Legião o quê? | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
Mais Recentes
>>> Meu dia com Padre Gregório, scj de Padre Gregorio pela N/a
>>> O Primeiro Bilhão de Christopher Reich pela Best Seller (2004)
>>> Poderes do Pensamento de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (2018)
>>> Manual do Astrólogo de Landis Knigh Green pela Pensamento (1975)
>>> Noções de Symbologia Esoterica de Circulo Esotérico pela Circulo Esotérico (1941)
>>> Juventude e Revolução de Hermes Zaneti Junior pela Unb (2001)
>>> Dharma de Annie Besant pela Pensamento (2008)
>>> Fome do Cão de Táki Athanássios Cordás pela Maltese (1993)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Harper Usa (2000)
>>> Gandhi Autobiographie ou mês Expériences de Vérité (Francês) de Gadhi pela Puf (2010)
>>> Tábuas de Casa para o Hemisfério Sul de Carlos Alberto Boton pela Pensamento (1993)
>>> Tao Te King de Lao Tsé pela Attar (1988)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Jacira X Ronaldo de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1980)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Simone X Angela de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1979)
>>> Guia Prático de manobras de Eric Tabarly pela Edições marítimas (1983)
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Como Planejar sua Carreira de Varios Autores pela Povo (2003)
>>> Perguntas Bíblicas Extrovertidas de Tio Cornélio pela J&f Artes Gráficas (2004)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Macmillan Pub Co (1984)
>>> Gestão Financeira de Negócios de Aurélio Hess pela Cart-Impress (2005)
>>> Luz Emergente A Jornada de Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (2003)
>>> Jesus, um Profeta do Islão de Muhammad Áta Ur-rahim pela Al Furqán (1995)
>>> Buda O Mito e a Realidade de Hérodoto Barbeiro pela Madras (2005)
>>> Gandhi O Apóstolo da Não - Violência de Martin Claret pela Martin Claret (1983)
>>> Concentra-te em Ti Mesmo de Miguel Lucas pela Loyola (1987)
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Quinta-feira, 27/7/2006
Legião o quê?
Lucas Rodrigues Pires

+ de 5000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O leitor de hoje certamente conhece a banda Legião Urbana, que encerrou sua carreira musical com a morte de Renato Russo em 1996. Com meus quase 30 anos, sou da geração que viveu o auge da banda nos anos 90, só que tem um detalhe na minha biografia que deve ser mencionado: eu não ouvia Legião Urbana, e nem gostava de bandas de rock. Era preconceituoso mesmo, só queria saber de MPB. Isso nos meus 12, 15 anos de idade.

Claro que não era tão alienado de nunca ter ouvido algumas músicas, como "Monte Castelo", "Pais e Filhos", "Eduardo e Mônica" e "Que País é Este?", mas eu era daqueles que não gostava nem de passar perto. Passava tardes gravando em K7s músicas da Musical FM e nem aí para o que todos ao meu redor e da minha idade ouviam. Queria Tom Jobim, isso sim que era música, o resto era ruído. Até hoje penso assim de algumas bandas de heavy metal...

Minha relação com o Legião Urbana começou tardiamente, quase em seu fim. Na verdade, o primeiro CD que comprei da banda foi em 1996, alguns meses antes de Renato Russo morrer. Comprei o Música para Acampamentos, uma coletânea da qual não gostei de quase nenhuma música, tirando algumas clássicas. Ainda estava ressabiado com a banda, queria abrir meus horizontes, começara a ouvir Barão Vermelho e queria conhecer mais de bandas de rock nacional. O Legião era obrigatório para qualquer garoto que quisesse ganhar alguma menina. Na época, eu não conhecia Legião e não tinha ganhado nenhuma guria também. Era um outsider completo, de certa forma ainda sou, mas há 10, 15 anos, eu era quase uma aberração.

O Legião me conquistou, por incrível que pareça, não com "Pais e Filhos", o hit intragável de "Faroeste Caboclo" ou então o grito de guerra "Geração Coca-Cola". Nada disso me instigou a ouvi-los mais e mais. O CD que me marcou foi o derradeiro da banda, A Tempestade ou O Livro dos Dias. Aquele CD em formato diferente, sem a tradicional caixinha, mas sim um livrinho direto em papel, a cor azul, o disco preso na última capa. Aquilo sim que era um CD, aquelas músicas sim que me marcaram e ouço até hoje.

Lembro que comprei logo que lançaram, na minha ânsia de abrir o leque de opções de meu toca-CD (e ver se alguma garota se interessava por mim, afinal, o must daquela época era as rodinhas de violão e o garoto que conseguisse tocar "Faroste Caboclo" de cabeça...). Renato Russo morreu poucos dias depois. Não chorei como todos da minha idade choraram. Sei de gente que sentou atrás da porta do quarto e ficou a chorar, a cair em lágrimas como se fosse a perda de um ente querido. De fato, para aqueles jovens, ele era mais que isso. Algo que eu não sei porque não vivi sua morte como algo profundo. Para mim, ouvindo aquelas músicas de A Tempestade, parecia que Renato Russo já estava dando seu adeus, já escancarava a todos sua tristeza, melancolia, sua dor e sua angústia. A Tempestade derrama angústia do início ao fim, era de fato a última balada de um adeus encenado e bem orquestrado. O cantor e compositor despedia-se de todos pela música, e isso eu percebi.

Qual o impacto de um CD desses num garoto solitário, sem garotas, amante da segunda geração do romantismo, especialmente Álvares de Azevedo e sua Lira dos 20 Anos, que adorava o tema do sofrimento e da melancolia? Foi identificação à primeira tocada. "A Via Láctea", "Longe do meu Lado", "Dezesseis", "Mil Pedaços", "Leila", "Esperando por mim" e "Quando Você Voltar", músicas que detonavam meu lado romântico e desabrochava meu espírito nada sereno de que sofrer por amor era algo digno, louvável, edificante. Até hoje corre em minha mente certa idéia de que o verdadeiro amor é aquele em que não há o toque, a paixão, o sexo, o cotidiano. Haveria forma mais pura de amor que aquele alimentado e operado dentro de nossa mente, trabalhado pelo sujeito e canalizado para outro ser sem que houvesse a presença física? Amor sem o corpo. É possível amar sem o corpo?

Para ilustrar essa idéia, recorro a dois exemplos encontrados em um filme e em uma peça teatral. O filme é Adaptação, de Spike Jonze, com Nicolas Cage. Em certo momento, os dois irmãos gêmeos estão fugindo de um homem que quer matá-los e acabam por relembrar algo da juventude, da época do colégio. Um conta para o outro que este tinha feito papel de bobo diante da menina pela qual era apaixonado, pois depois que ele falou com ela, ela falou mal dele para a amiga. O irmão ouviu, mas não contou nada, só revelando aquilo naquele momento em que suas vidas estavam em perigo. O outro responde sem se impressionar algo assim: "isso é um problema dela porque eu tinha o meu amor, eu sentia aquilo e não deixei de sentir, eu vivi aquilo e fui feliz". Era o amor independentemente de haver correspondência. O amor platônico, vivido por aquele que ama sem se importar com a contrapartida.

O outro exemplo vem de Variações Enigmáticas, peça encenada com Paulo Autran em 2003 de um texto de Eric-Emmanuel Schmitt, traduzido pelo próprio ator (lançado em livro pela Editora Francisco Alves). Autran interpreta um velho escritor que mora isolado numa ilha e que recebe um jornalista para uma entrevista. Aquele senhor é austero, cínico e não perde a chance de cutucar o jornalista, que se revela um tanto fraco emocionalmente. O centro da conversa é sobre o último livro do escritor, que é uma reunião de cartas trocadas entre um homem e uma mulher que viveram uma grande paixão e se separaram voluntariamente. Desde então, viviam do amor emanado nas cartas. O amor entre eles era plenamente vivido por cartas, por demonstrações de amor e carinho escritas, sem se apegarem ao físico, ao estar junto, ao viver e envelhecer juntos. Assustava-o a idéia do cotidiano, da degradação da relação a ponto de evitar tudo isso simplesmente pela ausência um do outro. Em certo momento, questionado por que não se casaram, ele explica:

"Eu amava Helena. Queria que o 'para sempre' das nossas juras de amor durasse para sempre de verdade. Eu sei que a eternidade das paixões dura pouco. (...) Eu impus a separação para que nosso amor se fortificasse. (...) A vida a dois desenvolvia uma tensão intolerável: o fato de estarmos juntos na mesma sala, na mesma cama, nos lembrava sem cessar que nós éramos dois e não um. Eu nunca me senti tão só como quando roçava nela o dia inteiro. Nós nos jogávamos um sobre o outro para aplacar uma sede maior que nós, uma sede interminável, que se transformava em fúria, nós fazíamos amor noite e dia... longamente, furiosamente... queríamos nos transformar numa só carne. Para nos separarmos era como se tivéssemos que amputar uma parte um do outro. (...) Você já percebeu a crueldade que existe em uma carícia? A carícia aproxima? Não, ela separa. A carícia irrita, exacerba; entre a palma da mão e a pele há uma distância intransponível, em cada carícia há uma dor, a dor de não se unir de verdade. (...) ...queríamos destruir tudo que nos separava, ser um, enfim, um só em uma fusão definitiva. Mas era inútil, eu continuava eu e ela continuava ela. Então, tínhamos ainda a esperança do orgasmo; sentíamos que ele ia chegando, irresistível, aquele segundo em que nós ficaríamos enfim juntos, onde nós íamos nos confundir um com o outro, onde talvez, enfim... Um espasmo. Outro espasmo. E novamente a solidão. O orgasmo é apenas uma maneira de recair na própria solidão.

E finaliza com o seguinte:

"Aquilo não era mais amor, era escravidão. Eu só pensava nela, eu não escrevia mais nada, eu tinha necessidade dela."

Essa concepção do amor tem eco no que tenho em mim do Legião Urbana: uma ode ao amor aos termos românticos novecentistas, ao amor sem correspondência, distante, platônico, o sentimento de autocompaixão. E isso porque sofrível, doloroso, melancólico, mesmo aqueles amores que deram certo por um tempo. Parece que o amor, em qualquer caso, vai acabar. Parece que o homem busca o amor e o vive à espera de seu fim.

Penso comigo como seria a música "Eduardo e Mônica" se composta na fase final do Legião. Imaginem a versão que sairia se composta para o CD A Tempestade... Haveria amor possível entre duas pessoas tão diferentes quanto Eduardo e Mônica?

Nota do Editor
Leia também "Todos os amores acabam".


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 27/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
03. Momento ideal & conciliação de Ana Elisa Ribeiro
04. Uma de nós de Marilia Mota Silva
05. No tempo da ficha telefônica de Elisa Andrade Buzzo


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2006
01. A Barsa versus o Google - 16/3/2006
02. A favor do Brasil, contra a seleção! - 22/6/2006
03. Europeus salvaram o cinema em 2006 - 21/12/2006
04. Aproximações políticas, ontem e hoje - 5/10/2006
05. Legião o quê? - 27/7/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2006
10h40min
Lucas, está tudo muito bom, está tudo muito bem, mas não põe o Platão no meio. Olha só, Platão descreveu o amor com o sentimento de completude, aquela história de metade da laranja, alma gêmea e perfeição muito bem correspondida e realizada fisicamente, sim. No Romantismo, um personagem de Goethe, o jovem Werther, declarava seu amor platônico por uma mocinha e, por não ter seu amor retribuído, se mata. Pronto, estava feita a associação com amor platônico e não-realização. Naquela época muito mais gente leu Goethe que Platão, mas citar os gregos sempre pega bem, parece chique, de modo que até hoje permanece a idéia (errada) de amor platônico (=não correspondido), espiritualizado, não concretizado, idealizado. Você pode continuar romântico, fique à vontade, é muito bom para aprofundar a sensibilidade mas se você quer um amor platônico, vai ter que batalhar sua alma gêmea e ser feliz. Abraços, Irene.
[Leia outros Comentários de Irene Fagundes Silva]
26/7/2006
12h22min
E já que vc citou os gregos, essa associação de prazer e dor vem lá de Zeus. Diz que as serpentes que tinham esse nome eram inimigas e brigavam muito. Na tentativa de fazê-las parar, Zeus as une para todo o sempre. Daí sempre os dois sentimentos serem assim, tipo cu e bunda, unha e carne. Mas esse papo de amor sem corpo, sem carne, hum... sei não... tira dele a maior parte da graça. Bom texto, apesar da escorregada platônica. bjos
[Leia outros Comentários de Ana Claudia]
26/7/2006
14h12min
Caramba, o que são esses comentários? Na leitura do artigo torna-se claro que a referência ao “amor platônico” diz respeito a um uso ligado ao senso comum e não propriamente à filosofia de Platão. É injusto falar que o autor “cita os gregos” porque ele não o faz, logo, criticá-lo por esse motivo perde a legitimidade. Para mim, o artigo trata sobre o amor de forma despretensiosa e subjetiva, o que implica que não somos obrigados a concordar com esse ponto de vista, mas não devemos nos vendar para o fato de que é instigante e provocadora a noção de amor de que nos fala o autor. Livre de qualquer ameaça carnal que representaria o fim, o começo do fim – para tanto basta vermos os filmes de Ozon e Antonioni –, o autor propõe uma relação que desafia o estatuto do “amor” visto por lentes possessivas. Quanto aos comentários, não sei se chegaram a tocar no texto...
[Leia outros Comentários de Martinho Junior]
28/7/2006
10h36min
Lucas, realmente é uma pena você somente ter conhecido a linguagem urbana de Renato Russo na metade dos anos 90. Tenho 33 anos e tive a oportunidade de um dia, em 1986, ouvir pela pela primeira vez "Andrea Doria", que está no LP DOIS, com os seguintes versos: "quero ter alguém com quem conversar, alguém que depois não use o que disse contra mim". Este é o verdadeiro amor que Renato Russo gostava de expressar, sem amarras e amplo na sua totalidade. Na verdade, entendemos que o amor é tudo ou nada. E, parafraseando Russo, quem inventou o amor?Me explica por favor?
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Horizontes - Autografado
Thereza Christina Rocque da Motta
Ibis Libris
(2014)



O Direito de Ação e o Modo de Exercê-lo (capa Dura)
Ataliba Vianna (2ª Edição)
Forense (rj)
(1969)



La Maniere Detre Lecteur - Apprentissage et Renseignement de La
Jean Foucambert
Ocdl-sermap (paris)
(1976)



O Livro Verde - the Green Book
Elizabeth Rogers e Thomas M. Kostigen
Sextante
(2009)



Retrato sem Legenda
Anna Maria Martins
Siciliano
(1995)



Introdução ao Processamento de Textos
G L Simons
Campus
(1984)



Os Reais Segredos de Jfk;
Grandes Temas do Conhecimento, 12
Mythos
(2014)



Dano Moral e o Direito do Trabalho 2ª Edição
Valdir Florindo
Ltr (sp)
(1996)



Lettres Damour à Aimée Dalton
Alfred de Musset
Mercvre
(1910)



Rashi : Ebauche Dun Portrait
Elie Wiesel
Grasset & Fasquelle
(2010)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês