Um bocado da Índia na Mantiqueira | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Mais Recentes
>>> A Loucura de Tristão (La Folie Tristan) de Anônimo Francês do Século XII(Trad.? Autografo): G. D. Leoni pela Rassegna Brasiliana/ SP. (1965)
>>> A Religião viva do Cristo de Cesar D' Almeida Campos pela Livraria Cultura (1951)
>>> Evangelho da Solidão de Eduardo de Oliveira pela Cupolo (1969)
>>> Villa-Rica de Alcibiades Delamare pela Nacional (1935)
>>> Revista do Arquivo Municipal Clxvii (167) de Nicanor Miranda/alceu Maynard Araújo pela Depart. de Cultura (1962)
>>> La Celestina de Fernando de Rojas pela Madrid (1959)
>>> Economia e Sociologia de Adolf Lowe pela Revista Forense (1956)
>>> Movimento Praieiro:imprensa, Ideologia e Poder Politico de Izabel Andrade Marson pela Contemporanea (1980)
>>> Perfil do Mercado Consumidor:de Santo André e da Grande São Paulo de Felicio P. Benatti pela Fund. Santo André (1969)
>>> A Força Invisível de Wayne W. Dyer pela Sextante (2007)
>>> Revista de Educação:AEC, A Atualidade do Começo. Ano. 35 julho / Se... de Olmira Bernadete Dassoler pela Salesianas (2006)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> XXll de Agosto de Nelson de Souza Carneiro pela Nacional (1933)
>>> São Francisco de Sales de Abbe Jacques Leclerq pela Vozes (1957)
>>> Os Dogmas do Espiritismo de Rosalina Calmon dos Santos pela Arte Moderna
>>> La puerta Cerrada de Simón H. pela Esoteria (1981)
>>> Os Galos da Aurora de Hélio Pólvora pela Civilização Brasileira (1958)
>>> O Triumpho das Forças Mentaes de O. S. Marden pela América Latina (1929)
>>> Anuário Militar 1987 de John Pimlott pela Globo (1987)
>>> Cannaviaes de Alberto Deodato pela Rio de Janeiro (1922)
>>> Introdução á Poesia de Augusto dos Anjos de Júlio de Oliveira Martins pela Livraria Brasil (1958)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> Trinta Anos Depois da Volta de Octavio Costa pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> 2194 Giorni Di Guerra de Mondadori pela Ediouro (1979)
>>> Encyclopedia of the Vietnam War de Stanley I. Kutler pela Charles Scribners (1996)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (1988)
>>> Foguetes e Mísseis da III Guerra Mundial de Robert Berman e Bill Gunston pela Livro Técnico S/A (1983)
>>> A Segunda guerra mundial (Vol. 2 Somente esse Volume) de Raymond Cartier pela Primor (1975)
>>> Os Aviões de Enzo Angelucci pela Arnoldo Mondadori (1975)
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
COLUNAS

Segunda-feira, 28/11/2011
Um bocado da Índia na Mantiqueira
Ricardo de Mattos

+ de 3700 Acessos

Para minha Lily, pelos nossos dois anos.


"Assim vês que há muitas formas de sacrifício e adoração, ó Arjuna. Se compreenderes isto, chegarás a ser livre de erros" (Bhagavad Gita).

O primeiro foi Brahma, a divindade representante do princípio criador. Tal como na tradição judaico-cristã, possui num livro - os Vedas - a descrição de seus atributos. Apresenta-se ora como ganso, ora como elefante, ora como cisne, ecoando nesta forma a adotada por Zeus para seduzir Leda. Compartilha com ele a galantaria, inclusive, o que explica seus quatro rostos. Ao contrário dos cristãos, que outrora calcularam até a distância entre os olhos do Criador, seus fiéis são poucos e com pouco a contar a seu respeito. Padece da falta de templos especificamente dedicados, assim como percebeu Voltaire ao erigir, no século XVIII, uma igreja exclusiva para Deus.

Brahma, como Brahma, parece fundamentar certa concepção teológica segundo a qual a divindade, após o ato criador, afasta-se e mantém-se inerte durante períodos longuíssimos. Talvez para compensar esta ausência, a tradição tenha feito Vishnu e Shiva entrarem em cena. Vishnu representaria o princípio conservador. Shiva, por sua vez, o princípio destruidor ou renovador.


Ascensão, por Elyane Klughist

Peculiares deuses estes, questionareis, que um cria, mas não conserva; Outro conserva, mas periga tudo perder para um terceiro. A superfície é esta. Entretanto, na excepcional Autobiografia de um iogue, Paramahansa Yogananda é uma voz original - isto é, encontrada na cultura de origem - a afirmar que Brahma, Vishnu e Shiva são três aspectos da mesma divindade, invocados pelos fiéis conforme seus anseios.

Desta forma, a divindade cria - Brahma -, não sendo crível que a sabedoria absoluta erga para, em sequência, destruir. Si decide conservar - Vishnu -, é com alguma finalidade. Sendo bem sucedida a busca pelo objetivo, é necessário tudo renovar para seguir em frente e evitar a estagnação. Ao contrário, instalada a corrupção e inviabilizada a conquista final, é necessário tudo destruir e recomeçar. Neste caso, tanto a renovação, quanto a destruição, encerram um ciclo - Shiva.


Olhando para o Alto, por Elyane Klughist

Nada é destruído "sem mais aquela palha". Como bom conservador, Vishnu encarrega-se, primeiro, de verificar o que pode ser feito e salvo antes de mais drástica decisão. Faz isso mesmo que lhe seja necessário encarnar entre os homens. "Sempre e onde quer que haja um declínio na prática religiosa, ó descendente de Bharata, e uma ascensão predominante de irreligião - aí então eu próprio descendo" (Bhagavad Gita). E Krishna é a mais importante encarnação de Vishnu entre os homens.

Encontra-se no grande épico Mahabharata a fonte primária de informações a respeito de Krishna, e nele inserto como um de seus capítulos, o Bhagavad Gita ou Sublime Canção. O Mahabharata estaria para a Bíblia Sagrada assim como o Bhagavad Gita estaria para o Novo Testamento. Esta aproximação merece, inclusive, maior aprofundamento. Há tal similitude de fundo que muitos reencarnacionistas ocidentais empolgam-se com a leitura da obra indiana. Mesmo nosso querido Léon Denis, continuador de Allan Kardec no aspecto filosófico do Espiritismo, arriscou dizer que Krishna seria uma encarnação anterior de Jesus Cristo.


Resposta aos céticos, por Elyane Klughist

Coube ao indiano Swami Prabhupada (1896-1977) fundar a "Sociedade Internacional da Consciência Krishna" - ISKCON - com diversos centros de difusão do Movimento "Hare Krishna" no mundo. O mais próximo de nós é o sítio de Nova Gokula, localizado em trecho da Serra da Mantiqueira pertencente à zona rural do município de Pindamonhangaba. Fica bem longe do centro da cidade. Quem não conhecer estas paragens e quiser visitá-las, é melhor que procure alguém que já a tenha visitado. Além da insegurança causada na primeira vez pela distância, a estrada nem sempre é boa.

Lá estivemos diversas vezes a partir do ano de 2007. Quatro fora registradas pelas gravuras adquiridas e penduradas em nosso quarto de dormir, após adequadamente emolduradas. Ultrapassado o pórtico e espantado o gado com buzinadas, descortina-se-nos o templo. É necessário descalçar-se para adentrar o salão do altar, e nesta construção não há comércio. Não é impossível pegar uma palestra em curso e assisti-la o quanto quiser. Ou encontrar um devoto receptivo, pronto para conversar. À saudação "Hare Krishna", responde-se da mesma forma ou "Hare Bo".


Quietude, por Elyane Klughist

Nas imediações do templo há restaurantes, um quiosque de produtos naturais e a indefectível loja de souvenirs. Entre os quitutes à venda, a surpreendente coxinha recheada com jaca verde. É preparada de tal forma que, quem não é avisado, come-a como se de carne fosse. Pode-se acompanhá-la dum copo de suco de lulo, planta colombiana levada para lá por um dos moradores. Mais afastadas do templo ficam, de um lado a pousada e, de outro, a área residencial. Ao que parece, há uma escola, mas não chegamos a conhecê-la.

Há uma biblioteca. Pequena, recém-inaugurada e bem fornida, confirma a expressão atribuída a Cicerus: "quem possui uma biblioteca e um horto, possui um reino". Livros em vários idiomas e diversas traduções do Gita: inglês, francês, português... Se deduzimos corretamente, há volumes em sânscrito. Recebemos regularmente por e-mail informativos da ISKCON. Alguns trouxeram-nos textos a respeito da relação dos devotos com as obras da literatura sagrada e os respectivos suportes. "A Verdade que foi revelada é absoluta, mas, no curso do tempo, ela é maculada pela natureza dos receptores, e, de geração em geração, é transformada pela contínua troca de mãos. Novas revelações, portanto, são continuamente necessárias para manter a verdade em sua pureza original", diz um excerto da autoria de Srila Bhaktivinoda Thakura. "Os livros não devem ser colocados sobre o chão ou sobre o assento de uma cadeira, tampouco utilizados como repouso para outros objetos", assevera Rohininandana dasa.

Este sítio insere-se na mata nativa, sendo possível deambular entre o arvoredo atlântico. Um riacho gélido convida-nos a mergulhar os pés - ou mesmo o corpo todo, conforme a coragem. Funciona em Nova Gokula um centro de soltura de animais silvestres libertados do cativeiro. Em nossas visitas, além de pássaros diversos, um jacu - Penelope ochrogaster - exibiu-se antes de sumir entre as árvores. Doutra feita, um filhote de tatu cruzou-nos o caminho.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 28/11/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Voz de um passado presente de Daniel Lopes
02. Inesquecíveis aventuras de Eduardo Carvalho
03. State of the art de Rafael Azevedo


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFLEXÕES SOBRE A HISTÓRIA DAS RELAÇÕES BRASIL ARGENTINA; A EVOLU
REVISTA ECONOMIA RELAÇÕES INTERNACIONAIS, 10
FAAP
(2007)
R$ 26,28



MAOMÉ E O ISLAM
THEODORE M. R. VON KELER
EDIOURO
(1984)
R$ 10,00



MENSAGENS E SINAIS
LUIS J. PRIETO
CULTRIX
(1973)
R$ 9,00



O AMANHÃ A DEUS PERTENCE
ZIBIA GASPARETTO
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2007)
R$ 9,00



TEORIAS E PRÁTICA DO ENSINO PROGRAMADO
JERRY POCZTAR
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
(1972)
R$ 11,90



PERSONALIDADE(S) EMOCIONALMENTE INTELIGENTE(S)?
SONIA BRITO-COSTA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 559,00



A HISTÓRIA DO FIM
JANUARIA CRISTINA ALVES
CARAMELO
(2001)
R$ 4,00



DIVERGENTE: UMA ESCOLHA PODE TE TRANSFORMAR - VOL.1 - SÉRIE DIVERGENTE
VERONICA ROTH
ROCCO
(2012)
R$ 31,52



ADIVINHE QUEM É EM MOVIMENTO
JEANNETTE ROWE
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 14,00



IV CONGRESSO DE ENGENHARIA CIVIL
VÁRIOS ORGANIZADORES
INTERCIÊNCIA
(2000)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês