Das coisas que você detesta | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Poemas De Natal de Luiz Coronel pela Sulina (1999)
>>> Buque Cenas de Rua de José de Carvalho pela Córrego (2013)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Nórdica (1985)
>>> Perguntas que Eu Faria à Irmã White de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1977)
>>> 32 X 2 Instantaneos - Haikai de Margarida Oliva , Idéo Bava pela Musa (2003)
>>> The National gallery London de Nicholas Penny pela Scala (2011)
>>> Com a Cara na Mão de Ricardo Leite Muniz pela Espaço ditorial (1992)
>>> Filhos - Novas Ideias Sobre Educação de Ashley Merryman pela Lua de Papel (2010)
>>> Lost de A a Z de Diversos autores pela Abril
>>> Homem-Aranha: a última caçada de Kraven de J. M. DeMatteis Mike Zeck Bob McLeond Mike Zeck Ian Tetrault pela Abril Jovem (1990)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Esperança Triunfante de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1961)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> A Mão de Deus ao Leme de Enoch de Oliveira pela Casa Publicadora Brasileira (1985)
>>> O Poder da Imagem de José S. Martins pela Artes Gráficas (1992)
>>> Os Caminhos de Deus de Floyd Rittenhouse pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> Os Iranianos - Pérsia, Islã e a Alma de uma Nação de Sandra Mackey pela Biblioteca do Exercito (2008)
>>> A era dos Impérios 1875-1914 de Eric J. Hobsbawm pela Paz Terra (2003)
>>> A Guerra do Iraque de John Keegan pela Biblioteca do Exercito (2005)
>>> A Democracia na América de Alexis de Tocqueville pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2003)
>>> Psicossomática Hoje de Julio de Mello Filho pela Artmed (1992)
>>> Leitura Dinâmica de Ricardo Soares - William Douglas pela Campus (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/9/2009
Das coisas que você detesta
Ana Elisa Ribeiro
+ de 4400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Meu pai fazia cara ruim quando a gente dizia que "detesto isso". Ele achava antipático. Ou achava pecado, sei lá, embora não fosse nada católico. O fato é que a gente detesta certas coisas, das grandes e das pequenas, e, às vezes, nem sabe por quê.

Detesto quando um pseudocidadão demonstra uma incrível falta de percepção de espaços e tempos no trânsito. Sinal acabou de abrir, está lá o energúmeno buzinando; trânsito lento e engarrafado, está um gêmeo dele piscando farol; avenidas quase paradas, cheias de carros e ônibus, lá vai o estrupício encostando na traseira de todo mundo. Às vezes, me vem uma gana esquisita e eu torço para que algo dê bem errado para ele. Meu pai acha isso feio, mas o que é que a gente vai fazer? Dá vontade de ver o imbecil bater os parachoques numa Land Rover bem cara. Em geral, o pulha vai num carro bem meia boca, não sei por quê: Unos em geral, carros populares ou automóveis possantes mais antigos. Donos de camionetes também costumam demonstrar um comportamente meio engraçado no trânsito, talvez por conta de uma sensação de grandeza que não podem ter na vida em dois pés ou que não têm no convívio real com pessoas.

Coisa detestável, das grandes, é quando alguém se gaba demais. Dá uma impaciência danada em quem ouve a lorota. Na academia, há uma síndrome do recém-aprovado, em geral nos mestrandos, que assume uma postura de quem vai realizar o mais inédito e genial projeto de investigação do mundo. "Ninguém fez isto antes, só eu tive esta ideia". Poxa, que bom, hein? Pena que quase nunca é verdade. Quando a coisa se revela, não passa mesmo de falta de leitura. Nada que uma revisão bibliográfica não resolva.

Nos congressos de Humanas/Sociais Aplicadas/Letras e Artes há um surto de relatos de pesquisa de algo que não foi pesquisado ou que não explicita qualquer método de geração de dados ou que não passa de uma descrição impressionista de eventos que poderiam ser narrados pelos nossos filhos de 5 anos. No que se convencionou chamar de Cibercultura, então, a futurologia impera, quando não o relato de trabalhos que foram feitos não apenas sobre pressupostos estranhos, mas sobre as preferências anteriores dos próprios "pesquisadores".

Das coisas pequenas é bem mais fácil falar. Elas são capilares (em vários sentidos) e soam familiares para a maioria de nós. Aqueles fios de cabelo enrolados no ralinho da pia; aquela baba misturada com pasta de dente endurecida na louça; aqueles pelos enroscadinhos no sabonete novo (fios de outrem, claro); aquele cheiro de cigarro que fica no cabelo da gente ou nas roupas recém-tiradas do armário; aquele barulhinho irritante de suco caindo no copo; ou aquele glunt-glunt da bebida descendo na garganta de alguém; aquela galera falando língua estrangeira ou algum jargão numa festa que era pra ser amigável e divertida; aquela aluna que se penteia e maquia durante a aula; aquela outra que joga fios de cabelo pelo ar; e ainda outra que mexe nas madeixas o tempo todo; aquele aluno que coça o saco o tempo todo, sem se importar com nada, muito embora isso se pareça muito mais um reflexo meio canino para alguns machos; ou aquele que entra na sala atrasadíssimo e faz questão de cumprimentar todos os colegas com efusivos toques de mão; ou ainda aquele aluno que tem notas péssimas e vem sempre com uma história trágica para contar, na tentativa de se safar da aferição de sua incompetência; aquela pessoa para quem tudo o que ela faz, é, sente ou de que gosta é melhor do que o dos outros; ou aquela que vive se fazendo de vítima.

Das miudezas, impressionante como, quando a gente está tenso, uma esbarradinha qualquer pode se transformar num grave acidente. Como a palavra errada, na hora errada, parece o tônico da desavença. Falta de sensibilidade ou o quê? Ex-namorado que se deu bem dá uma raiva-monstro (isso vale para os vice-versas). Certa vez, ouvi de um jovem esclarecido que eu não arranjaria nada melhor do que ele. Fiquei com medo. Vai saber? E o medo de ebó? Não conta?

Aquele beijo estalado dentro do ouvido; aquela lambidinha babona na orelha; aquela cosquinha engraçadinha quando alguém chega por trás. Se você usa óculos ou lente de contato pode entender, perfeitamente, o que significa aquela tapadinha de olhos tipo "adivinha quem é?". Dá um trabalhão limpar a gordura dos dedos nas lentes dos óculos. Dá trabalho e dói devolver as lentes de contato (rígidas) para a frente dos olhos.

Livro rasgado, amassado e cheio de orelhas? Já emprestou algum que voltou assim? Se não sabe o que é isso é porque lhe faltam livros, hein. Emprestar livros é um risco enorme. Ao menos para quem se importa com eles.

Lidar com a bagunça dos filhos dos outros é sempre insuportável. Quando os pais são conhecidos ou estão por perto, fica sem graça a gente xingar. Os nossos filhos são sempre umas graças, a bagunça deles é sinal de inteligência. Que coisa. Na Física, já diziam: tudo depende do referencial.

Coisas detestáveis existem aos montes, inclusive das que a gente experimenta com as pessoas de que gostamos. Aquela beliscadinha na bochecha, depois que a gente está mais velho, fica tão ridícula, não é? Aquela história que alguém conta pela milésima vez, e que não tem mais a menor graça. Ou aquela pessoa querida que come com a boca aberta. Minha irmã detesta ficar perto de quem masca chiclé. Jeito lhama? Não interessa. Detesto cheiro de cerveja. Não raro alguém derrama ou pinga cerveja em mim, justo em mim. Será que a gente atrai? Alguma mulher aí acha bonito sentar no xixi de macho que não levanta a tampa do vaso sanitário? Mulheres míopes sabem bem do que estou falando. E os homens? Algum relato interessante sobre as práticas femininas mais detestáveis?

Detestar assim é sentir uma grande irritação diante de um evento que, no fundo, tem nenhum ou quase nenhum significado. As coisas que a gente detesta permanentemente são uma outra história.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 18/9/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Internet - sociedade = direito? de Vicente Escudero
02. Meus enjoos natalinos de Ana Elisa Ribeiro
03. Exógeno & Endógeno de Guilherme Pontes Coelho
04. Vou tentar não ser piegas para falar de amigos de Ana Elisa Ribeiro
05. As concubinas do sultão de Diego Viana


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009
05. Eu + Você = ? - 27/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2009
06h54min
Detesto que alguém tente ser desonesto e me engane. Sou pela solidariedade, pelo respeito e pela convivência cordial.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
22/9/2009
17h20min
Ana, das coisas que elencaste, e que detestas, tomo a liberdade de... de... ("Puxa", tá difícil de sair a palavra!). Na falta de outra, vai essa aqui: negritar algumas: a) aqueles pelos enroscadinhos no sabonete novo nunca são nossos - é verdade; b) não entendi por que é irritante o barulho do suco caindo no copo. Um pouco ranzinza, não? c) irritante, sim, aquela tapadinha de olhos, principalmente se, depois, descobre-se que quem nos tapava não era quem esperávamos; d) de todas, esta é a pior: você entrega "aquele" livro ao sujeito, crente que ele vai "adorar" a tua indicação e ele, além de não dar a mínima para o "pobre", ainda o arregaça, folheando as páginas igual àquelas máquinas de contar dinheiro no banco. Dá uma dor! Enfim, Ana... Mas perguntavas das práticas femininas mais detestadas, e eu te respondo: são poucas - mas existem, e a que mais me incomoda é o falatório quando estou lendo ou tentando escrever. Só isso. Muito obrigado pelo texto e parabéns.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - O Mundo Segundo Garp
John Irving
Circulo do Livro
(1978)



Amigos do Folclore Brasileiro - Mundo Mirim
Jonas Ribeiro
Mundo Mirim
(2010)



A Vida na Escola e a Escola da Vida 9ªed(1996)
Claudius Ceccon, Miguel Darcy de Oliveira
Vozes
(1996)



O Mundo é Eu
João Mohana
Agir
(1963)



Ninguém É de Ninguém
Harold Robbins
Record
(1967)



O Livro Verde - the Green Book - Pequenos Passos Que Cada um Pode Dar
Elizabeth Rogers e Thomas M. Kosti
Sextante
(2009)



A Herança Scarlatti - Confira !!!
Robert Ludlum
Rocco
(2006)



Entre o Amor e a Guerra (1997)
Zibia Gasparetto
Vida & Conciência
(1997)



Amor de Salvação - Coleção Jabuti
Camilo Castelo Branco
Saraiva
(1996)



O Livreiro de Cabul
Asne Seierstad, Grete Skevik
Record
(2006)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês