Das coisas que você detesta | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> Impressões
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/9/2009
Das coisas que você detesta
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Meu pai fazia cara ruim quando a gente dizia que "detesto isso". Ele achava antipático. Ou achava pecado, sei lá, embora não fosse nada católico. O fato é que a gente detesta certas coisas, das grandes e das pequenas, e, às vezes, nem sabe por quê.

Detesto quando um pseudocidadão demonstra uma incrível falta de percepção de espaços e tempos no trânsito. Sinal acabou de abrir, está lá o energúmeno buzinando; trânsito lento e engarrafado, está um gêmeo dele piscando farol; avenidas quase paradas, cheias de carros e ônibus, lá vai o estrupício encostando na traseira de todo mundo. Às vezes, me vem uma gana esquisita e eu torço para que algo dê bem errado para ele. Meu pai acha isso feio, mas o que é que a gente vai fazer? Dá vontade de ver o imbecil bater os parachoques numa Land Rover bem cara. Em geral, o pulha vai num carro bem meia boca, não sei por quê: Unos em geral, carros populares ou automóveis possantes mais antigos. Donos de camionetes também costumam demonstrar um comportamente meio engraçado no trânsito, talvez por conta de uma sensação de grandeza que não podem ter na vida em dois pés ou que não têm no convívio real com pessoas.

Coisa detestável, das grandes, é quando alguém se gaba demais. Dá uma impaciência danada em quem ouve a lorota. Na academia, há uma síndrome do recém-aprovado, em geral nos mestrandos, que assume uma postura de quem vai realizar o mais inédito e genial projeto de investigação do mundo. "Ninguém fez isto antes, só eu tive esta ideia". Poxa, que bom, hein? Pena que quase nunca é verdade. Quando a coisa se revela, não passa mesmo de falta de leitura. Nada que uma revisão bibliográfica não resolva.

Nos congressos de Humanas/Sociais Aplicadas/Letras e Artes há um surto de relatos de pesquisa de algo que não foi pesquisado ou que não explicita qualquer método de geração de dados ou que não passa de uma descrição impressionista de eventos que poderiam ser narrados pelos nossos filhos de 5 anos. No que se convencionou chamar de Cibercultura, então, a futurologia impera, quando não o relato de trabalhos que foram feitos não apenas sobre pressupostos estranhos, mas sobre as preferências anteriores dos próprios "pesquisadores".

Das coisas pequenas é bem mais fácil falar. Elas são capilares (em vários sentidos) e soam familiares para a maioria de nós. Aqueles fios de cabelo enrolados no ralinho da pia; aquela baba misturada com pasta de dente endurecida na louça; aqueles pelos enroscadinhos no sabonete novo (fios de outrem, claro); aquele cheiro de cigarro que fica no cabelo da gente ou nas roupas recém-tiradas do armário; aquele barulhinho irritante de suco caindo no copo; ou aquele glunt-glunt da bebida descendo na garganta de alguém; aquela galera falando língua estrangeira ou algum jargão numa festa que era pra ser amigável e divertida; aquela aluna que se penteia e maquia durante a aula; aquela outra que joga fios de cabelo pelo ar; e ainda outra que mexe nas madeixas o tempo todo; aquele aluno que coça o saco o tempo todo, sem se importar com nada, muito embora isso se pareça muito mais um reflexo meio canino para alguns machos; ou aquele que entra na sala atrasadíssimo e faz questão de cumprimentar todos os colegas com efusivos toques de mão; ou ainda aquele aluno que tem notas péssimas e vem sempre com uma história trágica para contar, na tentativa de se safar da aferição de sua incompetência; aquela pessoa para quem tudo o que ela faz, é, sente ou de que gosta é melhor do que o dos outros; ou aquela que vive se fazendo de vítima.

Das miudezas, impressionante como, quando a gente está tenso, uma esbarradinha qualquer pode se transformar num grave acidente. Como a palavra errada, na hora errada, parece o tônico da desavença. Falta de sensibilidade ou o quê? Ex-namorado que se deu bem dá uma raiva-monstro (isso vale para os vice-versas). Certa vez, ouvi de um jovem esclarecido que eu não arranjaria nada melhor do que ele. Fiquei com medo. Vai saber? E o medo de ebó? Não conta?

Aquele beijo estalado dentro do ouvido; aquela lambidinha babona na orelha; aquela cosquinha engraçadinha quando alguém chega por trás. Se você usa óculos ou lente de contato pode entender, perfeitamente, o que significa aquela tapadinha de olhos tipo "adivinha quem é?". Dá um trabalhão limpar a gordura dos dedos nas lentes dos óculos. Dá trabalho e dói devolver as lentes de contato (rígidas) para a frente dos olhos.

Livro rasgado, amassado e cheio de orelhas? Já emprestou algum que voltou assim? Se não sabe o que é isso é porque lhe faltam livros, hein. Emprestar livros é um risco enorme. Ao menos para quem se importa com eles.

Lidar com a bagunça dos filhos dos outros é sempre insuportável. Quando os pais são conhecidos ou estão por perto, fica sem graça a gente xingar. Os nossos filhos são sempre umas graças, a bagunça deles é sinal de inteligência. Que coisa. Na Física, já diziam: tudo depende do referencial.

Coisas detestáveis existem aos montes, inclusive das que a gente experimenta com as pessoas de que gostamos. Aquela beliscadinha na bochecha, depois que a gente está mais velho, fica tão ridícula, não é? Aquela história que alguém conta pela milésima vez, e que não tem mais a menor graça. Ou aquela pessoa querida que come com a boca aberta. Minha irmã detesta ficar perto de quem masca chiclé. Jeito lhama? Não interessa. Detesto cheiro de cerveja. Não raro alguém derrama ou pinga cerveja em mim, justo em mim. Será que a gente atrai? Alguma mulher aí acha bonito sentar no xixi de macho que não levanta a tampa do vaso sanitário? Mulheres míopes sabem bem do que estou falando. E os homens? Algum relato interessante sobre as práticas femininas mais detestáveis?

Detestar assim é sentir uma grande irritação diante de um evento que, no fundo, tem nenhum ou quase nenhum significado. As coisas que a gente detesta permanentemente são uma outra história.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 18/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Agonia de Daniel Bushatsky


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2009
06h54min
Detesto que alguém tente ser desonesto e me engane. Sou pela solidariedade, pelo respeito e pela convivência cordial.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
22/9/2009
17h20min
Ana, das coisas que elencaste, e que detestas, tomo a liberdade de... de... ("Puxa", tá difícil de sair a palavra!). Na falta de outra, vai essa aqui: negritar algumas: a) aqueles pelos enroscadinhos no sabonete novo nunca são nossos - é verdade; b) não entendi por que é irritante o barulho do suco caindo no copo. Um pouco ranzinza, não? c) irritante, sim, aquela tapadinha de olhos, principalmente se, depois, descobre-se que quem nos tapava não era quem esperávamos; d) de todas, esta é a pior: você entrega "aquele" livro ao sujeito, crente que ele vai "adorar" a tua indicação e ele, além de não dar a mínima para o "pobre", ainda o arregaça, folheando as páginas igual àquelas máquinas de contar dinheiro no banco. Dá uma dor! Enfim, Ana... Mas perguntavas das práticas femininas mais detestadas, e eu te respondo: são poucas - mas existem, e a que mais me incomoda é o falatório quando estou lendo ou tentando escrever. Só isso. Muito obrigado pelo texto e parabéns.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor Sexo e Erotismo
Dr Galdino Nunes Vieira
Casa Publicadora Brasileira
(1978)



Sql Fundamentos
John J Patrick
Berkeley
(2002)



Dissertando Sobre Voz - Volume 2. Série Interfaces
Leslie Piccolotto Ferreira
Pró-fono
(1998)



Restituição
Robson Rodovalho
Sara Brasil
(2014)



História Universal Terceiro Volume
H. G. Wells
Livros do Brasil



A Coruja Sabida e o Caso do Bichinho-chorão
W. L. Ducca
Nacional
(1986)



A Titularidade dos Direitos Fundamentais na Constituição Federal
Anelise Coelho Nunes
Livraria do Advogado
(2007)



We Remember: Women Born At the Turn of the Century Tell the Stori
Jeanne Marie Laskas; Lynn Johnson
William Morrow
(1999)



Farda Fardão Camisola de Dormir
Jorge Amado
Círculo do Livro



Vivendo o Mais Além
Antonio Baduy Filho
Ide
(2017)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês