Simplesmente feliz | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
Mais Recentes
>>> Marcas de Nascença de Nancy Huston pela L&Pm (2007)
>>> A Reportagem de Danillo Nunes pela do Autor (1980)
>>> Eu Fico Loko de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Paginas (2015)
>>> A Cidade de Melanie Wallace pela Benvira (2012)
>>> As Belas Coisas, Que é do Céu Contê-las de Dinaw Mengestu pela Nova Fronteira (2008)
>>> O Beijo das Sombras de Richelle Mead pela Rocco (2021)
>>> O Beijo das Sombras de Richelle Mead pela Rocco (2021)
>>> Pesadelos e Paisagens Noturnas - Vol.I de Stephen King pela Objetiva (2011)
>>> Temas de Psicologia Juridica de Leila Maria Torraca de Brito pela Relume Dumará (2005)
>>> Evangelho por Emmanuel - Comentários ao Evangelho Segundo Mateus de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2015)
>>> A Casa do Califa de Tahir Shah pela Roça Nova (2008)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Francisco - o Sol de Assis de Divaldo Franco e Cezar Braga Said pela Leal (2014)
>>> Salomé - o Encanto das Mulheres Que Surgem do Céu de Sandra Carneiro pela Vivaluz (2014)
>>> Eight early tantras of the great perfection - elixir ambrosia de Christopher wilkinson pela Christopher wilkinson (2016)
>>> O Homem Que Amava os Cachorros de Leonardo Padura pela Boitempo (2014)
>>> O fogo invisível: O segredo mais importante da humanidade está prestes a ser revelado de Javier Sierra pela Planeta (2018)
>>> Moreira da Silva: O último dos malandros de Alexandre Augusto pela Sonora (2013)
>>> O Bairro: Viva a Nossa Turma - Geografia e História de Aracy do R. Antunes; Maria de L. de A. Trindade pela Access (2013)
>>> Antes de Nascer o Mundo de Mia Couto pela Companhia das Letras (2016)
>>> Teogonia: A Origem dos Deuses- edição revisada e acrescida do original grego de Hesíodo pela Iluminuras (1995)
>>> Bíblia de Jerusalém - Média Encadernada de Deus e Vários autores pela Paulus (2004)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Abril Cultural (1979)
>>> Gente pequena também tem direitos de Malô Carvalho pela Autêntica (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/4/2009
Simplesmente feliz
Marta Barcellos

+ de 6800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A sensação pode durar segundos. Sim, tudo isso. Do nada, surge um sentimento de plenitude. Você está inteiro, se sente vivo e integrado àquele momento. Ao mesmo tempo, consegue contemplar a si próprio e ao mundo com certo distanciamento, como se estivesse em suspenso. Está cheio de si, mas sem o orgulho bobo das conquistas mundanas ― tanto que nem lhe ocorre exibir aquela emoção para ninguém. Você guarda em segredo: está feliz.

Aproveite a minha modesta tentativa de descrever o tal momento e desencave do fundo da memória o instante fugidio em que se sentiu assim. Passou, é verdade, e nem lembramos como foi. Provavelmente nos distraímos com uma buzina, uma interrupção qualquer, e nem tentamos guardar um resquício daquela emoção, como se tivesse sido um sonho. Não foi. Todos já nos sentimos assim e por isso andamos por aí como se a tal felicidade estivesse à espreita, alcançável por um lance de sorte, acaso ou destino ― a gosto do freguês e das convicções filosóficas.

Uma dessas ocasiões eu guardei bem na memória, porque a sensação veio junto com uma lufada de ar quente. Eu descia do avião no Santos Dumont, no Rio, antes dos abomináveis fingers de hoje. Tratava-se de uma rotina ― o tal instante de felicidade cisma de aparecer em situações banais. A lufada veio junto com o cheiro de maresia, e ainda era dia; talvez fosse horário de verão. Uma entrevista burocrática em São Paulo acabara se transformando em uma conversa instigante, e me ocorreu, naquela viagem de volta, a máxima: "e ainda me pagam pra isso".

Mas nem sempre a tal felicidade acontece em lugares tão glamourosos como um aeroporto à beira-mar. Já me flagrei flertando com ela ao dirigir meu carro, a caminho de um compromisso qualquer. Dá vontade de abrir o vidro e deixar o vento soprar no rosto. Também me recordo de uma pequena caminhada, de mãos dadas, sob os primeiros raios de sol da manhã, quando ainda morava em São Paulo e minha vida saía de uma fase tumultuada. E olha que não sou exatamente conhecida pelo bom humor matinal ― sempre tive dificuldades de compreender quem acorda cantarolando.

É mais fácil falar de bom humor ou otimismo do que de felicidade. Percebi isso depois de ver Simplesmente feliz (Happy-go-lucky), filme que não escolhi por acaso: a intenção era manter o alto astral, depois de um dia puxado ― uma atitude digna de Poppy, a personagem principal. Professora primária, 30 anos, sem namorado, Poppy tem sua bicicleta furtada logo no início da trama e não se abala. Poppy nunca se abala. Tem uma capacidade infinita de ver o lado bom das coisas e das pessoas. Vislumbra no incidente com a bicicleta uma oportunidade para aprender a dirigir. Na autoescola, vai conviver com um instrutor que é a sua antítese.

No finalzinho do filme (não vou revelar nada demais, pode continuar lendo), o raivoso instrutor solta uma frase que pode passar despercebida do público, por conta da tensão da cena. Sim, garante ele, era feliz do seu jeito, mal-humorado e negativo, antes que ela o incomodasse com sua felicidade efusiva. Fiquei chocada quando alguém ao meu lado também admitiu algum incômodo com a personagem, que lhe lembrou um tipo "alegre, artificial, que não leva nada a sério". Preferi me identificar com o time das bem-humoradas que se vangloriavam, na saída do cinema: "Igualzinha a mim". Mas depois pensei em alguém assobiando às 7h da matina e decidi relativizar a questão. Talvez não suportasse a Poppy antes das 10h.

O fato é que o conceito de felicidade ― como um estado, e não um instante ― é um tanto individual. Há quem simplesmente a rechace, por identificá-la com paz, harmonia e chatice. No documentário Vinicius, de Miguel Faria Jr., Edu Lobo conta a confusão que foi a tentativa de se traduzir uma letra de Vinicius de Moraes. Tom Jobim, então nos Estados Unidos, havia adorado os versos "Foi a vida / Foi o amor quem quis / É melhor viver / Do que ser feliz". Quis utilizá-los em inglês, mas, conversando com o tradutor, percebeu o tamanho de seu desafio. Diante da transposição literal dos versos ("It´s better to live than be happy"), o tradutor se exaltou, convicto do erro de Jobim, que teria trocado "and" por "than". "Tom achou graça e comentou que o viver de Vinicius era completamente diferente do viver dos americanos", conta Edu no documentário.

Outro que também costuma defender por aí uma "vida interessante", em vez de uma "vida feliz", é o psicanalista Contardo Calligaris. Ou seja, a intensidade, em busca da tal felicidade, nos seria suficiente, talvez o máximo que deveríamos almejar. Eu tendo a concordar com Vinicius, Calligaris e companhia, mas acrescentaria que uma boa dose de humor e otimismo, à la Poppy, pode tornar a tarefa (viver) ainda mais agradável. Para fechar, dou a palavra a Ferreira Gullar, tintim por tintim, também no documentário Vinicius:

"Acho que a vida é uma invenção. Você pode inventar pro ruim ou inventar pro bom. Tenho horror a caras que ficam sempre pra baixo, falando da 'verdade sobre a existência'. Mentira, ninguém sabe qual é a verdade. Acho Beckett um chatola. Se você escolhe dizer que tudo é uma merda, que nada tem sentido, pode até ganhar o prêmio Nobel, mas não vai ajudar ninguém. Prefiro o cara que bota a vida pra cima. Já que ninguém sabe qual é a verdade, por que vou botar pra baixo?"

Vinicius de Moraes, conclui Gullar, ajuda a gente a viver. Daquele jeito, que os americanos não compreendem muito bem.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 24/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos
03. Um Furto de Ricardo de Mattos
04. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
05. Contra a breguice no Facebook de Marta Barcellos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2009
15h24min
Sempre desconfiei de pessoas que se dizem felizes todo o tempo. Felicidade é uma colcha de retalhos, um Lego que a gente vai montando. Tive uns três momentos de felicidades hoje. Tomando um delicioso café da manhã, pedalando pela orla numa manhã ensolarada do outono carioca e lendo o seu texto, ouvindo uma boa música. São 15h20 e não sei se terei mais felicidade por hoje. Espero que sim. Pode ser loucura, mas acho que a gente vai ficando mais feliz à medida que envelhece, pois valorizamos mais essas pequenas partículas de felicidade, enquanto que na juventude estamos sempre esperando GRANDES empregos, GRANDES amores, GRANDES experiências sexuais ou GRANDES aquisições materiais. bjs.
[Leia outros Comentários de Julio Corrêa]
26/4/2009
19h42min
Felicidade é mais rápida do que se pensa. Rapidamente vai embora quando você consulta seu saldo bancário.
[Leia outros Comentários de Renato]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Schmidt Libertado
Louis Begley
Companhia das Letras
(2002)



Através do Tempo
Francisco Cândido Xavier
Lake
(1972)



Contos de Aventuras e Magia das Mil e uma Noites
Leontina Barca
Principio
(2007)



Triste Fim de Policarpo Quaresma
Lima Barreto
Ática
(1993)



Andrea Salgado
Andrea Salgado
Rio
(2005)



Árvores e Madeiras Úteis no Brasil - Manual de Dendrologia Brasileira
Carlos Toledo Rizzini
Edgard Blücher
(1995)



The New Tycoons
Jason Kelly
Bloomberg Press
(2012)
+ frete grátis



Museu Pelé
Gino Caldatto Barbosa; Ney Caldatto Barbosa
Magma Cultural
(2014)



Como Ser Feliz o Tempo Todo - 1ª Edição
Paramahansa Yogananda
Pensamento
(2008)



Os Melhores Contos
Rubem Braga
Global
(1999)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês