Aproximações políticas, ontem e hoje | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2006

Quinta-feira, 5/10/2006
Aproximações políticas, ontem e hoje
Lucas Rodrigues Pires

+ de 4900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O cenário político do primeiro governo Lula lembrou muito aquele dos anos 1950, quando o presidente era Getúlio Vargas. O mesmo presidente popular com as classes populares, as mesmas denúncias e acusações de corrupção, a mesma tentativa de criar um clima de golpismo e os mesmos adversários a desestabilizar e tentar reverter uma eleição perdida. Vargas e Lula, bons de voto.

Para quem viveu ou estudou (o meu caso) a história política brasileira do século XX, a repetição de certas mazelas pode ser sentida no ar. Há um cheiro de reiteração, daqueles que não deveriam voltar mais porque, para quem lembra, tudo aquilo vivido nos anos 50 e 60 acabaram na tragédia do Golpe Militar. No século XXI, onde poderia desembocar esse cenário?

Lula, mesmo sob acusações de corrupção, manteve-se no alto das pesquisas e quase venceu já no primeiro turno. Seus adversários políticos nem com o horário eleitoral gratuito conseguiram decolar nas pesquisas. Um partido de oposição que ainda tenta de tudo para atingir a pessoa do presidente, já que este conseguiu descolar seu nome do de seu partido, este já bem enlameado. Definitivamente, Lula e PT não são mais sinônimos desde que interessou à reeleição o "divórcio".

O PSDB ataca de viúva da velha UDN, só falta alguém para posar de Carlos Lacerda. As lideranças não se entendem, cada um pensa em si para uma futura corrida presidencial. O escolhido, tal qual o general Juarez Távora, o adversário indicado pela UDN em 1955 para concorrer contra Juscelino Kubitschek, o indicado do PSDB não tem carisma, não tem um nome de peso diante do povo. Tem apenas um mandato de governador do maior estado do Brasil e uma cara que o fez apelidarem-no de "Chuchu". Geraldo Alckmin, apesar de fazer pose de general Juarez Távora - querendo transmitir seriedade e principalmente honestidade - não consegue mais que repetir o candidato do PSD, o marechal Henrique Teixeira Lott, nas eleições de 1960. Insípido, intransigente, desacreditado desde o início e sem o apoio efetivo das lideranças do PSD (inclusive do então presidente Juscelino Kubitschek), sua candidatura só pôde seguir rumo ao naufrágio nas urnas. A bem da verdade, Lott não tinha chances contra a verborragia demagoga-cristã de Jânio Quadros. O povo gosta de demagogos, gosta de ser consolado, gosta de lobos na pele de cordeiro. Jânio deu a ele - o povo - o que ele queria, mas desistiu depois de sete meses.

Aliás, Jânio é figura mitológica em nosso cenário político. Surgiu como um furacão em São Paulo, tendo já força política suficiente para concorrer em 1955 à Presidência. Preferiu esperar nova oportunidade, que veio em 1960 a pedidos da UDN de Lacerda. Venceu com um "pé nas costas", a maior votação de um presidente, mas jogou tudo fora poucos meses depois com uma carta de renúncia estapafúrdia. Conversando com o professor Fernando Jorge, colunista da revista Imprensa, sobre o Brasil daquela época em razão de livros que ambos escrevemos (este que assina este artigo acaba de lançar O Brasil de Juscelino Kubitschek, pela Landy Editora, e o professor Fernando Jorge escreveu uma biografia de Getúlio Vargas em dois volumes - Getúlio Vargas e o seu Tempo -, há muito esgotada, e diz que tem em mente uma biografia de Jânio Quadros), ouvi dele a reprodução de uma conversa que o próprio teve com Juscelino Kubitschek poucos meses antes deste morrer. O professor teria questionado sobre a razão da renúncia de Jânio. Juscelino respondeu: "Meu caro, a renúncia de Jânio veio numa caixa dentro do porão de um navio da Europa". O professor disse não ter entendido e pediu nova explicação. Juscelino então selou: "Sim, meu amigo, veio da Escócia, engarrafada e encaixotada dentro de um navio".

Como Jânio, apontado acima por JK como um bom bebedor, Lula também já sofreu com as insinuações de que estivesse exagerando na bebida. Inclusive quis deportar um jornalista norte-americano que escrevera isso em seu jornal. A oposição caiu matando em cima dele, acusando de censura e todos os demais alardes que qualquer tentativa de controle pode reviver no imaginário nacional. Bom bebedor ou não, Lula não só não renunciou como se empenhou em garantir a reeleição, a mesma sobre a qual disse ser contra quando da votação da emenda constitucional que a aprovara e mesmo durante seu mandato. Reeleição, aliás, conquistada no papel por Fernando Henrique Cardoso com a compra dos votos de alguns parlamentares. Na prática, a reeleição de FHC no final de 1997 custou apenas a bagatela de um "país quebrado", como aconteceu 13 dias depois da posse de seu segundo mandato, em janeiro de 1998.

E se não seguir à risca o que pregam é o mote - se Lula se disse contra a reeleição e está aí para conquistá-la; se FHC mandou esquecer o que escreveu como sociólogo em prol de um governo neoliberal - tem um político das antigas que podemos relembrar aqui também. Sim, Juscelino Kubitschek. Quando presidente, de janeiro de 1956 a janeiro de 1961, no fim de seu mandato políticos governistas ventilaram a hipótese da emenda da reeleição para que ele pudesse se reeleger e continuar suas obras faraônicas. JK colocou-se absolutamente contra, mesmo cultivando dentro de si o sonho de voltar à Presidência. Juscelino não admitiu a mudança na Constituição. Preferia-a "virgem", obedecê-la e tentar voltar no pleito seguinte, que seria em 1965, coisa que nem ele nem o Brasil viriam a vivenciar. Como se pode ver, JK e FHC, ambos com imensa sede de poder e de se manter no poder, mas posições distintas em se tratando de seguir a lei máxima do país...

Já que falamos de Fernando Henrique Cardoso, o sociólogo que foi presidente, ele voltou à tona com uma carta destinada a seu partido e simpatizantes, mas atacando Lula e seu governo. FHC posa, agora, de Carlos Lacerda e ataca via imprensa e internet, atualizando a velha Tribuna da Imprensa de Lacerda e udenistas. Nunca o PSDB se fez tanto de UDN. Até seu Lacerda agora o partido conseguiu. Enquanto isso, no desespero, Alckmin acusa Lula de "demônio" e outros adjetivos mais, sem deixar de lado o discurso golpista do desespero que abate o competidor que se sabe derrotado. Até nisso, em plena nova democracia brasileira do século XXI, o PSDB copia a UDN: ressuscitaram mal e porcamente o discurso pró-golpismo.

Enquanto isso, o presidente Lula segue firme com o apoio das classes populares. Tal qual Vargas em seu tempo, Lula polarizou sua base de apoio para as camadas populares à medida que seu mandato foi se esgotando. Se quando eleito Lula tinha apoio considerável da mídia, de parte da classe média e da classe empresarial, restou a ele apenas "o povo", essa entidade máxima da democracia à brasileira. Aliás, para relembrar, foi a UDN que espalhou a tese de que "o povo não sabe votar" quando Vargas venceu em 1950. Diante da falta de votos de seus candidatos, a UDN elegeu o povo de bode expiatório. Coincidências com os dias atuais? O mesmo discurso já foi levantado atualmente para justificar os altos índices de Lula e a tímida votação de Alckmin. Como se vê, o Brasil adora reeditar no presente certas figuras do passado. Não aprendeu ainda como enterrar o que não deu certo e nem a respeitar o que é valoroso. Os políticos de ontem ainda vivem nos políticos de hoje. Por isso que continua a mesma coisa há 50, 100, 500 anos...


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 5/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. Brasil em novo tempo de cinema de Humberto Pereira da Silva
03. Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:> de Lisandro Gaertner
04. Copa do Mundo: batalha entre nações de André Pires
05. Em Londres, à caça do mito elementar de Arcano9


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2006
01. A Barsa versus o Google - 16/3/2006
02. A favor do Brasil, contra a seleção! - 22/6/2006
03. Europeus salvaram o cinema em 2006 - 21/12/2006
04. Aproximações políticas, ontem e hoje - 5/10/2006
05. Legião o quê? - 27/7/2006


Mais Especial Eleições 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2006
06h26min
As meras realizações do governo não são o fator que mantém a popularidade do atual presidente. O que mantém isso é simplesmente o ódio velado à elite - que o presidente compartilha com o povo, é seu esteio político - um ódio disseminado, dissimulado, o antagonismo primevo, de milhares de anos, que o povo sente por qualquer alienígena. Toda elite (não me refiro a dinheiro) é alienígena, incompreensível. E o povo é extremamente previsível.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
8/10/2006
23h10min
Lucas, quero parabenizá-lo pela sua coragem em escrever um texto assim tão verdadeiro. Sim, estamos repetindo o que aconteceu, e sim, estamos com um ódio muito grande da elite mundial porque eles controlam todos os países existentes e não vão abrir mão daquilo que já conseguiram. Não existe um candidato à presidência do Brasil que poderá lutar contra os desejos dos banqueiros estrangeiros porque esta é uma causa perdida. O Povo vota pro candidato menos "endemoniado" ao seu ver, e a mídia ajuda a pintar um diabo com asas de anjo, dando assim a falsa esperança de que haverá melhorias. Somente com uma revoluçao contra os "money masters" que uma naçao poderá readiquirir sua soberania. Nenhum político até hoje pode enfrentar este grande monstro, e aqueles que tentam ir contra eles voltam pra casa no porão de um navio ou acabam morrendo de morte matada. A moda agora e privatização, e assim sendo, nenhum país será soberano. Tudo pertencerá aos alienígenas - Quer queiramos ou NÃO!
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
13/10/2006
13h51min
Só para esclarecer: JK ficou sabendo do Golpe de 1964 duas ou três semanas antes. E nada fez! Porque achava que seria beneficiado: os militares cassariam Brizola (PTB), o favorito para as eleições de 1965, e convocariam eleições em que seria JK (PSD) X Lacerda (UDN). Só que JK também foi cassado e o resto já sabemos. Se ele fosse tão democrata e cumpridor da Constituição, não teria se levantado contra o Golpe?
[Leia outros Comentários de Alexandre Magno]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PARA PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DE ADMINISTRAÇÃO
JOÃO BAPTISTA HERKENHOFF
FUNDO DE CULTURA
(2006)
R$ 45,00



NOVA ESCOLA Nº 216 EFEITO DOMINÓ
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2008)
R$ 5,90



E-MAIL - A COMÉDIA DOS SEM-CARÁCTER...
MATT BEAUMONT
BERTRAND BRASIL
(2005)
R$ 10,00



LAÇOS DE AMOR
ANDREIE BAKRI
MADRAS
(2001)
R$ 20,00



CENTURION
SIMON SCARROW
HEADLINE
(2007)
R$ 20,00



PARTIDO REPUBLICANO FEDERAL 1893-1897
JOSÉ S. WITTER
BRASILIENSE
(1987)
R$ 7,00



100 SEGREDOS DAS PESSOAS DE SUCESSO
DAVID NIVEN
SEXTANTE
(2002)
R$ 10,00



O MANUAL DA FELICIDADE O SERMAO DA MONTANHA
PE ALBERTO LUIZ GAMBARINI
LOYOLA
R$ 6,00



O VERDE VIOLENTOU O MURO
IGNÁCIO LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1984)
R$ 4,00



CADERNO PEDAGÓGICO 3º TEMA GERADOR: O SENTIDO DA VIDA
PROJETO PARA O ENSINO RELIGIOSO ESCOLAS PÚBLICAS
PAULUS (SP)
(1995)
R$ 31,28





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês