Diálogos no Escuro | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carma & darma
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> Ensaio autobiográfico, de Jorge Luis Borges
>>> O código dos gênios
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Para você estar passando adiante
>>> Blogs roubam audiência
>>> O enigma da 21ª letra
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
Mais Recentes
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Saudável aos 100 Anos de John Robbins pela Fontanar (2009)
>>> Chico Buarque Letra e Música - 2 Volumes de Chico Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1989)
>>> Songbook Caetano Veloso - Vol. 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Songbook Bossa Nova - Vol. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Médio Dicionário Aurélio de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1980)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> Dolce Casa - Manuale Di Sopravvivenza Domestica de Grazia Dominici pela La Spiga (1984)
>>> Meu Mundo Caiu. a Bossa e a Fossa de Maysa. a Bossa e a Fossa de Maysa de Eduardo Logullo pela Novo Século (2007)
>>> Haroldo Costa de Vários Autores pela Rio (2003)
>>> Cancioneiro Popular Português e Brasileiro de Nuno Ctharino Cardoso pela Portugal-brasil Ltda (1921)
>>> Retratos - Dadá Cardoso de Dada Cardoso pela Avatar (1999)
>>> A Informação no Rádio de Gisela Swetlana Ortriwano pela Summus Editorial (1985)
>>> Yes, nos Temos Bananas - História e Receitas de Heloisa de Freitas Valle; Márcia Masca pela Senac São Paulo (2003)
>>> Manual de Modelismo de Albert Jackson; David Day pela Hermann Blume (1981)
>>> Madeira-mamoré. Patrimônio da Humanidade de Hércules Góes pela Ecoturismo (2005)
>>> Uma História de Agendas de João Rothschild pela Ernesto Rothschild (1990)
>>> Estética. La Cuestion del Arte de Elena Oliveras pela Aemecé (2007)
>>> Conheça o Pantanal de Nicia Wendel de Magalhães pela Terragraph (1992)
>>> Corpo de Baile de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1956)
>>> Línguas de Fogo. Ensaio Sobre Clarice Lispector de Claire Varin pela Limiar (2002)
>>> Pedagogia Diferemciada : das Intenções à Ação de Philippe Perrenoud pela Artmed (2000)
>>> Um General na Biblioteca de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2007)
>>> Linéia no Jardim de Monet de Christina Bjork; Llena Anderson pela Salamandra (1992)
>>> Fausto de Goethe pela Itatiaia (1997)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/8/2016
Diálogos no Escuro
Heloisa Pait

+ de 2800 Acessos

Descobrindo um inesperado sentido

Ontem vi a exposição Diálogos no Escuro, na Unibes Cultural (anteriormente Casa de Cultura de Israel ou Centro de Cultura Judaica), que fica até começo de dezembro em São Paulo. Uma das organizadores, grande amiga minha, havia insistido que eu fosse, mas eu havia hesitado, tinha medo de ser meio forte. E foi. Mas valeu.

Como míope, nunca "took for granted" a visão. Lembro com extrema nitidez, desculpe o trocadilho, o momento em que saí da ótica com meus primeiros óculos, aqui na Avenida Angélica, aos 6 anos de idade. De repente, o mundo nítido novamente! Meu deus. A escada perdendo a perspectiva, chapada de tanta nitidez, eu tendo que me apoiar em minha mãe para descer. A imagem perfeita ofuscando a vista.

Sempre tratei os oculistas como deuses portanto. Um deles, no que hoje talvez fosse penalizado por isso, um dia se aproveitou dessa aura e me lascou um beijo na boca. Na época, minha sensata mãe me arrumou outro profissional e pronto, rimos muito.

Deuses da visão. Não havia um documentário de Spalding Grey sobre a possível perda de visão? Não havia? Eu achei muito bom! Com humor, a peregrinação pelo olhar. Amo Grey. Eu o vi no palco, “Slippery Slope”. Eu ria em momentos desencontrados da platéia, mas ria muito.

Ensaio sobre a Cegueira, obviamente, não li. Ganhei de um amigo, não li. Vou lá eu ler o que um stalinista pena sobre o olhar? Ora, só me faltava essa! Quero usar meus olhos que são preciosos para o mundo que vale a pena ser visto.

Então hesitei com a exposição. Vou? Não vou? Pois como disse eu sei desde pequena que a visão é algo dado. É algo que recebemos de alguém, de Alguém. Um glaucoma pigmentar que me obriga a pingar um colírio diariamente também ajuda a gente a lembrar do precioso da visão.

Para tratar dele – que, fiquem tranquilos, está controlado e nunca me afetou a visão – eu literalmente me trato com o melhor médico do mundo na área, um Dr. Ritch muito precioso lá de Nova York, que trata príncipes e eu no seu consultório no East Side. Usei o verbo tratar três vezes na frase anterior, má gramática ou ênfase?

Pois eu trato dos olhos, é isso o que quero dizer. Uma vez já saí de um consultório aqui no Brasil sem meu décimo-terceiro salário. Tudo bem que era uma época de vacas magras, mas mesmo assim, eu realmente não poupo.

Na entrada da exposição, a mulher mandou tirar os óculos. Eu tirei. Depois voltei ao armário e peguei de volta. Sem luz, pode ser. Sem meus óculos, aí já é demais. E fomos. Éramos quatro. Um homem alto e grande, uma moça negra, uma morena, e eu. Como o nosso guia disse ao final, as diferenças se esvaem no escuro. É verdade. Éramos quatro indistintos.

Tateando frutas, árvores, ouvindo barulhos, passando por pontes, subindo degraus, éramos quatro pessoas e um guia “com experiência em atividades no escuro”, como a moça apresentou nosso guia inicialmente.

Tive medo, tive desconforto, tive vontade de sair. Ao mesmo tempo, me diverti, celebrei as descobertas e, o que me surpreendeu bastante, adorei ter meus 3 colegas comigo. Logo no começo, já tasquei a mão no ombro do homem grande.

Quem me conhece, sabe, não sou de pedir ajuda, de pedir apoio. Deixa eu sair sozinha dos buracos onde me meti, é meu lema. Não encosta, não vem que não tem. Pois a primeira coisa que fiz, como disse, foi a mão no ombro do homem à frente.

Naturalmente, fomos nos auxiliando, dizendo: a árvore está aqui. Me dá tua mão, achei a estátua. Íamos nos guiando, claro que com a orientação primorosa do guia com experiência em atividades no escuro que, como fomos avisados, poderia nos tirar dali num instante sem dificuldade.

Ao final, no Boteco no Escuro, onde compramos suco e lanche – que confiança se precisa ter no outro para tomar um troço sem ver – o guia nos lembrou que precisamos mais de outros sentidos – audição, tato, cinestesia (no caso da ponte), olfato na feira – quando a visão nos falta.

Eu precisei mais de um outro sentido ainda. Do sentido que me faz perceber o outro, como é que chama?

Na saleta semi-iluminada, ao fim do trajeto, uma sensação de alívio e paz. Como meus oculistas, a exposição me devolveu a visão, e tive um pequeno êxtase.

Ao final, já devidamente iluminados, abracei meus colegas de percurso, participantes do diálogo no escuro, olhei-os mais olhados que antes, com mais sentido.

Heloisa Pait
São Paulo, 4/8/2016



Quem leu este, também leu esse(s):
01. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
02. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio
03. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges
04. Brasil brochou na Copa de Jardel Dias Cavalcanti
05. Os bastidores de Psicose de Gian Danton


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. A Garota do Livro: uma resenha - 16/6/2016
03. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cinderela - Minha Princesa Preferida - Disney Princesa
Culturama
Culturama
(2016)



Cenários construtivistas: temas e problemas
Daniela Beccaccia Versiani e Heidrun Krieger Olinto (orgs.)
7Letras
(2010)



Cirurgia do Ombro
Charles S Neer II
Revinter
(1995)



O Cinza de Solidão
M. P. Haickel
Thesaurus
(2011)



Poder, Sofrimento Psíquico e Contemporaneidade (xx Congresso 2ª P
Revista Brasileira Psicanalise Vol 39, Nº 3
Rbp
(2005)



Os Monopólios 2ª Edição
Jean Pierre Delilez
Estampa
(1976)



Miramón, El Hombre
Jose Fuentes Mares
Contrapuntos (méxico)
(1975)



Kirlian El Diagnostico Preventivo de Su Salud. Manual y Guia Prac
Norma Tagle
Kier (buenos Aires)
(1995)



Espanhol para Brasileiros
Juan Kattán-ibarra
Pioneira
(1995)



Cabeça de Porco
Luiz Eduardo Soares, MV Bill e Celso Athayde
Objetiva
(2005)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês