Simplesmente feliz | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentando a Google TV
>>> Noite branca no cinema
>>> O cérebro espiritual, de Mario Beauregard
>>> Sobre escrever
>>> Os Axiomas de Zurique, de Max Gunther
>>> Sou diabético
>>> 3 de Maio #digestivo10anos
>>> O Joca me adora
>>> A volta das revistas eletrônicas
>>> As duas divas da moderna literatura romântica
Mais Recentes
>>> O Leao da Noite Estrelada de Ricardo Azevedo pela Saraiva (2004)
>>> História e Cultura dos Povos Indígenas no Brasil de Carmen Lucia Campos pela Planeta (2011)
>>> Quando é Preciso Partir de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (2001)
>>> Branca de Neve - Clássicos Ilustrados de Maurício de Souza pela Girassol (2008)
>>> A Lei do Retorno: os Anjos Também Choram de Melissa Gimenes Costa - Espírito Zorram pela Madras
>>> Acordar Ou Morrer de Stella Carr; Rene de Francisco pela Moderna (1991)
>>> Redação como libertação de Hildo Honório do Couto pela Unb (1990)
>>> Quando a Vida Escolhe de Zibia Gasparetto; Lucius pela Vida e Consciencia (1997)
>>> O Falcão de Penas Salpicadas de Lucia Machado de Almeida pela Francisco (1986)
>>> Gramática : teoria e exercícios de Paschoalin & Spadoto pela Ftd (1996)
>>> Namoro e Virgindade de Paulo-eugène Charbonneau pela Moderna (1991)
>>> 9788565704724 de Daniele Farfus pela Daniele Farfus
>>> Pais e Filhos sem Aspas de Neumoel Stina pela Grafsol (2017)
>>> A Literatura Infantil e Juvenil - Abordagens Múltiplas de Thiago Lauriti e Wendel Cássio Christal (orgs.) pela Paco Editorial (2013)
>>> A Lei da Atração - O Segredo Colocado em Prática de Michael J. Losier pela Nova Fronteira (2007)
>>> Fui ao céu e voltei de Mary C. Neal pela Lua de Papel (2013)
>>> A esperança de Suzanne Collins pela Rocco (2010)
>>> Canção do Exílio de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2000)
>>> O Meio Ambiente Em Debate de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1997)
>>> A Escola e Seu Entorno Como Ferramentas de Ensino da História Local... de Aristides Leo Pardo pela Monstro dos Mares (2019)
>>> Mensageiros da Esperança de Ellen G. White pela Casa (2007)
>>> A Escola e Seu Entorno Como Ferramentas de Ensino da História Local... de Aristides Leo Pardo pela Monstro dos Mares (2019)
>>> A Origem das Espécies - Tomo II de Charles Darwin pela Escala (2008)
>>> Profundamente Sua de Sylvia Day pela Paralela
>>> Enquanto o Resgate Não Vem Precisamos Sobreviver de Paulo R. Pingituro pela Do Autor (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/4/2009
Simplesmente feliz
Marta Barcellos

+ de 6600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A sensação pode durar segundos. Sim, tudo isso. Do nada, surge um sentimento de plenitude. Você está inteiro, se sente vivo e integrado àquele momento. Ao mesmo tempo, consegue contemplar a si próprio e ao mundo com certo distanciamento, como se estivesse em suspenso. Está cheio de si, mas sem o orgulho bobo das conquistas mundanas ― tanto que nem lhe ocorre exibir aquela emoção para ninguém. Você guarda em segredo: está feliz.

Aproveite a minha modesta tentativa de descrever o tal momento e desencave do fundo da memória o instante fugidio em que se sentiu assim. Passou, é verdade, e nem lembramos como foi. Provavelmente nos distraímos com uma buzina, uma interrupção qualquer, e nem tentamos guardar um resquício daquela emoção, como se tivesse sido um sonho. Não foi. Todos já nos sentimos assim e por isso andamos por aí como se a tal felicidade estivesse à espreita, alcançável por um lance de sorte, acaso ou destino ― a gosto do freguês e das convicções filosóficas.

Uma dessas ocasiões eu guardei bem na memória, porque a sensação veio junto com uma lufada de ar quente. Eu descia do avião no Santos Dumont, no Rio, antes dos abomináveis fingers de hoje. Tratava-se de uma rotina ― o tal instante de felicidade cisma de aparecer em situações banais. A lufada veio junto com o cheiro de maresia, e ainda era dia; talvez fosse horário de verão. Uma entrevista burocrática em São Paulo acabara se transformando em uma conversa instigante, e me ocorreu, naquela viagem de volta, a máxima: "e ainda me pagam pra isso".

Mas nem sempre a tal felicidade acontece em lugares tão glamourosos como um aeroporto à beira-mar. Já me flagrei flertando com ela ao dirigir meu carro, a caminho de um compromisso qualquer. Dá vontade de abrir o vidro e deixar o vento soprar no rosto. Também me recordo de uma pequena caminhada, de mãos dadas, sob os primeiros raios de sol da manhã, quando ainda morava em São Paulo e minha vida saía de uma fase tumultuada. E olha que não sou exatamente conhecida pelo bom humor matinal ― sempre tive dificuldades de compreender quem acorda cantarolando.

É mais fácil falar de bom humor ou otimismo do que de felicidade. Percebi isso depois de ver Simplesmente feliz (Happy-go-lucky), filme que não escolhi por acaso: a intenção era manter o alto astral, depois de um dia puxado ― uma atitude digna de Poppy, a personagem principal. Professora primária, 30 anos, sem namorado, Poppy tem sua bicicleta furtada logo no início da trama e não se abala. Poppy nunca se abala. Tem uma capacidade infinita de ver o lado bom das coisas e das pessoas. Vislumbra no incidente com a bicicleta uma oportunidade para aprender a dirigir. Na autoescola, vai conviver com um instrutor que é a sua antítese.

No finalzinho do filme (não vou revelar nada demais, pode continuar lendo), o raivoso instrutor solta uma frase que pode passar despercebida do público, por conta da tensão da cena. Sim, garante ele, era feliz do seu jeito, mal-humorado e negativo, antes que ela o incomodasse com sua felicidade efusiva. Fiquei chocada quando alguém ao meu lado também admitiu algum incômodo com a personagem, que lhe lembrou um tipo "alegre, artificial, que não leva nada a sério". Preferi me identificar com o time das bem-humoradas que se vangloriavam, na saída do cinema: "Igualzinha a mim". Mas depois pensei em alguém assobiando às 7h da matina e decidi relativizar a questão. Talvez não suportasse a Poppy antes das 10h.

O fato é que o conceito de felicidade ― como um estado, e não um instante ― é um tanto individual. Há quem simplesmente a rechace, por identificá-la com paz, harmonia e chatice. No documentário Vinicius, de Miguel Faria Jr., Edu Lobo conta a confusão que foi a tentativa de se traduzir uma letra de Vinicius de Moraes. Tom Jobim, então nos Estados Unidos, havia adorado os versos "Foi a vida / Foi o amor quem quis / É melhor viver / Do que ser feliz". Quis utilizá-los em inglês, mas, conversando com o tradutor, percebeu o tamanho de seu desafio. Diante da transposição literal dos versos ("It´s better to live than be happy"), o tradutor se exaltou, convicto do erro de Jobim, que teria trocado "and" por "than". "Tom achou graça e comentou que o viver de Vinicius era completamente diferente do viver dos americanos", conta Edu no documentário.

Outro que também costuma defender por aí uma "vida interessante", em vez de uma "vida feliz", é o psicanalista Contardo Calligaris. Ou seja, a intensidade, em busca da tal felicidade, nos seria suficiente, talvez o máximo que deveríamos almejar. Eu tendo a concordar com Vinicius, Calligaris e companhia, mas acrescentaria que uma boa dose de humor e otimismo, à la Poppy, pode tornar a tarefa (viver) ainda mais agradável. Para fechar, dou a palavra a Ferreira Gullar, tintim por tintim, também no documentário Vinicius:

"Acho que a vida é uma invenção. Você pode inventar pro ruim ou inventar pro bom. Tenho horror a caras que ficam sempre pra baixo, falando da 'verdade sobre a existência'. Mentira, ninguém sabe qual é a verdade. Acho Beckett um chatola. Se você escolhe dizer que tudo é uma merda, que nada tem sentido, pode até ganhar o prêmio Nobel, mas não vai ajudar ninguém. Prefiro o cara que bota a vida pra cima. Já que ninguém sabe qual é a verdade, por que vou botar pra baixo?"

Vinicius de Moraes, conclui Gullar, ajuda a gente a viver. Daquele jeito, que os americanos não compreendem muito bem.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 24/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A desgraça de ser escritor de Luís Fernando Amâncio
02. Paisagem interna agreste de Elisa Andrade Buzzo
03. Zuza Homem de Mello (1933-2020) de Julio Daio Borges
04. 'Eu quero você como eu quero' de Ana Elisa Ribeiro
05. Dark (k)night rises de Marilia Mota Silva


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2009
15h24min
Sempre desconfiei de pessoas que se dizem felizes todo o tempo. Felicidade é uma colcha de retalhos, um Lego que a gente vai montando. Tive uns três momentos de felicidades hoje. Tomando um delicioso café da manhã, pedalando pela orla numa manhã ensolarada do outono carioca e lendo o seu texto, ouvindo uma boa música. São 15h20 e não sei se terei mais felicidade por hoje. Espero que sim. Pode ser loucura, mas acho que a gente vai ficando mais feliz à medida que envelhece, pois valorizamos mais essas pequenas partículas de felicidade, enquanto que na juventude estamos sempre esperando GRANDES empregos, GRANDES amores, GRANDES experiências sexuais ou GRANDES aquisições materiais. bjs.
[Leia outros Comentários de Julio Corrêa]
26/4/2009
19h42min
Felicidade é mais rápida do que se pensa. Rapidamente vai embora quando você consulta seu saldo bancário.
[Leia outros Comentários de Renato]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Exercício de Cidadania Política Junto ao Poder Legislativo
Comissão de Legislação Participativa
Centro de Doc e Infor (brasili
(2004)
R$ 10,00



Uma Nuvem num Pote de Barro
Miguel de Castro Henriques
Assírio & Alvim
(2002)
R$ 48,77



Revista Paulista de Medicina Vol. 55 Nª 6
Associação Paulista de Medicina
Associação Paulista de Medi
(1959)
R$ 11,05



Advances in Universal Web Design and Evaluation
Sri Kurniawan, Panayiotis Zaphiris
Igi Golbal
(2006)
R$ 200,00



Inquisição Em Minas Gerais no Século XVIII
Neusa Fernandes
Uerj
(2004)
R$ 36,30
+ frete grátis



Jogos e Jogantes - 2ª Edição
Fabían Mariotti
Shape (rj)
(2007)
R$ 19,28



Nos Gelos Polares
R. P. Duchaaussois
Vozes
(1943)
R$ 15,00



Vida, Forma e Côr
Gilberto Freyre
José Olympio
(1962)
R$ 62,91



Custos Planejamento, Implantação e Controle
George S. G. Leone
Atlas
(1989)
R$ 12,00



O Mapa do Tempo
Félix J. Palma
Intrínseca
(2010)
R$ 10,00





busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês