Aproximações políticas, ontem e hoje | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
>>> Espetáculo de dança da amazonense Francis Baiardi Estreia no Mezanino do Sesc Copacabana
>>> Estação Educativa Futuros realiza oficinas de jogos teatrais
>>> Rolé Carioca abre inscrições para passeio no Museu do Samba
>>> Exposição ‘Maréu: Um mergulho no céu, um voo no mar’ chega no Sesc São João de Meriti
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> História (não só) de livraria
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Ninguém me chama de Baudelaire
>>> O que mais falta acontecer?
>>> Casa de bonecas, de Ibsen
>>> Façam suas apostas
>>> 6º Atentado poético em BH
>>> A jornada do herói
>>> O filósofo da contracultura
>>> Acordo Internetês Ortográfico
Mais Recentes
>>> Estratégias De Vida de Phillip Mcgraw pela Elsevier (1999)
>>> Contratos coligados no direito brasileiro de Francisco Paulo de Crescenzo Marin pela Saraiva (2009)
>>> Chassidim de Daniel Oppenheimer pela Daniel Oppenheimer (2018)
>>> Self-Hypnosis The Complete Manual for Health and Self-Change de Brian M. Alman e Peter Lambrou pela Brunner (1992)
>>> Mulheres que Foram à Luta Armada de Luís Maklouf Carvalho pela Globo (1998)
>>> Os Órfão de Ruanda de Elmore Leonard pela Rocco (2003)
>>> Agência Nº1 de Mulheres Detetives de Alexander McCall Smith pela Companhia das Letras (2003)
>>> Vocabolario Napoletano Italiano de Raffaele Andreoli pela Igei (1988)
>>> Descobertas e Extravios - história de maria I e Mão de Luva de Vera de Vives pela Record (1997)
>>> House of Trump House of Putin The Untold Story of Donald Trump and the Russian Mafia de Craig Unger pela Dutton (2018)
>>> Obra Poetica Mil Novecientos Sesenta y Nueve Dos Mil de Edna Pozzi pela Vinciguerra Colección Metáfora (2000)
>>> Rumo à Estação Finlândia de Edmund Wilson pela Rumo à Estação Finlândia (1995)
>>> A Visão Integral de Ken Wilber pela Cultrix (2008)
>>> O Livro das pequenas Infidelidades de Edgard Telles Ribeiro pela Record (2004)
>>> Medicina dos Espíritos de Luiz da Rocha Lima pela Frei Luiz (2013)
>>> Tudo sobre arte de Stephen Farthing e Richard Cork pela Sextante (2011)
>>> The Permanent Playboy de Ray Russell pela Crown Publishers Inc (1959)
>>> Árvore da Vida - A Arte de Viver Segundo a Cabala de Rabino Joseph Saltoun pela Meron (2013)
>>> Lorenzo da Ponte memórias de Lorenzo da Ponte pela Lacerda (1998)
>>> Teorias da Aprendizagem de Guy R. Lefrançois pela Cengage Learning (2013)
>>> Preto e Branco - A Importância da Cor da Pele de Marco Frenette pela Publisher Brasil (2000)
>>> A Misteriosa Chama da Rainha Loana de Umberto Eco pela Record (2005)
>>> Metodologia do Trabalho Científico de Antônio Joaquim Severino pela Cortez (2016)
>>> My Dead Dad Was in ZZ Top de Jon Glaser pela Harper Perennial (2011)
>>> Manuel Bandeira Seleta de Prosa de Manuel bandeira pela Nova Fronteira (1997)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2006

Quinta-feira, 5/10/2006
Aproximações políticas, ontem e hoje
Lucas Rodrigues Pires
+ de 6100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O cenário político do primeiro governo Lula lembrou muito aquele dos anos 1950, quando o presidente era Getúlio Vargas. O mesmo presidente popular com as classes populares, as mesmas denúncias e acusações de corrupção, a mesma tentativa de criar um clima de golpismo e os mesmos adversários a desestabilizar e tentar reverter uma eleição perdida. Vargas e Lula, bons de voto.

Para quem viveu ou estudou (o meu caso) a história política brasileira do século XX, a repetição de certas mazelas pode ser sentida no ar. Há um cheiro de reiteração, daqueles que não deveriam voltar mais porque, para quem lembra, tudo aquilo vivido nos anos 50 e 60 acabaram na tragédia do Golpe Militar. No século XXI, onde poderia desembocar esse cenário?

Lula, mesmo sob acusações de corrupção, manteve-se no alto das pesquisas e quase venceu já no primeiro turno. Seus adversários políticos nem com o horário eleitoral gratuito conseguiram decolar nas pesquisas. Um partido de oposição que ainda tenta de tudo para atingir a pessoa do presidente, já que este conseguiu descolar seu nome do de seu partido, este já bem enlameado. Definitivamente, Lula e PT não são mais sinônimos desde que interessou à reeleição o "divórcio".

O PSDB ataca de viúva da velha UDN, só falta alguém para posar de Carlos Lacerda. As lideranças não se entendem, cada um pensa em si para uma futura corrida presidencial. O escolhido, tal qual o general Juarez Távora, o adversário indicado pela UDN em 1955 para concorrer contra Juscelino Kubitschek, o indicado do PSDB não tem carisma, não tem um nome de peso diante do povo. Tem apenas um mandato de governador do maior estado do Brasil e uma cara que o fez apelidarem-no de "Chuchu". Geraldo Alckmin, apesar de fazer pose de general Juarez Távora - querendo transmitir seriedade e principalmente honestidade - não consegue mais que repetir o candidato do PSD, o marechal Henrique Teixeira Lott, nas eleições de 1960. Insípido, intransigente, desacreditado desde o início e sem o apoio efetivo das lideranças do PSD (inclusive do então presidente Juscelino Kubitschek), sua candidatura só pôde seguir rumo ao naufrágio nas urnas. A bem da verdade, Lott não tinha chances contra a verborragia demagoga-cristã de Jânio Quadros. O povo gosta de demagogos, gosta de ser consolado, gosta de lobos na pele de cordeiro. Jânio deu a ele - o povo - o que ele queria, mas desistiu depois de sete meses.

Aliás, Jânio é figura mitológica em nosso cenário político. Surgiu como um furacão em São Paulo, tendo já força política suficiente para concorrer em 1955 à Presidência. Preferiu esperar nova oportunidade, que veio em 1960 a pedidos da UDN de Lacerda. Venceu com um "pé nas costas", a maior votação de um presidente, mas jogou tudo fora poucos meses depois com uma carta de renúncia estapafúrdia. Conversando com o professor Fernando Jorge, colunista da revista Imprensa, sobre o Brasil daquela época em razão de livros que ambos escrevemos (este que assina este artigo acaba de lançar O Brasil de Juscelino Kubitschek, pela Landy Editora, e o professor Fernando Jorge escreveu uma biografia de Getúlio Vargas em dois volumes - Getúlio Vargas e o seu Tempo -, há muito esgotada, e diz que tem em mente uma biografia de Jânio Quadros), ouvi dele a reprodução de uma conversa que o próprio teve com Juscelino Kubitschek poucos meses antes deste morrer. O professor teria questionado sobre a razão da renúncia de Jânio. Juscelino respondeu: "Meu caro, a renúncia de Jânio veio numa caixa dentro do porão de um navio da Europa". O professor disse não ter entendido e pediu nova explicação. Juscelino então selou: "Sim, meu amigo, veio da Escócia, engarrafada e encaixotada dentro de um navio".

Como Jânio, apontado acima por JK como um bom bebedor, Lula também já sofreu com as insinuações de que estivesse exagerando na bebida. Inclusive quis deportar um jornalista norte-americano que escrevera isso em seu jornal. A oposição caiu matando em cima dele, acusando de censura e todos os demais alardes que qualquer tentativa de controle pode reviver no imaginário nacional. Bom bebedor ou não, Lula não só não renunciou como se empenhou em garantir a reeleição, a mesma sobre a qual disse ser contra quando da votação da emenda constitucional que a aprovara e mesmo durante seu mandato. Reeleição, aliás, conquistada no papel por Fernando Henrique Cardoso com a compra dos votos de alguns parlamentares. Na prática, a reeleição de FHC no final de 1997 custou apenas a bagatela de um "país quebrado", como aconteceu 13 dias depois da posse de seu segundo mandato, em janeiro de 1998.

E se não seguir à risca o que pregam é o mote - se Lula se disse contra a reeleição e está aí para conquistá-la; se FHC mandou esquecer o que escreveu como sociólogo em prol de um governo neoliberal - tem um político das antigas que podemos relembrar aqui também. Sim, Juscelino Kubitschek. Quando presidente, de janeiro de 1956 a janeiro de 1961, no fim de seu mandato políticos governistas ventilaram a hipótese da emenda da reeleição para que ele pudesse se reeleger e continuar suas obras faraônicas. JK colocou-se absolutamente contra, mesmo cultivando dentro de si o sonho de voltar à Presidência. Juscelino não admitiu a mudança na Constituição. Preferia-a "virgem", obedecê-la e tentar voltar no pleito seguinte, que seria em 1965, coisa que nem ele nem o Brasil viriam a vivenciar. Como se pode ver, JK e FHC, ambos com imensa sede de poder e de se manter no poder, mas posições distintas em se tratando de seguir a lei máxima do país...

Já que falamos de Fernando Henrique Cardoso, o sociólogo que foi presidente, ele voltou à tona com uma carta destinada a seu partido e simpatizantes, mas atacando Lula e seu governo. FHC posa, agora, de Carlos Lacerda e ataca via imprensa e internet, atualizando a velha Tribuna da Imprensa de Lacerda e udenistas. Nunca o PSDB se fez tanto de UDN. Até seu Lacerda agora o partido conseguiu. Enquanto isso, no desespero, Alckmin acusa Lula de "demônio" e outros adjetivos mais, sem deixar de lado o discurso golpista do desespero que abate o competidor que se sabe derrotado. Até nisso, em plena nova democracia brasileira do século XXI, o PSDB copia a UDN: ressuscitaram mal e porcamente o discurso pró-golpismo.

Enquanto isso, o presidente Lula segue firme com o apoio das classes populares. Tal qual Vargas em seu tempo, Lula polarizou sua base de apoio para as camadas populares à medida que seu mandato foi se esgotando. Se quando eleito Lula tinha apoio considerável da mídia, de parte da classe média e da classe empresarial, restou a ele apenas "o povo", essa entidade máxima da democracia à brasileira. Aliás, para relembrar, foi a UDN que espalhou a tese de que "o povo não sabe votar" quando Vargas venceu em 1950. Diante da falta de votos de seus candidatos, a UDN elegeu o povo de bode expiatório. Coincidências com os dias atuais? O mesmo discurso já foi levantado atualmente para justificar os altos índices de Lula e a tímida votação de Alckmin. Como se vê, o Brasil adora reeditar no presente certas figuras do passado. Não aprendeu ainda como enterrar o que não deu certo e nem a respeitar o que é valoroso. Os políticos de ontem ainda vivem nos políticos de hoje. Por isso que continua a mesma coisa há 50, 100, 500 anos...


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 5/10/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti
02. Perfil de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2006
01. A Barsa versus o Google - 16/3/2006
02. A favor do Brasil, contra a seleção! - 22/6/2006
03. Europeus salvaram o cinema em 2006 - 21/12/2006
04. Aproximações políticas, ontem e hoje - 5/10/2006
05. Legião o quê? - 27/7/2006


Mais Especial Eleições 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2006
06h26min
As meras realizações do governo não são o fator que mantém a popularidade do atual presidente. O que mantém isso é simplesmente o ódio velado à elite - que o presidente compartilha com o povo, é seu esteio político - um ódio disseminado, dissimulado, o antagonismo primevo, de milhares de anos, que o povo sente por qualquer alienígena. Toda elite (não me refiro a dinheiro) é alienígena, incompreensível. E o povo é extremamente previsível.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
8/10/2006
23h10min
Lucas, quero parabenizá-lo pela sua coragem em escrever um texto assim tão verdadeiro. Sim, estamos repetindo o que aconteceu, e sim, estamos com um ódio muito grande da elite mundial porque eles controlam todos os países existentes e não vão abrir mão daquilo que já conseguiram. Não existe um candidato à presidência do Brasil que poderá lutar contra os desejos dos banqueiros estrangeiros porque esta é uma causa perdida. O Povo vota pro candidato menos "endemoniado" ao seu ver, e a mídia ajuda a pintar um diabo com asas de anjo, dando assim a falsa esperança de que haverá melhorias. Somente com uma revoluçao contra os "money masters" que uma naçao poderá readiquirir sua soberania. Nenhum político até hoje pode enfrentar este grande monstro, e aqueles que tentam ir contra eles voltam pra casa no porão de um navio ou acabam morrendo de morte matada. A moda agora e privatização, e assim sendo, nenhum país será soberano. Tudo pertencerá aos alienígenas - Quer queiramos ou NÃO!
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
13/10/2006
13h51min
Só para esclarecer: JK ficou sabendo do Golpe de 1964 duas ou três semanas antes. E nada fez! Porque achava que seria beneficiado: os militares cassariam Brizola (PTB), o favorito para as eleições de 1965, e convocariam eleições em que seria JK (PSD) X Lacerda (UDN). Só que JK também foi cassado e o resto já sabemos. Se ele fosse tão democrata e cumpridor da Constituição, não teria se levantado contra o Golpe?
[Leia outros Comentários de Alexandre Magno]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Criança e a Expressão Dramática
Pierre Leenhardt
Estampa
(1974)



A Escrita Dos Saberes Corporais no Ensino Fundamental
Alice Maria Corrêa Medina
Pucpress
(2017)



Atualização Em Anestesiologia Vol Xii Anestesia Em Obstetrícia
Saesp
Saesp
(2007)



a Hora da vigança
George Jonas
Record
(2006)



Apropriação das Florestas Nacionais (lacrado)
José Antonio
Prismas
(2016)



Questões Comentadas de Português
Marcos Pacco
Sintagma
(2012)



Conecte Química 1 - Segunda Parte
João Usberco; Edgard Salvador
Saraiva
(2013)



13 no Caixão
Mário Feijó
Nova Fronteira
(2001)



Aspectos Regulatórios e Financeiros nos Leilões de Energia Elétri
Erik Eduardo Rego
Synergia
(2009)



Fish e seafood
Practical cooking
Parragon
(2003)





busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês