Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
>>> Arquitetura & construçao--outubro--2007--escadas na medida certa. de Abril pela Abril (2007)
>>> Beethoven de Bernard Fauconnier pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E O Cliente De Sábado de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Ladrão de casaca de Maurice Leblanc pela L&Pm (2012)
>>> Convite para um homicídio de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Assassinato no beco de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Dom quixote de Miguel de Cervantes pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia - volume 2 de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E A Mulher Do Ladrão de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Os primeiros casos de Poirot de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2556--o poder fulminante das redes sociais de Abril pela Abril (2017)
>>> Cartier-bresson: o olhar do século de Pierre Assouline pela L&Pm (2012)
>>> Teoria quântica de John Polkinghorne pela L&Pm (2012)
>>> Andy Warhol de Meriam Korichi pela L&Pm (2012)
>>> Pretinha, Eu? de Julio Emilio Braz pela Scipione (2004)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura de Miguel de Angeli, Jose Cervantes pela Scipione (2006)
>>> O Natal do Avarento, de Charles Dickens pela Scipione (2012)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Scipione (2010)
>>> O Corcunda de Notre-Dame de Victor Hugo pela Scipione (2003)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/3/2011
Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
Ricardo de Mattos

+ de 9400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"(...) quanto menos alguém sabe do passado e do presente, tanto mais inseguro será o seu juízo sobre o futuro." (Sigmund Freud)

Em certo dia de 2010, estávamos com nossa namorada defronte ao centro espírita onde trabalhamos. Enquanto descarregávamos nossos pertences e trancávamos o carro, observamos que três rapazes conversando descontraidamente aproximavam-se pela calçada oposta. Olhando a fachada e percebendo que tipo de instituição tratava-se, um deles começou a caçoar de um dos companheiros e a demonstrar certa implicância. Parecia rir do colega como meio de manifestar-se pejorativamente à casa ― e, por extensão, à doutrina ali divulgada. Não foi agradável presenciar o deboche, mas num segundo momento cogitamos sobre que informações ele teve a respeito do Espiritismo para comportar-se daquela forma. Imaginamos o que lhe foi apresentado a respeito da doutrina de nossa eleição para que ele julgasse-se no direito de debochar.

Outro fato queremos mencionar. No último mês, abrimos nossa caixa de e-mails e um deles encaminhava-nos conteúdo absurdo. Certa mulher, ligada a alguma igreja, ensina como suas correligionárias devem proceder para proteger as respectivas vaginas do que ela denomina "umidificação satânica". Entre as medidas, recomenda desde não colocar o travesseiro entre as pernas durante o sono até a preferência por sorvete de massa em vez do picolé, além de outras coisas que preferimos não publicar devido ao elevado grau de vulgaridade. Não conferimos o site pessoalmente, talvez para conservar a expectativa de que seja brincadeira, o que ainda assim seria escatológico, tanto pelo ridículo quanto pelo baixo nível alcançado e pela sutil forma de disseminar a intolerância. Todavia, lembramo-nos de certo monge que teria vivido em torno do Renascimento Italiano. Ele atribuía ao banho tomado por alguém a causa da decomposição do corpo após a morte. Apesar de ser difícil imaginar quem pudesse ficar perto dele o suficiente para escutar-lha argumentação, avaliamos o impacto desta assertiva quando o Juízo Final ― e, logo, a necessidade de um corpo para dele participar ― era uma realidade. Portanto, mesmo que as "instruções" não passem de brincadeira de mau gosto, elas possuem precedentes reais.

Dado o baixo nível educacional que é oferecido à população, e considerando a facilidade com que grassa o fanatismo, fatos como os descritos podem ser muito mais comuns do que seria confortável admitir. O que está em jogo não é a sofisticação ou não de um argumento, a elegância ou não com que ele é exposto, nem o comportamento rueiro de jovens despreocupados. Visto que a religião formal ainda é o principal meio pelo qual o indivíduo busca o desenvolvimento da inata capacidade de transcender, ressentimo-nos de ver em que lamentáveis termos o assunto é tratado.

Testemunhas de comportamentos análogos, algumas pessoas buscam na formação e na informação científica a base da Vida, podendo desenvolver ou não certa indiferença aos assuntos espirituais. Distinguimos, porém, aquele que confia na própria formação e não se deixa convencer facilmente, daquele que pensa ser a Ciência o partido dos sábios e a ela adere sem maiores questionamentos. A esta segunda classe de homens é que Carl Gustav Jung (1875-1961) refere-se como "camada intelectual medíocre", possuidora de "inabalável fé... em tudo o que traz o rótulo de 'científico'" (Psicologia e religião). Neste meio encontramos os peões, os grandes utilizadores do chamado "argumento de autoridade". Esta modalidade de argumento é representada pelas expressões latinas magister dixit e Roma locuta, causa finita, que significam, na ordem, "o mestre disse" e "Roma falou, caso encerrado". Delegam ao cientista o que não delegariam ao religioso e não tiram disso maior proveito.

Nos ambientes considerados cultos, dois nomes possuem força impressionante, mesmo que seja inocência de nossa parte acreditar que são tão conhecidos como imaginamos e suas obras realmente lidas e compreendidas. Referimo-nos a Friedrich Nietzsche (1844-1900) e a Sigmund Freud (1856-1939), autores, respectivamente, d'O Anticristo ― Maldição contra o cristianismo, e d'O futuro de uma ilusão. Mencionar Karl Marx (1818-1883) e autores correlatos estenderia demais o assunto.


Geza Vermes (The Guardian)

Em Assim falava Zaratustra, Nietzsche voltou-se contra Deus e atestou-lhe a morte. Dando prosseguimento à sua rabugice, Jesus Cristo e o Cristianismo tornaram-se os alvos principais. Segundo a apresentação de Renato Zuwick para a edição da qual nos valemos, O Anticristo foi escrito em 1888, último ano lúcido da vida do filósofo. Evidente que não morremos de amores por este ataque ao cristianismo. O que fizeram os antigos para justificar o ataque do filósofo não é difícil de encontrar nos livros de História. Todavia, ainda que batido, é válido o argumento de que Nietzsche concentrou-se nas mazelas provocadas pelas pessoas que diziam trabalhar em nome de Cristo, mas esqueceu-se das escolas, hospitais, asilos, creches e orfanatos fundados em seu nome por outros trabalhadores mais dignos de serem chamados "cristãos", e que se empenharam apesar de dispor de meios muitas vezes limitados. Devemos pensar, inclusive, na proteção que permitiu o desenvolvimento das Artes, como a música, a pintura, a escultura e a arquitetura. Nietzsche, enfim, cometeu o erro comum de confundir o Cristo com as igrejas fundadas em seu nome ― e você, leitor, sabe que a diferença entre igreja e religião é fundamental. Seus seguidores não parecem ter alcançado maior discernimento.

Utilizando linguagem imprecisa e retórica ― "predestinação ao labirinto", "leitores predestinados", "experiência haurida de sete solidões" ―, Nietzsche assume posição análoga à de profeta. Para ele, "bom" é igual a "poder", e poder é igual a... ? Noutros pontos o filólogo retoma o controle e retoma-se o rigor linguístico: "idiota", "niilista". O Dicionário Oxford de Filosofia define niilismo como "teoria que promove o estado em que não se acredita em nada, ou de não ter comprometimentos ou objetivos". Para o filósofo, niilista é aquele que, na prática do altruísmo e da compaixão, corrompe os próprios instintos e avança na contramão do processo de seleção natural ao escolher situações prejudiciais à própria existência. Para certos psicólogos, altruísmo e compaixão são "problemas" que lhes atrapalham as teorias, como revelou Mario Beauregard em livro já apresentado.

Outro ponto em que Nietzsche insiste é no privilégio à natureza biológica do homem. Ao mesmo tempo, afirma-se imbuído de espírito científico. Sendo assim, como explica a origem do super-homem, já que a natureza não dá saltos? Não é neste livro específico que ele dará a resposta, bem o sabemos. Porém, sendo o homem apenas um animal ― tese que muitos anseiam por uma palavra final e afirmativa da Ciência ―, matá-lo não difere de abater um boi. Execute-se a ideia e temos o Holocausto. Nietzsche hoje é defendido das alegações de que sua filosofia teria sido um dos fundamentos do nazismo. Alegam que sua irmã Elizabeth teria feito alterações propositais nos textos, garantindo-lhe a simpatia geral e a própria comodidade durante a guerra de 1939-1945. Não foi o Führer exatamente um filósofo arguto ou apreciador do prussiano, como esclarece-nos Timothy Ryback, autor d'A biblioteca esquecida de Hitler, mas devemos considerar as demais "cabeças pensantes" no governo. Não obstante, edições idôneas de sua obra ainda registram pensamentos como "os judeus são o povo mais funesto da história universal" e "assim como não escolheríamos judeus poloneses como companhia...".

Abandonando um pouco o doutor de Leipzig, passemos à outra obra que nos chamou a atenção. O futuro de uma ilusão, publicado em 1927, vincula-se à obra anterior Totem e tabu. Nesta, o anseio pela figura paterna seria "a raiz da necessidade religiosa". Naquela, ora referida, Freud acrescenta que o desamparo do adulto é a continuidade do desamparo da criança. Ultrapassadas as primeiras faixas etárias, o adulto verifica que a sensação de desamparo é contínua e cria as figuras divinas das quais passa a esperar amparo e proteção. Não só as neuroses do adulto seriam a sequência das neuroses infantis, como as ideias das sociedades atuais teriam origem nas civilizações primitivas. "A ontogênese repetindo a filogênese", como dizia a Antropologia do século XIX. De qualquer forma, o pai da psicanálise restringiu o tema "à forma final em nossa cultura branca e cristã" do momento histórico em que viveu.


Nietzsche, por Munch

As teorias de Freud passam a ser cada vez mais consideradas hipóteses a serem submetidas ao rigor da experimentação científica, ao crivo dos dados empíricos, podendo ou não obter confirmação. Dizer que ninguém escreveu melhor do que ele é entusiasmo, não referendo da Verdade. N'O futuro de uma ilusão importam os conceitos analisados, como ideias religiosas, ilusão e divindade. "Ideias religiosas" seriam concepções acerca da realidade externa ou interna que o indivíduo não alcançou sozinho. Seriam também desejos antigos e fortes da humanidade. Freud afirma ser inerente a estas ideias a "reivindicação de crença". Dê-nos licença, Herr Doktor, mas ideias nada reivindicam: fazem-no quem as prega. "Ilusões" não são erros nem algo equiparável. Citando um de seus exemplos, Colombo não errou ao pensar que havia descoberto um novo caminho para as chamadas Índias Orientais. Ele realmente descobriu uma nova rota, mas iludiu-se ao pensar serem as Índias o novo chão em que pisou. Ilusão, enfim, é ter uma coisa por outra. Não que esta coisa não exista, mas nossa percepção a seu respeito que é falha. A crença torna-se ilusão quando deseja-se crer, mesmo diante da impossibilidade. Difunde-se em filmes e na televisão em geral a assertiva de que "cada um acredita naquilo que quer", o que consideramos preocupante.

Enfim, no que diz respeito à divindade, si a criança encontra no pai a figura temível e protetora, o adulto primitivo encontra este mesmo temor e esta mesma proteção nas forças da natureza, com as quais precisa conviver. Dos ventos, das chuvas, do fogo e dos terremotos nasceriam os deuses. Quando estes deuses aproximam-se demais da forma humana ― vide os deuses da antiguidade clássica, por exemplo ―, têm lugar a perda do temor, a decadência, e o abandono final. Após ler a obra dentro de nossos limites intelectuais, questionamos si Deus é que foi condenado por Freud ou a forma como se crê n'Ele. Si é a busca humana pela transcendência que Freud previu como fadada ao abandono, ou a forma como isso se deu até o momento em que escrevia sua obra. Ele reconheceu que abolir a religião talvez não faça diferença.

Nossa leitura percebeu pontos comuns nas obras estudadas. Nietzsche e Freud recorrem à dialética interna: afirmam, preveem argumentos contrários e antecipam respostas, fato mais explícito e assumido no texto do austríaco. Para ambos, a decadência social implica na decadência da divindade cultuada, seja na figura do ídolo contemporâneo em relação ao ídolo anterior ― Nietzsche ―, seja pelo abandono da crença em qualquer ser divino ― Freud. Os dois asseveram que o avanço científico excluirá necessariamente não só o Cristianismo como qualquer ideia religiosa, sendo que para o filósofo seria contraditório alguém dizer-se cristão e possuir conhecimentos científicos. As duas obras alertam o homem da sua relação com a Natureza, o que é um ponto positivo, ainda que Freud fale muitas vezes em dominá-la. Os dois livros, enfim, podem servir como purgativos de ideias e atitudes nefastas dos que se dizem religiosos, mas não como vitamina para o crescimento espiritual. Nietzsche repete em sua centúria, quase com as mesmas palavras, aquilo que o Marquês de Sade falou na anterior, basta conferir o Diálogo entre um padre e um moribundo. Freud endossa o pensamento de Auguste Comte, cuja filosofia, para ser bem compreendida e honestamente transmitida, deve considerar a Igreja Positivista por ele fundada. Portanto, si não são pensadores originais a respeito do tema, assinalaram suas obras como síntese do pensamento em voga na segunda metade do século XIX e na primeira metade do século XX. Após a Segunda Guerra Mundial, teve lugar um mal estar generalizado, não restrito à religião em particular.

Defendemos a Fé, mas uma Fé robusta, despida de superstições e logros, que busque no Alto a orientação de sua jornada, e não no irmão ao lado, tão pejado de dúvidas e ansioso por esclarecimento como nós, mas talvez refratário em reconhecê-lo. A perfeição do Universo torna-nos surdos tanto ao cientista que nega a existência divina, quanto ao carola que alega conhecer claramente a vontade de Deus, e nosso julgamento ganha tal seriedade que dificilmente desejamos vê-lo malbaratado.


Sigmund Freud

Para o crente, a visão freudiana é reducionista. Deveras, Deus não pode ser medido, pesado, avaliado, comparado, e materialmente estimado. Contudo, quando sinceramente procurado, apresenta-se. Quem afirma-se incrédulo nada faz além de negar-se a este encontro, como a criança que, fechando os olhos, acredita-se desligada da realidade circundante. É um dos paradoxos da existência dos quais os monumentos humanos ― filosofia, ciência, religião institucionalizada, artes ― não dão conta por serem construídos, a exemplo da Torre de Babel, de baixo para cima. Allan Kardec recomendou mesmo que, antes de enveredar pelo estudo do Espiritismo, devem ser feitas três perguntas ao interessado: se ele crê em Deus, se ele crê possuir uma Alma, e se ele crê que essa Alma pode sobreviver ao corpo. A negação ou mesmo a hesitação em responder a qualquer uma destas perguntas torna inócuo o prosseguimento, pois o indivíduo deverá primeiro procurar ― e encontrar ― por si as respostas. De que adianta falar no espírito para quem não aceita ter um?

Amado Ricardo: o que justifica toda esta introdução, quando a proposta inicial era apresentar os livros sobre Jesus Cristo escritos por Geza Vermes? É que acompanhamos as dificuldades que indivíduos de diversas idades, formações e posições sociais encontram em sua jornada espiritual. Dentro da cultura ocidental, Jesus Cristo é criticado na razão inversa em que é compreendido. Alie-se isto à conduta daqueles que se dizem seus seguidores e detentores da compreensão correta de seus ensinamentos, bem como o peso dado ao argumento de autoridade, e antes de nos arriscarmos a falar em Fé, descobrimos quais entulhos atravancam-nos o caminho.

Geza Vermes (1924) nasceu na Hungria, em família judaica. Foi criado dentro do cristianismo, mas voltou ao seu "credo originário". Formado em Budapeste e Louvain, leciona estudos judaicos em Oxford. Concentrou-se na pessoa do chamado "Cristo histórico", a pessoa real que foi Jesus, desvinculado do misticismo criado em torno de sua figura. Independentemente das conclusões a que chegue o autor, livros assim são bem vindos por auxiliarem o leitor a afastar camadas de tradições que, se um dia floresceram, hoje são ramos que sufocam o solo em vez de adubá-lo. Partindo do que disse Freud, hoje podemos estar apenas alimentando o narcisismo dos que nos antecederam.

Os títulos de Vermes publicados no Brasil são: A paixão, Jesus e o mundo do judaísmo, O autêntico Evangelho de Jesus, Quem é quem na época de Jesus, As várias faces de Jesus, A religião de Jesus, o judeu, Natividade e Os manuscritos do Mar Morto. Nietzsche e Freud também tiveram o comum convencimento de que o Cristianismo nasceu como uma corrente ou uma derivação do Judaísmo. Vermes parece não se afastar deste entendimento, inclusive procurando contatos entre atos e palavras de Jesus com personagens da tradição judaica. Concorde o leito ou não com isso, o importante é que a discussão passa a ter por base pesquisas e dados reais, sólidos.

O autêntico Evangelho de Jesus e Quem é quem na época de Jesus podem ser consultados como enciclopédias, devido à divisão dos assuntos. Em seus estudos, Vermes prefere três dos evangelhos canônicos, isto é, evangelhos dados pela tradição como autênticos depositários do que se pode conhecer a respeito de Jesus e de seus ensinamentos. Exclui o de João, tido por ele como escrito por alguém mais preocupado com questões filosóficas e ontológicas, conferindo ao texto posição secundária e suas investigações. Restam os sinóticos, assim chamados porque, caso os fatos neles narrados fossem colocados em colunas paralelas ― em quadros sinóticos ―, eles seria repetidos quase com as mesmas palavras. Sempre aprendemos que o texto de Mateus seria o primeiro, o de Marcos um resumo e o de Lucas o caracterizado pelo estilo literário. Vermes posiciona-se afirmando que o de Marcos foi o primeiro a ser escrito e os outros dois seriam versões das quais constariam diversos acréscimos.

As fontes de Vermes abrangem os chamados "Apócrifos", os manuscritos do Mar Morto, nos quais ele é especializado, bem como obras do filósofo judeu Filo de Alexandria e do historiador Flavio Josefo. Inovando a literatura relacionada, dá atenção maior ao Evangelho de Tomé, tido até recentemente como apócrifo. Nosso exemplar da obra encontra-se no volume d'A biblioteca de Nag Hammadi ― A tradução completa das escrituras Gnósticas, organizado por James Robinson, mas pode ser encontrado em edição isolada.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 7/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
02. Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade de Wellington Machado
03. uma perversão de Fabio Danesi Rossi


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/3/2011
13h27min
Caro Ricardo de Mattos: Considero tudo e toda a discussão sobre um ser humano, estéril, em termos de compreensão da nossa real vinda e "missão" no planeta Terra, um minúsculo pedacinho de pó em meio a enormes constelações - bilhões delas -, e só serve para criar mais polêmica. Vivamos bem, o melhor possível. Essa é, talvez, ainda que simplória e simpática, a melhor forma de conviver. Com alguns. Com outros, distância, a maior possível, quando se investem na ideia de criar formas "corretas" e "perfeitas" de convivência. Ler faz bem, melhora o astral e traz felicidade. Mas é somente isso o que vale: uma ótima leitura. Vade. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pai-nosso - a Oração Que Jesus nos Ensinou
Carolina Chagas
Larousse
(2007)



Manual de Frascati
Não Encontrado
Não Encontrado
(2002)



Mad Em Português Nº 64
Vários Autores
Vecchi
(1979)



Dicionário de Derivativos Inglês Português
José Evaristo dos Santos
Atlas
(1998)



A Luneta Mágica
Joaquim Manuel de Macedo
Paulus
(2008)



É Preciso Pouco para Ser Feliz!
Giuliano Milan
Novo Seculo
(2010)



Práticas de Linguagem - Leitura e Produção de Textos Único
Ernani Terra e José de Nicola
Scipione
(2010)



Sabiston - Fundamentos de Cirurgia 2ª Edição
David C. Sabiston Jr e H. Kim Lyerly
Guanabara Koogan
(1996)



Direito Administrativo
Sonia Yuriko Kanashiro Tanaka
Malheiros
(2008)



Correspondência Comercial En Espanol
Josefa Gòmez de Enterría
Sgel
(1995)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês