pergunta é simples: por que ninguém quer ser político? Por que ninguém sonha desde cedo com a carreira de administrador público?

Na minha modesta opinião, é aí que está a raiz do problema: a carreira política não é a realização de um sonho autêntico. Ela é uma saída mais ou menos improvisada para a falta de grana ou para a falta de aptidão para outras áreas. Outros países têm políticos melhores justamente porque lá o ideal de ser político é esteticamente viável. Esses países têm uma cultura que reconhece a importância do político, e por isso um sujeito pode sonhar em ser legislador ou administrador público sem sentir vergonha de si mesmo. Um sujeito pode declarar para os pais e para os amigos que quer ser político, e daí surgem os diálogos e as tensões que vão informar ao indivíduo o que uma sociedade espera de um político, qual é seu papel, de que maneira ele vai servir sua comunidade, etc. Mas, no Brasil, o professor de história já é o primeiro a nos dizer que os políticos não passam de uma corja de incapazes. Se você disser a seu pai que gostaria de seguir a carreira política, ele possivelmente vai zombar de você.

Ser político no Brasil é feio, e por isso mesmo as mentes mais capazes e letradas - justamente as que melhor podem servir a comunidade - vão buscar sua realização em outras carreiras. Se quisermos melhorar a política nacional, acho que a primeira coisa a fazer é mostrar aos jovens que ser político não é feio; não é essencial da política manchar a biografia de ninguém. O curso de história deveria mostrar como a sociedade pode ser transformada - para melhor - pela ação de talentos políticos autênticos.

Precisaríamos de livros que contassem a vida de políticos que conseguiram construir sua carreira sem usar o dinheiro público para pagar suas putas (nada contra putas; apenas não se deve pagá-las com dinheiro público). É por isso que eu gosto do Gilberto Gil como ministro da cultura. Não concordo com nenhuma das suas idéias políticas, às vezes ele me parece um verdadeiro retardado. Mas pelo menos ele passa uma informação aos jovens: político não precisa ser um cretino. Um homem pode exercer um cargo público movido pelo desejo autêntico de melhorar a sociedade. Daqui a cinco anos ninguém vai se lembrar dos cantadores de cordel e dos cineastas medíocres que foram financiados pela política cultural do Gil, mas se pelo menos isso ficar na cabeça dos jovens, já está bom.


Ronaldo Brito Roque
Rio de Janeiro, 22/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A coisa tá preta de Cassionei Niches Petry
02. Abominável Mundo Novo de Marilia Mota Silva
03. Fotonovela: Sociedade/ Classes/ Fotografia de Duanne Ribeiro
04. Terra, chão de primavera de Elisa Andrade Buzzo
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica de Duanne Ribeiro


Mais Ronaldo Brito Roque
Mais Especial Eleições 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2006
12h44min
Seu texto foi muito bem escrito. Tudo que penso sobre a política, você conseguiu colocar no papel de forma clara e objetiva! Parabéns!
[Leia outros Comentários de Mariana]
22/9/2006
20h15min
É incrível como você consegue sintetizar tudo em um texto. Parabéns!!!
[Leia outros Comentários de Danielle]
24/9/2006
20h18min
Ronaldo, o texto é muito bom. Eu trabalho com política e vivencio muito do que você está vivendo. Não sou político, contudo. Decidi me dedicar à Ciência Política. De fato, a maior parte das pessoas não tem nenhuma capacidade de fazer propostas. Mas tem um ponto que faltou: não é só uma questão de vontade. Mesmo que boas pessoas quisessem entrar para a política, as barreiras de entradas não podem ser subestimadas. De qualquer modo, meus parabéns pelo texto. Abraços
[Leia outros Comentários de Pablo]
26/9/2006
09h24min
Pablo, acho que vc está enganado. Fazer política de qualidade e melhorar o mundo não é uma questão de vontade. É uma questão de inteligência. Eu não acredito em vontade. Eu fujo de pessoas bem intencionadas. Quer um exemplo? Vc chega numa cidade pobre do interior e encontra uma criança doente. Ela está com febre. O curandeiro da região já deu os chás de sempre, e não adiantou. Eu te pergunto: se vc não souber nada de medicina, vc vai poder fazer alguma coisa para ajudar? É claro que não. Então boa vontade não adianta. Em política é a mesma coisa. Um sujeito com boa vontade que não tenha os conhecimentos e as idéias certas não pode fazer absolutamente nada para ajudar. Lute contra essa sua idéia, meu amigo. A política não precisa de pessoas bem intencionadas. Aliás, acredito que ela já está cheia delas. Precisa é de pessoas inteligentes, com conhecimentos precisos de economia e administração. Fuja das boas intenções. Abraço, Rbr
[Leia outros Comentários de Ronaldo]
26/9/2006
13h08min
Desde a criação da Democracia, na Grécia Antiga, ser político não é profissao, é serviço público. O cidadão afirma-se quando participa da vida de sua cidade, inclusive política. Por isso, político não deve ser profissão: deve ser um cidadão que, a partir de uma etapa da vida, resolve colocar seus conhecimentos a serviço da sociedade. O problema é que houve deturpação do conceito: a política está cheia ou de espertalhões ou de gente que não tem nenhuma profissão. Essas são as que se servem da sociedade, e não servem à sociedade.
[Leia outros Comentários de Alexandre Magno]
5/10/2006
14h10min
Eu concordo com o Ronaldo e ainda vou mais longe: no Brasil o cara não entra na política pensando em trabalhar pelo Estado, e sim em enriquecer de uma maneira mais fácil. É uma saída que essas pessoas encontram para sair da indigência, daí a explicação para tantos candidatos bizarros nos horários eleitorais. Esses caras sabem que as imunidades parlamentares e pizzas vão salvá-los quando eles se envolverem com a corrupção, que está enraizada em nossa cultura, já que criou-se a idéia de que não dá pra fazer política sem sujar as mãos.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Ursinha e as Borboletas
Susan Quinn, Caroline Pedler
Ciranda Cultural
(2013)



Just in Time! All-new - 30 Minute Meals...
Rachael Ray
Crow Publishers
(2007)



Segredos de Família -
Lisa Wingate
Globo Livros
(2018)



Sabor de Sonho
Claudio Feldman, Claudia Scatamacchia
Moderna
(1994)



Alice no País das Maravilhas
Não Consta
Dcl
(1980)



Sentinelas da Alma
Francisco Cândido Xavier
ideal
(1982)



Centro de Estudos da Antiguidade Greco-romana Ceag - Hypnos Vol 6
Palas Athena
Triom e Educ
(2000)



O Que e Sociologia
Carlos Benedito Martins
Brasiliense
(1994)



Dom Casmurro - Série Bom Livro
Machado de Assis
Atica
(2012)



Qual é a Tua Obra?
Mario Sergio Cortella
Vozes
(2012)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês