Não ria! | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O historiador das idéias
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
Mais Recentes
>>> Mistérios Divinos de Neil Gaiman e P. Craig Russel pela Devir (2006)
>>> HQ A Lenda do Batman - Batman e Filho de Bob Kane e Bill Finger pela Eaglemoss Collections (2017)
>>> Metade é Verdade, o Resto é Invenção de Pedro Antônio de Oliveira pela Formato (2007)
>>> HQ Os X-Men - Ameaça do Fanático! e A Origem do Professor X de Biblioteca Histórica Marvel vol. 2 pela Panini Books (2022)
>>> HQ O Espetacular Homem-Aranha - De Volta Ao lar de A Col. Oficial de Graphic Novels 21 pela Salvat (2013)
>>> Hq Homem-Aranha - O Nascimento de Venom de A Col. Definitiva Marvel 18 pela Salvat (2017)
>>> HQ Homem-Aranha - Inferno de A Col. Definitiva Marvel 28 pela Salvat (2018)
>>> HQ Os Novos Titãs - A Origem de Lilith de Marv Wolfman - José Luis pela Panini Comics (2019)
>>> HQ Homem-Aranha - O Rapto de Mary Jane de Col. Definitiva Marvel 24 pela Salvat (2018)
>>> HQ A Mulher Invisível - Os Heróis Mais Poderosos da Marvel 16 de Marvel comics pela Salvat (2015)
>>> Para Tão Longo Amor de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (2003)
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/7/2008
Não ria!
Eduardo Mineo

+ de 6000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

O livro de Jó é, de longe, o melhor livro que li até agora na Bíblia. Eu sei que o que importa de verdade no livro é a demonstração de fé de Jó, mas como eu não me importo muito com o que importa de verdade, fico cismando com a desnecessidade de tudo aquilo. O Diabo, como sempre, é uma figura irresistível. Deve ser o personagem mais interessante que o homem já inventou, talvez depois apenas do velho príncipe Bolkonsky em Guerra e Paz, e com certeza o único com senso de humor na Bíblia. Acho engraçadíssima a seriedade quadradona de Deus e sua pequena dificuldade em entender as piadas do Diabo e tal. Jó, por exemplo, era ultra-fiel a Deus e todo mundo sabia disto. Deus sabia. O Diabo sabia. E o Diabo só fez uma piadinha inofensiva sobre isso, que perto das minhas piadas iria parecer alguém tentando ser engraçado no GNT. Ele diz algo do tipo "Jó é fiel, mas bate nele com uma ovelha pra Você ver". E Deus leva excessivamente a sério, não percebendo o tom irônico do Diabo. É então que manda dar umas porradas no Jó só pra ver qual que é a do coitado. Sem brincadeira, dá vontade de sacudí-Lo gritando "Era uma piada, porra! Uma piada, You bloody freak!"

Depois que matam toda a família do Jó e destroem tudo que ele tem só pra Deus ver qual que é a parada, tudo é devolvido em dobro ao Jó e, ao que parece, geral fica feliz com essa solução ― não me ficou claro se Deus duplica os parentes também, mas imagino que nem Ele seria capaz da crueldade suprema de duplicar uma sogra, acho. E, bom, geral fica feliz porque o Diabo ainda não tinha inventado os danos morais. Um bom advogado ― outra invenção muito curiosa do Diabo ― e Deus perderia todo o universo nessa brincadeira. Precisava mesmo?

De qualquer forma, o livro de Jó rendeu pelo menos a melhor cantada já feita na história do cinema, em Manhattan, de Woody Allen, que ele diz à Mariel Hemingway que ela é a resposta de Deus para Jó:

You're God's answer to Job. You would have ended all argument between them. He'd have said "I do a lot of terrible things but I can also make one of these." And Job would've said "OK, you win."

(Traduzindo: "Você é a resposta de Deus para Jó. Você acabaria com toda a discussão entre eles. Ele diria 'Eu faço muitas coisas terríveis, mas posso também fazer isto' ― e aponta para a garota. E Jó diria 'Ok, você ganhou.'")

Mas, entretanto, minha idéia era falar sobre um exagero no uso da seriedade. Prossigamos.

Se vocês não sabem de quem eu vou falar agora, tudo bem fingir que sabem, porque não há nada demais nisso, mas existem pessoas que escrevem muito melhor do que eu ― sério, existem mesmo! ―, que sabem muito mais do que eu e que, em geral, são muito melhores do que eu, mas que porre ler o que essa gente escreve. Usam a seriedade de uma forma tão equivocada que muitas vezes até me pergunto se estão falando sério mesmo. Lendo o sujeito, dá pra ver que o cara tem razão, que é um tipo incontestável e tudo mais, e que é óbvio que ele tem um conhecimento profundo sobre todas as coisas que eu não tenho, que ele comenta sobre tudo aquilo que eu gostaria de comentar, sempre tão bem articulado e tão perfeitamente bem escrito, mas, bicho, relaxa, suas frases parecem pesar uns 50kg.

Você vai lendo, vai lendo e seus olhos vão caindo, caindo, até que dá de cara com a mesa de tanto peso que o escritor colocou em suas frases. Fico impressionado comigo mesmo quando consigo virar uma página dessa.

Vejam, estou tentando não banalizar muito a seriedade, ou não deixá-los presumir que tenho alguma preguiça de exercitar os olhos em algum tipo comovente de supino ocular, mas será que não é possível ser sério sem parecer que vai de repente falar algo terrivelmente desagradável como, digamos, contar a morte de alguém ou discutir o existencialismo marxista? Tolstói, por exemplo. Mil páginas solenes de Tolstói exigem o mesmo esforço para se ler umas duzentas páginas de Evelyn Waugh, umas duas de Sartre. E isso deve ter alguma relação direta com a qualidade da pessoa que escreveu, não apenas por ela estar certa ou saber das coisas, mas por conseguir estar certa de um jeito melhor.

Eu, por mim, seria mais sério na medida em que acho favorável. Queria ter aquele jeitão do Omar Sharif em Doctor Zhivago, com uma farda cheia de medalhinhas, uma espada, bigode, essas coisas. Ele está sempre sério e mesmo assim é um barato ser daquele jeito. Acontece que, no meu caso, tenho uma percepção crítica demais e poucas coisas conseguem se pôr diante dos meus olhos e escapar impunes a isso. Seus detalhes vão sendo ridicularizados um a um de todas as formas que posso imaginar e claro que é bem difícil para qualquer pessoa manter a seriedade enxergando tudo de maneira distorcida e debochada como num eterno Corra que a polícia vem aí. A primeira coisa que me veio à mente quando comecei a ler o livro de Jó foi a possibilidade de uma edição para jovens no estilo MSN, que seria basicamente intercalar os diálogos entre Deus e Jó por "hauehaue". E até Deus deve ter rido desta.


Eduardo Mineo
São Paulo, 21/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II de Cassionei Niches Petry
02. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
03. Lola de Elisa Andrade Buzzo
04. Notas confessionais de um angustiado (V) de Cassionei Niches Petry
05. A firma como ela é de Adriane Pasa


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2008
01. Razoavelmente desinteressante - 18/2/2008
02. Dê-me liberdade e dê-me morte - 20/10/2008
03. Bem longe - 4/2/2008
04. Não ria! - 21/7/2008
05. Trauma paulistano - 25/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/7/2008
11h51min
E dizem que depois de tudo, o capeta virou-se para Jó e disse, em inglês: "good Job". Ri demais aqui (essa coluna é um negócio muito sério, meu). Só uma pergunta: quem é o geral? Bom demais, abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
21/7/2008
11h57min
Muito bom. O mundo precisa mesmo de mais bom humor. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Arcirio Gouvêa]
21/7/2008
17h18min
O livro bíblico de Jonas revela um outro lado de Deus. Não parece ser um Deus tão sério... A impressão que passa é a de que ele faz chacota das nossas mesquinharias (rs). Acho Deus melhor piadista que o Diabo. Ele fala como se risse o tempo todo... e dissesse: "Humanos..." Exagero na seriedade é ruim mesmo, tem que ter humor - ainda que negro, né? heuhauhuehua hihi
[Leia outros Comentários de Lais Vieira Viajante]
26/7/2008
08h04min
Acontece que Deus e o Diabo são figuraças supervaidosas, vivem medindo forças e, para isso, não se furtam de utilizar suas criaturas: a humanidade. Não se iludam: na mão desses dois estamos literalmente lascados!
[Leia outros Comentários de carlinhos medeiros]
26/7/2008
10h54min
Muito bom, muito bom. O que me agrada em seus textos (seus e não de Jó, ou de Deus ou do Diabo) é sua inteligência com uma pitada de ironia, sarcasmo e humor quase negro. Gosto disso. Cuidado com Deus que ele pode querer te testar também!
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
28/7/2008
11h42min
Interessantes as considerações de Mineo acerca de Jó que, segundo alguns historiadores, nasceu de uma lenda.
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
29/7/2008
17h08min
Deus, em Sua onisciência, ao deixar que o livro de Jó entrasse nas Escrituras Sagradas, sabia que milhares de anos depois a gente iria rir de Sua falta de Espírito em comparação ao diabo. Por isso, foi mais irônico que o Capeta, Mineo e eu.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Embaixador
Morris West
Record
(1965)



Paula de São Paulo 6ªedição (1997)
Mariângela Bueno, Sonia Dreyfruss
Callis
(1997)



Angel
Roberto Shinyashiki
Gente
(1993)



Eu Fico Loko 1
Christian Figueiredo de Caldas
Novas Paginas
(2015)



Manual de Tributos da Atividade Rural
Pedro Einstein dos Santos Anceles
Atlas
(2002)



O Homem Mais Rico da Babilônia
George S Clason
Harper Collins
(2019)



Ler, Viver e Amar
Jennifer Kaufman
Casa da Palavra
(2011)



O Corcunda de Notre-dame série Reencontro
Victor Hugo (adaptação José Angeli)
Scipione
(2002)



Desenvolvimento e Mudança Social: Formação da Sociedade(1978)
Juarez Rubens Brandão Lopes
Scielo - Centro Edelstein
(1978)



Dizimo e Oferta na Comunidade
Antoninho Tatto
O Recado
(1983)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês